TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ADVENTISTA DE SÃO PAULO

Engenharia Agronômica

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

ROBERTA CHRISTIANA CRUZ

Orientador: Argus Cezar da Rocha Neto

Introdução

A soja por sua vez, tem grande importância socioeconômica, além de ter um papel de destaque na pauta das exportações brasileiras, sendo que o Brasil é o segundo maior produtor mundial de grão.  (Barbosa CenturionFerraudo, 2014). Desta forma, essa cultura alcança grande parte do mercado americano, visando o seu potencial proteico, almpliando o seu aproveitamento e tornando-se nutriente basico no cardapio m uma parcela significativa da população, por possuir ampla importancia socioeconomica, e alem de tudo tem um vasto papel de destaque nas exportações brasileiras. Cerca de 7% da produção mundial, destina-se diretamente à alimentação humana e ao desenvolvimento de sementes. Os 93% restantes são usados para o processamento do complexo soja, ração animal na forma de farelo ou concentrado proteico. Do grão, a indústria alimentícia extrai diversos componentes nutricionais: óleo, proteínas, fibras e resíduos. (Inoue, 2019).

Mas, essa cultura que vem sendo tão relevante para a população, que pode estar prestes a ter um grande colapso, pelo aumento do índice de resistência do maior vilão da Soja, Phakopsora pachyrhizi, conhecida mundialmente como ferrugem asiática da soja (FAS), é um fungo biotrófico, o qual necessita de tecido vivo para sobreviver, os esporos desse patógeno pode se disseminar pelo vento depositando-se sobre as folhas da soja, e em condições favoráveis com temperatura entre 18 e 26° C e molhamento foliar de pelo menos seis horas (ideal de 12 a 14 horas), os esporos germinam e o fungo pentra na folha, rompendo a epiderme, sendo assim um dos diferenciais da FAS para outras doenças da soja, (Henning, 2014) portanto, por reduzir a eficiência e a duração da aérea foliar e por possuir uma rápida expansão e consequentemente a redução de rendimento que inviabiliza a colheita, sendo capaz de gerar danos variando de 10% a 90 % em diferentes regiões.(Godoy, 2019).

A ferrugem asiática da soja, no Brasil, vem causando perdas muito significativas na produtividade, consequentemente aumentando os custos de produção, sendo assim, na safra de 2003/2004 pode atingir grande parte das áreas de plantio do país, contendo algumas exceções, como Estados de Roraima e do Amapá, chegando a um prejuízo estimando de 4,6 milhões de toneladas que corresponde a cerca de US$1,22 bilhão de dólares. (Peixoto, 2012).

Dentre as safras 2016/2017, estudos apontaram que o custo para produtores de soja para o controle de doenças com fungicidas foi de R$ 8,3 bilhões, sendo que esse valor corresponde a 96% do gasto para controle da FAS, mas caso os produtores optassem por não utilizar fungicidas para controle da Phakospora, poderiam economizar até R$ 5,75 bilhões, mas consequentemente teriam uma queda de até 30% da oferta estimada, e mesmo com toda a elevação dos preços não seria o suficiente para escapar da queda da receita bruta, de 13,9%. Em vista disso, produtores ficariam comprometidos com uma perda de aproximadamente R$ 11,7 bilhões. (CEPEA, 2019).

Portanto, o controle químico atualmente é a ferramenta mais viável para evitar perdas, tornando-se o principal método controle para este patógeno, pelo fato do fungo possuir uma ampla variabilidade genética, isso faz com que as fontes de resistências sejam suplantadas facilmente (Peixoto, 2012) , e consequentemente uma menor sensibilidade dos fungos aos fungicidas tem sido relatada em diversas regiões.

. A aplicação de fungicidas tornou-se basicamente a principal forma de controle de doenças fúngicas, principalmente no controle da FAS, por mais que os produtores venham aderindo à técnicas como uso de cultivares resistentes e/ou tolerantes, a eficácia de controle por meio a aplicação de produtos químicos está vinculada aos demais métodos de manejo e prevenção para a doença  (Oliveira et al., 2015). Os produtos que apresentam melhor desenvolvimento de redução na disseminação deste patógeno são os triazóis, estrobilurinas, carboxamidas, morfolinas, ditiocarbamatos e isoftalonitrilas. Mas, produtos a base de triazóis, estrobilurinas e carboxamidas, vem apresentando melhores níveis de controle quando misturados, por exemplo, a estrobilurinas, sendo estes grupos químicos distintos, especificamente em virtude a resistência da praga a moléculas de sitio específico de ação acarretando a diminuição de eficácia quando aplicados isoladamente, como é o caso dos triazóis. Por esses acontecimentos, em 2016, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) suspendeu o registro de 63 fungicidas utilizados no controle da ferrugem em soja, estando disponíveis atualmente apenas 48 produtos (NANUCI, 2019).

Por consequência, o desempenho dos químicos para este controle, tem se intensificado, pelo grande numero de aplicações de fungicidas com o modo de ação especifico e continuo, assim, visto que com algumas alterações de genes, mutações, os patógenos conseguem adquirir certa resistência a determinados produtos, nestes casos, os agroquímicos múltiplos sítios, por necessitarem de varias alterações genéticas, visto que, cada molécula atua de determinada maneira sucessivamente distintas nos organismos alvos, de modo consequente dificulta o desenvolvimento da resistência (NANUCI, 2019).

