PLANEJAMENTO ESTRATÉTICO DE MARKETING

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

PÓS-GRADUAÇÃO EAD: GESTÃO DE MARKETING ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉTICO DE MARKETING

Danieli Guglielmi RA:91704413

Karina Cavalcanti RA :91704121

Luciene Bittencourt RA: 91703311

Priscila Oliveira de Andrade RA: 91700671

Renata Paula Jacobson Cerruti RA:91702811

Professor:
Celso Likio Yamaguti

Desenvolvimento

Os dados e informações deste trabalho acadêmico são confidenciais e não podem ser utilizados,
copiados ou publicados sem autorização da Informa Exhibitions. 


Vamos começar a montar um plano de marketing (T1)

A ESCOLHA

Dentro das possibilidades que tínhamos inicialmente para basearmos nosso projeto de planejamento estratégico tínhamos as empresas Central Nacional Unimed, Bayer e a Informa Exhibitions.

A Central Nacional Unimed é uma empresa voltada a comercialização de planos de saúde com foco em planos empresariais e proporciona a seus segurados atendimento em todo território nacional. Para atender a sua demanda a Unimed conta com diversos parceiros em todos os estados, assim aumentando a satisfação do paciente.

A Bayer, com mais de 150 anos no mercado farmacêutico desenvolvendo produtos para a saúde. O grupo Bayer está presente em 75 países no mundo tendo sua sede na Alemanha.

 A Informa Exhibitions, segunda maior promotora de feira de negócios (B2B) do país, presente no Brasil há 21 anos.

Após avaliarmos todas as possibilidades, optamos pela Informa Exhibitions principalmente devido as seguintes razões:

  • Case de Serviços – geralmente encontramos vários cases baseados em produtos e poucos na área de serviços. Assim, optando por fazer um case de uma prestadora de serviço aumentaremos nosso desafio e aprendizado.
  • Pronto retorno a informações – além do ponto já apresentado, a Informa Exhibitions foi a empresa a qual tivemos um rápido retorno das informações. 
  • Mercado onde a empresa está inserida – Outro fator que nos chamou a atenção foi o mercado que ela está inserida, uma vez que quando na maioria dos outros setores está em baixa, o mercado de feiras de negócios está em franco crescimento com uma previsão de crescimento de 4 % até 2019 (segundo dados dada AMR Globex Forecast) e em faturamento 0,03 % em relação ao percentual do PIB de participação em feiras de negócios, indicador chave da maturidade do mercado. Neste mercado, a Informa Exhibitions detém hoje 6, 2% do market share e a posição de segunda colocada no mercado brasileiro, atrás apenas da Reed Exhibitions e terceira posição no mercado Global atrás da Reed Exhibitions e UBM. 

A participação do mercado de feiras de negócios no Estado também despertou o interesse do grupo.

O Estado de São Paulo é o que mais promove eventos ligados ao setor, ao todo são realizados cerca de 800 feiras, exposições e congressos. Segundo a Ubrafe – União Brasileira dos Promotores Feiras, os eventos no próximo ano, deverão atrair cerca de 8 milhões de visitantes – sendo 47% desse total deverá ser composto por turistas nacionais e internacionais e 77% dos viajantes corporativos. Os eventos no Estado de São Paulo, segundo a Ubrafe, geram R$ 16,3 bilhões na economia local. As feiras de negócio reúnem cerca de 32 mil expositores nacionais e 6 mil expositores estrangeiros de vários setores da economia, atraindo aproximadamente 7,5 milhões de visitantes. Assim com números que nos demonstra a grande representatividade deste mercado para o Brasil e para São Paulo.

Com a missão de aproximar organizações e criar oportunidades reais de relacionamento e negócios, a Informa Exhibitions acredita que feiras de negócios, mídias digitais e publicações são plataformas de conhecimento e de relacionamento que impulsionam a economia brasileira.

Cenário atual da organização – A empresa está passando por uma grande reestruturação interna para adequação aos planos globais já existentes em outras unidades internacionais e a crescente concorrência nacional (que se fortalecem cada vez mais mercado) o que nos proporcionará uma visão estratégica da importância de cada etapa do planejamento e plano de marketing visto que está sendo realizado uma análise do portfólio de produtos, estrutura de marketing e estratégias organizacionais a médio e longo prazo.

DADOS DA EMPRESA

Dados da Empresa

EmpresaInforma Exhibitions
Ramo de atividade da empresa:Promotora de feiras de negócios (B2B)
Responsável da empresa:Marco Basso/ CEO

Adriana Vergílio (Gerente de MKT)

Localização da empresa:Edifício Padre Manuel da Nóbrega – R. Bela Cintra, 967 – Cerqueira César, São Paulo – SP, 01415-003

Os autores (2017)

Dados do Produto

Nome do ProdutoAgrishow 
Descrição do ProdutoConsiderada uma das três principais feiras de tecnologia agrícola do mundo e a maior e mais importante na América Latina, a Agrishow é vitrine das mais avançadas tendências e inovações tecnológicas para o agronegócio.

Idealizada pelas principais entidades ligadas, direta e indiretamente, ao agronegócio brasileiro, como ABAG – Associação Brasileira do Agronegócio, Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, Anda – Associação Nacional para Difusão de Adubos, Faesp – Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo e SRB – Sociedade Rural Brasileira, a Agrishow é organizada pela Informa Exhibitions. Ela é palco do sucesso do agronegócio brasileiro.

Para participar do evento, é necessário adquirir um estande para demonstração de serviços e produtos aos compradores que visitam o evento em busca de aquisição de novas tecnologias e atualização no setor.

Outros  Produtos da EmpresaFispal Tecnologia, Fispal Food Service, ForMóbile, Futurecom, ABF Franchising Expo, Serigrafia SIGN FutureTEXTIL, FEIMEC, entre outras, totalizando 23 feiras de negócios de vários setores
Preço Médio do ProdutoTicket médio de venda de um estande na feira R$ 82.500

Os autores (2017)

Dados do Mercado de Feiras


Tamanho do mercado (vendas totais):

Faturamento do mercado de feiras de negócios global:  US$ 24,2 bilhões
Faturamento do mercado ($): US$7 Global. Brasil não divulgado
Taxa de crescimento do mercado (em unidades
vendidas):
4 % (previsão de 2017 a 2019 segundo dados da AMR Globex
Forecast)
Taxa de crescimento do mercado (em faturamento): 0,03 % Percentual do PIB de participação em feiras de
negócios é o Indicador chave da maturidade do mercado
Market share da empresa: 6,2% (2° posição no mercado nacional e 3° posição no
mercado global)

The new ()

Ranking de Promotores de feiras em 2016 – Receita em $ Milhões
Ranking de Promotores de feiras em 2016 – Receita em $ Milhões The new ()

DADOS DOS CLIENTES B2B

Variáveis para o Mercado Industrial

Demográficas: Localização Geográfica: Escritório em SP e
Regiões em que atua: tem feiras em SP capital, Ribeirão
Preto e Recife.
As feiras de negócio da empresa recebem visitantes de todo
o Brasil e do exterior.
Operacionais:Área Comercial (Diretores, Gerentes e Executivos)  Responsável por vender espaços nas feiras, pacotes de materiais de merchandising e patrocínio. Área Operacional – (Gerente Operacional e Analista Operacional) Responsável pela contratação do local do evento, de todos os fornecedores, acompanhamento da montagem e operacionalização de todo o evento. – Área de Atendimento ao Expositor (Analistas de Atendimento). Responsável por dúvidas e informações gerais dos clientes (expositores). – Área de Atendimento ao Visitante (Analistas) Responsável por tirar dúvidas e informar visitantes de cada feira. – Marketing (Gerentes, Coordenadores e Analistas) Responsável por toda divulgação das feiras (vendas e visitação) – Financeiro (Gerentes e Analistas) Contas a pagar e a receber, não existe um departamento de compras estruturado. – Jurídico (1 advogado) – TI (Gerente e Analistas) Cuida somente da infraestrutura da empresa
Abordagem de compra:   A empresa é dividida em 3 núcleos de trabalho, cada núcleo reponde por determinado números de feiras e possui: Diretor comercial do núcleo, Gerente Comercial e de Produtos com seus respectivos executivos de vendas nacionais e internacionais, Gerente de Marketing e time de marketing. Por ordem de poder: 1 – Diretor comercial do núcleo 2 – Gerente Comercial do núcleo 3 – Executivos de vendas Processo de Vendas: 1 – Gerente separa as carteiras novas e antigas de clientes e busca por novos clientes grandes 2 – Executivos prospectam novos clientes e atendem os antigos. 3 – Envio de solicitação de contrato 4 – Aprovação financeira e fiscal 5 – Retorno do contrato 6 – Acesso ao sistema do evento em que a empresa vai participar.
  

Os autores (2017)

FATORES SITUACIONAIS

Fatores Situacionais

Forças (interno)

• Profissionais qualificados. Equipe com larga experiência no segmento de feiras.

• Comprometimento da equipe na execução do trabalho.

• Excelência no atendimento e prestatividade junto ao cliente.

• Inteligência no desenvolvimento e articulação de parcerias estratégicas com entidades e instituições renomadas de diversos setores.


Fraquezas (interno)

• Burocracia e morosidade interna.

• Falta de processo interno.

• Pouca mão-de obra disponível.

• Preço elevado muito acima dos concorrentes.

• Falta de um sistema integrado entre os departamentos.

• Enfraquecimento de alguns setores.

• Metas financeiras muito altas.


Ameaças (externo)

• Aumento da taxa de juros.

• Cortes em linhas de financiamento do governo.

• Taxa de Cambio elevado.

• Crescimentos de feiras concorrentes regionais.

• Aquisição de promotoras menores pela principal concorrente, reduzindo e fortalecendo eventos similares ao realizados pela Informa.

• Ameaça de realização de feiras concorrentes de segmentos que atualmente só pertencem a Informa pois a equipe interna está indo completa para a concorrência e não há novidades consistentes nas últimas edições.


Oportunidades (externo)

• Possibilidade de tornar-se referência em Branded Content.

• Possibilidade de criação de novas feiras no segmento industrial uma vez que possui contato direto a principal entidade do setor (ABIMAQ). Possíveis feiras: para indústria naval, indústria têxtil, logística

• Desenvolver feiras virtuais e benefícios pós-feira para expositores.


Os autores (2017)

Variáveis para o mercado industrial

Variáveis para o mercado industrial

Características pessoais:Gestor ou Proprietário de empresas/estabelecimentos brasileiros e internacionais em busca de oportunidades de negócios (venda de produtos)
Mercado-alvo (perfil): Para venda: Empresas de todos os portes que queira divulgar seu produto, lançar algo novo no mercado. Dependendo do tamanho da empresa muda-se o departamento e profissional responsável, mas normalmente o alvo são: Gerentes/Diretores de marketing ou da área comercial das empresas
Mercado-alvo (quantidade): Gestores e proprietários brasileiros de empresas dos seguintes setores:

Agronegócio, arquitetura & design, tecnologia, indústria alimentícia, varejo e maquinários industriais

Os autores (2017)

MACROAMBIENTE – VAMOS IDENTIFICAR OS PRINCIPAIS FATORES DO MACROAMBIENTE QUE INFLUENCIAM O RAMO DE NEGÓCIO DA NOSSA EMPRESA (T2)

Análise do Macroambiente

Visando entender os fatores não controláveis do mercado em que atua (eventos empresariais B2B), analisamos as oportunidades e ameaças para a Informa Exhibitions no âmbito tecnológico, sociocultural, econômico e político-legal.

Análise do macroambiente

Fatores do AmbieneSituação Favorável Situação Desfavoravél 

Tecnológico
SF1 Mudanças nas formas tradicionais de compra e venda de produtos e
ingressos
SD1 Não exclusividade, a feira de negócios não é mais o ambiente
único que concentra informações de mercado e um número maior de clientes
TecnológicoSF2Utilização de softwares e aplicativos que possibilitam a visualização dos espaços a serem comercializados e o ambiente e maior agilidade no acesso das informaçõesSD2Aumento significativo da visibilidade da concorrência /comparação ficou mais fácil e de mais acessível
TecnológicoSF3Integração dos processos internos da empresa e externo junto com fornecedores, reduzindo o tempo de produção/execução dos serviçosSD3Clientes (visitantes e expositores) cobram cada vez mais rápido em relação as suas exigências, reclamações
TecnológicoSF4Os sites e redes sociais facilitaram o canal de comunicação com clientes tanto para registro das informações quanto para descobertas de tendências e oportunidadesSD4Sobrecarga de informações saturando o consumidor
TecnológicoSF5Criatividade e interatividade cada vez mais favorecidas pelos recursos tecnológicos, participação em chats e redes sociaisSD5 
TecnológicoSF6Aumento das formas de comunicação: utilização de várias ferramentas para divulgação: e-mail, sms, redes sociais, blog, sites e etcSD6 
TecnológicoSF7Novas formas de demonstração e venda de produtos: e-commerce, site e e-mails tornaram-se catálogos virtuais e formas de agilizar a venda não restringiram aos vendedores a função de apresentação dos produtos.SD7 
TecnológicoSF8Adaptação de linguagem e acesso de mais pessoas por meio do uso crescente do uso de celularSD8 
TecnológicoSF9Criação de novas ferramentas que facilitam a comercialização com o mercado internacionalSD9Erros de comunicação são registrados e divulgados em maior escala nas redes sociais. Empresa tem que fica cada vez mais atenta e ágil

Sociocultural
SF10 Proporcionam conhecimento de novas técnicas, produtos e serviços SD10 Aumento de resíduos na cidade,
SocioculturalSF11Promovem melhorias e infraestrutura que permanecem após a passagem das feiras na região do evento.SD11Interferência no cotidiano dos moradores da região (barulho, segurança, limpeza etc).  
SocioculturalSF12Fortalecimento de relação com fornecedores e autoridades locaisSD12

Sociocultural
SF13Promoção da acessibilidade ao disponibilizar produtos/serviços à   todos os participantes da feira, desta forma independente do poder aquisitivo;SD13 
Sociocultural SF14 Promovem a integração a novos mercados regionais, nacionais e
internacionais
SD14  
Sociocultural SF15 Oportunidade de criar mecanismos para garantir a expansão da
economia no setor.
 
SD15 Crise e Aumento da taxa de juros.
 
Sociocultural SF16 Ambiente de crise impulsiona revisitar antigos modelos e
aperfeiçoá-los
SD16 Cortes em linhas de financiamento do governo.
 
Sociocultural SF17 Impulsiona inovação.
 
SD17 Taxa de Cambio elevado.
 
Sociocultural SF18 Auxilia a tomada da decisão de investimento de maneira correta. SD18 Crescimentos de feiras concorrentes regionais/internacionais
 
Sociocultural SF19 Possibilita o aumento da eficiência e produtividade
 
SD19  
Sociocultural SF20 Foco no novo consumidor SD20  

Político-Legal
SF21 Profissionalismo e segurança na organização de
eventos
SD21 Qualquer mudança na legislação pode afetar os custos do evento e sua
operacionalização
 

Político-Legal
SF22 Mostra o quanto a atividade de forma bem organizada pode beneficiar
diversos tipos de fornecedores e movimentar o mercado B2B.
 
SD22 Burocracia envolvida
 
Político-Legal SF23 Adotar uma cultura preventiva como prioridade no planejamento de
eventos
 
SD23 
Político-Legal SF23 Adotar uma cultura preventiva como prioridade no planejamento de
eventos
 
  

Os autores (2017)

O AMBIENTE TECNOLÓGICO

A forma de realização, venda e principalmente da comunicação com o visitante e expositor foi drasticamente alterada nos últimos anos com o avanço da tecnologia.

Toda a divulgação que há algumas décadas era realizada por um aparelho de fax que transmitia a programação das feiras, recebido por uma secretaria e que depois era direcionado a pessoa junto com os demais documentos e por isso, muitas vezes ignorado, hoje é realizada de forma quase que instantânea e segmentada de forma muito atraente a cada persona, cada público a ser atingido.

Com a popularização da internet, sites de buscas e portais o diferencial das feiras de negócios (reunir informações e compradores do mercado em um só lugar) perdeu significativamente sua exclusividade, obrigando o setor de feiras a se reinventar.

Para suprir a busca e o encontro de fornecedores com compradores as empresas organizadoras basearam-se nos programas de gestão cada vez mais integrados a sites de busca e proporcionaram cada vez mais recursos que reafirmassem os benefícios da participação de visitantes e expositores em uma feira de negócios.

Com a digitalização acelerada em empresas de todo o mundo, serviços/produtos digitais (como aplicativos, publicidade digital, sinalização digital) são incluídos cada vez mais nos portfólios de serviços a clientes e expositores.

As empresas do setor de feiras estão se digitalizando. Globalmente, 55% afirmaram que mudaram os processos internos e os fluxos de trabalho para serem mais digitais. Os mercados de exposições mais avançados ultimamente são a Tailândia (73%), a China (71%) e a Alemanha (69%) conforme dados do Barômetro da UFI.

