GESTÃO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Centro de Profissionalização e Educação Técnica

GESTÃO DE PROJETOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

PEDRO MAYER

Orientadora: Tutora Marcia Cristiane

Resumo

Falaremos sobre a importância da gestão dos projetos e qual é o impacto na construção civil. Mostraremos a definição de gestão, de projetos e principalmente da gestão de projetos na construção civil. Falaremos sobre todas as etapas de um projeto e a importância de se fazer um projeto eficiente e eficaz e com isso reduzir as incertezas e surpresas de um empreendimento. Uma gestão bem feita reduz os custos com a obra, reduz os gastos com compras, reduz gastos desnecessários com mão-de-obra. Com a Gestão de Projetos as chances de que orçamento, prazos e diversas etapas da construção civil sejam concluídas com maior êxito são maiores. Um projeto excelente trará retornos igualmente excelentes.

Palavras-chave: Gestão. Projetos. Gestão de Projetos. Construção Civil.

Abstract

We will talk about the importance of project management and what is the impact on civil construction. We will show the definition of management, of projects and mainly of project management in civil construction. We will talk about all stages of a project and the importance of making an efficient and effective project and thereby reducing the uncertainties and surprises of an enterprise. A well-managed management reduces the costs with the work, reduces the expenses with purchases, reduces unnecessary expenses with labor. With Project Management, the chances that the budget, deadlines and various stages of civil construction are completed with greater success are greater. An excellent project will bring equally excellent returns.

Keywords: Management. Projects. Project management. Construction.

Introdução

Qual é a importância da gestão dos projetos e qual é o impacto na construção civil? 

Esse é um tema muito importante para o sucesso de um empreendimento. Um projeto completo e bem feito reduz drasticamente as incertezas e surpresas de um empreendimento.

O projeto na construção civil é a base para todo empreendimento. São vários os tipos de projetos:

• Anteprojeto

• Projeto de Planta Baixa

• Planta de Situação

• Projetos Legal (para aprovação na Prefeitura)

• Projetos de Cobertura

• Projeto Elétrico.

• Projeto Hidráulico e Sanitário – Hidrossanitário.

• Projeto de Paisagismo.

• Projeto de Interiores.

• Projetos Estruturais.

• Projeto Acústico.

• Projeto de Urbanismo.

Para a confecção dos projetos, atualmente, são utilizados vários softwares como o AutoCAD, o SketchUp, o Revit entre outros.

Atualmente o Revit está sendo cada vez mais difundido e em conjunto com a metodologia BIM, serão o futuro dos projetos na construção civil.

Para obras governamentais que exigem licitações, já está sendo obrigatório o uso da metodologia BIM.

O que é BIM?

BIM (ou Building Information Modeling) que significa Modelagem/Modelação da Informação da Construção ou Modelo da Informação da Construção é um conjunto de informações geradas e mantidas durante todo o ciclo de vida de um edifício.

Não falaremos sobre os tipos de projetos e o que cada um representa, aqui serão vistos o que é uma gestão, o que é um projeto e o que é a gestão de projetos na construção civil.

Gestão de Projetos na Construção Civil

Qual é a importância da gestão dos projetos e qual é o impacto na construção civil? Primeiramente vamos definir o que é gestão e em seguida o que são projetos. 

GESTÃO

O que é gestão?

A Construção Civil representa uma parcela significativa da economia das nações e é um termômetro de como anda a economia de um país, além de empregar milhões de pessoas.

Ao longo da História, esse setor tem buscado formas de evoluir em nível de Processos de Projetos, e isso se deve à competitividade entre as empresas, portanto, podemos afirmar que o cenário competitivo que estimula a necessidade de qualificação de mão de obra e requer que os processos de gerenciamento dos projetos sejam cada vez mais eficientes e eficazes.

Antes de falarmos sobre projetos na construção civil é importante que, primeiramente, seja abordado o significado da palavra gestão.

Segundo o dicionário Michaelis (2018), gestão seria o “ato de gerir ou administrar”.

Sabemos que o mercado de atuação para o Projetista está extremamente competitivo devido aos fatores ligados à globalização e às mudanças nas relações de trabalho.

Conforme dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC, 2015) que mostram que o setor da Construção Civil é responsável pelo emprego de 8,48% de toda a população ocupada formalmente no país, o que representa, em números aproximados, uma parcela de 8,7 milhões de pessoas.