Dessa forma, o objetivo deste trabalho poderá trazer diferentes modos de ação influenciando assim na eficácia em relação ao patógeno estudado. Sendo assim, iremos trabalhar com oito tratamentos, referindo-se aos seguintes modos de ação mediante a tabela do FRAC, contendo um controle positivo (testemunha), um controle negativo (C3 e GI), B1, C6, BM 01, BM 02, P01 e M3. Em vista disso, tentaremos trazer bons resultados e oferecer outras ferramentas para diminuir a pressão de seleção para o patógeno mais imprudente e desprezível para a cultura primordial no Brasil.

Desenvolvimento

A pesquisa bibliográfica é o primeiro passo de um trabalho científico. Por meio dela é possível coletar e verificar a parte teórica sobre os temas e assuntos que serão de interesse no andamento do trabalho científico (DMITRUK, 2001).

Selecione este parágrafo inteiro e logo em seguida, quando abrir a barra de ferramentas, clique na opção Transformar em Citação Direta Longa. Pronto, o parágrafo será recuado em 4 centímetros, com a fonte no tamanho 10, perfeitamente de acordo com as Normas da ABNT e sem complicações.

Título secundário

Título de teste

Selecione as palavras 'Título de teste', quando abrir a barra de tarefas vá em 'títulos' e clique em Título Secundário. Pronto, você criou um novo título, a numeração, paginação e sumário são feitos automaticamente. Confere lá!

Título terciário

Título quaternário
Título quinário

Sempre que você começar um novo parágrafo aparecerá uma barra de tarefas especial para você adicionar ilustrações. Após adicionadas, as ilustrações serão enumeradas, enviadas para a lista e paginadas automaticamente. Sempre que você parar de digitar aparecerá uma pequena barra de tarefas para você adicionar uma referência na citação, assim você poderá se certificar que todo conteúdo citado no trabalho foi adicionado na lista de referências.

Fotografia 1 — Formatação automática nas Normas ABNT
Formatação automática nas Normas ABNTO autor (2021)

É isso jovem. Agora é só apagar tudo e começar o seu trabalho pra valer. Não esqueça de compartilhar com o seu orientador. Boa sorte! :)

Conclusão

Aqui você irá escrever a conclusão do seu trabalho.

Referências

Barbosa Giselle Feliciani ; CenturionMaria Aparecida Pessôa da Cruz ; FerraudoAntonio Sergio . POTENCIAL DO MANEJO INTEGRADO DA FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA: SEVERIDADE DA DOENÇA, DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO E COMPONENTES DA PRODUÇÃO, CULTIVAR MG/BR-46 (CONQUISTA). Original Article. Uberlandia , 2014. Disponível em: http://200.19.146.79/index.php/biosciencejournal/article/view/15037/14483. Acesso em: 28 mar. 2021.

CEPEACentro de Estudos Avançados em Economia Aplicada. Soja: ferrugem asiática pode causar perdas de até R$ 12 bilhões. Globo Rural. São Paulo , 2019. Disponível em: https://www.canalrural.com.br/noticias/agricultura/soja/soja-ferrugem-asiatica-pode-causar-perdas-de-ate-r-12-bilhoes-diz-cepea/. Acesso em: 29 mar. 2021.

GodoyClaudia Vieira et al. Eficiência de fungicidas para o controle da ferrugem-asiática da soja, Phakopsora pachyrhizi, na safra 2018/19: resultados sumarizados dos ensaios cooperativos. EMBRAPA. Londrina, 2019. 10 p. Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/199522/1/CT-148-OL.pdf. Acesso em: 28 mar. 2021.

HenningAdemir Assis et al. Manual de identificação de doenças de soja. 5. ed. Londrina: EMBRAPA, f. 78, 2014. 76 p.

InoueLetícia . Cultura da soja: sua importância na atualidade. Agromove. 2019. Disponível em: https://blog.agromove.com.br/cultura-soja-importancia-na-atualidade/. Acesso em: 29 mar. 2021.

NANUCIRicardo Lopes. APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS MULTISSÍTIOS EM MISTURA E DE FORMA ISOLADA NO MANEJO DA RESISTÊNCIA DE Phakopsora pachyrhizi NA SOJA. Urutaí, 2019. Dissertação (Pós-Graduação em Proteção de Plantas) - Instituto Federal Goiano – Campus Urutaí, Urutaí, 2020.

OliveiraGustavo Migliorini de et al. Fosfito e silicato de potássio no controle da ferrugem asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi Syd. & P. Syd). RBCA AGRÁRIA, PERNAMBUCO, v. 10, p. 60-65, 26 01 2015.

PeixotoClovis P. et al . Perdas causadas pela ferrugem-asiática em cultivares de soja semeadas em diferentes épocas, no Oeste da Bahia. Scielo . Brasilia , 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-56762012000400004. Acesso em: 29 mar. 2021.

VidorCaio et al. Tecnologias de Produção de Soja - Região Central do Brasil 2004: Sistemas de Produção. Embrapa, Londrina, Set. 2003.

Use agora o Mettzer em todos
os seus trabalhos acadêmicos

Economize 40% do seu tempo de produção científica