AMBIENTE SOCIOCULTURAL 

Os fatores socioculturais têm grande influência e pressionam constantemente as organizações, pois a cada dia o cliente demanda produtos/serviços que superem suas expectativas e valores porem é algo intangível já que essa percepção e avaliação é feita de forma individual. Desta forma, para manter a competitividade é necessário que as organizações estejam sempre se reinventando e olhando para seus clientes.

Na área de feira de negócios o promotor das feiras tem uma diversidade grande de clientes o que dificulta seu trabalho, devido a essa diversidade uma feira nunca é igual a outra. Assim para se manter a excelência na organização destes eventos é necessário conhecer bem seus clientes, a cidade que receberá o evento e entender também o que os expositores esperam da empresa promotora.

Outro fator importante que deve ser observado é o impacto que a feira de negócios trará para a cidade que está recebendo o evento principalmente em relação ao meio ambiente.

A relação entre o setor de Feiras de Negócios e a atividade turística é profunda também.

Quem viaja para participar destes eventos faz turismo, e impacta toda a atividade e suas cadeias produtivas. É o chamado turismo de negócios.

As feiras de negócios impulsionam o turismo local e diversos serviços são indispensáveis para a realização do turismo de negócios: transporte, operação e agenciamento, organização e operação de eventos, hospedagem, alimentação, recreação e entretenimento e atividades complementares.

AMBIENTE ECONOMICO 

O mercado de feiras de negócios está em franco crescimento com uma previsão de crescimento de 4 % até 2019, segundo dados da AMR Globex Forecast e, em faturamento 0,03 % em relação ao percentual do PIB de participação em feiras de negócios, indicador chave da maturidade do mercado.

Como toda relação econômica é composta por um tripé, este mercado também não foge à regra, e compõe seu cenário com a iniciativa privada, o Governo e o consumidor. A iniciativa privada se faz presente através das Promotoras de Feiras, Dirigentes de Pavilhões de Exposições, Centros de Convenções, Companhias Aéreas, Redes Hoteleiras, Prestadores de Serviços, Agências de Eventos, Marketing e Live Marketing, Hosted Buyers, Gestores de Compras, facilities e de Viagens de Incentivo.

Na última ponta está o consumidor, em alguns casos o elo mais fraco, por isso estar inserido em canais de comunicação, onde é possível conhecer o que está sendo feito para e pelo mercado. Além de acompanhar as melhorias privadas e públicas e os próximos passos do setor.

Fusões e aquisições, oscilações na taxa de câmbio, taxas de juros e créditos/financiamentos afetam diretamente o setor de feiras de negócios, seja no aumento ou na ausência de crédito, bem como quantidade de empresas de determinado setor que com fusões e aquisições passam a modificar o mercado em prospecção. Além disso, prejudicam também no âmbito de visitação do evento que pode sofrer aumento ou queda de visitantes de acordo com a variação destas mudanças econômicas. A última edição do Barômetro Global (Barômetro) , pesquisa realizada pela UFI e que mede o pulso da indústria de exposições no mundo, indica uma mudança de foco na indústria de feiras. Embora a grande maioria dos participantes da pesquisa tenha relatado aumentos no volume de negócios e lucros crescentes em 2017, as promotoras de feiras estão mais focadas no desenvolvimento econômico dos mercados domésticos e principais do que no crescimento econômico global.(UFI Global, p. 27) Além disso, a “concorrência dentro da indústria” aumentou, tornando-se a segunda questão comercial mais importante.

AMBIENTE POLÍTICO-LEGAL 

É importante conhecer a legislação específica do estado e cidade onde será realizado o evento. Geralmente há diferenças e muitas vezes não há uma Regulamentação específica para o tema. É preciso informar sobre o evento nos órgãos competentes e guarde os protocolos e ofícios de resposta, exemplos: Polícia Militar; Corpo de Bombeiros; Prefeitura; Ministério Público; ECAD – Escritório Central de Arrecadação e Distribuição e ANVISA.

Qualquer tipo de mudança nessas leis podem afetar em questões de custo ou impedir que um evento aconteça.

No que se refere a organização de um evento uma série de leis são necessárias serem compridas e sempre observadas porque podem refletir no custo do evento. A realização de eventos é regulada pela Lei nº 11.771, que serve para determinar as atribuições do Governo Federal, bem como para estabelecer que apenas empresas caracterizadas como Organizadoras de Eventos podem exercer a atividade no setor de eventos. () A Lei nº 11.711 estabelece a organização de eventos como uma atividade econômica com fins lucrativos.

Art nº5. V – Propiciar o suporte a programas estratégicos de captação e apoio à realização de feiras e exposições de negócios, viagens de incentivo, congressos e eventos nacionais e internacionais;

As principais leis relacionadas à organização de eventos são:

Lei Geral do Turismo – Lei que estipula quais são os direitos e deveres da organizadora de eventos.

 Alvara de funcionamento.

 ECAD (Escritório Central de Arrecadação) e Direitos Autorais.

Lei da Acessibilidade – Lei nº 10.098, que estabelece as normas gerais e os critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida.

ANVISA.

Lei do Consumidor (se o evento for de bilheteria e voltado ao consumidor final).

Associações e Entidades do Setor:

Associação Brasileira de Empresas de Eventos (ABEOC) – A ABEOC está há mais de 30 anos no mercado prestando serviços às suas associadas, que hoje são mais de 500 empresas organizadoras, promotoras e prestadoras de serviços para eventos.

Associação Brasileira de Centros de Convenções e Feiras (ABRACCEF) -Destinada aos proprietários de centro de convenções, teatros, exposições e outros, a ABRECCEF fornece informações relevantes sobre o setor aos seus filiados, presta assessoria técnica e jurídica e estimula as relações entre seus sócios, permitindo um intercâmbio de informação e conhecimento.

União Brasileira dos Promotores de Feiras (UBRAFE) – A UBRAFE representa as empresas envolvidas na organização, promoção, operação e montagem das principais feiras de negócios no Brasil há mais de 25 anos. A entidade realiza promoção de feiras, exposições e eventos, sempre atuando no sentido de fortalecer o setor e divulga as principais oportunidades que surgem no mercado brasileiro por meio de um “Panorama das Principais feiras de Negócios”.

International Congress and Convention Association (ICCA) – Presente em 87 países, a Associação Internacional de Convenções e Congressos pode ser um grande auxílio para os organizadores de eventos estrangeiros. Ela representa os principais especialistas em organização, transporte e acomodação de encontros internacionais e disponibiliza aos seus associados uma plataforma de serviços e contatos.

Instituto Brasileiro de Turismo – Embratur – A Embratur não é uma associação, mas um órgão do Ministério do Turismo, criado em 1966, com o objetivo de promover e apoiar a comercialização dos destinos, serviços e produtos turísticos brasileiros no mercado internacional

Sindicato das Empresas de Promoção, Organização e Montagem de Feiras, Congressos e Eventos do Estado de São Paulo – SINDIPROM – O SINDIPROM – Sindicato das Empresas de Promoção, Organização e Montagem de Feiras, Congressos e Eventos do Estado de São Paulo representa mais de 7.000 empresas, entre promotoras e organizadoras de eventos, montadoras de estandes, locadoras de equipamentos e demais prestadoras de serviços especializadas em feiras e eventos. O SINDIPROM-SP combate taxas e exigências abusivas que atinjam seus associados; promove ações de articulação sócio-política junto ao poder público; coordena ações para a profissionalização do setor de promoção e eventos; aprimora as relações de trabalho entre empregadores e trabalhadores; atua como centro informativo do mercado, promovendo palestras e prestando assessoria técnica sobre assuntos jurídicos, econômicos, de comunicação, treinamento e aperfeiçoamento profissional. O SINDIPROM -SP é filiado à FESESP – Federação de Serviços do Estado de São Paulo e tem voz ativa no COMTUR/SP – Conselho Estadual de Turismo de São Paulo.

MICROAMBIENTE – É hora de identificar quais são as vantagens e desvantagens que nossa empresa tem em relação aos concorrentes (T3)

Sobre o Produto

A Agrishow é considerada uma das três principais feiras de tecnologia agrícola do mundo e a maior e mais importante na América Latina, vitrine das mais avançadas tendências e inovações tecnológicas para o agronegócio.

Idealizada pelas principais entidades ligadas, direta e indiretamente, ao agronegócio brasileiro, como ABAG – Associação Brasileira do Agronegócio, Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, Anda – Associação Nacional para Difusão de Adubos, Faesp – Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo e SRB – Sociedade Rural Brasileira, a Agrishow é organizada pela Informa Exhibitions. Ela é palco do sucesso do agronegócio brasileiro.

Principais setores em exposição:


• Agricultura de Precisão

• Armazenagem (Silos e Armazéns)

• Agricultura Familiar

• Associações

• Centros de Pesquisa e Universidades

• Corretivos

• Fertilizantes e Defensivos

• Equipamentos de Segurança/EPI

• Equipamentos para Irrigação

• Ferramentas

• Financiamentos & Serviços Financeiros

• Implementos Agrícolas

• Máquinas Agrícolas

• Máquinas para Construção

• Peças

• Autopeças e Pneus

• Pecuária

• Produção de Biodiesel

• Revistas e Publicações

• Sacarias e Embalagens

• Seguros – Sementes

• Software e Hardware

• Telas, Arames e Cercas

• Válvulas, Bombas e Motores

• Transportes: veículos, aviões, caminhões e utilitários.

Com compradores qualificados, cerca de 159.000 visitantes/compradores de mais de 70 países, é a oportunidade de fortalecer e gerar novos canais de vendas é real, além de aumentar e estreitar rede de relacionamentos.

A Agrishow é o palco de grandes lançamentos de produtos e serviços do setor. Mais de 900 jornalistas do Brasil e do mundo cobrem a feira e seus lançamentos, essa visibilidade é esperada por parte do cliente.

Perfil do Visitante:


• Agricultor / Produtor Rural

• Pecuarista

• Engenheiros Agrônomos

• Técnico Agrícola

• Compradores

• Gerentes

• Diretores

• Empresários

• Executivos da Indústria e do Governo

• Profissional Liberal

• Administradores de Fazendas e Áreas Rurais

• Estudantes

Agrishow
AgrishowAGRISHOW ()

São 22 ruas e 7 avenidas, sendo que cada avenida tem 1km de extensão.

Quais são os aspectos do produto mais valorizados pelos clientes (fatores-chave do produto)? 

Quando falamos de Agrishow estamos englobando dois tipos de clientes:

O expositor e o visitante. O expositor é quem compra o produto para apresentar sua empresa, e o visitante que vai ao evento conhecer as tendências do agronegócio.

PARA OS EXPOSITORES 

Qualidade dos visitantes e a reputação da Agrishow, são os principais fatores de decisão na participação em expor, o que faz com que a Agrishow seja um produto que desempenha um importante papel no agronegócio sendo a feira referência no país.

Pesquisa com expositores de 2016 realizada pelo do IBRC (Instituto Brasileiro de Relacionamento com o Cliente
Pesquisa com expositores de 2016 realizada pelo do IBRC (Instituto Brasileiro de Relacionamento com o Cliente AGRISHOW ()

(Depoimentos) Depoimentos de Expositores reforçam a pesquisa:

Sidnei Kamphorst, gerente comercial da Kampag:

“A edição de 2017 está surpreendente. Viemos para feira com a meta de vender 20 módulos de alta performance, nosso principal produto. No primeiro dia recebemos muitos clientes interessados, no segundo já comercializamos 23 máquinas, mais que a nossa expectativa”.

Hélio Muccillo, diretor comercial da Multiagro:

“O evento é uma ótima oportunidade para nós, pois atinge o mercado nacional e internacional. Fechamos parcerias e fazemos contatos com clientes, um momento que vai além da feira. Muitas vendas começam aqui, se efetivam logo depois e se propagam”, explica.

André Canalle, supervisor de marketing da Budny Tratores e Implementos:

“A Agrishow é uma grande vitrine para os nossos negócios. Recebemos diversos clientes e fomos surpreendidos com o número de vendas, que foi ótimo”.

Jaime Daniel Fernandes, gerente de marketing e comunicação da UniGeo:

“Preenchemos mais de 600 cadastros e a perspectiva é fechar negócio com pelo menos 200 deles. A feira superou nossas expectativas, pois o movimento foi muito alto, além do público realmente interessado nos serviços. Nossa intenção, para o ano que vem, é voltar com uma proposta ainda mais ambiciosa”.

Luiz Francisco, representante de vendas e agrônomo da J. Assy:

“Nosso faturamento este ano está quase triplicando em relação ao ano passado. A cada ano lançamos aqui na feira um produto novo, com uma aceitação muito grande do mercado”.

Segundo ressalta o gerente da FlexBoat Reginaldo Lemes do Nascimento, mas novo cliente da Agrishow a feira proporciona exposição ao anunciante, “Nossa proposta era buscar marketing e divulgar nossa empresa, porém fomos surpreendidos com o interesse e o mercado que a feira oferece para os nossos produtos. A Agrishow irá entrar no calendário oficial de feiras da FlexBoat e, na próxima, estaremos mais preparados, em todos os sentidos, para um atendimento ainda melhor”.

Analice Lourenci, da área de comunicação da Cresol, “A Agrishow é uma ótima feira para expormos nossos produtos. Os resultados foram positivos, pois o espaço da instituição teve grande visitação e reconhecimento”.

PARA OS VISITANTES 

Segundo pesquisa do IBRC (Instituto Brasileiro de Relacionamento com o Cliente) com os visitantes da feira realizada em 2016, a localização em Ribeirão Preto, considerada a capital do Agronegócio, a qualidade das empresas que estão expondo e variedade de produtos e serviços em exposição são os fatores chave na decisão em visitar o evento.

Pesquisa
PesquisaAGRISHOW ()

(Ribeirão) Por que Ribeirão Preto como localização estratégica do evento?

No passado conhecida como a “Capital do Café” e a “Califórnia Brasileira”, hoje Ribeirão Preto se destaca como a “Capital Brasileira do Agronegócio” e grande polo regional no setor de serviços. Considerada nos dias atuais como uma das mais importantes cidades do interior do estado de São Paulo, Ribeirão Preto foi detentora do 30º maior PIB, R$ 17 bilhões, dentre os municípios brasileiros em 2010. Em pesquisa realizada pelo Ministério do Turismo ela foi eleita uma das 10 cidades brasileiras nomeadas como destinos de referência em turismo, no caso dela “turismo de negócios”. À exemplo disso, está a realização de eventos conhecidos internacionalmente, como a Agrishow, a segunda maior feira de agronegócios do mundo.

Dados econômicos do município e da região podem ratificar suas relevâncias no cenário nacional e internacional. No período de 2000 a 2010, o PIB per capita de Ribeirão Preto quase triplicou, passando de R$ 9 mil para mais de R$ 28 mil. Este PIB per capita é superior aos dos estados do Paraná, Mato Grosso, Minas Gerais e a países como Rússia, Chile, México e China.

Quando se analisa dados da mesorregião de Ribeirão Preto – definida pelo IBGE e composta pelas microrregiões de Ribeirão Preto, Barretos, Batatais, Franca, Jaboticabal e São Joaquim da Barra, cerca de 70 municípios – constata-se que o Agronegócio possui grande importância na dinâmica regional. A mesorregião detém o posto de maior produtora de cana-de-açúcar do estado de São Paulo e do Brasil, e a 4ª maior produção mundial. É 3ª maior produtora de café do estado de São Paulo, 14ª maior produtora de café do Brasil e 19ª produtora mundial. Ainda se destaca na laranja, com a 5ª maior produção no Brasil e a 10ª no mundo.

Como os clientes percebem nosso produto em relação aos dos concorrentes, nos fatores-chave de produto e distribuição?

Uma das três principais feiras de tecnologia agrícola do mundo e a maior e mais importante na América Latina, a Agrishow reúne algumas das principais empresas do setor para apresentar aos visitantes, em sua maioria produtores rurais nacionais e do exterior, as novidades tecnológicas para aprimorar suas atividades, e conta com espaços para demonstrações de campo por isso ela é reconhecida pelo mercado e pela mídia como a feira termômetro do agronegócio.

Tanto os expositores, quanto os visitantes afirmam a importância da feira considerando-a como a melhor feira do calendário agrícola brasileiro. Esta visão foi repassada pela representante da empresa e extraída das pesquisas de opinião realizadas anualmente por um instituto de pesquisa contratado pela Informa Exhibition, a IBRC Instituto Ibero Brasileiro de Relacionamento com o Cliente em 2017 e 2016.

EXPOSITORES X CONCORRENTES

Pesquisa realizada com expositores 2016 da Agrishow realizada pelo IBRC
Pesquisa realizada com expositores 2016 da Agrishow realizada pelo IBRC AGRISHOW ()

Pesquisa realizada com Expositores de 2016 pelo Instituto IBRC
Pesquisa realizada com Expositores de 2016 pelo Instituto IBRCAGRISHOW ()

Pesquisa realizada com expositores da Agrishow em 2017 pela empresa Pesquise Já
Pesquisa realizada com expositores da Agrishow em 2017 pela empresa Pesquise JáAGRISHOW ()

Devido a sua estrutura e porte (440 mil m2, 800 marcas expositoras, 159 mil visitantes de mais de 70 países, presença de 700 jornalistas do Brasil e exterior e a previsão de movimentar mais de R$ 2.204 bilhões de negócios), a Agrishow compete diretamente apenas com outras 2 outras feiras mundiais do ramo:

• Farm Progress Show (EUA) – organizada pela Penton, empresa recentemente adquirida pelo grupo Informa Exhibitions, mas que ainda não tem nenhuma sinergia com a Agrishow.