Em relação à participação da Construção Civil no PIB brasileiro, a taxa de representatividade do Setor entre 2012 e 2015 se manteve na casa dos 5%.

Devido a isso, é importante que a capacidade de gestão esteja cada vez mais apurada nos profissionais desse ramo, visto que, em campo, o Engenheiro exerce papel de liderança, por ser a pessoa responsável por dar as diretrizes necessárias (além da concepção) para o andamento da obra.

Já para os proprietários do empreendimento ou para a alta administração de Construtoras, o Engenheiro exerce a função de analista, traduzindo em números os resultados alcançados em campo.

Devido ao caráter temporário da grande maioria dos empreendimentos de construção civil, a gestão de projetos se faz como a melhor ferramenta para que o Engenheiro Civil possa traduzir as necessidades citadas acima no gerenciamento da construção civil.


PROJETOS

O que são projetos?

De acordo com o Project Management Institute (PMI, 2017), Projeto é o “Esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado único”.

A partir dessa definição, é possível verificar de imediato duas características dos Projetos: a temporalidade e a singularidade.

A temporalidade significa que todo Projeto tem início e término pré-determinados.

Um Projeto pode durar horas, dias ou mesmo anos e seus produtos e resultados podem perdurar por muito tempo (CARVALHO; RABECHINI JR., 2015).

Tomamos como exemplo a Copa do Mundo de Futebol de 2014, realizada no Brasil. Embora tenha havido atrasos em obras de infraestrutura, elas perduraram e algumas são utilizadas pela sociedade até os dias de hoje, e outras estão sucateadas, mas essa é uma questão política e não nos interessa no momento, mesmo após o término da competição.

Já a singularidade significa que cada resultado de um Projeto é único e diferente de todos os similares feitos anteriormente (CARVALHO; RABECHINI JR, 2015).

Aqui se pode tomar como exemplo a construção de Usinas Hidrelétricas.

Embora os princípios de funcionamento e construção sejam semelhantes, existem características específicas à construção de cada uma delas, que são únicas (como, por exemplo, a localização, a mão de obra que atuou na execução do Projeto, os custos logísticos de entrega de materiais, os cálculos de dimensionamento de fundações etc.).

Os Projetos são gerados para que sejam atendidos objetivos das mais diversas naturezas, como, por exemplo, expansões de unidades produtivas, reformas de edifícios, construções de parques públicos, implementação de um novo software, construção de uma casa conforme demanda do proprietário etc. (PMI, 2017).

Tais objetivos refletem diretamente na resposta de fatores que afetam as Organizações.

Tomando essa informação como base, Projetos podem ter, então, quatro fatores que ilustram as razões pelas quais podem ser gerados: 

• Cumprir requisitos regulatórios, legais ou sociais;

• Atender a pedidos ou necessidades das partes interessadas;

• Criar, melhorar ou corrigir produtos, processos ou serviços;

• Implementar ou alterar estratégias de negócios ou tecnológicas.

Como podemos ver, os quatro objetivos globais pelos quais os Projetos são iniciados, não se prendendo a fatores como tamanho das estruturas necessárias, áreas do conhecimento etc.

Outro aspecto importante para se tratar em Projetos é que eles se diferem completamente das atividades de rotina. Atividades de rotina são caracterizadas pelo aprendizado, pela repetição e pela busca por estabilidade, enquanto o Projeto possui a inovação e a capacidade de adaptação como seu grande diferencial (KEELING; BRANCO, 2014).

Projetos estão sujeitos a riscos. Essa diferenciação das operações de rotina torna o Projeto mais fácil de ser planejado, monitorado e controlado.

A distinção entre as atividades de rotina e as de Projeto é explicitada no Quadro 1, que traça um comparativo entre ambas:

Quadro — Comparação entre Atividades de Rotina e de Projeto
Comparação entre Atividades de Rotina e de ProjetoO autor (2020)

O quadro ao explicitar as diferenças entre esses dois tipos de atividade ressalta que os Projetos, devido a suas características (apresentadas com maiores detalhes no próximo capítulo) demanda maior aparato intelectual, material e adaptativo das pessoas envolvidas em suas atividades.

Características do Projetos

Além da temporalidade e da singularidade, os Projetos podem ser identificados por outras características intrínsecas a eles.

Seja a pintura de uma casa ou a construção de um Parque Público, tais características estão presentes; porém, a maneira com a qual se manifestam, apresentam variações.

É interessante verificar que a diferenciação na manifestação de tais características determina o grau de dificuldade de gerenciamento de um Projeto.

