O IMPACTO DA PANDEMIA COVID-19 NA SITUAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA DE UMA MICRO EMPRESA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

O IMPACTO DA PANDEMIA COVID-19 NA SITUAÇÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA DE UMA MICRO EMPRESA

CAMILA TAGLIANI

Orientador:
Guilherme Kirch

Introdução

No Brasil, 98% das empresas abertas são micro e pequenas empresas segundo Sebrae (2017). De acordo com a Lei 123 de 2006 a microempresa é definida como sociedade simples ou empresa individual que tenha um faturamento anual máximo de R$ 360.000. Já a empresa de pequeno porte se enquadra no faturamento mínimo de R$ 360.000 e máximo de R$ 4.800.000. De acordo com um estudo de mercado do Sebrae realizado em 2014 sobre pequenos negócios, existem 6,4 milhões de empresas no Brasil, e são as micro e pequenas empresas que empregam 52% da população com carteira assinada.

De acordo com a pesquisa Demografia das Empresas, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cinco anos após a abertura da empresa, a taxa de sobrevivência média é de 57%. Grande parte encerra suas atividades no segundo ano de funcionamento devido a falta de capacidade de gerenciamento financeiro.

No nosso país, 10,1 milhões de pessoas são empreendedores por necessidade (8,1 %), enquanto 12,4 % se tornam empreendedores por oportunidade de investimento, conforme apontado pela pesquisa Perfil das Micro e Pequenas Empresas Brasileiras, realizado em junho de 2015, pelo SPC (Sistema de Proteção ao Crédito).  O empreendedorismo por necessidade surge da falta de oportunidades no mercado de trabalho, onde o indivíduo se vê obrigado a abrir seu próprio negócio para sobreviver. De acordo com a pesquisa, dos brasileiros que não completaram o ensino fundamental, 41% se torna empreendedor, em contra partida, as pessoas que completaram a graduação ou foram além, somente 30% se tornou empreendedor. Podemos assim, entender melhor o perfil do empreendedor no Brasil.

Com base em um estudo realizado pelo do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas) em 2015 sobre o perfil do microempreendedor, podemos observar que a maioria, 51,6% possui ensino médio ou técnico completo, enquanto 11,1% possui graduação completa. Muitas empresas acabam surgindo através de pessoas que não tem conhecimentos suficientes e que acreditam que a experiência no trabalho lhes torna capaz de abrir e gerir uma empresa. Conforme afirma Friedmann (1972) a concepção de competência está ligada a um conjunto de know how e de saber fazer adquirido com o tempo, através do trabalho e da aprendizagem sistemática.

Conforme explica Laura Senna Ferreira (2016) no seu artigo:

Nessa conjuntura, a modalidade de negócio definido como “por conta própria” tem sido destacada, sendo foco de duas interpretações: por um lado, é vista como o suprassumo do empreendedorismo (expressão de iniciativa e dinamismo individual) e, por outro, como o ponto mais alto da precarização – trabalhadores vulneráveis em termos de rendimento, direitos e benefícios sociais, porque sem a proteção derivada do estatuto de assalariado, submetidos ao “empreendedorismo por necessidade”.


 Conforme apontado pela pesquisa do SPC, sobre o perfil do empreendedor,  quanto maior o nível de escolaridade do empresário, maiores são as chances de perpetuar a sua empresa. A longo prazo, o conhecimento aprofundado de gestão de pessoas, logística, estoque e finanças se torna extremamente necessário, por isso, cursos técnicos e de graduação são de extrema importância. 

No ramo de oficina mecânica independente, o empreendedorismo por necessidade é muito mais presente. O proprietário possuiu conhecimento técnico referente somente a realização da prestação de serviço propriamente dita, e não possuiu conhecimento algum em Gestão de Empresas. “Conforme a pesquisa realizada por Senna (2016), cujo estudo trata especificamente da Indústria de
Reparação Automotiva, no ramo de oficina mecânica independente o empreendedorismo por necessidade é muito mais presente. O proprietário possuiu conhecimento técnico referente somente a realização da prestação de serviço propriamente dita, e não possuiu conhecimento algum em Gestão de Empresas. Em contra partida a economia brasileira está crescendo e se tornando cada vez mais complexa, exigindo assim mais agilidade e planejamento tanto para os grandes quanto para os pequenos negócios. Para Zdanowicz (2001), o planejamento financeiro surge da necessidade da empresa crescer ou se manter no mercado com resultados aceitáveis. Para o planejamento financeiro acontecer é preciso implementar padrões e métodos práticos para traçar e alcançar objetivos.

 A indústria de reparação automotiva no Brasil conta com 120.000 empresas atuantes segundo Sebrae (2017), gerando 24 bilhões de reais de faturamento, todos os anos. O Rio Grande do Sul é um dos estados com mais oficinas mecanicas em funcionamento, contando 6.917 empresas de acordo com a pesquisa realizada em 2017 pelo Sindirepa . A representatividade desse segmento se deve ao crescimento da frota de veículos automotores que cresce a uma taxa média de 5% ao ano (Fenabrave, 2018). A venda de veículos semi novos e usados cresceu 2,32% de 2018 a 2019 e 27% se compararmos desde 2010. Já a venda de veículos novos caiu 14% de 2019 a 2010. Sendo assim, o brasileiro está optando por trocar o seu carro por outro usado ou semi novo, logo, a demanda por manutenção desses veículos vem crescendo ano após ano. De acordo com um estudo realizado em 2014 pelo Sindirepa (Sindicado da Indústria da Reparação de Veículos) de São Paulo, a frota de veículos no Brasil tem uma vida média de oito anos. O setor de reparação automotiva é um setor que vem ganhando expressividade e atenção mas a falta de conhecimento técnico para administrar o negócio faz com que oficinas mecânicas abram e fechem em menos de dois anos.

 De acordo com IBGE, a quantidade de oficinas em funcionamento caiu 10% de 2013 a 2016, ou seja, a demanda por manutenção vem crescendo ano após ano, mas a falta de uma gestão de empresas sustentável faz com que o empreendedor que normalmente é dono e mecânico, não consiga administrar a empresa, acabando por não conseguir honrar seus compromissos e por fim tendo que fechar a empresa. 

Novos modelos de veículos, novas tecnologias embarcadas no veículo, trouxeram desafios para os mecânicos. A gestão de uma oficina não é a mesma de 6 anos atrás. Hoje, para conseguir manter uma oficina mecânica em pleno funcionamento é preciso se manter atualizado, novos equipamentos tecnológicos, administração do caixa, preço compatível com o mercado e bom relacionamento com os clientes. 

O grande desafio financeiro de pequenas e micro empresas está no fluxo de caixa, conforme apontado pelo IBGE. A falta de capacidade financeira para cumprir suas obrigações na data do vencimento, ou seja, incapacidade financeira, que no longo prazo gera insatisfação para o proprietário que não consegue ver o lucro da sua empresa. Logo não consegue investir na empresa e acaba desistindo do negócio.

Em uma pesquisa realizada pelo Sebrae de São Paulo em 2014, com proprietários de oficinas mecânicas, identificou quais são os seus maiores desafios. Os maiores desafios apontados por eles foram: concorrência desleal e a dificuldade com controles financeiros ou ausência de controles financeiros. O empresário do ramo de reparação automotiva precisa de auxílio para aprender a gerir financeiramente seu negócio. O fator essencial de tomada de decisão para um administrador de pequena empresa é ter acesso às informações financeiras facilmente e organizadamente. No caso das micro empresas a visão de curto prazo é de grande importância, em função disso, controles mensais e semanais se tornam essenciais. É através da administração financeira que poderemos enxergar oportunidades e tomar decisões.

Para Zdanowicz (2003, p. 121):

Toda organização precisa ter e seguir um modelo de planejamento (simulação financeira), que se constitui de determinadas informações úteis e práticas para exercer gerenciamento empresarial, considerando as variáveis econômicas e as relações matemáticas do mercado.

José Paulo Albanez, que é coordenador de projetos de reparação automotiva do Sebrae de São Paulo diz que, a falta de controle e de um fluxo de caixa organizado são os maiores equívocos para quem atua na área: ”É preciso ter um bom controle de contas a pagar e a receber, controle exato do faturamento. O empreendedor precisa conhecer todas as despesas fixas e custos variáveis”. . Sabemos da importância de uma boa gestão, mas o passo a passo de como ter um negócio sustentável é o que ainda precisa ser explorado e estudado. Segundo Braga (1989), o controle e o planejamento financeiro devem ser realizados juntos, pois o planejamento serve para estabelecer metas e padrões e o controle para obter informações com rapidez e utilizar essas informações para fins de comparação e aplicação de melhorias.

