PREVALÊNCIA DE OBESIDADE E FATORES ASSOCIADOS EM ADULTOS

Universidade Sociedade Educacional de Santa Catarina

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNISOCIESC

CURSO DE GRADUAÇÃO EM Biomedicina

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE E FATORES ASSOCIADOS EM ADULTOS

LARA STOEBERL

NATALIE NASCIMENTO

Orientador: Gabriela Kozuchovski Ferreira

Resumo

Diante da importância que a obesidade tem hoje não apenas na saúde pública, como também nos mais diversos setores da vida social, bem como são escassos os estudos de base populacional em cidades de pequeno e médio porte, o presente estudo objetivou estimar a prevalência de obesidade e os fatores potencialmente causais no Planalto Norte Catarinense no ano de 2020. Esse estudo é transversal de base populacional, realizado em adultos acima de 18 anos. A obesidade foi diagnosticada por meio do índice de massa corporal (IMC ≥ 30 kg/m2). As variáveis independentes serão coletadas por meio questionário online e físico, como: idade, sexo, escolaridade, número de filhos, histórico familiar de obesidade, atividade física, raça/cor da pele, estado civil, hábito de fumar, frequência do uso de álcool, satisfação com o serviço, sobrecarga de trabalho, nível global de estresse, problemas de saúde (ansiedade, depressão, hipertensão e diabetes) e uso de medicação diversa. As medidas apresentadas serão a razão de chances (odds ratio [OR]) e o intervalo de confiança de 95% (IC95%). O estudo visa correlacionar variáveis dependentes e independentes para uma conscientização correta nesta região.

Palavras-chave: Obesidade; Epidemiologia; Estudos populacionais em saúde pública; Prevalência

Abstract

Given the importance that obesity has today not only in public health, but also in the most diverse sectors of social life, as well as the population-based studies in small and medium-sized cities, the present study aimed to estimate the prevalence of obesity and the potentially causal factors in the Planalto Norte Catarinense in the year 2020. This cross-sectional population-based study was carried out in adults over 18 years of age. Obesity was diagnosed using the body mass index (BMI ≥ 30 kg / m2). The independent variables will be collected through an online and physical questionnaire, such as: age, sex, education, number of children, family history of obesity, physical activity, race / skin color, marital status, smoking habit, frequency of alcohol use , satisfaction with the service, work overload, global level of stress, health problems (anxiety, depression, hypertension and diabetes) and use of different medication. The measures presented will be the odds ratio (OR) and the 95% confidence interval (95% CI). The study aims to correlate dependent and independent variables for a correct awareness in this region.

Keywords: Obesity; Epidemiology; Population studies in public health; Prevalence

Introdução

O mundo vem se desenvolvendo ao longo dos anos e com eles algum problemas de saúde pública vem crescendo cada vez mais. Estima-se que a obesidade atinge cerca de 700 milhões no mundo, e projeções para 2030, trazem a tona um cenário alarmante, sendo que o contingente pode ultrapassar a barreira de 1,2 bilhões de pessoas (POPKIN, et al. 2012). Dados da Organização mundial de saúde (OMS), em 2016, apresentavam 1,9 bilhões de adultos com sobrepeso, e destes, mais de 650 milhões tinham algum grau de obesidade. Desse modo, pode-se afirmar que cerca de 13% dos adultos no mundo eram obesos em 2016. 

Neste mesmo ano também se verificou que mais de 340 milhões de crianças e adolescentes no mundo, entre 5 e 19 anos, mostravam-se acima do peso ou apresentavam algum grau de obesidade (WHO, 2020). No Brasil, a média de frequência da obesidade nas 26 capitais mais o distrito federal é de 18,9%, variando de 15% em Florianópolis a 23,8% em Manaus (Ministério da Saúde, 2017). Quanto às projeções futuras mundiais, a OMS prevê que em 2025, cerca de 2,3 bilhões de adultos terão sobrepeso, 700 milhões terão obesidade e 75 milhões de crianças estarão acima do peso ou com alguma classificação de obesidade (WHO, 2020).