Projetos possuem graus de incerteza e complexidade

A incerteza está ligada ao grau de novidade do Projeto. Embora todos os Projetos tenham potencial inovador (pelo fato de serem únicos), o grau de novidade determina se as dificuldades de gerenciamento serão maiores ou menores.

Outro fator que pauta as incertezas e a complexidade é o fato de a evolução do Projeto ser progressiva, isto é, é durante sua execução que o mesmo vai se tornando mais explícito e detalhado (CARVALHO; RABECHINI JR, 2015).

No que se refere a suas incertezas e complexidades, Lewis (2006) propõe uma matriz de classificação baseada na complexidade dos ambientes técnicos e de negócios, como mostra a figura a seguir:

Figura — Matriz de classificação de projetos
Matriz de classificação de projetosO autor (2020)

Portanto, cada tipo de Projeto se enquadra numa área dessa matriz. Adiante se apresenta a definição de cada uma delas:

Área I: representam os Projetos de grande complexidade, com utilização de Tecnologia complexa ou nova e alto valor de negócio, representando, geralmente, Projetos de risco para as Organizações. Exemplos: o envio de seres humanos para povoar Marte, a construção de um carro movido a energia solar;

Área II: Projetos complexos, com utilização de Tecnologias novas ou complexas; porém, são desenvolvidos em ambientes relativamente simples, de valor moderado ou de pouco valor para as Organizações. Exemplo: o desenvolvimento de um carro autônomo (sem motorista) para tráfego em vias públicas;

Área III: Projetos de complexidade baixa ou moderada; porém, inseridos em ambientes de alto valor para a Organização. Exemplo: a construção de um Shopping em uma cidade do interior;

Área IV: Projetos com tecnologia bem estabelecida e valor baixo para a organização. Exemplo: a reforma de prédios de um conjunto habitacional.

Outro modelo proposto para explicitar as relações de risco é o Diamante Novidade-Tecnologia-Complexidade-Passo (NTCP).

Esse modelo foi teorizado inicialmente por Shenhar e Dvir (2010), com o objetivo de identificar as relações de riscos e incertezas e diminuí-las após a sua percepção.

Por meio de 4 variáveis (Tecnologia, Complexidade, Passo e Novidade), é possível formar um polígono considerando a valoração de uma delas. Quanto mais próximo do centro, menos complexo é o Projeto para a Organização.

Figura — Modelo Prático Diamante NTCP
Modelo Prático Diamante NTCPO autor (2020)

Quadro 2 – Dimensões do Modelo Prático do “Diamante”

Quadro — Dimensões do Modelo Prático Diamante
Dimensões do Modelo Prático DiamanteO autor (2020)

Projetos são temporários

Os Projetos devem ter início e fim definidos, seja no que tange ao aspecto físico (entrega de resultados materiais), seja no que se refere ao aspecto cronológico (tempo de duração), isto é, a definição do termo Projeto já deixa bem clara essa característica.

Projetos são específicos

Todo Projeto deve ter um objetivo final e específico. Mesmo com o desenvolvimento de inúmeros Projetos com objetivos semelhantes, cada um deles é único, devido a suas ocasiões e necessidades considerando aquele espaço de tempo no qual foi concebido e executado (PMI, 2017; CARVALHO; RABECHINI JR. 2015).

Projetos são mensuráveis

Projetos permitem medições de variáveis e elas podem ser analisadas. São diversas varáveis que podem ser monitoradas em um Projeto, como, por exemplo, prazo, custo, evolução física parcial, quantidade de materiais e mão de obra utilizada.

Essas características permitem que se possam determinar valores absolutos como o custo total e o prazo de uma etapa e valores relativos como o índice de sucesso, a variação entre o prazo planejado e o prazo executado e as taxas de utilização de trabalho extra em comparação ao planejado.

Projetos são dinâmicos

Devido ao fato de estar sempre sujeito a alterações, podemos considerá-los dinâmicos. Em todas as fases do ciclo de vida, as alterações estão presentes. Durante a fase de Planejamento, sofrem mudanças conforme o refino e a adequação às circunstâncias; na fase de Execução/Controle das mudanças ocorrem devido às variações de desempenho da performance empregada, impactando diretamente em custos, prazos, mão de obra. Essas variações necessitam de correção, que geram as mudanças.

Outras características presentes em Projetos

Como características básicas dos Projetos, existem, ainda, aspectos referentes à condução, à utilização de recursos e a parametrizações.