• EIMA (ITÁLIA) – Esposizione Internazionale di Macchine per l’Agricoltura e il Giardinaggio organizada pela FederUnacoma surl

Em relação ao mercado nacional, fonte de nosso estudo, a AGRISHOW não tem concorrentes diretos devido ao porte e número de segmentos que consegue reunir.

No entanto, 03 feiras de agronegócios, embora focadas no mercado regional ou no agricultor de pequeno porte ainda chamam a atenção de expositores e visitantes, e por isso merecem serem observadas de perto pois podem se fortalecer e se tornar uma ameaça significativa, são elas:

1) Show Rural Copavel (Cascavel – PR);

2) Tecnoshow Comigo (Rio Verde – GO);

3) Expodireto Cotrijal (Não Me Toque – RS).

VISITANTES X CONCORRENTES

Visitantes vs. Concorrentes
Visitantes vs. ConcorrentesAGRISHOW ()

A Agrishow se diferencia de modo geral dos concorrentes por:

Reconhecimento de mercado: tem o apoio das a pelas principais entidades e associações do setor, órgãos públicos, indústrias e instituições financeiras o que faz com a feira tenha bom relacionamento e esteja sempre a par antecipadamente das principais decisões a serem impactadas no setor, além de livre trânsito em toda a cadeia produtiva. O evento oferece a possibilidade de crédito/financiamento, aos visitantes e expositores que visitam a Agrishow, impulsionando a realização de negócios:

• ABAG (Associação Brasileira do Agronegócio)

• ABIMAQ (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos)

• ANDA (Associação Nacional para Difusão de Adubos)

• FAESP (Federação de Agricultura do Estado de São Paulo) e

• SRB (Sociedade Rural Brasileira)

Realizção
RealizçãoAGRISHOW ()

Possui o Apoio Institucional:

• Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

• Prefeitura da Cidade de Ribeirão Preto

• AEASP – Associação de Engenheiros Agrônomos Estado São Paulo

• ANDAV- Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários

• CATI – Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Apoio
ApoioAGRISHOW ()

Patrocinadores:

• BRASKEM

• Banco do Brasil

• Bradesco

• Caixa Econômica

• Banco Santander

• SICOOB – Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil

• SESCOOP/SP – Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo do Estado de São Paulo

• OCESP – Organização das cooperativas do Estado de São Paulo.

• OCB – ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS DO BRASIL

• SICREDI – Sistema de Crédito Cooperativo

• YARA – Empresa que oferece soluções para a agricultura sustentável e o meio ambiente

Patrocinadores
PatrocinadoresAGRISHOW ()

Tem grande visibilidade: Mais de 40 veículos parceiros de mídia nacional e internacional, e conta com a cobertura durante o evento de cerca de 700 jornalistas nacionais e internacionais. O que faz com que a empresa que é expositora desta e de outras feiras, prefira lançar seus produtos na Agrishow do que nas regionais, pela possibilidade de exposição. A Feira é comprovadamente a maior feira de agronegócios da América Latina e a maior feira outdoor de agronegócios do mundo (em área de exposição aberta).

Veiculos de midia
Veiculos de midiaAGRISHOW ()

Infraestrutura: 

 A Agrishow é a única feira organizada por uma especialista do ramo de feira de negócios. As concorrentes são cooperativas que não tem a feira como principal negócio e que pode ser percebida pelos clientes como eventos privados tendenciosos aos interesses das cooperativas promotoras.

A Agrishow tem funcionários dedicados exclusivamente o ano todo ao desenvolvimento do negócio/feira: equipe de marketing, operacional, jurídica, financeira, B.I, comercial entre outras que buscam a cada ano otimizar a participação de expositores e vendedores, totalizando cerca de 150 pessoas (incluindo fornecedores e intermediários).

É a única feira que oferece estandes de grande porte (com até 5 mil metros quadrados) viabilizando a divulgação ao vivo de máquinas de grande porte destinadas a grandes produtores. Os concorrentes possuem estandes de 50 a 150 metros quadrados e difundem muito produtos regionais, locais.

Confiabilidade/Retorno do investimento: Os dados divulgados pela Agrishow são mensuráveis e transparentes e disponíveis aos clientes através do postshow report. A AGRISHOW é a única feira que tem uma entrada controlada por catraca (bilheteria) e que permite a entrada apenas de quem está interessado em comprar e pertence ao setor.

As demais concorrentes nacionais, o público participante é estimado pela Polícia Militar uma vez que não há bilheteria, sendo usual a presença de famílias com crianças (que não são alvo do negócio), que visitam a feira como uma atração da cidade, uma opção de lazer.

O tamanho total da feira na Agrishow, remete ao tamanho real da área de negócios (estandes), ou seja, da oferta de produtos e serviços disponíveis. As concorrentes incluem áreas de plantação e a divulgam como sendo o tamanho real da feira.

Devido a este controle de bilheteria, a Agrishow é a única feira que tem o registro dos visitantes e consegue comunicação com o visitante o ano todo, o que estimula a participação na próxima edição, fato muito valorizado pelos expositores.

Desta forma, a AGRISHOW realmente consegue comprovar ao expositor que tem um público qualificado, que traz o comprador e que oferece um leque de serviços qualificados, aumentando a possibilidades de retorno do investimento.

Estas razões estão sendo analisadas criteriosamente pelos expositores no momento de decisão, o que está ocasionando a desistência de algumas grandes empresas em relação a concorrência conforme exemplo da reportagem da (Grandes) Revista Globo Rural.

Comunicação 

A Agrishow se difere da concorrência a ter uma visão de plataforma brasileira dos lançamentos mundiais para o setor focada para a realização de negócios. Ou seja, tem uma abordagem macronacional e até internacional dos lançamentos e tecnologias disponíveis para o agronegócio, o que facilita o encontro do comprador e fornecedor o que é evidenciado desde a elaboração do site até as peças promocionais utilizadas.

Os concorrentes focam na agricultura familiar, no pequeno e médio agricultor em suas comunicações, limitando o uso veículos de mídia online.

Fotos Agrishow
Fotos  AgrishowFotos ()

Fotos Agrishow
Fotos AgrishowFotos ()

Fotos Agrishow
Fotos AgrishowFotos ()

Fotos Agrishow
Fotos AgrishowFotos ()

Fotos Agrishow
Fotos AgrishowFotos ()

Fotos Agrishow
Fotos AgrishowFotos ()

Fotos Agrishow
Fotos AgrishowFotos ()

Fotos Agrishow
Fotos AgrishowFotos ()

Agrishow – Desvantagem em relação aos concorrentes: 

Preço: 

O valor do metro quadrado para exposição da Agrishow (R$ 175) é considerado alto em relação às concorrentes (que vão de R$ 80 a R$ 100). Neste quesito a feira precisa trabalhar a percepção dos clientes no composto de serviços agregados oferecidos e a possibilidade real de retorno do investimento. 

Distribuição/ Formas de divulgação:

A forma com que a AGRISHOW chega até os expositores é a mesma que seus concorrentes, ou seja, através de vendas de sua equipe comercial localizada em sua sede.
 No entanto, em relação aos visitantes, a AGRISHOW se diferencia em relação aos canais de comunicação utilizados, especialmente os veículos de comunicação online, chegando até a ter um aplicativo, o que a posiciona como uma feira de agronegócios de vanguarda. 

Ferramentas de midia
Ferramentas de midiaAGRISHOW ()

Quais são os aspectos do preço mais valorizados pelos clientes (fatores-chave do preço)?

O Ticket médio de venda de um estande na Agrishow é de R$82.500. Obviamente, variáveis como tamanho e localização interferem diretamente nesse valor. Quando o expositor procura a Informa Exhibitions para adquirir a participação na Agrishow valores como confiança, certeza de exposição para o públic qualificado, possibilidades de network, e fechamento de bons negócios.

A Agrishow movimentou R$ 2,2 bilhões, teve um aumento de 13% nas vendas em relação ao R$ 1,95 bilhão apurado em 2016, isso reflete uma recuperação do setor.

(Agrishow) “Essa recuperação pode marcar o início de um novo ciclo de crescimento. Confiamos que as reformas do governo vão passar no Congresso porque o país precisa se modernizar”, disse Francisco Maturro, vice-presidente da Abag (Associação Brasileira do Agronegócio), que foi escolhido para ser o novo presidente da Agrishow para o biênio 2018-1019. Segundo ele, o que anima é que não foram compras apenas para renovação de máquinas, houve muito investimento em equipamentos mais modernos, com tecnologia embarcada.

“Nós fechamos a feira dentro das nossas expectativas, que eram de 15%, e isso mostra que estamos saindo do período de recessão. O evento cumpriu sua obrigação na evolução competente de acompanhar as inovações agrícolas com meios de aumentar a produtividade reduzindo os custos”, disse Fábio Meirelles, presidente da Agrishow.

Como os clientes percebem nosso preço em relação aos dos concorrentes, nos fatores-chave de preço?

A Agrishow é considerada a feira com o valor mais alto do m2 e de investimento perante os concorrentes.

Embora ofereça grande visibilidade e negócios, a infraestrutura como estacionamento, banheiros, alimentação, valores dos serviços e ingressos é sempre criticada por visitantes e expositores.

Além disso requer um alto investimento por parte do expositor, que tem gastos além da montagem do estande, como deslocamento da equipe, alimentação e hospedagem, e por parte dos visitantes que visitam de diversos lugares e que também precisam pagar para entrar no evento. As outras feiras agrícolas não cobram entrada e também não possuem controle de acesso.

A questão da reclamação dos serviços, se deve pelo fato de a feira ser maior em proporção de tamanho e público. A Agrishow recebe cerca de 3 vezes mais visitantes e expositores comparados as outras feiras (números comprovados), o que faz com que qualquer investimento em melhoria seja também muito maior e requer um tempo razoável, tempo este que a Agrishow muitas vezes não tem, porque pode somente utilizar a área da “fazenda” (onde ocorre a exposição) por 3 meses ao ano, já que a área pertence ao governo e tem como liderança a associação ABIMAQ. Esse tempo é utilizado para montagem que começa em fevereiro e termina em abril. Já as feiras de Cooperativas têm o ano todo para realizar qualquer tipo de obra do jeito que desejarem e sem burocracias. Esse fato é desconhecido pela maioria dos expositores e visitantes da feira.

Embora burocrático e com investimentos altos, a Agrishow mudou consideravelmente sua estrutura local e de serviços para oferecer uma melhor experiência aos participantes (expositores e visitantes).

Quais são os aspectos da comunicação mais valorizados pelos clientes (fatores-chave da comunicação)?

A Agrishow tem na comunicação um grande aliado para se manter na liderança do seu negócio, consegue se expressar de forma clara, transparente e objetiva com seus expositores e visitadores.

Além disso, sua marca já é consolidada no Agronegócio, a moeda da Agrishow possui um peso muito grande perante expositores e visitantes.

Uma das mensagens mais veiculadas pela mesma é o fato de ser a maior feira de agronegócio da américa latina e uma das 3 maiores do mundo, desta forma é a feira com maior número de expositores atendendo assim todas as necessidades agrícolas o que desperta o interesse dos visitantes no evento.

Para fazer a divulgação da sua comunicação, a Agrishow costuma utilizar programas de televisão, anúncios em revistas, banners online, e-mail marketing, Waze, Facebook, SMS para visitantes cadastrados, anúncios em rádios de cidades agrícolas e mídias em companhias aéreas com destinos a cidades agrícolas. É também pioneira em utilizar a mídia programática.

Desta forma a Agrishow consegue observar a opinião de visitantes por meio das redes sociais, canal de atendimento ao cliente ou até mesmo pelo aplicativo exclusivo.

 Comunicação 2017 

Como os clientes percebem nossa comunicação em relação aos dos concorrentes, nos fatores-chave de comunicação?

Devido a todo esforço de comunicação os clientes reconhecem 

a excelência da feira Agrishow, pois a comunicação não é apenas utilizada próxima a data do evento, o cliente alvo fica recebendo mensagens nas mídias que costumam utilizar o ano inteiro assim criando uma grande expectativa para o evento.

De acordo com uma publicação da MilkPoint a Agrishow é vista por seus expositores como a maior chance de fechamento de negócios entre as feiras e os visitantes sentem que se perderem o evento estarão perdendo apresentações de tendências e possibilidade de boas aquisições.

Essa visão ocorre porque a comunicação da Agrishow é mais efetiva que da sua concorrência, e essa superioridade é percebida pelo consumidor da América latina que elegeu esta feira como a melhor e maior.

AGRISHOW vs. Analise da Concorrencia
AGRISHOW vs. Analise da ConcorrenciaOs autores (2017)

Justificativas: 

• Formato: o formato do evento Agrishow possibilita ter uma área de exposição capaz de abrigar vários portes de empresa para demonstração ao vivo de processos de plantio e colheita do agronegócio o que não é possível nas feiras SHOW RURAL, TECNOSHOW COMIGO E EXPODIRETO que são direcionadas a empresas de pequeno e médio porte ou até mesmo agricultura familiar.

• Confiabilidade: Os números de visitação são controlados pela bilheteria do evento, são mensuráveis (via softwares utilizado para mensuração de dados pela empresa, pesquisa de opinião e etc.) e são acessíveis a expositores e veículos de comunicação. Os demais concorrentes possuem estimativa de público calculada pela Polícia Militar (sujeito a erros) e alguns dados que não tem sua origem mencionadas/comprovadas.

• Pontualidade: Não aplicável para análise.

• Marca e Tradição da Empresa: A Agrishow nos seus 25 anos é reconhecida no mercado nacional e internacional. Os demais concorrentes estão conseguindo reconhecimento principalmente nos mercados regionais mas tem seus expositores mais concentrados mais em um segmento/área de atuação.

AGRISHOW vs. Analise da Concorrencia
AGRISHOW vs. Analise da ConcorrenciaOs autores (2017)

Justificativas:

• Tarifa: O valor cobrado para participar do evento como expositor é considerado alto em relação aos concorrentes segundo testemunhos colhidos em pesquisas realizadas com os expositores. O preço praticado pelos concorrentes é mais baixo e avaliado como “justo” segundo depoimento colhido no momento de prospecção dos vendedores da Agrishow.

• Prazo de Pagamento: Os prazos para pagamento são facilitados nas feiras AGRISHOW e SHOW RURAL, segundo relato dos expositores. As mesmas facilidades não são encontradas na TECNOSHOW COMIGO e EXPODIRETO.

• Taxas de Juros: Não aplicável para análise.

AGRISHOW vs. Analise dos Concorrentes
AGRISHOW vs. Analise dos ConcorrentesOs autores (2017)

Justificativas:

• Tamanho da Rede: Não aplicável para análise.

• Localização: A Agrishow é considerada por expositores e visitantes localizada em uma cidade estratégica para realizar negócios (conforme mencionado na trilha 2) . As demais concorrentes estão em cidades

• Instalações:

• Tecnologia: Não aplicável para análise.

• Layout: O formato de realização do evento é parecido

• Propaganda e Merchandising: A Agrishow investe fortemente em propaganda em todo território nacional e até possui APP próprio e várias ferramentas de comunicação ainda não utilizada pelos concorrentes. O grande número de parcerias também potencializa a visibilidade no evento na mídia. As concorrentes concentram-se em mídia local e ainda trabalham mais as mídias off-line que online.

• Assessoria de Imprensa: A Agrishow tem um forte relacionamento com mídias nacionais e até internacionais e fácil acesso devido a parceria com a ABIMAQ e demais entidades parceiras no setor. A SHOW RURAL tem amplificado sua divulgação local e nacional, mas não trabalha abrangência internacional e conta com o apoio de cooperativas e não associações que representam o setor. Já a TECNOSHOW COMIGO e a EXPODIRETO não possuem essa penetração e trabalham quase por si própria, o que não resulta em uma expressiva divulgação.

• Vendas: A equipe de vendas da Agrishow consegue renovar contratos para a próxima edição com a maioria dos expositores. Segundo relatos de conversas de expositores e vendedores da AGRISHOW o mesmo não acontece nos eventos concorrentes. Há uma sazonalidade de participação das empresas em uma feira e outra. Dentre os concorrentes a SHOW RURAL pode ser considerada com maior aderência.

• Telemarketing: Não aplicável para análise.

• Relações Públicas: A imagem da AGRISHOW no mercado é bem quista e reforçada pelo apoio das principais entidades do setor. A SHOW RURAL apesar de não ter parcerias fortes tem trabalhado fortemente sua imagem no mercado e ganhando visibilidade. As demais concorrentes estão no início deste processo ou tem muitos itens a aperfeiçoar.