Em março deste ano, uma pandemia global se instalou no Brasil. O país está passando por um momento ímpar, nunca vivido anteriormente, o novo Corona Vírus. Vírus de alto contágio e com grande risco de insuficiência respiratória e outros problemas graves de saúde para quem for contaminado, parou a economia do Brasil e do mundo. Todos os setores da economia foram afetados desde o ínicio da pandemia, podendo permanecer abertos somente supermercados, farmácias, hospitais e polícia. Atualmente, setores considerados essenciais podem permanecer abertos mas seguindo diversas normas da Organização Mundial de Saúde. Desde o início da pandemia pelo menos 600 mil micro e pequenas empresas fecharam as portas e 9 milhões de funcionários foram demitidos em razão dos efeitos econômicos da pandemia do novo Corona Vírus.

Uma pesquisa realizada pelo Sebrae em Abril deste ano, apontou como as pequenas empresas estão modificando a forma de atuar neste momento. A pesquisa foi feita com 17 milhoes de micro e pequenas empresas de todo o Brasil. Para entendermos melhor como o Corona Vírus afetou as micro e pequenas, trarei alguns resultados da pesquisa. De todas as pequenas empresas entrevistadas, 46%  pertencem ao setor de serviços. Das micro e pequenas empresas 58% interrompeu suas atividades e 79% tomou essa decisão para cumprir o decreto imposto pelo governo. A pesquisa ainda aponta que 49% das empresas considerava sua situação financeira antes da crise, razoável e que acreditam que ainda levará em média 10 meses para se recuperarem da crise. Então os empresários em geral, ainda estão pessimistas com relação a retomada da economia no Brasil. Graças ao fechamento das empresas e a diminuição da atividade econômica no país, o faturamento das empresas caiu 74% em média, conforme apontado pelos empresários participantes da pesquisa. 

Neste trabalho, busca-se elaborar o Balanço Patrimonial e o DRE da empresa
Leo S Car.  Analisar as demonstrações contábeis e indicadores econômicos-financeiros para avaliar a situação da empresa, antes e depois da pandemia, e a partir disso, propor sugestões de melhoria para a sobrevivência e perenidade do negócio. Poderá ser identificado se é preciso, por exemplo, reduzir custo fixo, elevar o preço da mão de obra, captar mais clientes, reduzir os prazos de recebimento ou aumentar o prazo com fornecedores.

Com essa pesquisa, poderemos entender quanto a pandemia afetou o negócio, como afetou e de que forma será possível melhorar os resultados financeiros dessa empresa. 


1.2 JUSTIFICATIVA


Realizar um trabalho desse tipo agrega muito conhecimento para o administrador, visto que é possível aplicar a teoria do que aprendemos durante todo o curso de administração. O setor de reparação automotiva, vem ganhando importância, sua receita anual bruta vem crescendo significativamente desde 2010, conforme mostra a tabela Pesquisa Anual de Serviços, fornecida pelo IBGE. De um lado temos o faturamento de serviços crescendo a cada ano e de outro estabelecimentos de manutenção automotiva encerrando suas atividades em um número cada vez maior. O Sebrae tem um papel muito importante na trajetória de um administrador de oficina mecânica, mas os passos ainda são pequenos quando se fala em gestão financeira. É preciso que o administrador financeiro saiba o que é esperado do seu negócio, para identificar se está no caminho certo ou não, se deve seguir, ou mudar toda sua estratégia.

Assim, esse trabalho se torna relevante e necessário pois não existem bases de dados e estudos com informações referentes à administração financeira de oficinas mecânicas independentes. Com essas informações que qualquer proprietário de oficina mecânica poderá guiar o seu negócio, se tornando mais assertivo na precificação, na margem de lucro e na margem de contribuição. Além disso, através das sugestões apontadas, será possível ajudar outras empresas que estão em uma situação semelhante.

No início das atividades da Leo s Car, tanto a proprietária quanto o sócio, pouco sabiam sobre gestão de empresas. Este trabalho auxiliará pequenos empresários, gestores de oficinas mecânicas e estudantes que têm o sonho de ter seu próprio negócio. Com esse estudo será possível entender sobre a gestão de uma pequena oficina mecânica e seus desafios financeiros antes e depois da pandemia do Corona Vírus. Para o andamento da empresa, os sócios precisam saber como a empresa está financeiramente, e através dessa informação como poderão melhorar seus resultados. Neste momento, diversas pequenas empresas se encontram na mesma situação que a Leo s Car está passando devido a pandemia global. Com isso outras empresas de outros ramos também poderão utilizar esse trabalho como base de estudos para diagnosticar a situação financeira da sua empresa. Veremos também que um único indicador financeiro não fornece um diagnóstico acertivo, e sim um conjunto de indicadores econômicos-financeiros, podem trazer informações que agregam valor para os proprietários. A elaboração deste trabalho também trouxe a possibilidade para o autor colocar em prática todos os seus conhecimentos adquiridos ao longo do curso de administração. Conhecimentos esses que são estremamente necessários para administrar uma empresa.  


1.3 OBJETIVOS


1.3.1 OBJETIVO GERAL 


O objetivo geral do presente trabalho é elaborar e analisar as demonstrações financeiras da empresa Leo S Car, antes de depois da pandemia do Corona Vírus, das quais permitam realizar um diagnóstico financeiro e auxiliar o processo decisório dos sócios da empresa. .


1.3.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS


a) Obter os dados financeiros até o momento e a partir deles elaborar as demonstrações contábeis.

b) Calcular e analisar os indicadores financeiros antes e posteriormente a pandemia do Corona Vírus.

c) Interpretar os resultados obtidos e sugerir ações com o objetivo de melhorar a situação financeira da empresa.

d) apontar soluções de curto prazo para, se necessário, melhorar a situação financeira e garantir a sua sobrevivência.



REVISÃO TEÓRICA

Neste capítulo será realizada uma revisão da definição dos indicadores financeiros que serão aplicados no estudo. Serão abordados a importância da administração financeira e do planejamento financeiro. O estado de conhecimento do setor estudado.

2.1 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

Pensar no objetivo da administração financeira de uma empresa é pensar no futuro. Para pensar no futuro é preciso saber onde se quer chegar em um determinado espaço de tempo, mas acima de tudo é saber qual a função da empresa no sociedade na qual ela está inserida. Todos os empresários querem e precisam gerar lucro na sua empresa para que ela sobreviva, mas esse objetivo é muito vago diante das inúmeras possibilidades que existem atualmente. Pensar no objetivo financeiro é também pensar na sua missão com foco nas finanças. Porque essa empresa existe (pensando financeiramente)? Onde ela quer chegar? O que ela pode agregar para a sociedade? Essas e muitas outras questões precisam ser respondidas mas para serem respondidas é necessário saber com clareza e rapidez qual é a situação financeira e economica da empresa. Ross, em seu livro Princípios da Administração Financeira, explica que o objetivo da administração financeira é maximizar o patrimônio dos proprietários da organização.

A administração financeira é um conjunto de atividades ligadas a alocação de recursos financeiros dentro da organização. Entre os objetivos da administração financeira, estão incluídos superar a concorrência, aumentar as vendas, minimizar os custos e aumentar o lucro. Mas é preciso ter cuidado, pois pensar em cada um desses objetivos individualmente pode trazer grandes problemas para empresa. Para aumentar as vendas, o empresário pode diminuir o preço, mas também estará diminuindo a sua margem de lucro, se a diminuição do preço não for pensada estrategicamente a empresa pode não conseguir pagar suas contas.

Obter recursos e saber geri-los com eficiência e sustentabilidade é a principal atividade da administração financeira. Segundo Braga (1989 p. 23) a função financeira tem um papel muito importante no desenvolvimento de todas atividades operacionais, contribuindo significativamente para o sucesso do empreendimento.

O objetivo principal da administração financeira deve ser aumentar o lucro dos proprietários, então as boas decisões aumentam o valor do patrimônio dos proprietários e as decisões ruins diminuem, mas veremos mais para frente que o principal objetivo não é tão simples quanto parece.

O Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado são ferramentas gerenciais e através da interpretação desses dois documentos, é possível extrair perspectivas da saúde financeira da empresa.

Assaf Neto explica em seu livro Estrutura e Análise de Balanços, que os usuários mais importantes da análise de balanços de uma empresa são os fornecedores, clientes, intermediários financeiros, acionistas, concorrentes, governo e seus administradores. Os fornecedores irão utilizar os balanços para analisar a capacidade de pagamento da empresa. Os bancos são os principais usuários desta análise, procurando uma visão de curto e longo prazo, solvência, rentabilidade e o endividamento. Quando a empresa quer crescer, irá precisar de acionistas ou sócios e estes utilizarão Balanços e DREs para analisar a liquidez da empresa, quanto ela está gerando de lucro e etc. Quando a empresa for participar de alguma licitação para prestar serviços para o governo as demonstrações financeiras precisarão ser analisadas.

