TRABALHO DE QUÍMICA- AS TRÊS TEORIAS PRINCIPAIS DOS MODELOS ATÔMICOS.

Colégio e Escola Técnica Triângulo

TRABALHO DE QUÍMICA- AS TRÊS TEORIAS PRINCIPAIS DOS MODELOS ATÔMICOS.

Aluna: brendha fernanda. 1 enf.

Resumo

Um fator importante para o desenvolvimento da química como ciência foi a racionalização dos conhecimentos empíricos obtidos, procurando criar as teorias racionais e simplificar, de forma coerente, as informações obtidas.

A história da química está inteiramente ligada ao desenvolvimento do homem, aos alquimistas para ser mais preciso, já que realizavam experimentos em laboratórios improvisados. Através de análises de transformação da matéria, por exemplo, obtiveram as teorias correspondentes.

Sendo assim, as teorias passaram a existir a partir da curiosidade humana em explicar certos fatos da natureza. Perguntas como: Por que os gases se comportam de uma determinada maneira quando é exercida certa pressão sobre eles? Respostas ou explicações para tal pergunta recebem o nome de Teorias, e somente tentativas de respostas entende-se como hipóteses. Mas como surgiram as Teorias?

O progresso científico se deve às teorias já propostas por físicos e químicos famosos. Temos várias teorias para explicar o modelo atômico: Teoria atômica de Dalton, de Thomson, de Rutherford até chegarmos ao átomo de Niels Bohr que é usado até hoje porque superou todas as outras teorias propostas, e ainda não surgiu nenhuma outra que explique melhor o átomo.

Para uma teoria fazer sucesso, como essa de Bohr, é preciso que tenha habilidade em sugerir novas propriedades e comportamento dos átomos, ou seja, é preciso que supere todas as outras já mencionadas. Através de novos experimentos a teoria é testada e pode se tornar confiável, mas se não, é abandoada e parte-se para uma nova, mais coerente.

Contudo, a teoria é uma descrição da realidade e não a realidade propriamente dita. Por mais preciso que seja um modelo teórico, ele é apenas um modelo idealizado por seres humanos onde as observações e os experimentos podem não retratar fielmente a realidade.

Palavras-chave: Trabalho de química

Abstract

An important factor for the development of chemistry as a science was the rationalization of the empirical knowledge obtained, seeking to create the rational theories and to simplify, in a coherent way, the information obtained.

The history of chemistry is entirely linked to the development of man, to the alchemists to be more precise, since they performed experiments in improvised laboratories. Through analysis of the transformation of matter, for example, they obtained the corresponding theories.

Thus, the theories come to exist from the human curiosity to explain certain facts of the nature. Questions like: Why do gases behave in a certain way when some pressure is exerted on them? Answers or explanations for such a question are called Theories, and only attempts at answers are understood as hypotheses. But how did the Theories come about?

Scientific progress is due to theories already proposed by famous physicists and chemists. We have several theories to explain the atomic model: Atomic theory of Dalton, Thomson, Rutherford until we reach the atom of Niels Bohr that is used until today because it surpassed all the other theories proposed, and no other one that better explains the atom .

For a theory to succeed, such as Bohr’s, it must be able to suggest new properties and behavior of the atoms, that is, it must surpass all others already mentioned. Through new experiments the theory is tested and can become reliable, but if not, it is abandoned and departs for a new, more coherent one.

However, theory is a description of reality and not reality itself. However precise a theoretical model is, it is only a model idealized by humans where observations and experiments may not accurately portray reality.

Palavras-chave: Chemistry work

Introdução

Cada substância no universo, rochas, mar, ser humano, os planetas e até mesmo as mais distantes estrelas são inteiramente feitos de partículas minúsculas chamadas átomos, que são pequenos demais para serem fotografados.

Essas pequenas partículas são estudadas na Química (ciência que cresceu na meia-idade) e na Física.

Para entender a complexidade desses átomos, diversos cientistas, como Rutherford, Dalton, Bohr e Thomson, articularam várias teorias. No século XIX, as diferentes leis de combinação e a tabela periódica dos elementos, criada em 1871, reforçaram o estudo da constituição dos átomos.

Após séculos de estudos sobre a interpretação da composição, propriedades, estruturas e transformações destas minúsculas partículas, chegou ao modelo que conhecemos hoje.