Agrishow – Análise de Desempenho e Importância
Agrishow – Análise de Desempenho e ImportânciaOs autores (2017)

Agrishow – Análise de Desempenho e Importância
Agrishow – Análise de Desempenho e ImportânciaOs autores (2017)

Agrishow – Análise de Desempenho e Importância
Agrishow – Análise de Desempenho e ImportânciaOs autores (2017)

A Análise de desempenho da Agrishow e Importância foi baseada na informação da representante da Empresa e na análise da pesquisa de opinião com expositores e visitantes.

ANÁLISE SWOT – Confeccionando a Análise SWOT para verificar quais são os problemas que deverão ser resolvidos no plano de marketing (T4)

A análise de SWOT é uma avaliação global, que apresenta forças (strengths), fraquezas (weaknesses), oportunidades (opportunities) e ameaças (threats), sendo considerado um meio de monitoração que envolve os ambientes internos e externo ao negócio e a empresa. São divididas em dois grupos, sendo as Forças e Fraquezas relativas ao ambiente interno, isto é, dependem apenas da gestão e organização da empresa e suas capacidades ou deficiências, enquanto as Oportunidades e Ameaças ao contrário, são relativas ao ambiente externo, isto é, são característica que não estão sobre o controle da empresa, e podem ser relativas tanto aos concorrentes diretos e indiretos, como também relativos ao mercado em si ou outras questões que interferem na concretização das vendas.

A Análise de SWOT permite aos gestores uma leitura clara da situação da empresa e a definição de estratégias que podem ser empregadas a fim de melhorar o negócio.

Análise do Ambiente Interno (forças e Fraquezas) – é importante entender que a avaliação interna deve ser realizada com regularidade, em alguns casos pode ser realizada individualmente por negócios, com a finalidade de se aproveitar ao máximo qualquer oportunidade de ganho maior. Para realizar esta avaliação, além das pesquisas de opinião realizada com expositores e visitantes, utilizamos a tabela de desempenho do produto e concorrentes realizada no estudo da trilha 3 (vide abaixo):

Análise de Desempenho Feira Agrishow
Análise de Desempenho Feira AgrishowOs autores (2017)

Análise de Desempenho Feira Agrishow
Análise de Desempenho Feira AgrishowOs autores (2017)

Já a Análise do Ambiente Externo (Oportunidades e Ameaças) deve ser realizada por cada unidade de negócios, pois a variabilidade de oportunidades e ameaças esta intrinsecamente ligada a região e ao mercado onde o negócio está inserido. Entender o que pode ser uma oportunidade de negócio é o primeiro ponto, e então saber que alguns fatores podem prejudicar a concretização com sucesso de uma negociação, e de certa forma monitorar estes fatores como ameaças é a função desta avaliação.

Para finalizar a análise, e torna-la visual e de fácil entendimento aos envolvidos da equipe, utilizamos a Matriz SWOT.

Quais são os principais pontos fortes da Agrishow? 

Quando falamos de Agrishow estamos englobando dois tipos de clientes:

O expositor e o visitante. O expositor é quem compra o produto para apresentar sua empresa, e o visitante que vai ao evento conhecer as tendências do agronegócio.

Para Expositores:

Segundo pesquisa com expositores de 2016 realizada pelo do IBRC (Instituto Brasileiro de Relacionamento com o Cliente), os principais pontos fortes do produto são:

• Qualidade dos visitantes no evento

• Reputação da Agrishow no mercado

• Quantidade de visitantes no evento

Para os Visitantes:

Segundo pesquisa do IBRC (Instituto Brasileiro de Relacionamento com o Cliente) com os visitantes da feira realizada em 2016, as principais pontes fortes do produto são:

• A localização em Ribeirão Preto, considerada a capital do Agronegócio

• A qualidade das empresas que estão expondo

• A variedade de produtos e serviços em exposição

Além das fontes de pesquisa, a entrevista com a representante da empresa e análise das informações da feira indicam que também são pontos fortes:

• A posição no ranking de ser uma das três principais feiras de tecnologia agrícola do mundo e a maior e mais importante na América Latina e sendo considerada tanto para expositores, quanto os visitantes a melhor feira do calendário agrícola brasileiro.

• O reconhecimento pelo mercado e pela mídia como termômetro do agronegócio uma vez que a Agrishow reúne algumas das principais empresas do setor para apresentar aos visitantes, em sua maioria produtores rurais nacionais e do exterior, as novidades tecnológicas para aprimorar suas atividades, e conta com espaços para demonstrações de campo;

• Estrutura e organização equivalente a uma feira internacional: 440 mil m2, 800 marcas expositoras, 159 mil visitantes de mais de 70 países, presença de 700 jornalistas do Brasil e exterior e a previsão anual de movimentação de mais de R$ 2.204 bilhões de negócios;

• Bom relacionamento com o mercado: Parcerias com as principais entidades e associações do setor, órgãos públicos, indústrias e instituições financeiras, cooperativas e produtivas fazem com a feira tenha bom relacionamento e esteja sempre a par antecipadamente das principais decisões a serem impactadas no setor, além de livre trânsito em toda a cadeia produtiva.

• Mais opções de crédito: O evento oferece uma variedade maior que a concorrência em relação as instituições que tem oferecem crédito/financiamento, aos visitantes e expositores que visitam a Agrishow, impulsionando a realização de negócios;

• Visibilidade nacional e internacional: Mais de 40 veículos parceiros de mídia nacional e internacional, e conta com a cobertura durante o evento de cerca de 700 jornalistas nacionais e internacionais. O que faz com que a empresa que é expositora desta e de outras feiras, prefira lançar seus produtos na Agrishow do que nas regionais, pela possibilidade de exposição. A Feira é comprovadamente a maior feira de agronegócios da América Latina e a maior feira outdoor de agronegócios do mundo (em área de exposição aberta);

• Equipe interna especializada: A Agrishow tem funcionários dedicados exclusivamente o ano todo ao desenvolvimento do negócio/feira: equipe de marketing, operacional, jurídica, financeira, B.I, comercial entre outras que buscam a cada ano otimizar a participação de expositores e vendedores, totalizando cerca de 150 pessoas (incluindo fornecedores e intermediários);

• Grandes áreas de estandes para exposição: Na Agrishow é possível ter estande de por exemplo 5.000 metros quadrados, isso faz com que as maiores máquinas do setor sejam expostas somente na feira já que possui espaço e estrutura para suportar essas máquinas. Mais um diferencial da feira perante os concorrentes que os estandes são muito menores em termos de área e por isso não comportam grandes máquinas.

• Rentabilidade do produto/ Crescimento a cada ano: A Agrishow movimentou R$ 2,2 bilhões, teve um aumento de 13% nas vendas em relação ao R$ 1,95 bilhão apurado em 2016.

• Transparência/Confiabilidade de dados: as informações divulgadas são dados e fontes de pesquisas auditadas e divulgadas através do postshow report publicada no site oficial do evento.

• Público Qualificado: a AGRISHOW é a única feira que tem uma entrada controlada por catraca (bilheteria) e que permite a entrada apenas de quem está interessado em comprar e pertence ao setor;

• Comunicação com o visitante o ano todo: Devido ao mailing formado no credenciamento pelo controle de bilheteria, a Agrishow é a única feira que tem o registro dos visitantes e consegue comunicação com o visitante o ano todo, o que estimula a participação na próxima edição, fato muito valorizado pelos expositores.

• Palco para lançamentos nacionais e Internacionais: A Agrishow se difere da concorrência a ter uma visão de plataforma brasileira dos lançamentos mundiais para o setor focada para a realização de negócios. Ou seja, tem uma abordagem macronacional e até internacional dos lançamentos e tecnologias disponíveis para o agronegócio, o que facilita o encontro do comprador e fornecedor o que é evidenciado desde a elaboração do site até as peças promocionais utilizadas. Os concorrentes focam na agricultura familiar, no pequeno e médio agricultor em suas comunicações, limitando o uso veículos de mídia online

• Diversidade nos canais de comunicação: Para fazer a divulgação da sua comunicação, a Agrishow costuma utilizar programas de televisão, anúncios em revistas, banners online, e-mail marketing, Waze, Facebook, SMS para visitantes cadastrados, anúncios em rádios de cidades agrícolas e mídias em companhias aéreas com destinos a cidades agrícolas. É também pioneira em utilizar a mídia programática;

• Canal de conteúdo focado no agronegócio: conteúdo inédito produzido pela equipe interna da Informa Exhibitions: reportagens, entrevistas, e-books, matérias e etc: 

• Localização: A localização do evento (na cidade de Ribeirão Preto) é estratégica para o evento pois a cidade é considerada a “Capital Brasileira do Agronegócio” e grande polo regional no setor de serviços. A cidade possui grande importância na dinâmica regional. A mesorregião detém o posto de maior produtora de cana-de-açúcar do estado de São Paulo e do Brasil, e a 4ª maior produção mundial. É 3ª maior produtora de café do estado de São Paulo, 14ª maior produtora de café do Brasil e 19ª produtora mundial. Ainda se destaca na laranja, com a 5ª maior produção no Brasil e a 10ª no mundo;

Quais são os principais pontos fracos do produto da empresa?

• Preço alto de venda do metro quadrado: o valor do metro quadrado para exposição da Agrishow (R$ 175) é considerado alto em relação às concorrentes (que vão de R$ 80 a R$ 100).

• Infaestrutura do local do evento ainda não é totalmente adequada: embora ofereça grande visibilidade e negócios, a infraestrutura como estacionamento, banheiros, alimentação, valores dos serviços e ingressos é sempre criticada por visitantes e expositores; A questão da reclamação dos serviços, se deve pelo fato de a feira ser maior em proporção de tamanho e público. A Agrishow recebe cerca de 3 vezes mais visitantes e expositores comparados as outras feiras (números comprovados), o que faz com que qualquer investimento em melhoria seja também muito maior e requer um tempo razoável, tempo este que a Agrishow muitas vezes não tem, porque pode somente utilizar a área da “fazenda” (onde ocorre a exposição) por 3 meses ao ano, já que a área pertence ao governo e tem como liderança a associação ABIMAQ. Esse tempo é utilizado para montagem que começa em fevereiro e termina em abril. Já as feiras de Cooperativas têm o ano todo para realizar qualquer tipo de obra do jeito que desejarem e sem burocracias. Esse fato é desconhecido pela maioria dos expositores e visitantes da feira;

• Custo alto para participação do evento: a feira exige um alto investimento por parte do expositor, que tem gastos além da montagem do estande, como deslocamento da equipe, alimentação e hospedagem, e por parte dos visitantes que visitam de diversos lugares e que também precisam pagar para entrar no evento. As outras feiras agrícolas não cobram entrada e também não possuem controle de acesso;

• Burocracia e Morosidade interna: Por ser uma multinacional, o processo de implantação de novas atividades e inovações depende da aprovação de diversas hierarquias antes de ser colocado em prática.

• Não é possível mais aumentar a feira: a Feira não tem como crescer por questão de espaço físico e porque o visitante já não consegue visitar ela toda em um dia. Será necessário avaliar alternativas para criar novos setores e experiências, sem aumentar fisicamente o tamanho da feira.

Analise SWOT
Analise SWOTOs autores (2017)

Analise SWOT descritiva
Analise SWOT descritivaOs autores (2017)

Estratégias Adjacentes :

 

Após realizarmos o levantamento dos pontos fortes, pontos fracos, oportunidades e ameaças, ou seja, analise SWOT utilizamos esses dados para criar as estratégias adjacentes, assim como sugerido na literatura de Campomar (2006).

Ao colocar os dados obtidos na matriz de oportunidade/ameaças observamos que a feira de agronegócio Agrishow se destaca por seu grande número de pontos fortes em proporção aos demais itens avaliados, porem também verificamos que existem oportunidades mais relevantes que grandes ameaças em seu mercado atual, por este motivo o foco dos objetivos será no Crescimento.

Oportunidades ambientais
Oportunidades ambientaisOs autores (2017)

Para planejar a estratégia de maneira coerente com o negócio e com a realidade do mercado, foi importante que se tenha determinado os segmentos de clientes que podem ser atingidos, seus recursos disponíveis e os benefícios, características e diferenciais do produto ou serviço ofertado.

Determinante estabelecer um conjunto de características que represente uma cultura organizacional, conhecendo o posicionamento estratégico atual da Agrishow, já é possível planejar o desenvolvimento esperado. Dessa forma, é o momento de elaborar objetivos que retratem os resultados que a feira pretende atingir futuramente.

Após a definição dos resultados esperados, seguiremos o planejamento dos objetivos e ações que permitam atingir o desenvolvimento pensado. Nesse momento, será necessário pensar no que deverá ser feito, nos recursos necessários, na ordem cronológica de implementação além dos prazos para cada atividade para atingir os resultados esperados.

O mercado está em constante mudança. Contínuas e imprevisíveis alterações nas características dos consumidores, surgimento de novos produtos, concorrentes e fornecedores e a mudança no posicionamento estratégico da organização podem implicar na necessidade de ininterrupta revisão dos objetivos e ações.

Esse replanejamento constante garante que o negócio esteja sempre atualizado e progredindo. Tendo sido eficiente no planejamento e execução da estratégia do negócio, diversos benefícios são esperados, como: maior alinhamento de nosso produto – Agrishow, melhor conhecimento sobre os cliente e concorrentes, maior comprometimento dos colaboradores a atingir os objetivos traçados e maior eficiência na tomada de decisões.

OBJETIVOS – Vamos definir os objetivos que solucionarão os problemas identificados no SWOT (T5)

Subsequente a análise de SWOT, dando continuidade na elaboração do planejamento de marketing é necessário definir os objetivos. A unidade de negócios é responsável por definir estes objetivos e então inicia a administração por objetivo – APO. Para que se tenha êxito neste tipo de administração APO, é necessário seguir 4 critérios, segundo Kotler e Keller:

1. Os objetivos devem ser organizados hierarquicamente, do mais importante para o menos importante;

2. Sempre que possível os objetivos devem ser estabelecidos quantitativamente, para isso é necessário considerar variáveis de quantidade e tempo;

3. As metas devem ser realistas;

4. Os objetivos devem ser consistentes;

Definição dos Objetivos 

Com o intuito de crescer no mercado iremos por meio de nossas forças internas traçar objetivos que nos possibilitam explorar nossas oportunidades conseguindo assim nos blindar das ameaças.

Desta forma, nossos objetivos para a próxima edição é:

• Ampliar a receita do evento provinda de venda de área de m2 em 5%

• Aumentar em 10% o número de visitantes presente no evento

Obs: Essas porcentagens foram calculadas com base na análise das 3 últimas edições e expectativa de receita/meta da Informa Exhibitions Brasil definida pela matriz em Londres.

Para atingir esse objetivo, traçamos 4 objetivos secundários que trabalharão a seguinte ordem:

1. Branding da MARCA Agrishow – como uma feira que traz em primeira mão as novidades do setor

2. Branding do PRODUTO – reforçar a percepção das vantagens do produto

3. Concretização da SOBERANIA DE MERCADO em relação a concorrência – posicionando a AGRISHOW como um evento único em seu formato e porisso sem concorrência direta

4. Ampliar SATISFAÇÃO dos expositores: aumentar a quantidade de visitantes eleva a possibilidade de realização de novos negócios

5. Reforçar as possibilidades de feedback da empresa e a percepção de oportunidades.

Objetivo 1: Tornar-se referência no mercado em relação ao pioneirismo de exibição de novas tecnologias e técnicas de cultivos

Meta: Aumentar a avaliação positiva da AGRISHOW na pesquisa de expositores e visitantes em relação a edição anterior.

Pontos a serem trabalhados de acordo com a análise SWOT:

• W1. O valor do metro quadrado para exposição na Agrishow é considerado alto no mercado em relação a concorrência

• W3. Evento exige alto investimento para participação (tanto para expositores quanto para visitantes)

• W5. Falta novas experiências para estimular os visitantes a conhecerem ou participarem do evento

• O6. Criação de novas ferramentas que facilitem a comercialização no mercado internacional

A Agrishow tem destaque no mercado de feiras de agronegócios porque concentra em um único local grandes lançamentos e marcas e tem grande visibilidade na mídia e imprensa devido a suas parcerias junto as principais entidades do setor, veículos de comunicação, investimento em campanha promocional.

Para assegurar essa visão do mercado e atrair novos visitantes e expositores para o evento, a organização da Agrishow precisa com que ela seja percebida como uma feira pioneira na exibição de produtos e serviços para os produtores rurais de todos os portes. Despertando a necessidade de “conferir de perto lançamentos e novidades”, ficar a par do futuro e tendências do agronegócio.

Se tornando a primeira feira a mostrar uma tecnologia nova no mercado brasileiro e tecnologias de ponta internacionais, o evento “justificará” de certa forma para o mercado porque tem um custo maior de investimento para participar tanto para expositores quanto para visitantes. Conferir de perto o “futuro do agronegócio” não será uma despesa, nem uma fraqueza (W1 e W3) em relação a concorrência e sim um investimento para a empresa que participar expondo ou comprando os produtos na feira e criará ambiente para estimular novos visitantes a participarem do evento (W5) além de estimular a comercialização no mercado internacional uma vez que a organização iria em busca de mais expositores internacionais (O6).

