PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR

UNIVERSIDADE PAULISTA

PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR

Orientador:

Resumo

Este é o resumo do seu projeto. Ele é um elemento obrigatório pelas normas da ABNT e o tamanho recomendado é de 150 a 500 palavras. Nele você deve apresentar de forma sintética os pontos principais do trabalho. Utilize a terceira pessoa do singular, na voz ativa. Procure utilizar frases claras, afirmativas e evite enumeração de tópicos. Ressalte o objetivo, o método, os resultados e as conclusões obtidas no estudo. A primeira frase deve destacar o tema principal do trabalho. Abaixo do resumo você encontra as palavras chave, que serão utilizadas para a catalogação dos trabalhos na biblioteca. Utilize de 3 a 5 palavras separadas por ponto.

Palavras-chave: Mettzer. Formatação. Trabalho acadêmico.

Abstract

This is your abstract. The abstract follow the same rules from Resumo, and usually is it's translation. The same rules are applied to the keywords.

Keywords: Mettzer. Formatting. Academic work.

Introdução

Aqui você irá escrever a introdução do seu trabalho.

Desenvolvimento

Representação no Cisco Packet Tracer

Abaixo uma imagem que contempla o mapeamento de dispositivos finais, switches e roteadores do parque tecnológico de ambos os prédios.

Diagrama 1 — Parque Tecnologico Sucursal e Matriz
Parque Tecnologico Sucursal e MatrizCisco Packet Tracer

Todo o desenvolvimento estará alicerçado com esta representação, ele apresentará explicação sobre detalhes técnicos e decisões relevadas ao construir a mesma. 

Basicamente temos uma rede Wide Area Network (WAN), cuja conexão é possível por meio de um Internet Service Provider (ISP).


Link Utilizado

A conexão dentre as duas redes locais, além de velocidade também necessita de segurança. Os datagramas que trafegam entre uma rede e outra podem ser de certa forma interceptados, ou manipulados. Contendo informações sensíveis tanto dos usuários quanto da empresa. Isto representa um risco a privacidade dos ambos, tendo em vista que crimes semelhantes não são realidades distantes.

Em Tecnologia da Informação no geral, comumente depara-se com o dilema segurança versus facilidade (se tratando de performace e usabilidade no geral), onde geralmente investir muitos recursos em algum destes lados pode acarretar em algum impacto negativo no outro.

 Redes empresariass podem tornar-se alvos de criminosos cibernéticos que interc as informações enviadas entre uma LAN e outra. Para evitar este tipo de problema, é aconselhável optar por recursos mais seguros como Virtual Private Network’s (VPN).

Algumas definições válidas para o papel das VPN's serião:

“Um Virtual Private Network (VPN) é uma grande maneira de conectar trabalhadores remotos a uma rede assegurada. Um VPN permite que um host remoto atue como se foram conectados à rede assegurada no local. Em um VPN de Site-para-Site, o roteador local em um lugar conecta a um roteador remoto através de um túnel VPN. Este túnel encapsula dados firmemente usando a técnica de autenticação e criptografia do padrão para indústria aos dados seguros que são enviados.” (CISCO, 2020).


“Virtual Private Network (VPN) é uma conexão segura baseada em criptografia. O objetivo é transportar informação sensível através de uma rede insegura (Internet).” (Moraes, 2010).

É possível identificar pontos primordiais que se encaixam neste cenário:

  • Utilizadas em conexões remotas; 
  • Aplicáveis especialmente em ambientes relacionados ao trabalho;
  • Utiliza criptografia para ocultar estes dados enquanto trafegam.

Além disto,  Moraes (2010) cita alguns benefícios do uso de VPN's em ambientes corporativos:

  • Menos custo (relativo à linha privada) - mais de 50% de redução
  • Solução escalável;
  • Menor chance de falha;
  • Facilidade de gerenciamento;
  • Em algumas modalidades paga apenas o uso;
  • Utiliza menos equipamentos; (Moraes, 2010).

Embora, conexões VPN implementadas por meio de software tendam a afetar negativamente a velocidade da conexão, estas garantem a integridade e confidencialidade das informações da empresa, são opções financeiramente mais relevantes em relação a equipamentos dedicados com funções similares e diminuem a complexidade de implementação. Desta forma pode-se utilizar a estrutura comum da rede mundial de computadores (internet) mas com o diferencial da criptografia via conexão remota, a velocidade de comunicação entre os hosts variará de acordo com o plano de internet provido para a SHOW.IE por meio do ISP. Portanto, utilizar VPN's ao invés de links dedicados é o ideal para empresas que desejam acessar escritórios remotos de maneira segura e sem gastos exorbitantes em contextos técnicos.

Figura — Funcionamento Básico de uma VPN
Funcionamento Básico de uma VPNhttps://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/e/e8/VPN_overview-en.svg/330px-VPN_overview-en.svg.png


Tipo de Fibra-Optica utilizada na conexão entre os roteadores e Swtiches

Segundo Moraes (2010) cabos de fibra óptica (FO) podem ser utilizados em diversas situações, dentre elas em redes LAN como neste caso, onde possivelmente a distância de um equipamento ao outro é maior do que a permitida em cabos de cobre. O autor ainda cita que os FO's podem ser classificados como multimódo e monomódo. 