Por fim, os proprietários serão os maiores beneficiários dessas informações. Sua principal função será avaliar as decisões financeiras que são tomadas diariamente. Como por exemplo, saber o retorno sobre o investimento, rentabilidade do capital próprio, o volume de dívidas e etc.

A grande importância de obter as demonstrações contábeis da empresa está em poder acompanhar a evolução da empresa ao longo do tempo, comparar a performance e entender onde é possível melhorar para alcançar os objetivos da organização. Com isso, é possível também acompanhar a sazonalidade do negócio e trabalhar para o contínuo crescimento da organização. No ramo de manutenção automotiva estamos expostos as variáveis da economia, pois a manutenção do veículo não é item de primeira necessidade das famílias, tão pouco da maioria das empresas.

Conforme Assaf Neto explica, a grande importância dessa técnica é permitir que seja realizada uma análise referente a tendência passada e futura de cada elemento contábil. Através dos demonstrativos financeiros será possível realizar a análise financeira e sugerir ações para a melhoria das finanças empresariais.

Sendo assim, é possível afirmar que o uso de demonstrativos na análise financeira das pequenas empresas estabelece informações sólidas e de relevante importância para a sobrevivência de tais empresas em meio a um mercado cada vez mais competitivo, onde a eficiência e a eficácia das decisões tomadas são fatores que determinam o sucesso ou o fracasso nas empresas

Para iniciar os cálculos dos índices financeiros, será necessário utilizar o Balanço Patrimonial e o DRE de cada uma das empresas analisadas.

2.2 BALANÇO PATRIMONIAL

Para que seja possível realizar uma análise financeira e criar um estratégia para a empresa estudada, será necessário construir o Balanço Patrimonial da organização.

De acordo com Assaf Neto (2015), o Balanço Patrimonial apresenta a posição patrimonial da empresa em dado momento. Ele é composto por ativo, passivo e patrimônio líquido, sua característica principal é possuir equilíbrio entre as partes.

O Balanço Patrimonial é composto por duas colunas, do lado esquerdo encontra-se o ativo, e do lado direito encontra-se o passivo e o patrimônio líquido.

Segundo Assaf Neto (2015), os ativos são as aplicações de recursos geradas pela empresa, composto somente por itens que gerarão benefícios futuros. O ativo é dividido em circulante e não circulante, onde os circulantes são ativos realizáveis a curto prazo, e os não circulantes serão realizados a longo prazo (mais de um ano). O passivo engloba as obrigações da empresa. Conforme explica Assaf Neto (2015) “o passivo é composto de todas as obrigações atuais da entidade, geradas por eventos ocorridos no passado, e cuja liquidação futura irá exigir um desembolso de caixa da empresa”. O passivo também é dividido entre circulante, onde se encontram as obrigações de curto prazo (até um ano) e não circulante, e de longo prazo (acima de um ano).

O Patrimônio Líquido, engloba os recursos próprios da empresa, tais como capital investido pelos sócios, e os lucros acumulados. Os lucros acumulados, são lucros que não foram utilizados nem para investimentos nem para quitação de dívidas.

2.2.1 Ativo

Conforme explicado por Assaf Neto, em Estrutura e Análise de Balanços, o ativo da organização são recursos que podem gerar benefícios econômicos futuros. As contas do ativo são apresentadas de acordo com seu grau de liquidez, iniciando com as mais conversíveis em disponibilidades (tangíveis). 

2.2.1.1 Ativo Circulante

O ativo circulante se divide em subgrupos, são esses:

a) Disponível: são os valores disponíveis imediatamente, de alta liquidez, como dinheiro em caixa, cheques recebidos e não depositados, valor disponível em conta bancária da empresa. Pode-se incluir também aplicações financeiras de liquidez imediata.

b) Aplicações financeiras: essas aplicações podem ser títulos públicos, letras de câmbio, debêntures e etc. A sua principal característica é o caráter transitório, ou seja, esses ativos podem ser mantidos até o final do exercício seguinte, sendo assim de curto prazo.

c) Valores a receber de curto prazo: aqui estão incluídos todos os recebimentos de curto prazo de propriedade da empresa. As vendas de produtos ou mercadorias feitas a prazo, mas que estejam dentro do prazo de vigência do balanço patrimonial, também podem ser contabilizadas neste item.

d) Estoques: Os estoques são formados por produtos acabados ou em processo de fabricação. Eles são contabilizados de acordo com seu valor de custo.

e) Despesas Antecipadas: são despesas pagas antecipadamente mas que ainda não ocorreram, que só ocorrerão no exercício seguinte. Tais como, despesas com seguros, passagem aérea, encargos financeiros e etc

2.2.1.2 Ativo não circulante

O ativo não circulante se refere a todos os direitos ou recebíveis da empresa que possuem baixa liquidez, ou seja, que só se tornarão caixa, no exercício seguinte. Também estão incluídos os itens que não se destinam a venda. Alguns exemplos são ativos realizáveis a longo prazo, como investimentos, imobilizados e intangíveis.

a) Ativo realizável a longo prazo: são todos os direitos da empresa que possuem a mesma natureza do ativo circulante mas que só se realizarão no exercício seguinte. Tais como vendas a prazo e valores imobiliários adquiridos.

b) Investimentos: Neste item são incluídos direitos que não estão ligados a atividade principal da empresa. Obras de arte, participação acionária são exemplos de contas que compõem esse grupo.

c) Imobilizado: são todos os bens e direitos que possuem como objetivo o funcionamento normal da empresa. Esses ativos são de longo prazo e sofrem depreciação. Esses bens podem ser tangíveis, intangíveis ou em andamento. O imobilizado tangível são móveis, veículos e equipamentos, os intangíveis são direitos autorais, patentes e marcas.

2.2.2 PASSIVO

Estão incluídas todas as contas que são consideradas dívidas ou obrigações da empresa. Os recursos do passivo tem sua origem no ativo, como por exemplo, podem se originar através de empréstimos, duplicatas, financiamentos. O passivo também é dividido de acordo com a maturidade de suas obrigações. 

2.2.2.1 Passivo Circulante

Estão todas as obrigações de curto prazo da empresa, ou seja, que não serão descontadas no exercício seguinte. Nesta conta se encontram as obrigações operacionais da empresa, como por exemplo, fornecedores, salários, encargos.

2.2.2.2 Passivo não circulante

Obrigações que ocorrerão após o término do exercício seguinte, tais como financiamentos, empréstimos, debêntures, fornecedores de equipamentos e etc.

2.2.3 PATRIMÔNIO LÍQUIDO

No patrimônio líquido se encontram o valor dos recursos próprios da empresa, que pertencem aos proprietários, sócios ou acionistas. Esse grupo é formado por capital social, reservas de capital, reservas de lucros e prejuízos acumulados.

2.3 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

Para identificarmos os resultados operacionais da empresa estudada, será analisado o DRE. De acordo com Ross em Princípios da Administração Financeira, o DRE mede o desempenho de uma organização durante um período específico de tempo. Ainda conforme afirmado por Ross, o Balanço Patrimonial é como uma foto, um momento congelado, já o DRE é uma gravação em vídeo do que ocorreu entre dois momentos.

Assaf Neto, afirma que o objetivo principal da demonstração de resultados é fornecer de maneira esquematizada os lucros ou prejuízos em um determinado período de tempo, os quais serão transferidos para as contas do patrimônio líquido.

A seguir, será descrita a estrutura do DRE com suas definições.

 – Receita bruta: são todas as vendas realizadas, sem qualquer dedução. As receitas são contabilizadas no ato da venda, independentemente de quando ocorrer o seu vencimento.

– Deduções, descontos concedidos e impostos.

– Custos dos produtos vendidos e ou serviços prestados: são custos pagos pela empresa em seu processo de fabricação, venda ou prestação de serviço.

– Despesas de vendas e administrativas: despesas decorrentes de promoção, distribuição e venda. Essas despesas são consideradas operacionais.

– Despesas financeiras líquidas: são basicamente remunerações de capitais de terceiros, tais como: juros de empréstimos e financiamentos, variações monetárias e etc.

– Resultado operacional: corresponde ao resultado após as despesas operacionais.

2.4  INDICADORES FINANCEIROS

Os indicadores auxiliam o gestor no processo de tomada de decisão. Quando se deseja comparar mais de uma organização, devem se utilizar indicadores financeiros para padronizar as informações extraídas. Segundo Ross, Westerfield e Jordan (2008), a administração financeira está apoiada em três pilares: o orçamento de capital , a estrutura de capital, e administração do capital de giro. Nesta pesquisa, os indicadores serão utilizados para realizar a análise financeira das empresas e fornecer um diagnóstico da situação financeira atual com o intuito de auxiliar tanto os proprietários e gestores financeiros, quanto qualquer outro empresário do mesmo setor.