Objetivo 2 – Aperfeiçoar a experiência de visitantes e expositores com o evento 

Meta: intensificar o composto de serviços oferecidos em relação a edição anterior implementando pelo menos 2 novas ações para cada público (2 ações para visitantes e 2 ações para expositores).

 Pontos a serem trabalhados de acordo com a análise SWOT:

• S9. Diversidade nos canais de comunicação com visitantes e expositores

• W5. Falta novas experiências para estimular os visitantes a conhecerem ou participarem do evento

• O1. Desenvolvimento de serviços inéditos no mercado de feiras de agronegócio

• O2. Possibilidade de tornar-se referência em Brand Content

• O5. Possibilidade de comunicação com expositores e visitantes o ano inteiro via aplicativo da feira e plataformas digitais

Com o avanço da tecnologia, nós somos cada vez mais estimulados a nos interessarmos mais pelo novo, pelo diferente. A Agrishow não pode fugir a essa regra e deve sempre e renovar, propondo novas formas de interatividade e serviços durante a feira para que seus diferenciais possam se sobressair em relação a concorrência e as vantagens de participação, os benefícios que serão obtidos para a empresa ao investir na AGRISHOW como visitante e expositor.

Melhorando a experiência do visitante e expositor com a AGRISHOW ao longo de todo o ano, seja por meio de serviços inéditos (O1), plataformas digitais e aplicativo (O5) ou Branded Content (02) supriremos a falta de estímulo para visitar a feira (W5) e ampliaremos a diversidade de canais de comunicação (S9).

Objetivo 3: Modificar a percepção do expositor em relação ao retorno de investimento ao participar da AGRISHOW – Diferenciais em relação a concorrência 

Meta: Aumentar em relação a edição anterior: as vendas de espaço em 5% e 3% de novos expositores.

Pontos a serem trabalhados de acordo com a análise SWOT:

• S1. Produto com reputação forte no setor de feiras de agronegócio

• S2. Grande visibilidade nacional e internacional para expositores

• S3. Público Qualificado e crescente a cada ano

• S4. Localização do evento (cidade) privilegiada

• S5. Confiabilidade dos dados/informações publicadas

• S6. Equipe Interna especializada e dedicada o ano todo ao evento

• S8. Estrutura e organização de grande porte (equivalente à de uma feira internacional)

• W1. O valor do metro quadrado para exposição na Agrishow é considerado alto no mercado em relação a concorrência

• W2. Infraestrutura oferecida no local do evento é considerada insuficiente as necessidades de expositores e visitantes

• W3. Evento exige alto investimento para participação (tanto para expositores quanto para visitantes)

• W4. Burocracia e morosidade na execução dos procedimentos internos

• T5. Migração do público e expositores para feiras da região devido à proximidade das datas de realização

• T6. Migração dos recursos de investimento das empresas expositoras para as plataformas digitais

• O4. Maior fidelização de clientes, conquista de novos visitantes e expositores e reconhecimento da qualidade de seus serviços

Apesar de possuir um alto custo de investimento em relação a concorrência devido ao valor do metro quadrado, a Agrishow deve fazer com que o expositor perceba que o ROI, retorno obtido pelo investimento, seja bem maior que a concorrência e que ao participar da feira suas chances de fechar negócios aumentam consideravelmente.

Os pontos fortes do produto (S1, S2, S3, S4, S5, S6 e S8) seriam enfatizados nas argumentações de venda/materiais promocionais para expositores (site, email mkt, post show, proposta de valor do evento, entre outras) como forma de combater as fraquezas do produto (W1 e W3) e ameaças (T5 e T6). As fraquezas W2 e W4 também serão trabalhadas para que a Oportunidade (O4) seja concretizada.

 Objetivo 4: Aumentar a quantidade de público visitante na próxima edição  

Meta: ampliar o número de visitantes do evento em 10% em relação a edição anterior

Pontos a serem trabalhados de acordo com a análise SWOT:

• S1. Produto com reputação forte no setor de feiras de agronegócio

• S7. Ampla oferta de produtos e serviços oferecidos pelo vasto nº de expositores aos visitantes

• S8. Estrutura e organização de grande porte (equivalente à de uma feira internacional)

• O4. Maior fidelização de clientes, conquista de novos visitantes e expositores e reconhecimento da qualidade de seus serviços

Será necessário um mapeamento profundo da origem (setores x cidades) participantes do evento nas categorias visitante das últimas 3 edições a fim de que se entenda quais públicos poderiam ser trazidos para o evento e a quantidade de variação de uma edição para outra. A análise dás áreas pertencentes aos expositores também seriam analisadas como forma de mapeamento do quanto do mercado o produto está levando para a feira.

Essas análises em confronto com todos os segmentos do agronegócio disponíveis permitiria a identificação de qual segmento de expositores levar para a feira para atrair novos visitantes.

Após esse mapeamento, elaborar projetos que possam estimular a participação de cada público.

Os pontos fortes do produto (S1 e S7 e S8) serão alguns dos argumentos enfatizados nos materiais promocionais para visitantes (site, email mkt, ppt de apresentação da feira, filme institucional, proposta de valor do evento) a fim de concretizar a Oportunidade (o4) de conquistas de novos visitantes.

Objetivo 5: Fortalecer a Comunicação Direta com os visitantes e expositores 

Para crescer e diversificar a AGRISHOW, a comunicação direta com visitantes e expositores precisa ser cada vez mais próxima e diferenciada da concorrência.

Meta: Aumentar a satisfação de expositores e visitantes com o evento em 10%

Pontos a serem trabalhados de acordo com a análise SWOT:

• S6. Equipe Interna especializada e dedicada o ano todo ao evento

• S9. Diversidade nos canais de comunicação com visitantes e expositores

• O2. Possibilidade de tornar-se referência em Brand Content

• O4. Maior fidelização de clientes, conquista de novos visitantes e expositores e reconhecimento da qualidade de seus serviços

• O5. Possibilidade de comunicação com expositores e visitantes o ano inteiro via aplicativo da feira e plataformas digitais

• T2.Crescimento de feiras concorrentes regionais

• T3. Depreciação do nome da feira por relatos negativos

• T5. Migração do público e expositores para feiras da região devido à proximidade das datas de realização

Iremos explorar os pontos fortes do produto (S6 e S9) e utilizar a estratégia de Branded Content (O2) e aplicativos da feira e plataformas digitais (O5) para fidelizar os visitantes (O4) concretizar as Oportunidades (O, O4 e O5) e combater as ameaças ambientais (T2, T3 e T5).

Ressaltaremos sempre os diferenciais da feira perante os concorrentes e aumentaremos a percepção positiva em relação a Agrishow, intensificaremos as ferramentas utilizadas para fazer a comunicação com os visitantes e potenciais expositores o ano todo, ampliando a possibilidade de feedback e elaboração de novos serviços com base nos retornos recebidos.

VIsão Geral
VIsão GeralOs autores (2017)

ESTRATÉGIAS – É hora de escolher as melhores estratégias que nos levarão aos objetivos (T6)

Estratégias 

Com base nas análises anteriores, estabelecemos que os melhores vieses para solucionar os problemas identificados por este projeto estão diretamente relacionados ao estabelecimento de objetivos de crescimento intensivo.  

O crescimento intensivo, segundo o capítulo 2 do livro Administração de marketing de KOTLER, P.; KELLER, K.L. baseia-se na análise do desempenho dos negócios existentes podem melhorar.

Para tal, realizamos a análise das possíveis estratégias a serem determinadas utilizando como referencial teórico as estratégias de crescimento de Ansoff.

Estratégias de crescimento (Ansoff)  

Segundo Campomar (2006) “A abordagem baseia-se no conceito de que há quatro formas de uma organização expandir seus mercados ou desempenho geral do seu mercado. ”, usando como referência esta teoria nota-se que a AGRISHOW se enquadraria na situação de penetração de mercado. Isto se justifica, pois, o serviço oferecido (feira do setor de agronegócios) ofertada pela INFORMA EXHIBITIONS neste projeto já existe no mercado. Bem como, o mercado de atuação das promotoras de feiras para estes serviços é o território nacional. O projeto como um todo pretende desenvolver uma estratégia para aumentar sua presença no Brasil por meio do aperfeiçoamento do produto incluindo novas comodidades para visitantes e expositores e ampliação da divulgação.

Matriz Ansoff

Produtos/Mercados Atuais Novos
Atuais Penetração de Mercado Desenvolvimento de Produtos
Novos Desenvolvimento de Mercado Diversificação

Os autores (2017)

ESTRATÉGIAS 

Estratégias – parte 1
Estratégias - parte 1Os autores (2017)

Estratégias – parte 2
Estratégias - parte 2Os autores (2017)

 A estratégia de marketing deve ser subdividida em estratégias para cada área específica, como produto, preço, distribuição e comunicação de marketing.

 Produto

 

O produto de uma feira de negócios é essencialmente a prestação de um serviço ao seu cliente (seja ele visitante ou expositor), promovendo a realização de negócios por meio do encontro de fornecedores e compradores do setor. Segundo Kotler e Keller, definimos serviço como qualquer ato ou desempenho, essencialmente intangível, que uma parte pode oferecer a outra e que não resulta na propriedade de nada (Kotler e Keller, 2012, p. 382).

Desta forma, a estratégia da AGRISHOW será de aperfeiçoar o produto, oferecendo novas comodidades para visitantes e expositores.

Preço

O preço de venda do metro quadrado da Agrishow deverá ser mantido e apenas reajustado em relação ao IGPM, não poderá ser reduzido neste momento pois para a próxima edição haverá mais investimento em melhorias e consequentemente mais despesas, o que normalmente acarretaria um aumento do valor de venda. No entanto, como a AGRISHOW já é vista como o metro quadrado mais caro dentre as feiras de negócios nacional, a empresa trabalhará na otimização de recursos e reavaliação do processo de realização/produção para oferecer mais ao expositor sem onerá-lo. A receita necessária será fruto da adesão de uma quantidade maior de expositores ao evento.

Praça 

Nossa estratégia será de acrescentarmos novos canais de venda (online) para ampliarmos a possibilidade de venda de merchandising e produtos digitais do evento, aumentando a receita geral do evento.

Tentaremos antecipar a parceria com instituições financeiras a fim de oferecer condições especiais para que expositores possam adquirir estandes maiores por meio de financiamento bancário.

Promoção 

Com a integração de todas as mensagens em todas as mídias, reforçaremos o nome de marca AGRISHOW e os principais pontos de diferenciação do serviço.

Parcerias com novos veículos de mídia, associações nacionais e internacionais, novas ferramentas de divulgação, reforçarão a propaganda da marca e sua imagem no mercado, atraindo a atenção e estimulando a participação no evento.

Será estudada a possibilidade de contratação da assessoria de imprensa por um período maior, como forma de reforçar a construção da diferenciação da marca AGRISHOW no mercado.

A estratégia de promoção priorizará a divulgação online, especialmente no canal mobile, visto que é um instrumento muito utilizado principalmente por este público que fica a maioria do tempo, no campo, em meio as plantações e possui apenas o celular como fonte de contato exterior/de comunicação.

Estratégia 1 – Tornar-se referência no mercado em relação ao pioneirismo de exibição de novas tecnologias e técnicas de cultivos.

• Porque escolhemos participar de feiras como: FarmProgress EUA E Canadá, EIMA Itália, Agritécnica Alemanha para fazer parcerias?

Essas feiras são referência no mercado mundial e as mais citadas por expositores e visitantes, segundo pesquisas apontadas já citadas em outras trilhas deste trabalho.

• Por que realizar parceria com a EMBRAPA?

A EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária é uma instituição pública de pesquisa vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil . Ela é uma empresa focada em inovação tecnológica e geração de conhecimento e tecnologia para agropecuária brasileira e porisso uma referência no mercado.

Estratégia 2 – Aperfeiçoar a experiência dos visitantes e expositores durante o evento.

Com o foco de fortalecer o branding do produto, reforçar a percepção de suas vantagens, ampliaremos o composto de serviços agregados.

• Por que implementar essas ações que melhoram a interatividade com o público?

Segundo pesquisa realizada pela Accenture, 60% dos consumidores brasileiros disseram estar dispostos a pagar mais para ter uma experiência melhor.

Diante dessa importância, pensamos em ações que promovam uma experiência dos clientes mais efetiva e com resultados satisfatórios.

Ação 2.2 – Implementar Ações Sociais e Sustentáveis – Em conjunto com a ESALQ USP, FAESP, SEBRAE, SENAR e ABMRA (Associação brasileira de Marketing Rural) e CCSA (Conselho Cientifico para Agricultura Sustentável), trabalhar áreas de sustentabilidade e ação social no mesmo espaço.

• Por que escolhemos essas entidades e por que fazer ações sociais e sustentáveis?

São entidades de reconhecimento no mercado do agronegócio e ações sociais e sustentáveis são focos da Agenda 21 Brasileira é um processo e instrumento de planejamento participativo para o desenvolvimento sustentável e que tem como eixo central a sustentabilidade, compatibilizando a conservação ambiental, a justiça social e o crescimento econômico. 

Todo e qualquer produto, “não importa de que material seja feito”, provoca impacto no meio ambiente, seja em função de seu processo produtivo, das matérias primas que consome, ou devido ao seu uso ou disposição final” (Chehebe, 1998, p. 9). A empresa é a principal responsável pelo uso não-sustentável dos recursos naturais, pelos desastres ecológicos e pelo uso de tecnologias causadoras de danos irreversíveis (FELDMANN, in JÖHR, 1994).

Alguns consumidores desejam que as empresas pensem mais ecologicamente, considerando que a qualidade de vida não significa apenas qualidade de bens e serviços, mas também do meio ambiente, e sentem-se melhor adquirindo um produto que não o prejudique. As empresas com ética ambiental podem criar e estimular nichos e segmentos de mercados sensibilizados com a perspectiva ambiental (Pereira, 2003). 

Diante da necessidade premente de garantir sua sobrevivência, as organizações devem fornecer produtos ou serviços que agreguem valor à sociedade. Além da preocupação com condições de preço e qualidade de produtos, o consumidor passou a observar as organizações pelo seu desempenho ambiental.

Ação 2.3 – Instalar mais áreas de descanso no evento.

A Agrishow é realizada em uma fazenda descampada. O clima quente da Região de Ribeirão Preto e o tamanho da fazenda faz o visitante se cansar facilmente. Áreas de descanso são necessárias para “repor as energias “ e estimular a visita a mais estandes.

A importância da percepção do cliente de que a empresa pensa em seu bem-estar do cliente é justificada no item a percepção como determinante psicológico (descrita a seguir)

Estratégia 3 – Modificar a percepção do expositor em relação ao retorno de investimento

Vários autores, dentre eles Assael (1992), Baker (2005), Engel et al. (1995), Kotler (1994) e Solomon (1996) concordam que o estágio inicial em qualquer processo de decisão de compra ocorre através da interação de valores, necessidades e influências ambientais. O consumidor faz um julgamento de valor entre as opções de compra buscando identificar a mais vantajosa de acordo com sua percepção, e só então concretiza a compra.

O estudo do comportamento do consumidor focaliza o quanto os estímulos do ambiente externo – sociais, de marketing e situacionais – atuam sobre ele que, através de suas características internas, desencadeia um processo de decisão que o leva a dar uma resposta em relação a um determinado ato de compra (Churchill e Peter, 2000). O estágio inicial em qualquer processo de decisão de compra ocorre através da interação de valores, necessidades e influências ambientais. O consumidor faz um julgamento de valor entre as opções de compra buscando identificar a mais vantajosa de acordo com sua percepção, e só então concretiza a compra.

Entender o comportamento do consumidor envolve estudos buscando agrupá-los em segmentos homogêneos de consumo, pois os hábitos e comportamentos são produzidos e reproduzidos pelas culturas das sociedades e das organizações (Kotler, 2000). O processo de compra de produtos pelos consumidores, passa pela tomada de decisão, onde as informações ‘percebidas’ pelas pessoas são usadas para avaliar e escolher dentre as possíveis alternativas. Percepção é a interpretação que as pessoas fazem de uma mensagem a partir da interação dos estímulos internos e externos, que podem ser diferentes dependendo do indiví- duo (Assael, 1992).

Alguns dos fatores que contribuem para a diferença da percepção e do processo perceptivo entre pessoas incluem o indivíduo, o objeto (produto) e a situação (ambiente ou contexto físico, social e organizacional).

Se fizermos uma análise do modelo de valor proposto por Kotler (1998), devemos considerar que ele se baseia na hipótese de que algumas pessoas optam por comprar de uma empresa que entregue um produto ou serviço cujo valor total seja superior ao custo total da produção em si. Nesse caso, são incluídos na valoração do produto ou serviço fatores como os valores do produto, do serviço oferecido, do atendimento e da imagem da empresa, entre outros.

O valor, para Porter (1992), refere-se ao montante que o comprador está disposto a pagar por aquilo que uma empresa lhe fornece a mais, como o valor agregado pela qualidade de um produto, por exemplo.