Figura — Comparatido entre camadas de Fibras Multimódo e Monomodo
Comparatido entre camadas de Fibras Multimódo e Monomodohttps://condufibra.com.br/wp-content/uploads/2017/10/fibra-otica.jpg

De forma mais simplista possível, pode-se dizer que as fibras multimodo enviam vários feixes de luz simultâneamente, enquanto as monomódo enviam apenas um (Oliveira). Em detrimento disto, as fibras monomódo possuem capacidade de transferência e alcance de conexão superiores a fibras multimódo. Abaixo vemos uma comparação técnica:

Tabela — Comparação Técnica Fibras Multimódo e Monomodo
   
CaracterísticaMultimódoMonomódo
Alcance2km100km
Velocidade máxima1.2 Gbps100 Gbps
Fonte de luzLED'sLaser de alta capacidade
ConectorarizaçãoSimplesComplexa, na maioria das
vezes substituída por fusão
Atenuação1 db/km a 6 db/km0,25 db/km a 0,45 db/km
Banda Passante20 MHz a 1.2 GHz 
Adaptado de Moraes (2010)

Observando a tabela acima, erroneamente supoôe-se que as fibras monomódo devem ser escolhidas em todos os casos por possuirem características técnicas relativamente superiore. Todavia, vale lembrar que em LAN's onde a corporação representa um pequeno prédio ou escritório, é comum o uso de fibras multimódo (Oliveira) , já que todos os recursos técnicos suportados nas fibras monómodo poderiam ser desperciçados por não serem necessários. Portanto na conexão entre roteadores e switches tanto na sucursal quanto na matriz da SHOW.IE é aconselhável o uso de fibras monomódo, que atendem a pequena demanda entre os dois equipamentos distintos.

Topologias Fìsicas

Classes IPV4 Aplicadas na Matriz e Sucursal

Segundo Information Sciences Institute University of Southern California (1981), o Internet Protocol (IP) provê um endereço aos hosts de origem e destino para um datagrama, é  a numeração lógica que representa um dispositivo em uma Rede. De roteadores profissionais da Internet, passando por Redes Wireless domésticas e Modens 3G, todo dispositivo requer um endereço IP para se conectar uns com os outros. Sua versão mais utilizada IPV4 possui endereços formados por quatro grupos de números decimais separados por ponto que vão de 0 a 255 Exemplos utilizados no CPT: 192.168.1.1, 172.168.0.1, 10.0.0.1, 11.0.0.1.

É viável optar pela classe C que atenderá as necessidades tanto da 2SHOW.IE quanto da Sucursal, e consequentemente, haverão outros endereçamentos disponíveis visando uma possível  expansão (Ao todo, serão 254 endereços disponíveis).  Abaixo, as figura representam situações onde melhor se aplicam cada classe de endereçamento IPV4.

Figura — Tabela com especificações das classes IPV4, incluindo sua quantidade de host's disponíveis
Tabela com especificações das classes IPV4, incluindo sua quantidade de host's disponíveishttps://lh3.googleusercontent.com/proxy/cbeHmKG8CwmXLHw9VmlMBoTHSujfp7Q6yCm-D4xptBfHycHTqnT3Yt69Cq6acbtnD5i-YrRTNHLCsQ_gyLS5JkGhVriamY5ZGXmeWeuz1w

Máscara de Sub-rede

O protocolo IPV4 ainda  largamente utilizado em contextos diversos, junto a estes temos o conceito das máscaras de sub-rede, que basicamente nos apontam quais partes do IP representam a rede e quais representam os hosts. (Miranda, 2015, com adaptações). Uma máscara de sub-rede pode ser representada de duas maneiras distintas, através de notação decimal(mais comum) e binária. Na notação decimal o número 255 indica porção de rede, enquanto o número 0 poção de host,  já na notação binária, o número 1 caracteriza porção de rede e 0 porção de host. 

Por exemplo, um IP 10.0.0.1 com uma máscara 255.0.0.0 (11111111.00000000.00000000.00000000) tem o “10” como porção de rede e “0.0.1” como porção de host. Não são a melhor forma de resolver problemas de topologia, mas uma forma satisfatória para problemas á nível de software.


Conclusão

Referências

CISCO. Configurando o VPN de Site-para-Site no RV34x. CISCO. 2020. Disponível em: . Acesso em: 6 out. 2020.

Information Sciences Institute University of Southern California. INTERNET PROTOCOL: DARPA INTERNET PROGRAM PROTOCOL SPECIFICATION. California, 1981. Disponível em: https://tools.ietf.org/html/rfc791. Acesso em: 6 out. 2020.

MirandaLuiz Otávio. CÁLCULO DE SUB-REDES IPV4. 2015. Disponível em: https://www.todoespacoonline.com/w/2015/06/calculo-de-sub-redes-ipv4/. Acesso em: 6 out. 2020.

MoraesAlexandre Fernandes de. Redes de Computadores: Fundamentos. 7. ed. São Paulo: érica, 2010.

OliveiraAdriano. Qual a diferença entre fibra monomodo e multimodo?. Revista Galileu. Disponível em: https://revistasegurancaeletronica.com.br/qual-a-diferenca-entre-fibra-monomodo-e-multimodo/. Acesso em: 6 out. 2020.

feito

Use agora o Mettzer em todos
os seus trabalhos acadêmicos

Economize 40% do seu tempo de produção científica