 Os fundamentos que levam ao aumento disparado da obesidade vão desde o desequilíbrio entre a ingestão e gasto de calorias pelos indivíduos, passando pelos fatores genéticos, socioeconômicos, ambientais e individuais, que podem afetar a patogênese da obesidade (BRAY e KIM, 2017; CASTRO, 2017). Estudos apontam que a pandemia da obesidade tem maior incidência em países menos desenvolvidos, principalmente na América Central, Oriente Médio e nas ilhas do pacífico e caribe. Em países mais desenvolvidos a obesidade está centralizada, principalmente, entre os moradores das áreas mais pobres e degradadas das grandes cidades e nas áreas rurais (POPKIN, et al. 2012; SMITH, KB, 2016; STEVENS, GA et al., 2012). Além dos fatores citados pode-se levar em consideração a indústria alimentícia, com seus produtos ultraprocessados com apelos de saúde e a influência do agronegócio, em busca de novos consumidores para seus alimentos industrializados (POPKIN, et al. 2012).

A maior preocupação em volta do aumento descontrolado da obesidade é que sua presença pode levar a outras doenças como: câncer, diabetes, hipertensão, acidente vascular cerebral e doenças cardiovasculares, doenças renais crônicas, dentre outras. Tornando assim esse fator um desafio para as políticas públicas de saúde (CANCELLO, 2006; STEVENS, GA et al., 2012; WANNMACHER, 2016; CASTRO, 2017). O Brasil é um país que se tornou simbólico pela alta velocidade que passou de um país de subnutridos para se tornar um país de mal nutridos com excesso de peso, com um aumento consistente no diagnóstico médico de diabetes, hipertensão, doenças cardiovasculares, doenças renais e câncer (LIMA, NP et al. 2015; VIGITEL BRASIL, 2016; CASTRO, 2017; WHO, 2020).

Diante da importância que a obesidade tem hoje não apenas na saúde pública, como também nos mais diversos setores da vida social, bem como são escassos os estudos de base populacional em cidades de pequeno e médio porte, o presente estudo objetivou estimar a prevalência de obesidade e os fatores potencialmente causais no Planalto Norte Catarinense no ano de 2020.

HIPÓTESES

  • Aumento da obesidade está relacionada ao declínio do gasto energético nos indivíduos;
  • A obesidade tem relação ao ambiente profissional;
  • A obesidade tem relação a doenças mentais como ansiedade e depressão.


Objetivos

Objetivo geral

Verificar a prevalência de obesidade e os fatores potencialmente causais no Planalto Norte Catarinense no ano de 2020.

Objetivos específicos 

  • Verificar prevalência da obesidade no Planalto Norte;
  • Analisar os possíveis fatores causais da obesidade no Planalto Norte. 



Metodologia

O planalto norte catarinense compreende os 14 (quatorze) municípios que integram o Norte de Santa Catarina, a saber: Bela Vista do Toldo, Campo Alegre, Canoinhas, Irineópolis, Itaiópolis, Mafra, Major Vieira, Matos Costa, Monte Castelo, Papanduva, Porto União, Rio Negrinho, São Bento do Sul e Três Barras (HANISCH, 2006). São Bento do Sul se mantém como a maior cidade da região (e no 14º lugar no Estado), com 83 mil moradores, seguido por Mafra, Canoinhas, Rio Negrinho e Porto União. Sendo assim uma região ampla para definir as causas que podem levar a obesidade nesta região. O instrumento utilizado para a coleta de dados será um questionário com 23 perguntas (anexo 1), estruturado pelos autores, com o objetivo de obter informações sobre diferentes aspectos das condições de saúde da população adulta no Planalto Norte Catarinense. A equipe de campo será formada por 3 entrevistadores, graduandos do curso de biomedicina da UNISOCIESC no campus de São Bento do Sul. A divulgação será feita através de plataformas digitais.