DesenvolvimenTO

TEORIASTEORIAShttp://www.vidrariadelaboratorio.com.br/wp-content/uploads/2015/11/origem-da-vida-quimica.jpg

                                  MODELOS  ATÔMICO
S

1. Modelo Atômico de Dalton

Em 1808, o professor inglês John Dalton propôs uma explicação da natureza da matéria. A proposta foi baseada em fatos experimentais. Os principais postulados da teoria de Dalton são:

1. “Toda matéria é composta por minúsculas partículas chamadas átomos”.

2. “Os átomos de um determinado elemento são idênticos em massa e apresentam as mesmas propriedades químicas”.

3. “Átomos de diferentes elementos apresentam massa e propriedades diferentes”.

4. “Átomos são permanentes e indivisíveis, não podendo ser criados e nem destruídos”.

5. “As reações químicas correspondem a uma reorganização de átomos”.

6. “Os compostos são formados pela combinação de átomos de elementos diferentes em proporções fixas”.

A conservação da massa durante uma reação química (Lei de Lavoisier) e a lei da composição definida (Lei de Proust) passou a ser explicada a partir desse momento, por meio das ideias lançadas por Dalton.

2. Modelo Atômico de Thomson

Pesquisando sobre raios catódicos e baseando-se em alguns experimentos,J.J. Thomson propôs um novo modelo atômico. Thomson demonstrou que esses raios podiam ser interpretados como sendo um feixe de partículas carregadas de energia elétrica negativa. A essas partículas denominou-se elétrons. Por meio de campos magnético e elétrico pôde-se determinar a relação carga/massa do elétron.

Consequentemente, concluiu-se que os elétrons (raios catódicos) deveriam ser constituintes de todo tipo de matéria pois observou que a relação carga/massa do elétron era a mesma para qualquer gás empregado. O gás era usado no interior de tubos de vidro rarefeitos denominadas Ampola de Crookes, nos quais se realizavam descargas elétricas sob diferentes campos elétricos e magnéticos.

Esse foi o primeiro modelo a divisibilidade do átomo, ficando o modelo conhecido como “pudim de passas”. Segundo Thomson, o átomo seria um aglomerado composto de uma parte de partículas positivas pesadas (prótons) e de partículas negativas (elétrons), mais leves.

3. Modelo Atômico de Rutherford

Em 1911, Ernest Rutherford, estudando a trajetória de partículas a (partículas positivas) emitidas pelo elemento radioativo polônio, bombardeou uma fina lâmina de ouro. Ele observou que:

– a maioria das partículas a atravessavam a lâmina de ouro sem sofrer desvio em sua trajetória (logo, há uma grande região de vazio, que passou a se chamar eletrosfera);

– algumas partículas sofriam desvio em sua trajetória: haveria uma repulsão das cargas positivas (partículas a) com uma região pequena também positiva (núcleo).

– um número muito pequeno de partículas batiam na lâmina e voltavam (portanto, a região central é pequena e densa, sendo composta portanto, por prótons).

 

Diante das observações, Rutherford concluiu que a lâmina de ouro seria constituída por átomos formados com um núcleo muito pequeno carregado positivamente (no centro do átomo) e muito denso, rodeado por uma região comparativamente grande onde estariam os elétrons.

Nesse contexto, surge ainda a ideia de que os elétrons estariam em movimentos circulares ao redor do núcleo, uma vez que se estivesse parados, acabariam por se chocar com o núcleo, positivo.

O pesquisador acreditava que o átomo seria de 10000 a 100000 vezes maior que seu núcleo.

Conclusão

Para poder ser entendida como ciência a química teve de passar por alguns longos processos de estudo e embasamento para que pudesse então ser incorporada em nossos estudos essenciais. Para isto foi necessária a colaboração de alguns estudiosos de diferentes épocas que contribuíram para a construção desta ciência hoje indispensável em nosso dia a dia, eles estudaram a fundo e fizeram experimentos que comprovavam a veracidade da teoria que levantavam. A química é então um conjunto de teorias que nos faz entender melhor as reações que ocorrem ao nosso redor.

Dentre os estudiosos mais citados podemos mencionar John Dalton, Thompson, Rutherford e Niels Bohr que ao compartilharem seu conhecimento contribuíram grandiosamente para a evolução da ciência. Eles são os pais das teorias químicas, cada um vivendo em época e circunstâncias diferentes, o que proporcionou que uma teoria tivesse a outra como base de estudo e assim fosse mais confiável e avançada em termos de conhecimento. Vejamos abaixo um pouco sobre cada uma destas teorias.

feito

Use agora o Mettzer em todos
os seus trabalhos acadêmicos

Economize 40% do seu tempo de produção científica