 A análise de índices envolve métodos de cálculo e interpretação de índices financeiros para analisar e monitorar o desempenho da empresa. Os insumos fundamentais para a análise de índices são a demonstração do resultado e o balanço patrimonial. (GITMAN 2010, p. 48)

Cada indicador financeiro calculado, fornece uma informação sobre a empresa estudada. Esse índice pode estar ou não dentro da média setorial, que é o valor esperado para o setor no qual a empresa analisada está inserida. Com essa informação poderei ver a situação como numa foto, mas somente uma visão conjunta permitirá avaliar um comportamento ou tendência.

De acordo com Matarazzo, os indicadores financeiros são uma das técnicas mais utilizadas na análise de empresas, e sua principal característica é o fornecimento de uma ampla visão da situação financeira da empresa. O mesmo autor salienta que o importante não é calcular um grande número de índices, mas sim um conjunto de índices que permita conhecer a situação da empresa segundo o grau de profundidade desejado na análise.

Existem dois tipos de análises de indicadores financeiros: análise de corte transversal e a análise temporal. A análise em corte transversal compara os índices financeiros de diferentes empresas, inseridas no mesmo setor, num mesmo período de tempo. Podendo comparar seus índices com uma empresa que deseja imitar ou médias setoriais. Já a análise em série temporal, compara o desempenho atual com o do passado, e assim avalia avanços ou retrocessos da empresa, conforme explicado por Gitman em Princípios de Administração Financeira (2010, p.0). A análise utilizada no presente trabalho será a análise de corte transversal.

2.4.1 ÍNDICES DE LIQUIDEZ

Índices de liquidez mostram a capacidade da organização de pagar suas dívidas no curto prazo. Esses índices podem prever problemas no fluxo de caixa ou insolvência. O gestor financeiro precisa estar sempre atento aos índices de liquidez da empresa, pois eles são os responsáveis pela continuidade e sustentabilidade do negócio. Quanto maior for a liquidez da empresa, menor é a possibilidade de ocorrerem problemas futuros no pagamento de suas obrigações, como pagar fornecedores. É possível dizer que quanto mais líquida a empresa, menor as chances de problemas financeiros.

O administrador financeiro deve ter como meta para a maximização da riqueza aos acionistas os seguintes aspectos: perspectiva a longo prazo; valorização do dinheiro no tempo; retorno do capital próprio; análise de risco e política de distribuição de dividendos. (SILVA 2008, p.11) 

A tarefa mais importante do gestor financeiro é criar o maior valor possível com vendas, e para isso, existem diversas maneiras como: comprar mercadorias com custo menor, reduzir o custo fixo. A empresa precisa gerar maiores entradas de caixa do que saídas.

No ramo de oficina mecânica, é uma questão de grande importância pois muitos fornecedores só aceitam pagamento á vista e o recebimento por parte dos clientes comumente é feito a prazo.

Liquidez Corrente = Ativo Circulante/ Passivo Circulante

O índice de Liquidez Corrente deve ser igual ou maior do que 1, isso significa que ela tem capacidade de quitar suas obrigações de curto prazo totalmente. Se for menor do que 1 significa que não tem capacidade para quitar suas dívidas. É preciso estar atento as finanças da empresa como um todo para que o índice não passe uma informação positiva erroneamente. Por exemplo, se a empresa tomou um empréstimo recentemente, o seu ativo estará aumentado, logo terá um alto índice de liquidez corrente.

Liquidez Seca ou Liquidez Imediata = Ativo Circulante – Estoque/ Passivo Circulante

Esse índice é muito importante pois desconsidera o estoque, que é um ativo pouco líquido. Em muito casos o estoque é de difícil liquidez pois são produtos inacabados ou pode estar danificado. Assim o índice de liquidez imediata mostra a real capacidade de quitar suas dívidas sem nem mesmo precisar vender seu estoque.

Índice de Liquidez Geral = (Ativo Circulante + Ativo não Circulante) / (Passivo circulante + Ativo circulante)

2.4.2 GESTÃO DE ATIVOS

Esses índices mostram a capacidade e a velocidade de gerar vendas a partir dos seus ativos. Uma maior capacidade de gerar vendas, faz com que o ciclo financeiro (comprar/vender/receber) seja menor, e assim menor é a necessidade de financiamentos para pagar suas dívidas. Na prestação de serviço de manutenção automotiva são vendidas as peças necessárias para o conserto e a mão de obra para realização do serviço. Muitas vezes a finalização e entrega do veículo leva alguns dias, podendo levar até semanas e esse é um dos maiores desafios para o empresário inserido neste ramo. Enquanto o veículo não é finalizado e entregue o pagamento não é efetuado, e no decorrer desse tempo, para o conserto do carro é necessário comprar peças e itens, o que ocasiona uma grande saída de caixa. Uma maneira de aumentar as vendas sem comprometer a capacidade de trabalho na oficina mecânica é aumentar o ticket médio por veículo. 

Capital de Giro = Passivo não circulante + Patrimônio Líquido – Ativo não Circulante

Capital de giro é a reserva de recursos que serão utilizados para suprir as necessidades financeiras de curto prazo da organização e ou é a quantidade de dinheiro que a empresa necessita para operar regularmente.  

Necessidade do capital de giro = Ativo Circulante Operacional – Passivo Circulante Operacional

Giro do Ativo Total = Vendas/ Ativo Total

O resultado desse índice indica quantas vezes a empresa gira os seus ativos em um ano. Quanto maior esse índice, melhor para a organização. Quanto mais alto o giro do ativo de um negócio, maior a eficiência na utilização dos seus recursos.

2.4.3 PRAZOS MÉDIOS

Os prazos médios irão mostrar a rapidez com que o pagamento é recebido. A partir dele é possível avaliar as políticas de cobrança, se estão sendo eficientes ou se precisam ser reformuladas para não afetar o fluxo de caixa, também é possível verificar a necessidade de financiamentos. De acordo com um estudo feito pelo Sindirepa em 2017, o ticket médio das oficinas mecânicas é R$400 a R$800 e para se manter competitivo no mercado, são oferecidos grandes prazos de pagamento, muitas vezes pode haver parcelamento em até 10 vezes, o que ocasiona uma demora no recebimento e assim uma dificuldade de administração do caixa. Dados esses fatores podemos ver a importância do estudo em questão.

Prazo médio de recebimento = Contas a receber de clientes / valor diário médio de vendas

Giro de contas a Receber = Vendas/ Contas a receber

O resultado indica quantas vezes no ano recebemos as vendas a crédito. Para converter em dias podemos utilizar a fórmula abaixo.

Prazo médio de recebimento = 365 dias/ giro de contas a receber

O resultado desse Índice irá fornecer a quantidade de dias que a organização leva para receber suas vendas a prazo, e assim poder comparar e avaliar os prazos de compras com seus fornecedores. Essas duas informações devem estar alinhadas para que o fluxo de caixa mantenha se positivo.

Prazo médio de Pagamento = Fornecedores/ Valor diário médio de compras = Fornecedores/ Compras anuais/ 365 dias

Este índice mostra o tempo médio de pagamento dos seus fornecedores. É interessante avaliar se a quantidade de dias para o pagamento de fornecedores é maior do que a quantidade de dias para o recebimento de contas de clientes.

2.4.4 ÍNDICES DE ENDIVIDAMENTO

Gitmann, em seu livro Princípios da Administração Financeira, traz uma explicação interessante, a “situação de endividamento de uma empresa indica o volume de dinheiro de terceiros usado para gerar lucros”. Este índice é muito importante para análise financeira de uma empresa, pois mostra o quanto ela depende do dinheiro de terceiros para se manter sustentável. A partir desse cálculo será possível estudar os riscos da empresa, quanto mais dívidas de custo fixo uma empresa utiliza, maiores serão os riscos e retornos esperados. 

O índice de endividamento geral revela quanto por cento do ativo total é financiado com o capital de terceiros, e quanto maior este índice, maior será a participação de recursos de terceiros. Possui o mesmo objetivo do índice de endividamento mas é calculado de maneira diferente:

Índice de endividamento Geral = Passivo Total/ Ativo Total

 Índice de composição de endividamento

Esse índice mostra a relação existente entre as dívidas de curto prazo e as dívidas totais. Quanto maior for esse índice, pior para empresa, pois indica que ela possui muitas dívidas de curto prazo e assim acaba prejudicando a liquidez da empresa.

Índice composição endividamento = Passivo Circulante/ Capital de Terceiros

Índice de Endividamento

Este índice vai mostrar quanto a empresa possui de dívida para cada R$ 1,00 do seu capital. 