Variável dependente  

A variável desfecho foi o IMC, obtida por meio da razão do peso corporal em quilos pela altura em metros elevada ao quadrado (IMC = peso/altura 2 ) disponíveis nas questões 2 e 3. Para este estudo, a obesidade foi classificada como IMC ≥ 30 kg/m2 (2). O peso corporal e a altura foram aferidos de acordo com a técnica preconizada pela OMS.

Variáveis independentes  

Variáveis demográficas

  • Idade: anos completos e colocado em questão aberta correspondente a questão número 1 do questionário; 
  • Sexo (questão 5 do questionário), sendo: feminino ou masculino; 
  • Estado civil (questão 6 do questionário) sendo: solteiro (a), separado (a), divorciado (a), viúvo (a), casado (a) ou com companheiro (a); 
  • Raça/cor da pele (questão 7 do questionário), sendo as alternativas: branca, preta e parda/outras/não informada; 
  • Número de filhos (questão 9 do questionário), sendo: sim ou não.

Variáveis socioeconômicas

  • Escolaridade (questão 8 do questionário), sendo as alternativas: ensino fundamental (completo, incompleto ou cursando), ensino médio/ técnico (completo, incompleto ou cursando), ensino superior (completo, incompleto ou cursando), pós-graduação (completo, incompleto ou cursando); 
  • Histórico familiar de obesidade (questão 22 do questionário) foi investigado se ambos os pais, ou pelo menos um deles, apresentavam obesidade.

Variável comportamental

  • Atividade física (questão 23 do questionário) o nível de atividade física foi categorizado como ativo e sedentário, segundo versão resumida em português do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) (15); 
  • A satisfação com o serviço (questão 10 do questionário), sendo as alternativas: muito insatisfeito, insatisfeito, indiferente, satisfeito ou muito satisfeito; 
  • Se o respondente mudaria de profissão e se sente sobrecarga de trabalho (questão 11 e 12 do questionário), podendo responder sim ou não; 
  • Hábito de fumar (questão 20 do questionário) não; sim; ex-fumante;
  • Frequência do uso de álcool (questão 21 do questionário) sendo: nunca; 1 vez por mês ou menos; 2 a 4 vezes por mês; 2 ou mais vezes por semana).

Variáveis de saúde

  • Nível global de estresse: autorreferido, relacionado às atividades laborais (nenhum, pouco, moderado, bastante, elevado); 
  • Problemas de saúde: a presença de algum ou alguns problemas de saúde (ansiedade; depressão; diabetes mellitus; pressão alta) sendo as alternativas sim ou não;
  • Uso de medicação diversa, sendo as alternativas: sim ou não.

CRITÉRIOS

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO

Indivíduos acima de 18 anos residentes do municípios presentes no Planalto Norte Catarinense no ano de 2020.

CRITÉRIOS DE EXCLUSÃO

  • Indivíduos abaixo de 18 anos que residem ou não nos municípios presentes no  Planalto Norte Catarinense no ano de 2020;
  • Indivíduos acima de 18 anos que não residem nos municípios presentes no Planalto Norte Catarinense no ano de 2020.

RISCOS

  • Invasão de privacidade;
  • Responder a questões sensíveis, tais como atos ilegais, violência, sexualidade;
  • Revitimizar e perder o autocontrole e a integridade ao revelar pensamentos e sentimentos nunca revelados; 
  • Discriminação e estigmatização a partir do conteúdo revelado; 
  • Divulgação de dados confidenciais (registrados no TCLE).
  • Tomar o tempo do sujeito ao responder ao questionário/entrevista.
  • Considerar riscos relacionados à divulgação de imagem, quando houver filmagens ou registros fotográficos.