A percepção como determinante psicológico

A percepção é a forma pela qual nós podemos organizar, interpretar e selecionar as informações recebidas para compreender o que se encontra ao nosso redor.

A aprendizagem não depende só dos estímulos recebidos do ambiente, mas também das relações entre estes e as condições interiores da pessoa. Para Sheth, Mittal e Newman (2001), a percepção é “um processo pelo qual um indivíduo seleciona, organiza e interpreta a informação que recebe do ambiente para criar uma imagem significativa do mundo”.

Os consumidores como afirmam Nickels e Wood(1999), tomam consciência do mundo externo por meio da percepção daquilo que os cerca. Esse processo ocorre por captação de dados, estímulos e sensações experimentadas por meio dos órgãos sensoriais: audição, visão, olfato, paladar e tato.

A percepção dos clientes como explicam Sheth, Mittal e Newman (2001), é relevante para todos os aspectos das comunicações de marketing. Isso influencia o desenho do produto, as marcas, as embalagens, as peças de merchandising, as propagandas, entre outros aspectos e fatores.

Nós, consumidores, conforme observação de Sheth, Mittal e Newman (2001), não adquirimos um produto ou serviço por si só, mas pelos benefícios ou valores que este nos oferece. Os valores, na visão de Zeithaml (1988, p.14, tradução nossa), são a “avaliação geral do consumidor da utilidade de um produto, baseado em percepções sobre o que é recebido e o que é dado”.

Apesar de possuir um alto custo de investimento em relação a concorrência devido ao valor do metro quadrado, A Agrishow deve fazer com que o expositor perceba que o ROI, retorno obtido pelo investimento é bem maior que a concorrência e que ao participar da feira suas chances de fechar negócios aumentam consideravelmente. Essa percepção será reforçada através das ações citadas no quadro.

Estratégia 4 – Trazer novos públicos para o evento

De acordo com Kotler e Armstrong, autores do livro “Fundamentos de Marketing”, a determinação de mercados-alvo é o processo de avaliar o que é tão atraente todos os mercados do segmento e escolher os segmentos que serão inseridos, Nesse sentido, ambos os autores sugerem que as empresas devem focar segmentos em que podem gerar o maior valor possível para os clientes, de forma rentável e sustentável através do tempo.

Segundo Cobra (1991) um segmento de mercado bem definido, possibilita a eficácia da aplicação dos instrumentos de marketing, otimizando recursos para subdividi-lo de maneira mais adequada.

O cenário que se formou hoje em torno do marketing é considerado dinâmico, indispensável, mutante e altamente concorrencial. A busca do diferencial competitivo é primordial na organização considerando esses fatores de mercado. Diante dessa busca, Kotler (2009), menciona que para ser bem sucedida, a empresa deve realizar um trabalho melhor do que seus concorrentes no que diz respeito à satisfação dos consumidores-alvo.

Desta forma, sugerimos um mapeamento profundo da origem (culturas x cidades) participantes do evento nas categorias de visitantes versus dados dos produtos agrícolas mais exportados pelo Brasil, com o intuito de ampliar o número de visitantes e culturas na ordem de prioridade com base na: soja, cana, pecuária, café, milho, citrus e algodão segundo dados abaixo:

Cultura dos Visitantes de 2017
Cultura dos Visitantes de 2017 Os autores (2017)

Segundo o MAPA (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) . De janeiro a novembro de 2016, as exportações agrícolas brasileiras somaram US$ 66,7 bilhões. Desse valor, 71,9% corresponderam ao comércio exterior de produtos dos complexos soja e sucroalcooleiro e carnes.

De acordo com a AEB Associação de Comércio Exterior do Brasil, a soja em grão permanecerá, pelo terceiro ano, na liderança da exportação do agronegócio do Brasil, com previsão de faturar U$210,660 bilhões. A cotação projetada para 2017 indica alta de 1,6% e a expectativa é exportar 57 toneladas ao preço de US$ 380 por tonelada. Entre os maiores itens das vendas externas do campo também está o frango, com projeção de embarques de 4,2 toneladas, rendendo R$ 6,3 bilhões.

A lista dos principais produtos de exportação do Brasil para 2017 abriga, ainda, o farelo de soja, café e milho em grãos, carnes bovina e suína, fumo em folhas, algodão e açúcar em bruto, além de bovinos vivos. Todos os produtos considerados compõem uma estimativa de receita de US$ 91,7 bilhões para o Brasil, neste ano, em venda de produtos básicos ao exterior.

Ainda com base no estudo da AEB, o açúcar (em bruto) está no topo da lista dos itens semimanufaturados para exportação. O produto teve uma variação de 10,4% em sua cotação estimada, passando de US$ 344 por tonelada em 2016 para US$ 380 na projeção de 2017. Com isso, a receita dos embarques deverá subir de US$ 8,307 bilhões no fechamento do ano passado para US$ 8,550 bilhões em 2017. A projeção considera embarques de 22,5 toneladas neste ano. O valor compõe uma série de produtos que tendem a gerar, ao todo, US$ 29,2 bilhões em semimanufaturados exportados pelo Brasil neste ano.

Estrelas
EstrelasAEB prevê ()

Cidades de acordo com as culturas escolhidas:

Cidades de acordo com as culturas escolhidas:

Soja MS e MT

Sorriso – MT

Maracaju – MS

Cana Morro Agudo – SP

Quirinópolis – GO

Rio Brilhante – MS

Pecuária São Félix do Xingu
– PA  
Corumbá – MS  
Ribas do Rio Pardo
– MS  
Café Alta Mogiana – SP

Patrocínio – MG

Nova Rezende – MG

Milho Sorriso – MT
Nova Ubiratã – MT
Querência – MT
Citrus Matão – SP

Limeira – SP

Bebedouro – SP

Algodão Sapezal – MT
Campo verde – MT
Campo
Novo do Parecis – MT

Os autores (2017)

SOJA 

(Dez municípios) Os produtores de Mato Grosso são responsáveis por 27,9% de toda a soja produzida no país.

(Brasil) Grupo de dez municípios das regiões sul, norte e central de Mato Grosso do Sul concentrou 56,88% do total produzido pelo estado na recém encerrada safra 2015/2016 de soja. Juntas, essas cidades colheram nesta temporada 4,320 milhões de toneladas, enquanto que a produção do estado atingiu o volume recorde de 7,597 milhões de toneladas, de acordo com dados do Sistema de Informação Geográfia do Agronegócio (Siga), da Associação dos Produtores da oleaginosa (Aprosoja/MS).

Conforme a Aprosoja/MS, o município de Maracaju, na região sul, se manteve com o principal produtor de soja do estado.

Cana

Merece destaque o estado de São Paulo, que produz próximo de 60% de toda a cana, açúcar e etanol do país. O segundo maior produtor é o estado do Paraná, com 8% da cana moída no Brasil.

Cana
CanaBrasil, ()

Pecúaria

Brasil Soma 215 Milhões de Cabeças de Gado, Veja as 5 Cidades e os Maiores Rebanhos

         A população de gado bovino em fazendas brasileiras cresceu e atingiu o recorde de 215,2 milhões de cabeças em 2015, com um aumento de 1,3% sobre 2014. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O crescimento de 2015 foi o maior desde 2011 e representa uma aceleração após a queda causada pela seca de 2012 e a variação próxima de zero registrada em 2013 e 2014. Em uma análise regional, o número de animais cresceu mais no Norte (2,9%) e teve queda no Nordeste, com -0,9%.

(Os 5) Vamos aos NÚMEROS

• São Félix do Xingu – PA 2.222.949

• Corumbá – MS 1775101

• Ribas do Rio Pardo – MS 1.101.726

• Cárcere – MT 1.083.531

• Marabá PA – 1.070.400

         Mato Grosso do Sul tem duas cidades entre as cinco com o maior rebanho bovino do país. Segundo a pesquisa Produção da Pecuária Municipal (PPM) 2015, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Corumbá tem a segunda maior quantidade de animais entre todos os municípios brasileiros, com 1.775.101 cabeças e Ribas do Rio Pardo, na região leste, a terceira, com 1.101.726.

O maior rebanho bovino brasileiro, conforme o levantamento está localizado na cidade de São Félix do Xingu, no Pará, que tem 2.222.949 animais. Fecham o top cinco: Cáceres, em Mato Grosso, na quarta posição, com 1.083.531 cabeças e Marabá, também no Pará, na quinta, com 1.070.400 animais.

Café

O Brasil é o maior produtor e exportador de café do mundo e cultiva duas espécies de café: Coffea Arabica e Coffea Canephora. O primeiro é o café arábica, demandado em blends de alta qualidade, o segundo é o café robusta, também conhecido como conilon no Brasil e utilizado na indústria de café solúvel.

Segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), o parque cafeeiro nacional é estimado em 2,25 milhões de hectares e compreende um universo de cerca de 290 mil produtores, a maioria pequenos, que estão espalhados por aproximadamente 1.900 municípios.

No ano passado, o Brasil colheu 42,3 milhões de sacas de 60 quilos e registrou um recorde de exportações de 36,80 milhões de sacas – crescimento de 1,3% em comparação ao ano anterior. A produção de café arábica foi de 32,05 milhões de sacas e a de café conilon totalizou de 11,19 milhões de sacas. De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produtividade média por hectare é de 22,49 sacas.

As lavouras cafeeiras estão presentes em 15 Estados brasileiros: Acre, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rondônia e São Paulo. Características de solo, altitude, amplitude térmica e clima são determinantes para a qualidade da bebida na xícara, por isso é comum ouvir que existe diversos Brasis dentro do Brasil.

(Produção) O café terá peculiaridades específicas quanto de aroma, corpo, acidez e doçura dependendo do local e das particularidades de relevo de onde é produzido. Por conta da dimensão territorial do Brasil, é comum um mesmo Estado ter diferentes tipos de café. Minas Gerais é um exemplo. O Estado concentra 50% da produção nacional do grão e possui as seguintes regiões produtoras: Cerrado Mineiro, Mantiqueira de Minas, Sul de Minas, Chapada de Minas, Matas das Minas, Cerrados de Minas.

Café
CaféProdução ()

Milho

Pouca gente sabe, mas 80% das 200 mil toneladas de pipoca consumidas no Brasil saem de uma cidade no interior do Mato Grosso: Campo Novo do Parecis, localizada a 400 quilômetros de Cuiabá.

(Com safra) Líder nacional na produção de grãos, Mato Grosso tem colhido ótimos resultados nas últimas safras. Além de ter expectativa de produzir 25% do total da produção do país, também deve ser o maior produtor de milho do país em 2017. É o que estima o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Em 2016 a colheita do do milho chegou a 19 milhões de toneladas no estado. Com expansão de área, aumento de produtividade e chuvas regulares, neste ano a expectativa é que a safra ultrapasse 28 milhões de toneladas, considerada a maior da história em Mato Grosso.

A produção nacional de milho em 2017 deve alcançar valores representativos, atingindo em março uma estimativa de 92.370.829 toneladas, aumento de 4,4% em relação ao levantado em fevereiro.

Os municípios de maior incremento foram: Sorriso, Nova Ubiratã, Querência, Sinop, Nova Mutum e Diamantino. Segundo informações do levantamento, se continuar a chover regularmente até 15, 20 de abril, praticamente todo o milho plantado será colhido com excelente produtividade.

Citrus

Cinturão citrícola (São Paulo e Triângulo Mineiro)

A citricultura brasileira tem passado por mudanças no padrão tecnológico que são ainda mais notáveis em São Paulo e no Triângulo Mineiro, o chamado cinturão citrícola, de onde saem mais de 80% das laranjas produzidas no país. Apesar de esta ser uma região contínua, existem diferenças significativas da citricultura de uma determinada localidade em relação à outra. Para fins didáticos, no sentido de entender as particularidades das regiões, neste trabalho o cinturão citrícola foi dividido em cinco regiões produtoras denominadas de (1) Noroeste, (2) Norte, (3) Centro, (4) Sul, em função da sua posição geográfica no Estado de São Paulo, e (5) Castelo, nome atribuído em função de sua posição em relação ao eixo da rodovia Castelo Branco. A Figura  mostra essas regiões indicando também onde as fábricas processadoras estão localizadas. 

Citrus
CitrusO retrato ()

Algodão

(Algodão:) O Brasil produz uma quantidade estimada de 1.639.537 toneladas métricas de algodão por ano. A produção de algodão aumentou recentemente devido às várias intervenções econômicas e tecnológicas, como o apoio governamental, o surgimento das novas regiões produtoras de algodão, e tecnologias de agricultura de precisão. O estado de maior produção é o Mato Grosso. O Brasil é também o terceiro maior exportador no mundo.

Sapezal foi o grande destaque do Estado, ficando atrás apenas de São Desidério (BA). O município mato-grossense produziu 440 mil toneladas, 2% a mais em relação a 2014. Campo Verde aparece em 3º no ranking, com uma produção de 336 mil toneladas, com 21,9% de aumento. Campo Novo do Parecis ficou em 4º lugar, produzindo 145 mil toneladas (8,8% a mais). Diamantino ficou em 5º, com 144 mil toneladas e queda de 31,5%.

AÇÕES TÁTICAS – Vamos elaborar as principais ações para cada estratégia escolhida (T7)

Estratégias

Estratégia 1.1- Captar expositores internacionais que possam oferecer serviços e novas tecnologias ou avançadas que melhorem a produtividade

Nossa primeira ação tática será tentar trazer expositores internacionais para o evento e proporcionar ao visitante encontrar novidades que ainda não estão disponíveis no mercado brasileiro.

Ação 1.1.1 – Para viabilizarmos, participaremos de feiras como: FarmProgress EUA E Canadá, EIMA Itália, Agritécnica Alemanha. Bem como fecharemos Apoios com Instituições que apoiam essas feiras.

As parcerias serão realizadas, controladas e terão os custos absorvidos pela equipe comercial composta pela Priscila (Executiva de Vendas) e Marilda (Gerente do evento).

O Custo para esta ação está previsto em: R$ 30.150,00 pois será necessário Investimento em viagem e elaboração de material de divulgação em inglês, desta forma teremos a despesa de R$ 28.000,00 com passagens aéreas, hospedagem e alimentação durante visita a 2 feiras internacionais ( FarmProgress e Agritecnica), R$ 650,00 ingressos para entrada nessas feiras e R$ 1.500,00 em material em inglês para divulgação. O período de realização do planejamento, providências e elaboração e materiais será de Junho/2018 a Julho/2018 e as viagens ocorreram em Agosto /2018 e Novembro/2018

Estratégia 1.2- Implementar uma área na feira para entidades

Promover dentro da AGRISHOW um espaço para exposição ao público de estudos, pesquisas e demonstração ao vivo das soluções encontradas ou em andamento para o setor assim como formas de prevenção em relação a pragas por cultura e/ou região.

Ação 1.2.1 – Para viabilizarmos, sugerimos inicialmente a ampliação da área da EMBRAPA, principal entidade de pesquisa do setor, criando um espaço para atendimento por cultura ou região e mais atividades colaborativas e interativas.

A ação será realizada, controlada e terá o custo absorvido pela equipe comercial composta Marilda (Gerente do evento) e José (Diretor do Evento).

O Custo para esta ação está previsto em: R$ 72.500,00 pois será necessário investir R$ 70.000,00 na aérea, projeto e serviços, R$ 500,00 em divulgação nas redes sociais e R$ 2.000,00 em material impresso. A ação de elaboração do projeto e negociação será realizado de Setembro/2018 a Janeiro/2019 e em Maio/2019 executaremos a atividade.

Estratégia 2.1 – Implementar ações que proporcionem a experiência de interatividade com o público visitante.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Accenture 60% dos consumidores brasileiros afirmaram estar dispostos a pagar um valor superior por novas experiências. Desta forma com foco em fortalecer o branding do produto, reforçar a percepção de suas vantagens, ampliaremos o composto de serviços agregados fortalecerá nossa marca junto aos visitantes.

Ação 2.1.1 – Implementar ações que proporcionem a experiência de interatividade com o público visitante.

Visando proporcionar aos nossos visitantes uma experiência nova em feiras de agronegócio iremos propor aos visitantes uma experiência de realidade aumentada em 3D , onde os mesmos serão convidados a utilizarem óculos virtuais que mostraram na prática como será administrar uma fazenda no futuro.

Para a realização desta ação será necessário reunir empresas e instituições que viabilizem financeiramente esta experiência. Premier será realizada com jornalistas em coletiva de imprensa e no local será disponibilizado via fila no local.Devido ao alto custo proporcionaremos 20 sessões de 15 minutos para 100 pessoas durante os 4 dias do evento.

A ação será realizada, controlada e terá o custo absorvido pela equipe comercial e de Marketing composta por Marilda (Gerente do evento), Adriana (Gerente de MKT) e José (Diretor do Evento).

O Custo para esta ação está previsto em: R$ 113.000,00 Investindo R$ 60.000,00 em Área + Projeto especial (montagem de tenda, fechamento, cadeiras etc), R$ 4.000,00 para produção de 5.000 óculos 3D descartáveis , R$ 15.000,00 em locação de recursos audiovisuais (telão , sonorização) , R$ 30.000,00 em produção e animação de vídeos, R$ 3.000,00 com Staff (recepcionista, operador de som) e R$ 1.000,00 com Unifilas.