Endividamento = Passivo Total/ Patrimônio Líquido

Participação de Capital de Terceiros

Esse índice indica a proporção que a organização tomou de capital de terceiros em relação ao seu próprio capital. Esse índice mostra o quanto a empresa se encontra dependente do capital de terceiros. 

Índice de participação de capital de terceiros = Capital de Terceiros/ Patrimônio Líquido

As oficinas mecânicas, geralmente compram as peças que serão vendidas para o cliente em distribuidoras. As distribuidoras vendem com um prazo de pagamento, geralmente 30/60/90. Então a empresa tem uma dívida com as distribuidoras, o índice de endividamento irá mostrar se o montante comprado está numa proporção saudável, e esse índice está relacionado também com a margem de lucro das peças. 

.

2.4.5 ÍNDICES DE RENTABILIDADE

Os índices de rentabilidade são muito importantes pois é através deles que será possível avaliar os lucros em relação ao nível de vendas. É muito comum os empresários desse ramo não saberem ou não terem de forma clara a informação referente a empresa estar ou não trazendo retorno para os proprietários. Para a perpetuidade e crescimento do negócio o lucro é importante, os empresários precisam ter o lucro como meta e não somente se contentar com sobrevivência do seu negócio. Os índices são importantes pois são eles quem mostram quanto da venda se torna lucro de fato. Ver um número inteiro no final da demonstração contábil não informa claramente se a operação da empresa está sendo realmente eficiente e sustentável, para obtermos a informação assertiva, utilizaremos os índices.

Margem de Lucro Bruto = Receita de Vendas – Custo da Mercadoria Vendida/Receita de Vendas

Esse índice mede a porcentagem de lucro que a venda gerou após descontar o custo da mercadoria vendida. Quanto maior esse índice melhor, ou seja, se o índice for de 30% significa que para cada 100 reais vendidos, o lucro bruto em média é de 30 reais. Para que haja uma mudança nesse índice, a empresa deve ou aumentar os seus preços ou diminuir o custo da mercadoria

.

Margem de lucro Líquido = Lucro Líquido / Vendas

Esse índice é um dos mais importantes, ele revela quanto por cento da venda trouxe de lucro líquido para o empresário. Cada setor tem sua média esperada, mas quanto maior esse índice melhor.

Retorno Sobre Ativo = Lucro Líquido / Ativo Total

Rentabilidade do Ativo (explicação) = Lucro Líquido / Ativo total

Esse índice mede a eficiência da empresa em transformar os ativos em lucro líquido.

Retorno Sobre Capital Próprio = Lucro / Patrimônio Líquido

Quanto mais alto esse índice, melhor. A partir desse número é possível entender quanto do patrimônio líquido se tornará lucro.

Ciclo de caixa = Prazo médio de recebimento – Prazo médio estocagem + Prazo médio de pagamento .

2.5 PLANEJAMENTO FINANCEIRO

O processo de planejamento financeiro começa pelos planos financeiros de longo prazo ou estratégicos. Estes, por sua vez, orientam a formulação de planos e orçamentos de curto prazo, ou operacionais. De modo geral, os planos e orçamentos de curto prazo implementam os objetivos estratégicos de longo prazo da empresa. Embora o restante desta pesquisa dê maior ênfase aos planos e orçamentos de curto prazo, justificam-se alguns comentários preliminares sobre os planos financeiros de longo prazo. É preciso entender o que está ocorrendo hoje financeiramente na organização para a partir daí identificar desafios e oportunidades, e assim iniciar o planejamento estratégico financeiro da organização. A falta de capital de giro para pagamentos de fornecedores e pessoal é um grande problema e um sintoma de incapacidade de planejamento financeiro. Se fossemos comparar uma empresa com o corpo humano o capital de giro seria o seu ar para os pulmões. Fazem parte do planejamento financeiro o desenvolvimento de metas, crescimento da organização, minimizar riscos e imprevistos futuros e possibilidade de financiamentos e investimentos. Para criar um bom planejamento financeiro, é preciso entender as relações financeiras e não somente as relações contábeis, não deve ser uma atividade mecânica, o planejamento financeiro precisa pensar no presente, no futuro, nas possíveis variações e principalmente, saber onde se quer chegar. Dois planejamentos são fundamentais, planejamento de caixa e planejamentos de lucros e deve se fazer tanto para longo prazo quanto para curto. No curto prazo é inserido e avaliado a projeção de venda. Já os planos de longo prazo estão ligados às metas estratégicas da organização.

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

Na metodologia, consta a forma da pesquisa realizada, o seu universo e o respectivo tamanho da amostra estudada, bem como a forma de coleta e análise dos resultados.

3.1 MÉTODO DE PESQUISA

A pesquisa ocorrerá através de análise dos  Balanços Patrimoniais e DREs de uma oficina mecânica independente denominada Leo s Car. A pesquisa documental, conforme explica Beuren (2013, p.89) “se baseia em materiais que ainda não receberam um tratamento analítico ou que podem ser reelaborados de acordo com os objetivos da pesquisa”. Além de relatórios financeiros e entrevistas com os proprietários das empresas. 

Os meios da coleta de dados referentes á oficina mecânica independente foram obtidos através de visita á sede da empresa.

3.2 COLETA E ANÁLISE DE DADOS

O objetivo desse trabalho é mapear e analisar os dados financeiros de uma oficina mecânica. Para realizar a análise e calcular os índices financeiros será necessário utilizar o Balanço Patrimonial e o DRE. Conforme já comentado anteriormente, a empresa estudada não possui até o momento esses dois demonstrativos, então a tarefa inicial será montar os demonstrativos dos dois ultimos anos e do ano presente até o mes de junho.

 

3.3 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO

A empresa estudada é a oficina mecânica independente chamada Leo s Car, situada na cidade de Gravataí, região metropolitana de Porto Alegre. Leo s Car possui um faturamento médio mensal de R$ 30.000,00 por mês, logo se enquadra no regime contábil de micro empresa.

A Leo S Car foi fundada em 2017, e possui 3 colaboradores, formado por uma administradora e proprietária, seu marido, sócio e mecânico chefe e um mecânico auxiliar. O espaço da empresa é alugado, anteriormente neste espaço havia uma oficina chamada Luiz Car. Fundada há mais de 20 anos, possuía grande número de clientes e era bem conceituada na visão da comunidade. Atualmente a Leo s Car possui mais de 500 clientes registrados no seu sistema e atende em média 50 veículos por mês. Essa oficina não possui a mesma classificação que as oficinas denominadas auto center. Esse tipo de oficina é focada em manutenção de freios e suspensão. Já na Leo S Car, diversos serviços são realizados, tais como, substituição de embreagem, retífica de motores e cabeçotes, conserto de setores de direção, freios, suspensão e diagnóstico computadorizado. Outra questão importante é que o ramo de reparação automotiva possui particularidades, como vender peças juntamente com o serviços e prestar serviços que necessitam de insumos básicos para realização, esses fatores acabam tornando a gestão financeira mais complexa do que se comparado com a venda de mercadorias, como roupas.

As peças que precisam ser substituídas no momento da manutenção do veículo, são compradas pela Leo S Car e vendidas para o cliente, juntamente com o serviço prestado.

Desde o início da nova equipe, em 2017, as finanças são documentadas diariamente pela proprietária e administradora em planilhas do Excel. Um sistema para geração de ordens de serviço também é utilizado para registrar os serviços realizados no veículo e as peças substituídas e entregue para o cliente. Existem três planilhas onde são feitos os principais registros, uma chamada Fluxo de Caixa, onde são registrados todos as movimentações financeiras diárias, tais como: entradas de caixa, saídas de caixa, compra de peças de cada fornecedor. Já a outra planilha denominada Movimento Diário, são registrados os serviços realizados em cada veículo e as peças substituídas, juntamente com os dados do veículos como placa, modelo e ano, e seu objetivo principal é calcular o faturamento de peças e o faturamento de serviços. A terceira planilha é atualizada mensalmente, nela contém os dados do faturamento mensal, custo da mercadoria vendida e custos fixos. A empresa nunca fez os cálculos de demonstrações financeiras como o Balanço Patrimonial e DRE.