Medidas, providências e cautelas que serão adotas frente aos riscos / danos 

  • Minimizar desconfortos, garantindo local reservado e liberdade para não responder questões constrangedoras. 
  • Garantir que os pesquisadores sejam habilitados ao método de coleta dos dados
  • Estar atento aos sinais verbais e não verbais de desconforto. 
  • Garantir a não violação e a integridade dos documentos (danos físicos, cópias, rasuras).
  • Assegurar a confidencialidade e a privacidade, a proteção da imagem e a não estigmatização, garantindo a não utilização das informações em prejuízo das pessoas e/ou das comunidades, inclusive em termos de auto-estima, de  prestígio e/ou econômico – financeiro.
  • Garantir que o material biológico e os dados obtidos na pesquisa serão utilizados exclusivamente para a finalidade prevista no seu protocolo e conforme acordado no TCLE. 

BENEFÍCIOS

O estudo propõe a coleta de dados referente a obesidade no Planalto Norte Catarinense no ano de 2020, visando coletar e correlacionar variáveis dependentes e independentes para uma conscientização correta nesta região. Esse alerta é de importância social para que esse problema seja reconhecido e combatido, uma vez que a abordagem precoce leva a prevenção de doenças de alta morbimortalidade relacionadas à obesidade.

METODOLOGIA DE ANÁLISE DE DADOS

Para o fechamento adotou-se a análise de dados a partir do índice de massa corporal (IMC) indicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A realização deste cálculo relevou na divisão quanto ao estado nutricional empregue para adultos, também determinada pela OMS, sendo quatro níveis: baixo peso (IMC < 18,5 Kg/m2), peso adequado (IMC ≥ 18,5 a < 25 Kg/m2), sobrepeso (IMC ≥ 25 a < 30 Kg/m2) e obesidade (IMC ≥ 30 Kg/m2). Para melhor impacto neste estudo, condensou-se estes quatro grupos nutricionais em apenas 3 grupos, sendo baixo peso e peso adequado; sobrepeso; e obesidade. Os questionários que serão obtidos e que forem preenchidos de forma completa, serão transcritos para o aplicativo Microsoft Excel e verificados com a utilização de pacote estatístico Stata.

No que se refere à análise dos dados estatísticos, será realizada uma análise descritiva das variáveis estudadas. Prevalência de sobrepeso e obesidade em adultos residentes do Planalto Norte Catarinense as categorias das variáveis independentes. Sendo o desfecho da pesquisa categórico nominal, a análise bruta e a análise ajustada serão feitas mediante regressão logística multinominal, determinando-se o grupo de ‘estado nutricional com baixo peso/peso adequado’ como a categoria de referência. A análise ajustada baseia-se no modelo hierárquico, construído para fins de controle dos possíveis fatores que podem levar a um viés, considerando-se como possíveis fatores associados aqueles indicados na literatura. As medidas apresentadas serão a razão de chances (odds ratio [OR]) e o intervalo de confiança de 95% (IC95%).


TCLE- TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE E FATORES ASSOCIADOS EM ADULTOS 

Dados da Organização mundial de saúde (OMS), em 2016, apresentavam 1,9 bilhões de adultos com sobrepeso, e destes, mais de 650 milhões tinham algum grau de obesidade. Desse modo, pode-se afirmar que cerca de 13% dos adultos no mundo eram obesos em 2016. Para preparar uma conscientização correta para adultos da região do Planalto Norte Catarinense e ter certeza de que existe de fato uma associação entre o excesso de peso e as variáveis independentes, estamos realizando este estudo.

Dessa forma, você está sendo convidado (a) a participar deste estudo, que será realizado Planalto Norte Catarinense no ano de 2020. A sua participação é voluntária. Para participar, é necessário ler atentamente este documento e ouvir nossas explicações em caso de dúvidas. Se você estiver interessado (a) em participar você deverá ler atentamente e assinar este documento.  