A elaboração do projeto e contratação de serviços será realizado de Setembro/2018 a Janeiro/2019 e em Maio/2019 será executada a ação.

Ação 2.1.2 – Aviso GPS (Ebeacon) das atrações da feira para visitantes que tenha o APP da Agrishow

Ainda visando proporcionar novas experiencias os visitantes que baixarem o APP da Agrishow no smartphone ou Iphone, terão acesso a um aviso por meio de sinal de GPS (Ebeacon).

Por meio desta ferramenta o visitante será avisado de informações interessantes ao passar pelos pontos da feira, exemplo, ao passar próximo a um auditório receberá o alerta de um evento realizado naquele momento, exposições especiais, diretoria do evento entre outros.

Desta forma proporcionaremos ao visitante maior conforto e participação nos estandes e eventos de maior interesse.

A ação será realizada, controlada e terá o custo absorvido pela equipe comercial e de Marketing composta por Marilda (Gerente do evento), Adriana (Gerente de MKT) e José (Diretor do Evento).

O Custo para esta ação está previsto em: R$ 15.000,00 onde será gasto R$ 10.000,00 com locação de 5 antenas de sinal GPS( Ebeacon) e R$ 5.000,00 para integração do GPS com o APP Agrishow.

A elaboração do projeto e contratação de serviços será realizado de Setembro/2018 a Janeiro/2019 e em Maio/2019 será executada a ação.

Estratégia 2.2 – Implementar Ações Sociais e Sustentáveis – Em conjunto com a ESALQ USP, FAESP, SEBRAE, SENAR e ABMRA (Associação brasileira de Marketing Rural) e CCSA (Conselho Cientifico para Agricultura Sustentável).

São entidades de reconhecimento no mercado do agronegócio e ações sociais e sustentáveis são focos da Agenda 21 Brasileira é um processo e instrumento de planejamento participativo para o desenvolvimento sustentável e que tem como eixo central a sustentabilidade, compatibilizando a conservação ambiental, a justiça social e o crescimento econômico.

Todo e qualquer produto, “não importa de que material seja feito”, provoca impacto no meio ambiente, seja em função de seu processo produtivo, das matérias primas que consome, ou devido ao seu uso ou disposição final” (Chehebe, 1998, p. 9). A empresa é a principal responsável pelo uso não-sustentável dos recursos naturais, pelos desastres ecológicos e pelo uso de tecnologias causadoras de danos irreversíveis (FELDMANN, in JÖHR, 1994).

Alguns consumidores desejam que as empresas pensem mais ecologicamente, considerando que a qualidade de vida não significa apenas qualidade de bens e serviços, mas também do meio ambiente, e sentem-se melhor adquirindo um produto que não o prejudique. As empresas com ética ambiental podem criar e estimular nichos e segmentos de mercados sensibilizados com a perspectiva ambiental (Pereira, 2003).

Diante da necessidade premente de garantir sua sobrevivência, as organizações devem fornecer produtos ou serviços que agreguem valor à sociedade. Além da preocupação com condições de preço e qualidade de produtos, o consumidor passou a observar as organizações pelo seu desempenho ambiental.

Ação 2.2.1- Áreas de demonstração de tecnologias sustentáveis e ações sociais.

Criar áreas de demonstração de tecnologias sustentáveis com a CCSA. Com as demais, criar ações sociais incentivando os jovens produtores com orientação de carreiras do futuro, cursos profissionalizantes, agencias de recrutamento e oferecendo vagas também.

Ação 2.2.2- Orientação profissional

Orientação profissional na administração de problemas administrativos e/ou venda, marketing etc. Trabalhar também a parte social incentivando jovens a permanecer no campo.

A ação será realizada, controlada e terá o custo absorvido pela equipe de marketing composta Danieli (Coordenadora. De MKT ), Adriana (Gerente de MKT) e Marilda(Gerente de MKT) .

O Custo para esta ação está previsto em: R$ 37.000,00 que será divido com os seguintes recursos R$ 30.000,00 com área e projeto , R$ 5.000,00 com Serviços e Staff (Buffet, Recepcionistas, limpeza e etc), R$ 500,00 com divulgação em redes sociais e R$ 1.500,00 em materiais impressos de divulgação.

A elaboração do projeto e contratação de serviços será realizado de Setembro/2018 a Janeiro/2019 e em Maio/2019 será executada a ação.

Estratégia 2.3- Instalar mais áreas de descanso no evento.

A Agrishow é realizada em uma fazenda descampada. O clima quente da Região de Ribeirão Preto e o tamanho da fazenda faz o visitante se cansar facilmente. Áreas de descanso são necessárias para “repor as energias “ e estimular a visita a mais estandes.

A importância da percepção do cliente de que a empresa pensa em seu bem-estar do cliente é justificada no item a percepção como determinante psicológico Kotler (1994).

Ação 2.3.1 – Criar áreas patrocinadas durante o evento , onde o visitante terá o conforto de carregar celulares, oferecer massagem nos pés, redes ou cadeiras relaxantes. Venda de açaí ou produtos para ajudar a dar energia, hidratar e se proteger do sol (venda ou sampling de protetor solar).Para oferecer esses benefícios ao nosso visitante faremos a venda 3 espaços para empresas interessadas em fornecer esses serviços.

A ação será realizada, controlada e terá o custo absorvido pela equipe de marketing composta Danieli (Coordenadora. De MKT ), Adriana (Gerente de MKT) e Marilda(Gerente de MKT) .

O Custo para esta ação está previsto em: R$ 20.000,00 com esse valor desenvolveremos o projeto de 3 áreas de relaxamento e mobiliaremos com os acessórios necessários.

A elaboração do projeto ocorrerá em Setembro/2018 e Outubro/2018, a vendas dos espaços ocorrerá de Novembro/2018 a Março/2019 , Abril/2019 ocorrerá a contratação dos serviços e em Maio/2019 será executada a ação.

Estratégia 3.1 Preparar material virtual com conteúdo rico, relevante, impactante, original e inusitado.

Visando reforçar a marca e a importância da feira Agrishow no mercado de agronegócio, iremos trabalhar com um material mais assertivo, onde conte informações mais relevantes de número de visitantes, qualidade dos mesmos, localização, retorno para os expositores entre outro.

Ação 3.1.1 – Elaborar materiais em forma de vídeo ou animação e cases de expositores e visitantes .

Será realizada a contratação de um pacote de produção de vídeos animados e cases de sucesso para a captação dos depoimentos , onde serão captadas as boas experiencias vividas em nossos eventos . Após editado esses vídeos serão divulgados por meio de redes sociais, e-mails e demais plantaformas.

O Custo previsto para realizar essa ação é de R$ 52.000,00 com esse valor desenvolveremos a ação citada acima considerando também a alimentação , transporte e hospedagem de funcionários.

A elaboração do escopo e produção dos vídeos animados e divulgação dos projetos cases para ajudar na campanha de 2019 será realizada de Junho/2018 a Julho 2018, a divulgação dos vídeos animados será de Agosto/2018 a Novembro/2018 ,em Março/2019 e Abril/2019 será a elaboração do escopo dos projetos de cases e em Maio/2019 executaremos a atividade .

Ação 3.1.2 – Criar infográficos, com linguagem padrão que siga desenho corporativo e seja enviado através de redes sociais e e-mail marketing com a visualização simples de formas de retorno de investimento.

Optamos por criar Infográfico pois se trata de um tipo de representação visual que une textos breves com figuras e esquemas a fim de explicar um conteúdo para o leitor.Por mesclar texto com imagens, um infográfico estimula os dois lados do cérebro (direito, responsável por entender e interpretar figuras, e o esquerdo, voltado ao raciocínio lógico e à escrita).Essa combinação torna a leitura muito mais fácil do que a compreensão dos elementos isolados.

Assim criando uma identidade e maior envolvimento com a marca Agrishow e com um fácil entendimento por parte dos leitores da publicação, assim visializando rapidamente o ROI.

Para a elaboração desta ação teremos o custo de R$ 5.000,00 , e faremos a elaboração e a produção em Junho/2018 a Julho/2018 e faremos a divulgação destes Infográficos de Agosto/2018 à novembro /2018.

Ação 3.1.3- Disponibilizar o patrocínio de produtos de branded content da AGRISHOW

Estes serão elaborados pré-feira e resultará na entrega de leads qualificados para cada tipo de estratégia do expositor e/ou produto. Com essa estratégia conseguiremos passar a mensagem da nossa marca sem a citar a mesma , com essa ferramenta pretendemos construir relacionamentos mais fortes com os consumidores, já que funciona como ferramenta de comunicação publicitária que reúne entretenimento e projeção de marca.Esse material será desenvolvido por nossa equipe interna.

Para realizar essas ações de imagem designamos a Adriana (Gerente de MKT) e Danieli ( Coord. De MKT ), que conduziram as ações acimas citadas. Como utilizaremos nossa expertise interna teremos o custo de R$ 2.000,00 que utilizaremos na divulgação dos materiais nas redes sociais e demais plataformas.

Estratégia 3.2 – Realizar eventos e ações de relacionamento com os principais clientes VIP e expositores.

Com os eventos de relacionamento visamos ter uma maior proximidade e uma participação mais ativa dos nosso expositores e clientes VIPs, melhorando nosso relacionamento e a percepção de custo-benefício

Ação 3.2.1 – Disponibilizar a clientes selecionados pela equipe comercial convites para espetáculos, shows, degustações de vinho, passeios especiais na cidade e etc. e Envio de um brinde/lembrança via correio após o evento agradecendo a participação como expositor.

Segundo William F. Arens, os brindes e eventos de relacionamento passam aos clientes uma sensação de satisfação, aumentando assim a percepção positiva que influencia no desejo de fazer novos negócios. Desta forma faremos esse trabalho com nossos expositores e clientes VIPs caso não seja possível atender a 100% dos mesmos enviaremos para os 100 Top expositores como agradecimento.

O planejamento será realizado em Junho/2018 e em Julho/2018 e Agosto/2018 as ações serão implementadas.

Nossas funcionárias Marilda (Gerente do Evento), Adriana (Gerente de MKT) e Danieli ( Coord. De MKT ) serão as responsáveis por executar essa ação. Estamos estimando um custo de R$ R$ 20.000,00 que serão gastos com contratação de serviços, ingressos, produção de materiais e envio de convites e brindes.

Estratégia 3.3- – Implementação de melhorias na qualidade dos serviços prestados aos expositores (pré-feira, durante o evento e pós-evento) além da revisão dos processos internos da empresa afim de agilizar o atendimento ao expositor.

Para obter o máximo proveito da participação dos nossos expositores, oferecemos a oportunidade de incrementar a participação dos mesmos nas nossas feiras. Para conseguir proporcionar isso executaremos as ações citadas abaixo.

Ação 3.3.1- Aumentar a quantidade de pessoas no atendimento ao expositor

A fim de oferecer um serviço de melhor qualidade e personalizado iremos contratar mais 3 funcionários terceirizados para atendimento do expositor assim ampliaremos de 2 para 5 pessoas. Além de um ativo constante de atividades e lembrete de check list. Esses funcionários serão contratados pelo período de 7 meses por um custo de R$ 63.000,00 a seleção dos mesmos será realizado em Setembro e Outubro/2018 e os mesmos exerceram a função acima citado de Novembro/2018 a Junho/2019.

Ação 3.3. 2 – Realizar treinamento via webinar com expositores

Com essa iniciativa manteremos um contato constante com nossos expositores ajudando em sua atualização e aumentando os benefícios por ele percebido ao expor sua marca em nossa feira.

Para proporcionar maior comodidade e maior adesão de nosso expositores os treinamentos serão ministrados por meio da ferramenta webinar, desta forma não será necessário o deslocamento dos expositores evitando ter que se ausentarem de seus postos de trabalho.

As elaborações das atividades será realizada em Janeiro/2019 e as atividades serão ministradas de Fevereiro/2019 a Abril/2019

Ação 3.3.3 – Canal de whatsapp para clientes Premium

Como forma de segmentar ainda melhor nosso clientes , aos que investirem em um estande a partir de 1800m2, será disponibilizado um canal de whatsapp para um atendente exclusivo e seus respectivos expositores como forma de um serviço mais Premium e exclusivo.

Os responsáveis por essas atividades será a Priscila Alves (Coord de Atendimento) e Marilda (Gerente do Evento ), para executar a ação será disponibilizado a verba de R$ 2.500,00 para as mesmas efetuaram a compra de 3 celulares em Outubro/2019.

Estratégia 4.1 – Criar eventos paralelos por cultura, através de contato com associações e organizações ligadas ao aquele tipo de cultura, bem como sindicatos e cooperativas rurais, que atraia novos visitantes

.Ação 4.1.1 – Planejamento de eventos referente as culturas: soja, cana, pecuária, café, milho, citrus e algodão. Planejar eventos paralelos relacionados a essas culturas.

Segundo Cobra (1991) um segmento de mercado bem definido, possibilita a eficácia da aplicação dos instrumentos de marketing, otimizando recursos para subdividi-lo de maneira mais adequada.

Por este motivo seguindo tendência de crescimento no mercado de soja, cana, pecuária, café, milho, citrus e algodão iremos investir com eventos voltados aos que se interessem por esse mercado assim atingindo um mercado ainda maior.

Para obtermos sucesso iremos fazer a contratação de equipe de eventos terceirizada para elaboração da programação e organização do evento e acompanhamento no local e divulgação dos eventos nas redes sociais. E ainda disponibilizaremos material de divulgação Online e Impressa.

O custo estimado para essa ação é de R$ 48.000,00 com o planejamento previsto de Setembro a Dezembro/2018, em Janeiro/2019 iniciaremos a produção de Materiais para divulgação a partir de Fevereiro até Abril/2019 faremos a divulgação on-line e em Maio/2019 faremos a execução do evento e a divulgação impressa no local. Esta ação será executada por Marilda (Gerente do Evento ), Adriana (Gerente de MKT) e Danieli ( Coord. De MKT ).

Estrategia 4.2 – Fechar parcerias com Associações de Produtores Rurais das culturas que menos visitam com incentivo de caravanas.

Ação 4.2.1 – Fechar parcerias com sindicatos de produtores rurais, cooperativas e associações das culturas: soja, cana, pecuária, café, milho, citrus e algodão.

Para realizar essas parcerias contaremos com o apoio de estudos de mercado realizados por associações e cooperativas de cada cultura, a partir destas pesquisas iremos definir nossas prioridades .

Após esta fase iremos iniciar um fase de contato e negociação com os órgãos para fecharmos parcerias que sejam produtivas e benéficas para os associados e para a Agrishow.

Essa ação será realizada por nosso equipe interna e terá como responsável a Danieli ( Coord. De MKT ), a pesquisa dos estudos de mercado serão realizado de Setembro a Dezembro/2018 ao final das pesquisas no mesmo mês faremos a definição das prioridades e a partir de janeiro/2019 a Abril/2019 faremos os contatos e as negociações.

 Estratégia 4.3 – Ampliar planejamento de mídia para as principais cidades e/ou estados das culturas de: soja, cana, pecuária, café, milho, citrus e algodão

Atuaremos na cidade chave de cada mercado são elas :

• Soja – Sorriso – MT/Maracaju – MS

• Cana – Morro Agudo – SP, Quirinópolis – GO e Rio Brilhante – MS

• Pecuária: São Félix do Xingu – PA , Corumbá – MS e Ribas do Rio Pardo – MS

• Café: Alta Mogiana – SP, Patrocínio – MG, Nova Rezende – MG

• Milho: Sorriso – MT, Nova Ubiratã – MT, Querência – MT

• Citrus: Matão – SP, Limeira – SP, Bebedouro – SP

• Algodão: Sapezal – MT, Campo verde – MT e Campo Novo do Parecis – MT

Ação 4.3.1- Atuar nas cidades chave.

Atuaremos com as mídias disponíveis nas cidades escolhidas, onde trabalharemos as mais populares e com maior visibilidade junto ao nosso futuro cliente. Para conseguirmos atingir nossos objetivos contrataremos uma empresa especializada para produzir nossa mídia.

Essa ação será coordenada pela nossa coordenadora de marketing Danieli, será disponibilizado a verba de R$ 35.000,00, nos meses de Setembro a Outubro/2018 será realizada a pesquisa e Orçamentos de mídias disponíveis em cada cidade, Novembro/2018 contrataremos o serviço que for mais viável , Janeiro/2019 faremos a produção de materiais de divulgação e de Fevereiro a Maio/2019 será a divulgação.

Estratégia 5.1- Otimização do app da Agrishow como uma forma contínua de interação com os visitantes que possibilitará a troca de experiências dos visitantes, pesquisas pontuais, cadastro de interessados (ampliação de mailing), identificação de empresas de interesses dos visitantes, recebimento de sugestões, reclamações e atendimento

Ação 5.1.1 – Incluir novas funcionalidades no APP

Incluir novas funcionalidades como: Fale com a Agrishow, cadastre-se e receba informações de venda antecipada de ingressos. Criar um canal de sugestões como: “Sugira algo interessante para a Agrishow” em que as melhores ideias ganharão ingressos (no caso de visitantes ).