3.4 OFICINAS INDEPENDENTES X CONCESSIONÁRIAS

Para entender melhor a diferença entre concessionárias e oficinas independentes, e como funciona a concorrência entre elas, vou explicar as diferenças entre as duas. Concessionárias são empresas que tem autorização de comercializar determinado produto de uma determinada marca. No caso dos veículos as montadoras concedem às concessionárias o direito de venderem seus carros e prestarem serviços de pós venda, como manutenção e funilaria. As oficinas independentes prestam somente serviço de manutenção de veículos, de marcas variadas. De acordo com o Sindirepa São Paulo em 2017, 80% dos consumidores preferem fazer manutenção em oficinas independentes, e conforme a pesquisa mostra, isso se dá pelo fato do preço ser cinco vezes menor se comparado às concessionárias e também ao estreito relacionamento com o mecânico da oficina de confiança. De acordo com as demonstrações financeiras do grupo Chevrolet, a receita de prestação de serviços vem diminuindo desde 2015, em contra partida, a receita operacional líquida arrecadada pelas oficinas mecânicas independentes cresceu 14% desde 2015, conforme dados divulgados pelo IBGE. Podemos identificar uma tendência de comportamento do consumidor e o mercado de oficinas mecânicas independentes em crescimento.

Mas mesmo com a crescente demanda, outros concorrentes entraram no mercado da reparação automotiva. As oficinas mecânicas geralmente vendem a peça que será substituída no veículo e o serviço prestado, conforme pesquisa divulgada pelo Sindirepa em 2018, essa proporção é de 70/30, ou seja, 30% do faturamento é dado pela prestação de serviço e 70% pela venda de peças. Podemos notar que a venda de peças é de grande representatividade, mas o site Mercado Livre, e a venda de peças na internet como um todo vem sendo apontado com um grande concorrente. Com preços até 50% menores, se torna um grande desafio para as oficinas venderem peças o que acarreta numa diminuição do faturamento. 

ANÁLISE SITUAÇÃO ATUAL

Referente aos processos administrativos da empresa, são realizados por uma única pessoa, a sócia/proprietária. Para as transações financeiras do dia a dia é utilizada uma única planilha, onde são colocadas informações referentes a entrada de caixa, saída de caixa, compra das peças dos respectivos fornecedores, contas a pagar e contas a receber. Essa planilha é alimentada diariamente. A proprietária também criou uma planilha que é alimentada mensalmente onde constam informações como faturamento de peças, faturamento de serviços, quanto foi comprado de cada fornecedor e etc, e outra planilha, chamada DRE, onde as informações gerais do mês são repassadas para essa planilha chegando assim no valor do lucro líquido mensal da empresa. 

A empresa possui um sistema onde são emitidas as ordens de serviço dos clientes, emissões de notas fiscais e cadastramento dos clientes. 

Atualmente, trabalham na empresa a sócia proprietária e seu marido e um funcionário. A sócia realiza um primeiro atendimento ao cliente, observando qual a necessidade do cliente, caso ela não consiga resolver, o mecânico é chamado para atender e conversar com o cliente. 

4.1 A EMPRESA E O NOVO CORONA VÍRUS

No presente momento, o país está passando por um problema de saúde global. Conforme comentado anteriormente o novo Corona Vírus, é um vírus de alta propagação e com grande risco de insuficiência respiratória e outros problemas graves de saúde para quem for contaminado, parou a economia do Brasil e do mundo. O início da crise ocorreu em março deste ano, e afetou tanto pequenas quanto grandes empresas, e a Leo S Car também foi afetada pela crise, de diversas maneiras.

No atual momento, somente comércio considerados essenciais pelas autoridades podem funcionar porém com diversas restrições. O setor de reparação de veículos automotores foi considerado serviço essencial, mas no começo da crise, em março, a empresa precisou ficar fechada por duas semanas. Então logo foi possível identificar uma redução no faturamento, que seguiu pelos próximos meses. As restrições impostas pelas autoridades também alteram o andamento do trabalho, tais como reduzir o número de funcionários e pessoas no local, distanciamento e uso de máscaras durante todo o horário de expediente. 

A economia no Brasil todo foi afetada, houve uma redução do PIB, demissões em massa, pequenas empresas encerrando suas atividades por ficarem fechadas sem previsão de poderem retornar com suas atividades. O desemprego aumentou, causando redução no poder aquisitivo das famílias e assim afetando o faturamento diversas empresas, inclusive da empresa Leo s Car. Consertar o carro, ou realizar a manutenção periódica não está no topo das prioridades econômicas das famílias brasileiras.

A empresa Pulso do After Market, realiza todos os anos uma pesquisa divulgada anualmente com o objetivo de informar o crescimento ou não do ramo de reparação automotiva brasileira. Com o início da pandemia a mesma iniciou uma pesquisa com distribuidores de peças, lojas de peças e oficinas mecânicas, para acompanhar o setor durante a pandemia do Corona Vírus. Conforme apontado pela pesquisa, o faturamento do mercado de reparação automotiva caiu 7,8%, pouco se comparado com outros setores, como lojas de varejo e restaurantes. Mas se pensarmos que as oficinas foram obrigadas a fecharem por menos tempo do que lojas e restaurante, é uma queda considerável. Os fatores que também contribuíram para esta queda foram a diminuição da circulação dos carros, falta de peças para comercialização, e o desemprego. Com isso, o número de carros passando pelas oficinas caiu 70% em relação ao mesmo período do ano anterior. O fator a favor do reparador automotivo é que muitos trabalhadores dependem do carro para trabalhar, e outros estão com medo de utilizar transportes públicos. 

Paralelo a isso, em fevereiro deste ano (antes do início da pandemia), a empresa havia decidido adquirir uma máquina de cartão que proporcionasse parcelamento de até 10 parcelas, com uma taxa atrativa para a empresa, porém o recebimento do valor seria igual ao número de parcelas pagas pelo cliente. Então se o cliente parcelasse em 10 parcelas, a empresa receberia uma parcela por mês, levando assim 10 meses para receber o valor total da venda. Essa era uma solicitação antiga dos clientes da oficina mecânica, visto que o ticket médio é alto e diversas empresas já proporcionam para os seus clientes parcelamentos em até 10 vezes sem juros. Os sócios haviam feito uma reserva de caixa pois sabiam que o fato de demorarem mais tempo para receber o valor da venda afetaria o fluxo de caixa, mas não esperavam passar por uma pandemia global. 

Antes da pandemia, a proporção de vendas á crédito era de 36%, com o início da pandemia passou para 40%. Então, além do faturamento ter caído, a venda a crédito cresceu, causando uma crise de fluxo de caixa. 

4.2 ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

Para iniciar o diagnóstico financeiro da Leo s Car, elaborou-se a Demonstração do Resultado do Exercício. Abaixo seguem as informações financeiras mencionadas. Para ser possível identificarmos o quanto a pandemia afetou o negócio, analisaremos os perídos de Janeiro a Junho dos anos de 2018, 2019 e 2020. 

FIGURA AQUI

Tabela 1 — DRE da Leo s Car (valor expresso em R$)
DRE da Leo s Car (valor expresso em R$)O autor (2020)

Podemos observar que houve crescimento da receita bruta em 2020. Conforme relatado pelos sócios, os três primeiros meses do ano o faturamento foi acima do esperado. O custo da mercadoria vendida também cresceu, assim como os custos fixos. Com a contratação do novo funcionário, os custos com pessoal cresceram 135%. Também podemos observar que apesar do faturamento bruto ter crescido, a representatividade do lucro líquido caiu em 1 ponto percentual, fato que será analisado com profundidade no decorrer deste trabalho. Normalmente, os primeiros meses do ano são de baixo movimento na oficina mecânica, sendo o maior crescimento nos meses de outubro, novembro e dezembro, período onde o dinheiro circula em maior quantia devido ao décimo terceiro salário. (COMPLEMENTAR)

4.3 ANÁLISE BALANÇO PATRIMONIAL 

Dando continuidade a análise financeira da Leo s Car, elaborou-se três balanços patrimoniais. O primeiro se refere a 31/12/2018, o segundo a 31/12/2019 e o terceiro a 31/06/2020. 

FIGURA AQUI

Tabela 2 — BP da Leo s Car (valor expresso em R$)
BP da Leo s Car (valor expresso em R$)O autor (2020)

Podemos observar que a conta clientes a receber vem crescendo desde 2018. Em 2020 a conta clientes a receber representava 66% do ativo, enquanto as disponibilidades de caixa representavam 4% do ativo. Fato que prejudica o fluxo de caixa. 

O passivo circulante cresceu 36% em 2020, crescimento justificado pelo aumento do custo com pessoal e fornecedores.

Graças a nova máquina de cartão, em 2020 a Leo s Car passou a ter ativos realizáveis de longo prazo, ou seja, valores que serão recebidos somento no próximo ano contábil. A empresa operadora de cartão, não permite antecipação de vendas. O passivo circulante cresceu em 2020, a conta fornecedores foi responsável por este crescimento, representando 51% do passivo circulante, crescimento de 17 pontos percentuais se comparado com o ano de 2019.

4.4 INDICADORES FINANCEIROS

Foram calculados os principais indicadores financeiros, utilizando o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício da empresa Leo s Car. Serão analisados um de cada vez. 