Procedimentos que serão realizados no estudo e duração do estudo

Os dados coletados com os procedimentos descritos serão anotados pelos Assistentes de Pesquisa e armazenados, em local apropriado na UniSociesc, para análise posterior. Todos os dados coletados serão mantidos em completo sigilo durante a condução do estudo, que tem previsão de duração máxima de 1 ano.


Privacidade e confidencialidade

Asseguramos que você não será identificado (a) e que será mantido o caráter confidencial das informações relacionadas à sua privacidade. Garantimos que seu nome não será exposto ou divulgado em qualquer tipo de apresentação ou publicação científica resultante desse estudo.

Obtenção de informações sobre a pesquisa

Garantimos que você tem o direito de receber respostas para quaisquer perguntas ou esclarecimentos de dúvidas a respeito dos procedimentos, riscos, benefícios e de outras situações relacionadas com esta pesquisa, desde que o acesso a essas informações não afete o direito de terceiros. O seu direito a informações relativas a esta pesquisa está assegurado, ainda que estas possam afetar a sua vontade de continuar participando. Você tem, também, o direito de optar por não receber informações sobre esta pesquisa.

Contatos

Muito obrigado pela sua atenção.

Prof.

Gabriela Kozuchovski Ferreira

Assinaturas  

Ao assinar abaixo, você confirma que leu as afirmações contidas neste termo de consentimento, que foram explicados os procedimentos do estudo, que teve a oportunidade de fazer perguntas, que está satisfeito (a) com as explicações fornecidas e que decidiu participar voluntariamente deste estudo. Uma via será entregue a você e outra deverá ser arquivada pelo investigador principal.

 ____________________________________

Nome do Sujeito de Pesquisa (letra de forma)

Data: ___/___/_______

Comitê de Ética em Pesquisa – Instituição: Plataforma Brasil


Cronograma

Tabela 1 — Cronograma 2020
Atividade/mêsAgoSetOut 
Definição dos temas, orientações e revisão bibliográficax   
Revisão bibliográfica, construção do projeto x x  
Entrega da versão inicial do pré-projeto para orientador  x  
Consideração das Correções  x 
Entrega final e submissão para comitê de ética da Plataforma Brasil   x 
Os autores (2020)


Referências

BrayGA; kimJPH. Obesity: a chronic relapsing progressive disease process. A position statement of the World Obesity Federation. Obs Rev. 2017. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/obr.12551/epdf. Acesso em: 28 ago. 2020.

Cancello R; Clément K. Is obesity an inflammatory illness? Role of low-grade inflammation and macrophage infiltration in human white adipose tissue. BJOG, p. 113, 2006.

castroIRR. Obesidade: surge fazer avançar políticas públicas para sua prevenção e controle. Cad Saúde Pública. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v33n7/ 1678-4464-csp-33-07-e00100017.pdf. Acesso em: 28 ago. 2020.

HanischAna Lucia et al. PLANO TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO PLANALTO NORTE CATARINENSE. Canoinhas, 2006. Disponível em: http://sit.mda.gov.br/download/ptdrs/ptdrs_territorio155.pdf. Acesso em: 1 out. 2020.

LIMANP et al. Evolução do excesso de peso e obesidade até a idade adulta, Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, 1982-2012. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v31n9/0102-311X-csp-31-9-2017.pdf. Acesso em: 1 set. 2020.

NelsonDL. Princípios de Bioquímica de Lehninger. Porto Alegre: Artmed, v. 6, 2014.

Popkin et al. Global nutrition transition and the pandemic of obesity in developing countries. Nutr Rev. 2012. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/ doi/10.1111/j.1753-4887.2011.00456.x/abstract. Acesso em: 31 ago. 2020.

SmithKB; SmithMS. Obesity Statistics. 2016. Disponível em: http://www.primarycare.theclinics.com/article/S0095-4543(15)00098-6/pdf. Acesso em: 1 set. 2020.