Após o desenvolvimento destas melhorias faremos a divulgação do APP por meio das redes sociais, para atingir um grande público com essa novidade. Custo estimado em R$ 11.000,00 tendo como responsáveis pela ação as funcionárias Adriana (Gerente de MKT) e Danieli ( Coord. De MKT ).

Nos meses de Agosto e Setembro/2018 será realizado o planejamento das novas funcionalidades de Outubro e Novembro/2018 trabalharemos no desenvolvimento desta ferramenta e de Janeiro a Maio/2019 trabalharemos na divulgação.

Estratégia 5.2 – Criar chat box e lembretes de SMS dentro do sistema do expositor

Ação 5.2.1 – Para expositores além do canal de chat box ele poderá acionar lembretes por SMS se desejar (será feito um sistema especifico para isso) pelo celular

Visando a maior comodidade e conectividade com nossos expositores também daremos a opção de nos comunicarmos para sugestões, duvidas, elogios, críticas entre outros. Para atender esses expositores faremos a Contratação da Ferramenta de Chat Box que permite envio de mensagens, contrataremos também a ferramenta SMS e desenvolveremos um sistema que proporcione a integração.

Para colcoamos essas açaõ em praticamos o custo será de R$ 17.000,00 e será coordenado por Priscila Alves (Coord de Atendimento) e Marilda (Gerente do Evento ). O planejamento será realizado de Julho a Outubro/2018 e entrerá em execução de Janeiro a Maio/2019.

Estratégias 5.3 – Patrocínio de festas e eventos regionais para divulgação da AGRISHOW e aproximação com seus públicos-alvo.

Ação 5.3.1 – Patrocínios de festas regionais.

Patrocínios de festas regionais com um espaço da Agrishow no evento com alguma atração que inspire a visitar o evento. Para definirmos o mercado que investiremos faremos uma pesquisa de mercado para ser assertivos no patrocínio, assim faremos a seleção usando como critério a prioridade e para a realização do evento contrataremos uma empresa especializada

De Junho a Agosto/2018 será realizado o trabalho de pesquisa e orçamentos dos eventos disponíveis de Setembro e Outubro/2018 faremos a contratação do serviço e de Setembro/2018 a Abril/2019 faremos as participações no evento.

A ação será responsabilidade de Adriana (Gerente de MKT) e Danieli ( Coord. De MKT ) e terá custo de R$ 100.000,00.

Itens de Controle

Feiras Internacionais


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição dos responsáveis pelos materiais; Maio 2018 1ª semana de Maio ou cancelamento da feira de agosto
Preparação do material de divulgação; Junho 2018 1ª semana de Julho ou cancelamento da feira de agosto;
Definição dos responsáveis pela logística de viagem; Junho 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento
Verificação de listagem de expositores e planejamento de abordagem; Junho a Novembro 2018 Até a semana anterior a viagem;
Elaboração de relatório de abordagens; Setembro e Novembro 2018 15 dias subsequentes ao retorno;
Retorno de contato junto aos leads abordados na ação; A cada 15 dias após a visita nas feiras Retorno e acompanhamento via CRM;

Os autores (2017)

EMPRAPA


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Cronograma de reuniões com a entidade; 30 dias, de setembro 2018 a janeiro; 15 dias de fevereiro a maio 2019 Reagendamento em caso de intercorrência;
Definição do projeto, área, tamanho e localização; Novembro 2018 Dezembro, podendo ser alterado até janeiro
Elaboração de campanha mídia impressa e digital; Janeiro a Maio 2019 Abril 2019 para start,
Ações de divulgação redes sociais; Janeiro a Maio 2019 Abril 2019 para start,
Ações de divulgação diretas; Março a Maio 2019 Abril 2019 para start,
Organização de logística de instalação e atendimento na feira; Abril 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;

Os autores (2017)

Cinema 3D


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição de área e agenda; Setembro 2018 1ª semana de outubro 2018
Elaboração do vídeo;    
Aquisição do material especifico para ação; Janeiro 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Realização de ações de divulgação e convites; Março a Maio 2018  
Avaliação de aceitabilidade; Durante o evento Pode ser realizado por e-mail marketing

Os autores (2017)

APP


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Cadastro de mapa atualizado; Junho 2018 1ª semana de Agosto, ou cancelamento da ação
Cadastro de cronogramas e agendas; Agosto 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento
Divulgação do aplicativo para ser baixado antecipadamente pelo
visitante;
Janeiro a Maio de 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento

Os autores (2017)

Ações sociais com entidades


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Cronograma de reuniões com a entidade; 30 dias, de setembro 2018 a janeiro; 15 dias de fevereiro a maio 2019 Reagendamento em caso de intercorrência;
Definição do projeto, área, tamanho e localização; Novembro 2018 Dezembro, podendo ser alterado até janeiro
Elaboração de campanha mídia impressa e digital; Janeiro a Maio 2019 Abril 2019 para start,
Ações de divulgação redes sociais; Janeiro a Maio 2019 Abril 2019 para start,
Ações de divulgação diretas; Março a Maio 2019 Abril 2019 para start,
Organização de logística de instalação e atendimento na feira; Abril 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;

Os autores (2017)

Área de descanso


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Previsão da localização Setembro outubro 2018; 1ª semana de novembro
Liberação para venda de espaços; Novembro a março 2019; Cancelamento de áreas não comercializadas;
Contratação da logística; Abril 2019; Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Avaliação de satisfação; Durante o evento  

Os autores (2017)

Material rico


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição dos temas de interesse; Junho 2018 1ª semana de Julho 2018
Criação de vídeos; Julho 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Ações de divulgação redes sociais; Janeiro a Maio 2019 Abril 2019 para start,
Elaboração de Cases; Março a Abril 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Avaliação de satisfação Durante o evento Pode ser realizada por e-mail marketing;

Os autores (2017)

Infográficos


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição dos temas de interesse; Junho 2018 1ª semana de Julho 2018
Criação dos infográficos; Julho 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Ações de divulgação redes sociais; Janeiro a Maio 2019 Abril 2019 para start,
Avaliação de satisfação Durante o evento Pode ser realizada por e-mail marketing;

Os autores (2017)

Produtos Patrocinados


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição dos produtos Setembro outubro 2018; 1ª semana de novembro
Liberação para venda de patrocínios; Novembro a março 2019; Cancelamento de áreas não comercializadas;
Contratação da logística; Abril 2019; Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Avaliação de satisfação; Durante o evento Pode ser realizada por e-mail marketing

Os autores (2017)

Eventos VIP

Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição dos clientes considerados VIP; Janeiro de 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Elaboração de convites; Março 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Definição de eventos e logística; Fevereiro 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Definição de equipe própria de garantia de satisfação; Março de 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Avaliação de satisfação; Posterior ao evento por telefone Retornar até sucesso de respostas;

Os autores (2017)

Aumento de RH


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição dos requisitos para contratação; Setembro de 2018 1ª semana de outubro 2018
Seleção e entrevistas Outubro 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Capacitação Novembro 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Execução de atendimento Novembro 2018 a Junho 2019 Encerra com pesquisa de satisfação de clientes VIP

Os autores (2017)

Capacitação dos Expositores


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição dos temas de interesse; Junho 2018 1ª semana de Julho 2018
Criação dos vídeos de treinamento; Julho 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Ações de divulgação redes sociais; Janeiro a Abril 2019 Abril 2019 para start,
Disponibilização de treinamento Março a Abril 2019 Abril para start
Avaliação de satisfação Durante o evento Pode ser realizada por e-mail marketing;

Os autores (2017)

Canal Whatsapp


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição dos clientes considerados VIP; Janeiro de 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Elaboração de lista de contatos; Março 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Definição de temas e assuntos principais; Fevereiro 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Definição de equipe própria de garantia de satisfação; Março de 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento;
Avaliação de satisfação; Posterior ao evento por telefone Retornar até sucesso de respostas;

Os autores (2017)

Planejamento de eventos Paralelos

Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição de público de interesse em eventos disponíveis Setembro e outubro 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento
Preparação de material gráfico para ação local Janeiro 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento
Realização das ações de divulgação Fevereiro a Maio 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento

Os autores (2017)

Associações rurais


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição de público de interesse em eventos disponíveis Setembro e outubro 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento
Preparação de material gráfico para ação local Janeiro 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento
Realização das ações de divulgação Fevereiro a Maio 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento

Os autores (2017)

Midia de divulgação

Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição de mídias de interesse em eventos disponíveis Setembro e outubro 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento
Preparação de material gráfico ou digital para ação local Janeiro 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento
Realização das ações de divulgação Fevereiro a Maio 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento

Os autores (2017)

Funcionalidades do App


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição de funcionalidades a partir de pesquisa; Junho 2018 1ª semana de Agosto, ou cancelamento da ação
Definição de funcionalidades a partir de pesquisa; Agosto 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento
Divulgação do aplicativo para ser baixado antecipadamente pelo
visitante;
Janeiro a Maio de 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento

Os autores (2017)

Lembretes SMS


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição de temas a partir de pesquisa; Junho 2018 1ª semana de Agosto, ou cancelamento da ação
Definição de intensidade e público a partir de pesquisa; Agosto 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento
Realização dos envios; Janeiro a Maio de 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento

Os autores (2017)

Patrocinio de Festas


Item de controle

Periodicidade/Prazo

Data limite para readequação ou mudança por intercorrência
Definição de público de interesse em eventos disponíveis Setembro e outubro 2018 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento
Preparação de material gráfico para ação local Janeiro 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento
Realização das ações de divulgação Fevereiro a Maio 2019 Pode ser realizada a qualquer momento com aporte de orçamento

Os autores (2017)

Objetivos

Resumo – parte 1
Resumo - parte 1Os autores (2017)

Resumo – parte 2
Resumo - parte 2Os autores (2017)

Resumo – parte 3
Resumo - parte 3Os autores (2017)

Resumo – parte 4
Resumo - parte 4Os autores (2017)

Resumo – parte 5
Resumo - parte 5Os autores (2017)

Resumo – parte 6
Resumo - parte 6Os autores (2017)

Referências

Avaliação estratégica do ambiente. Ceap. Disponível em: <http://www.ceap.br/artigos/art27082009164852.pdf>. Acesso em: 30 Ago. 2017.

______Quais os produtos agrícolas mais exportados do Brasil. Disponível em: <http://premiofmv.com.br/quais-os-produtos-agricolas-mais-exportados-brasil/>. Acesso em: 3 Ago. 2017.

LEI Nº 11.771, DE 17 DE SETEMBRO DE 2008.LEI Nº 11.771, DE 17 DE SETEMBRO DE 2008.. LEI Nº 11.771, DE 17 DE SETEMBRO DE 2008.. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11771.htm>. Acesso em: 1 Set. 2017.

AEB prevê que 2017 será de crescimento expressivo para as exportações do agronegócio. Disponível em: <http://www.em.com.br/app/noticia/agropecuario/2017/01/16/interna_agropecuario,839719/aeb-preve-que-2017-sera-de-crescimento-expressivo-para-o-agonegocio.shtml>. Acesso em: 2 Set. 2017.

AGRISHOW. AGRISHOW. Disponível em: <https://www.agrishow.com.br/pt/expor/quero-expor-agrishow.html >. Acesso em: 22 Ago. 2017.

Agrishow movimenta R$ 2,2 bilhões e setor vê recuperação. Globo Rural. Disponível em: <http://revistagloborural.globo.com/Noticias/Feiras/noticia/2017/05/agrishow-movimenta-r-22-bilhoes-e-setor-ve-recuperacao.html>. Acesso em: 12 Set. 2017.

Algodão: 13 municípios de Mato Grosso estão entre os 20 maiores produtores do país. Noticias Agricolas. Disponível em: <https://www.noticiasagricolas.com.br/noticias/algodao/179875-algodao-13-municipios-de-mato-grosso-estao-entre-os-20-maiores-produtores-do-pais.html#.WbXBXqhSzIU>. Acesso em: 16 Set. 2017.

Barômetro Global da UFI de Feiras. PORTAL RADAR. Disponível em: <http://portalradar.com.br/19o-barometro-global-da-ufi-setor-de-feiras-em-crescimento-e-transformacao/ >. Acesso em: 18 Ago. 2017.

Brasil, maior produtor de cana de açúcar do mundo seguido pela Índia Leia mais em: https://www.comprerural.com/brasil-maior-produtor-de-cana-de-acucar-do-mundo-seguido-pela-india/. Compre Rural. Disponível em: <https://www.comprerural.com/brasil-maior-produtor-de-cana-de-acucar-do-mundo-seguido-pela-india/>. Acesso em: 1 Set. 2017.

Brasil deve produzir 25,1% a mais de grãos em 2017, prevê IBGE. G1. Disponível em: <http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/brasil-deve-produzir-251-a-mais-de-graos-em-2017-preve-ibge.ghtml>. Acesso em: 16 Set. 2017.

Com safra recorde de milho, MT deve liderar produção de grãos no país. G1. Disponível em: <http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/com-safra-recorde-de-milho-mt-deve-liderar-producao-de-graos-no-pais.ghtml>. Acesso em: 30 Ago. 2017.

Como aproveitar as oportunidades diante da crise econômica brasileira. INSPER. Disponível em: <https://www.insper.edu.br/conhecimento/conjuntura-economica/oportunidades-na-crise-economica-brasileira>. Acesso em: 1 Set. 2017.

Depoimentos. Agrishow. Disponível em: <https://www.agrishow.com.br/pt/expor/depoimentos-expositores-2017.html>. Acesso em: 29 Ago. 2017.

Dez municípios concentram mais da metade da produção de soja de MS. G1. Disponível em: <http://g1.globo.com/mato-grosso-do-sul/noticia/2016/04/dez-municipios-concentram-mais-da-metade-da-producao-de-soja-de-ms.html>. Acesso em: 2 Set. 2017.

Fotos Agrishow. Show Rural. Disponível em: <http://www.showrural.com.br/before-event/>. Acesso em: 1 Set. 2017.

Grandes montadoras cancelam participação no Show Rural. Disponível em: <http://revistagloborural.globo.com/Noticias/Economia-e-Negocios/noticia/2016/01/grandes-montadoras-cancelam-participacao-no-show-rural.html>. Acesso em: 16 Set. 2017.

HOme. INFORMA EXHIBITION. Disponível em: <http://www.informaexhibitions.com.br>. Acesso em: 2 Ago. 2017.

Na cidade da pipoca, produtores batem recordes nas lavouras de soja. Gazeta do Povo. Disponível em: <http://www.gazetadopovo.com.br/agronegocio/expedicoes/expedicao-safra/2016-2017/na-cidade-da-pipoca-produtores-batem-recordes-nas-lavouras-de-soja-9us2csoar6njkmzoux3t68kcs>. Acesso em: 1 Set. 2017.

O retrato da citricultura brasileira. Disponível em: <http://www.citrusbr.com/download/Retrato_Citricultura_Brasileira_MarcosFava.pdf>. Acesso em: 28 Ago. 2017.

Os 5 Maiores Rebanhos de Gado no Brasil. Portal das Missôes. Disponível em: <http://www.portaldasmissoes.com.br/noticias/view/id/1240/os-5-maiores-rebanhos-de-gado-no-brasil.html>. Acesso em: 14 Set. 2017.

POR QUE FEIRAS EM TEMPOS DE CRISE?. . ESFE. Disponível em: <http://esfe.com.br/wp-content/uploads/2016/02/Apresentacao_LIGIA-AMORIM_ESFE_23022016.pdf>. Acesso em: 2 Ago. 2017.

Produção. CECAFE. Disponível em: <http://www.cecafe.com.br/sobre-o-cafe/producao/>. Acesso em: 31 Ago. 2017.

Ribeirão Preto. Ribeirão Preto. Disponível em: <http://www.ribeiraopretoconvention.org.br/artigos/ribeirao-preto-e-regiao-um-lugar-no-mundo/>. Acesso em: 29 Ago. 2017.

Setor de feiras de negócios movimenta r$ 16 bilhões em todo o país. Exame. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/negocios/dino/setor-de-feiras-de-negocios-movimenta-r-16-bilhoes-em-todo-o-pais-dino89093405131>. Acesso em: 3 Ago. 2017.

The new “AMR Top 20” exhibition organisers just released.. AMR INTERNATIONAL.. Disponível em: <https://www.amrinternational.com/insight/the-new-amr-top-20-exhibition-organisers-just-rel>. Acesso em: 5 Ago. 2017.

UFI Global Exhibition. UFI ORG. Disponível em: <http://www.ufi.org/wp-content/uploads/2017/07/UFI_Global_Exhibition_Barometer_report19.pdf>. Acesso em: 4 Ago. 2017.

feito

Use agora o Mettzer em todos
os seus trabalhos acadêmicos

Economize 40% do seu tempo de produção científica