4.4.1 INDICADORES DE LIQUIDEZ 

Tabela 3 — Índices de Liquidez
Índices de LiquidezO autor (2020)

Conforme vimos anteriormente, os índices de liquidez mostram a capacidade da empresa pagar suas obrigações de curto prazo, em dia. Para os credores de curto prazo, este índice é de extrema importância, mas para os proprietários da empresa também é muito relevante. Através dele, podemos ver não apenas se a empresa tem capacidade financeira para pagar suas contas mas também qual a capacidade da empresa

Como podemos ver no quadro acima, nos anos de 2018 e 2019, a empresa manteve um bom índice de liquidez corrente, em 2018, por exemplo, para cada 1,43 reais de ativo circulante, a empresa tem 1 real de passivo circulante. Com isso, ela tem seu passivo circulante coberto 1,43 vez. Em contrapartida, como podemos verificar, em 2020 a situação tornou-se bem diferente. Os seus índices de liquidez são de 0,97, então para cada 1,00 de dívida, a empresa ainda ficaria devendo 0,03 centavos. Ou seja, tudo o mais constante, podemos concluir que hoje a empresa pode ter maior dificuldade para pagar suas contas em dia. Este resultado condiz com a análise inicial que fizemos no DRE e no Balanço Patrimonial. Observamos que o índice de liquidez seca, que desconsidera o valor em estoques, é ainda menor em 2020.

4.4.2 GESTÃO DE ATIVOS

O indicador do giro do ativo, mede a eficiência na utilização dos ativos da empresa, esse indicador quanto maior, melhor. Conforme podemos visualizar na tabela, esse índice vem diminuindo ano após ano. Em 2020, para cada 1 real em ativos a empresa gerou 4,43 reais em vendas. O investimento em máquinas e equipamentos é extremamente baixo, pois o aluguel cobrado mensalmente inclui o espaço do prédio, os equipamentos necessários e as ferramentas. 

Tabela 4 — Giro do Ativo e Prazos Médios
Giro do Ativo e Prazos MédiosO autor (2020)

O prazo médio de recebimento da empresa Leo s Car vem aumentando ano após ano, o que condiz as informações fornecidas pela proprietária referente as formas de pagamento. Em 2018, aceitavam parcelamento em até 3x, mas a maioria dos pagamentos eram feitos á vista. Em 2020, com a nova máquina, a venda a prazo aumentou para  40%, e o prazo de recebimento também. Então conforme a tabela Giro do Ativo mostra, em 2020 o prazo de recebimento é de 36 dias.

Figura 1 — Formas de Pagamento Leo s Car
Formas de Pagamento Leo s CarO autor (2020)

Acima, podemos observas a proporção das formas de pagamento ao longo dos anos. 

 Prazo médio de pagamento, é o tempo médio que a empresa tem para quitar suas dívidas de curto prazo. Esse é um índice que conforme podemos ver na tabela, vem aumentando ano após ano. Através de negociações com fornecedores, a empresa conseguiu aumentar o prazo de pagamento dos seus fornecedores.  

A administração do capital de giro é de vital importância para a sobrevivência de qualquer empresa, e é considerado o maior desafio das micros e pequenas empresas. 

O capital circulante líquido diz respeito ao valor necessário para o funcionamento da empresa. Quando o ativo circulante é maior que o passivo circulante, significa que o caixa disponibilizado será maior que o caixa a ser pago, ele está positivo. Como podemos ver, em 2018 e 2019 o capital circulante líquido era suficiente para as necessidades de caixa diários. Em 2020, o capital circulante líquido ficou negativo. O aumento do prazo de pagamento das vendas, fez com que a empresa trabalhasse com o caixa negativo, usando o cheque especial para quitar suas contas de curto prazo. O que trouxe custos financeiros para empresa.

4.4.3 INDICADORES DE RENTABILIDADE

A margem de lucro bruto mede quanto fica na empresa após deduzir o custo da mercadoria vendida. Através da tabela abaixo podemos observar as margens bruta e líquida da Leo s Car. A margem de lucro bruto do ano de 2018, período de janeiro a dezembro era de 52%, e em 2019, 59%. Comparando 2018 com 2019, período de janeiro a junho, a margem de lucro bruto cresceu 8 pontos percentuais. . Em 2020 a margem de lucro bruto caiu 6 pontos percentuais em relação ao mesmo período de 2019, fato esse que é explicado pela pandemia do Corona Vírus, onde o fluxo de carros diminuindo consequentemente o faturamento.

Tabela 5 — Índices de Rentabilidade
Índices de RentabilidadeO autor (2020)

De acordo com Gitmann, os índices de rentabilidade nos permitem avaliar os lucros da empresa em relação as suas vendas. O indicador margem de lucro líquido mostra que a cada 100 reais vendidos em 2020, 7 reais retornam para empresa como lucro líquido. 

O que contribuiu para este resultado foi a Pandemia, pois graças a essa situação, foi preciso diminuir o valor da mão de obra e diminuir a margem de lucro colocada nas peças vendidas. Especialistas sugerem que a margem de lucro líquido ideal para o ramo de prestação de serviço, permaneça em 20% ou acima. A franquia de oficinas mecânicas HiTorque, considerada referência no ramo automotivo, promete uma margem de lucro líquido de 18%. Outro fator que contribuiu para uma piora no resultado da Leo s Car em 2020 foi a concorrência desleal. Os proprietários observaram que os concorrentes nos arredores diminuíram e muito o preço cobrado para realizar diversos serviços, com isso, os clientes pressionaram a Leo s Car para reduzir seus preços e não perderem seus clientes. 

A margem de lucro líquido está abaixo do esperado pelos sócios. Para solucionar este problema é preciso diminuir o custo da mercadoria vendida, encontrando novos fornecedores com preços mais baixos mas observando a qualidade da mercadoria. É necessário diminuir o custo fixo, neste momento o custo com pessoal representa 38% do custo fixo. Sugere-se diminuir o salário do colaborador, ou dispensa-lo e contratar outro com um salário mais baixo. Diminuindo o custo com pessoal pela metade, com tudo o mais constante, a margem de lucro líquido passa a ser de 12%.

Tabela 6 — ROA E ROE – Leos Car
ROA E ROE - Leos Car O autor (2020)

Retorno sobre o ativo mostra a eficiência no uso dos ativos da empresa. Em 2018, seu primeiro ano de funcionamento, a Leo s Car não usava seus ativos de forma eficiente. Podemos afirmar que a rentabilidade do ativo em 2018 era de 103%, em 2019 de 125% e em 2020 caiu para 32%. A queda da rentabilidade em 2020, mostra a dificuldade da empresa em gerar lucro líquido por meio de seus investimentos. 

ANÁLISE FINAL

Com base na análise das demonstrações financeiras da empresa Leo s Car podemos concluir que em 2019 a empresa apresentava crescimento de receita e lucro líquido. Em 2020, o ano começou superando as expectativas mas com a chegada do novo Corona Vírus no Brasil a empresa sofreu uma grande queda no faturamento, e conforme relatos dos proprietários, acreditaram em uma rápida recuperação, mantendo assim seu funcionário que pesava bastante no seu orçamento. Nesse meio tempo, ocorreram problemas no fluxo de caixa, conforme as análises mostraram, e precisaram usar recurso do cheque especial bancário para capital de giro, o que diminuiu ainda mais a rentabilidade da empresa.

Graças as análises financeiras realizadas com este trabalho, quatro soluções de curto prazo foram propostas para recuperar o fôlego do caixa. Uma delas é dispensar o funcionário, diminuindo assim o custo fixo pela metade. A outra seria negociar o prazo com seu principal fornecedor de peças, para que aumente o prazo de pagamento e o parcelamento das compras, assim o recebimento da venda terá maior probabilidade de coincidir com o pagamento da peça. A terceira sugestão é negociar o valor do aluguel com o proprietário do imóvel. Diversos estabelecimentos comerciais tiveram seus aluguéis reduzidos por estarem proibidos de abrir, conforme estipulado pela OMS (Organização Mundial de Saúde), mas apesar da Leo s Car permanecer funcionando durante a pandemia, o número de carros atendidos caiu 16% em relação ao mesmo do período do ano anterior, e se compararmos 2020 com 2018 essa diferença é ainda maior, queda de 24%. Para a sobrevivência e continuação do negócio é essencial a redução do aluguel até dezembro deste ano. 