StevensGA et al. The Global Burden of Metabolic Risk Factors of Chronic Diseases Collaborating Group (Body Mass Index) National, regional, and global trends in adult overweight and obesity prevalences. Popul Health Metr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2020.

Vigitel Brasil. Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. . 2016. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/junho/07/vigitel_2016_jun17.pdf.. Acesso em: 31 ago. 2020.

WannmacherL. Obesidade como fator de risco para morbidade e mortalidade: evidências sobre o manejo com medidas não medicamentosas. Uso Racional de Medicamentos: fundamentação em condutas terapêuticas e nos macroprocessos da Assistência Farmacêutica. Disponível em: http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&alias=1535-obesidade-como-fator-risco- -para-morbidade-e-mortalidade-evidencias-sobre-o-manejo-com-medidas-nao-medicamentosas-5&category_slug=serie-uso-racional-medicamentos-284&Itemid=965. Acesso em: 30 set. 2020.

ANEXO A — Digite aqui o subtítulo

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA - UNISOCIESC

QUESTIONÁRIO DA PREVALÊNCIA DE OBESIDADE E FATORES ASSOCIADOS EM ADULTOS

Prezado respondente,

Este questionário enquadra-se numa investigação no âmbito acadêmico do curso de biomedicina, realizada na UNISOCIESC. Os resultados obtidos serão utilizados apenas para fins acadêmicos, sendo realçado que as respostas dos inquiridos representam apenas a sua opinião individual. O questionário é anônimo, não devendo por isso colocar a sua identificação em nenhuma das folhas nem assinar o questionário. Não existem respostas certas ou erradas. Por isso lhe solicitamos que responda de forma espontânea e sincera a todas as questões.

Obrigado pela sua colaboração.

1. Idade: _________

2. Altura: _________

3. Peso: _________

4. Cidade: _________

5. Sexo

☐Feminino ☐ Masculino

6. Estado civil

☐Solteiro (a) ☐Separado (a) ☐Divorciado (a) ☐Viúvo (a)

☐Casado (a) ou com companheiro (a)

7. Raça/cor da pele

☐Branca ☐Preta ☐Parda/outras/não informada

8. Escolaridade

Ensino fundamental ☐ completo ☐ incompleto ☐ cursando

Ensino médio/ técnico ☐ completo ☐ incompleto ☐ cursando

Ensino superior ☐ completo ☐ incompleto ☐ cursando

Pós-graduação ☐ completo ☐ incompleto ☐ cursando

9. Tem filhos?

☐Não ☐Sim

10. Qual sua satisfação com seu serviço?

☐Muito insatisfeito ☐Insatisfeito ☐Indiferente ☐Satisfeito ☐Muito satisfeito

11. Se pudesse, mudaria de profissão?

☐Não ☐Sim

12. No seu dia a dia, você acha que tem sobrecarga de trabalho?

☐Não ☐Sim

13. Como você considera seu nível de estresse diário?

☐Nenhum ☐Pouco ☐Moderado ☐Bastante ☐Elevado

14. Você tem algum problema de saúde?

☐Não ☐Sim

15. Você tem ansiedade?

☐Não ☐Sim

16. Você faz uso de medicação diversa?

☐Não ☐Sim

17. Você tem depressão?

☐Não ☐Sim

18. Você tem hipertensão?

☐Não ☐Sim

19. Você tem diabetes mellitus?

☐Não ☐Sim

20. Hábito de fumar

☐Não ☐Sim ☐Ex-fumante

21. Frequência que você faz uso de álcool

☐Nunca ☐1 vez por mês ou menos ☐2 a 4 vezes por mês ☐2 ou mais vezes por semana

22. História familiar de obesidade

☐Não ☐Pai ou mãe ☐Ambos (pai e mãe)

23. Atividade física

☐ Ativo ☐ Sedentário Agradecemos sua participação!

feito

Use agora o Mettzer em todos
os seus trabalhos acadêmicos

Economize 40% do seu tempo de produção científica