Conforme apontado pela pesquisa do Sebrae, Impactos da Pandemia, 54% das empresas entrevistadas acreditam que precisarão de empréstimos bancários para manter a empresa funcionando. A quarta solução para melhorar os resultados da Leo s Car, tem o objetivo de equilibrar o capital circulante líquido, que conforme vimos anteriormente se encontra negativo neste momento. Devido a pandemia, diversas linhas de crédito foram disponibilizadas para empresas, e a linha Giro Caixa Pronampe foi disponibilizada exclusivamente para micro e pequenas empresas. Dentre as diversas características do empréstimo, as principais são o juros baixo, 1.24% ao ano, com carência de 8 meses e prazo total de financiamento de 36 meses. Com base nas informações financeiras da Leo s Car que vimos anteriormente, é possível afirmar que o valor ideal para capital de giro neste momento seria de 30.000 reais. Através do site do Banco Caixa, foi possível fazer uma simulação de financiamento. Abaixo as informações sobre o empréstimo para capital de giro 

Tabela 7 — SIMULAÇÃO FINANCIAMENTO CAIXA ECONÔMICA
SIMULAÇÃO FINANCIAMENTO CAIXA ECONÔMICAO autor (2020)

Referente a primeira sugestão, dispensar o funcionário que pesa no custo fixo, assim ficará somente um mecânico para atender todos os clientes. Então o custo fixo irá diminuir mas o faturamento também, pois um só mecânico possivelmente não irá conseguir atender ao mesmo número de clientes que os dois mecânicos atendiam. De acordo com o relato do mecânico, sócio da empresa, além de diminuir o faturamento com um mecânico a menos, os clientes não gostam de não serem atendidos na hora, não tem o costume de agendar o serviço com antecedência, o que gera o risco para empresa Leo s Car perder clientes por não poder atende-los na hora que desejam. Outra informação a se considerar baseado nas análises de DRE da empresa, é que nos meses de outubro, novembro e dezembro ocorrem maior fluxo de veículo e maior faturamento, chegando a representar 35% do faturamento anual da empresa. Sem outro mecânico, espera-se que o faturamento cairá 30% ao mês. 

Acredita-se que as quatro sugestões juntas poderão tirar a empresa do vermelho de uma maneira imediata, mas pensando no longo prazo será importante rever essas estratégias mês a mês. 

CONCLUSÃO

O presente trabalho constituiu na elaboração e análise das demonstração financeiras da oficina mecânica Leo s Car. A empresa analisada está inserida em um mercado pouco estudado financeiramente e está passando por um momento de crise financeira global. No ano de 2020, o mundo vive a maior pandemia de todos os tempos, chamada de Covid-19. Graças a essa pandemia, a economia mundial sofreu uma grande queda. Portanta, faz se necessária calcular a posição financeira em que empresa se encontra neste momento, para assim ser possível apontar melhorias para o futuro. Neste trabalho, foi possível analisar o quanto a pandemia afetou os resultados financeiros da empresa Leo s Car.  Foi realizada a coleta das informações financeiras da empresa Leo s Car e Através dessas informações, foi possível elaborar o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício. A partir desses  números, foram calculados os indicadores financeiros com o objetivo de obter um diagnóstico mais claro sobre a situação da empresa referente aos seus resultados nos anos de 2018, 2019 e 2020 até o mês de Junho.

Após elaborar as demonstrações financeiras, calcular os principais indicadores, podemos notar diversos problemas. O índice de liquidez corrente está insatisfatório no ano de 2020. O capital circulante líquido em 2020 ficou insuficiente gerando custo financeiro, pois a empresa precisou usar cheque especial para quitar suas dívidas de curto prazo. O lucro líquido, na visão dos proprietários está insatisfatório, desde o ano de 2018. 

A falta de dados formalizados e organizados trouxe muitas dificuldades para elaboração deste trabalho. Em meio ás dificuldades enfrentadas pela empresa, devido ao Corona Vírus, foi desafiador encontrar sugestões de soluções para os problemas financeiros enfrentados no atual momento, pois o principal objetivo do trabalho é encontrar soluções para ajudar efetivamente a empresa o mais rápido possível. A análise trouxe os proprietários para a realidade financeira da empresa, no início da pesquisa o proprietário acreditava que a oficina estava apresentando ótimos resultados financeiros. O que ocorre em diversas empresas onde o dono enxerga a empresa melhor do que ela realmente é. 

A conclusão desta pesquisa trouxe ensinamentos tanto para o pesquisador quanto para o proprietário. Foi possível aplicar a teoria aprendida na universidade, correlacionando diversas disciplinas, e aplicar na prática. A satisfação de poder ajudar uma empresa, passando por um momento desafiador, a enxergar seus problemas e  apontar soluções, fez com que todos esses anos de estudos valessem a pena.

RESUMO

Este trabalho foi elaborado visando analisar o desempenho ecônomico de uma pequena empresa antes e durante uma pandemia global. Empresa prestadora de serviços de manutenção de veículos automotores, localizada na cidade de Gravataí. De acordo as teorias estudadas, a análise de indicadores financeiros, em conjunto, irão mostrar o desempenho financeiro da organização. Para realização deste estudo foi preciso calcular os indicadores financeiros da micro empresa, baseado na Demonstração do Resultado do Exercício e no Balanço Patrimonial. Após a análise dos principais indicadores financeiros, foi possível identificar os problemas pelos quais a empresa está passando neste momento. Com base nos indicadores financeiros analisados, foi possível sugerir melhorias e ações para contornar a atual situação financeira da empresa. Os índices financeiros ca

Palavras-chave: Indicadores econômicos-financeiros. Diagnóstico Financeiro. Demonstração Financeira. Micro Empresa.

REFERÊNCIAS

BeurenIlse Maria . Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: Teoria e Prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

BragaRoberto. Fundamentos e Técnicas da Administração Financeira. 1. ed. São Paulo: Atlas, 1989.

da costa ferreiraCalebe. Gestão de Capital de Giro: Contribuição para as Micro e Pequenas Empresas . Revista de Administração, São Paulo, v. 45, p. 863-884, 2011.

DMITRUKHilda Beatriz (Org.). Cadernos metodológicos: diretrizes da metodologia científica. 5. ed. Chapecó: Argos, 2001. 123 p.

FerreiraLaura Senna. Processos de resistencia e novos desenhos identitários : o ofício do mecanico e a racionalização da industria automotiva . Rio de Janeiro, 2013. Tese (Dourado em Sociologia)Universidade Federal do Rio de Janeiro.

gitmanLawrence J. Princípios da Administração Financeira. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

IBGE. Número de Empresas por CNAE. SIDRA. 2018. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1936#resultado. Acesso em: 30 set. 2019.

IBGE. Número de Empresas por CNAE. SIDRA. 2018. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1936#resultado. Acesso em: 30 set. 2019.

IBGE. Pesquisa Anual de Serviços : Resultados dos Serviços de Manutenção e Reparação. www.sidra.ibge.com.br. 2018. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/2675. Acesso em: 30 out. 2019.

IPEA. Radar Micro Empresas: Micro, Pequenas e Medias Empresas: conceitos e estatísticas. IPEA. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8274/1/Radar_n55_micro_pequenas.pdf. Acesso em: 24 set. 2019.

matarazzoDante C . Análise Financeira de Balanços: abordagem básica e gerencial. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

Mettzer. O melhor editor para trabalhos acadêmicos já feito no mundo. Mettzer. Florianópolis, 2016. Disponível em: http://www.mettzer.com/. Acesso em: 21 ago. 2016.

NetoAlexandre Assaf. Estrutura e Análise de Balanços: Um enfoque economico e financeiro. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

NunesLeonor da C. Ferreira; SerraqueiroZelia M. A informação contabilística nas decisões financeiras das pesquenas empresas. Contabilidade e Finanças, v. 15, p. 87-96, 2004.

Portal da Indústria. A indústria em números. www.portaldaindustria.com.br. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/estatisticas/industria-em-numeros. Acesso em: 24 set. 2019.

RossStephen A. Administração Financeira. São Paulo: AMGH, 2015.

SEBRAE. Diferença entre Micro e Pequenas Empresas . Portal Sebrae. São Paulo, 2019. Disponível em: SEBRAE. São Paulo, 2019. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/entenda-as-diferencas-entremicroempresa- pequena-empresa-emei, 03f5438af1c92410VgnVCM100000b272010aRCRD. Acesso em: 1 out. 2019.

Sebrae. O Impacto da Pandemia Corona Vírus nos Pequenos Negócios. Portal Sebrae. 2020. Disponível em: https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/o-impacto-da-pandemia-de-coronavirus-nos-pequenos-negocios. Acesso em: 23 set. 2020.

SPC e CDL. Perfil das Micro e Pequenas Empresas Brasileiras. SPC BRASIL. 2015. Disponível em: www.spcbrasil.org.br. Acesso em: 5 set. 2020.

APÊNDICE B — Balanço Patrimonial Leo s Car

Digite aqui o Conteúdo

feito

Use agora o Mettzer em todos
os seus trabalhos acadêmicos

Economize 40% do seu tempo de produção científica