Ao falar em condução, afirma-se que nenhum Projeto pode ser originado ou executado sem a presença de pessoas, que atuam como partes interessadas (idealizadoras) e mão de obra (executores, gestores etc.) (VARGAS, 2016).

Os Projetos também possuem a característica de utilizar recursos devidamente dimensionados e alocados, de forma inicial. As parametrizações feitas num Projeto são em função de custos, pessoal, materiais (maquinários, consumíveis etc.) e a qualidade desejada.

Apesar de se parametrizar previamente, a precisão de tais parâmetros pode não ser correspondente ao andamento das atividades após o início do Projeto, sendo, então, necessário revisá-los durante a execução. Porém, são os parâmetros iniciais que servem de referencial de avaliação no início, isto é, até a primeira necessidade real de ajuste, as metas e os indicadores são baseadas no que foi decidido inicialmente (PMI, 2017).

Fases de um Projeto

As fases de um Projeto são as etapas pelas quais um Projeto passa desde sua idealização até sua finalização, sendo que cada uma dessas fases possui particularidades (PMI, 2017).

Compreender isso é importante para a Gestão de Projetos, pois acontecimentos significativos se dão em ordem gradativa e cada uma das fases devem ser devidamente planejadas e administradas a fim de garantir a entrega de um Projeto em sua totalidade.

A divisão em fases é uma maneira que os Gestores de Projeto encontraram para garantir um melhor planejamento, execução e controle das entregas.

Essas fases possuem, cada uma delas, um grupo de atividades que são relacionadas entre si. Cada fase é finalizada quando se obtém a entrega de um resultado.

Adota-se como significado de resultado um produto ou serviço tangível e verificável (PMI, 2017). Quando estamos falando de fases, esse resultado tangível e verificável se refere a uma parte do resultado total, que é o Projeto finalizado.

Após o término de cada fase do Projeto, é interessante realizar uma revisão, no intuito de comparar o realizado com o planejado, por meio de documentações do Projeto e do negócio.

A partir do resultado dessa revisão, uma decisão é tomada. Tais decisões podem ser: a decisão de prosseguimento ou não para a próxima fase ou mesmo do Projeto como um todo, a continuação na mesma fase e/ou a repetição de etapas dessa fase.

Ciclo de Vida

O Ciclo de vida trata das fases pelas quais um Projeto tem de passar (PMI, 2017). Ele fornece a estrutura básica para o Gerenciamento do Projeto, sendo que tal estrutura pode ser aplicada independentemente do tipo de Projeto, seja ele um Projeto de Construção Civil, de um Programa de Computador ou mesmo do planejamento das atividades do Revezamento da Tocha Olímpica.

Podem ser utilizados atributos para a identificação de fases em ciclo de vida de um Projeto, sendo que esses atributos podem ser únicos ou mesmo compartilhados entre as fases (PMI, 2017).

A seguir, alguns exemplos de atributos; porém, ressaltamos que eles não são os únicos atributos que podem ser usados. Cabe ao Gerente de Projetos determiná-los e delimitar sua extensão:

• Nome (Exemplo: Fase 1, Construção das armações e ferragens...);

• Número (Exemplo: três fases do Projeto, cinco fases no Projeto...);

• Duração (Exemplo: uma semana, três meses...);

• Requisitos de recursos (Exemplo: betoneira, pedreiros, concreto usinado...);

• Critérios classificatórios para o avanço de fase (Exemplo: aprovação do gerente de Projetos em documento assinado);

• Requisitos mínimos para a conclusão de fase (Exemplo: documentação para aprovação do gerente de Projetos preenchida).

Fases do ciclo de vida

As fases do ciclo de vida do Projeto são nomeadas de formas diferentes entre diversos autores na Literatura ou entre as associações regulamentadoras; porém, seus respectivos significados carregam grandes similaridades entre si.

Apresenta-se no Quadro a seguir a comparação entre duas obras da área de Gestão de Projetos e suas definições para as fases do ciclo de vida:

Quadro 3 — Definições referentes às fases do ciclo de vida de um projeto
Definições referentes às fases do ciclo de vida de um projetoO autor (2020)

Lembramos que a nomenclatura de fases que apresentamos acima é de caráter genérico e delimitador. As fases de um Projeto para fins de controle podem ser nomeadas conforme as atividades executadas (PMI, 2017).

Uma fase de ciclo de vida é composta por diversas atividades. Por exemplo, podemos, por convenção, determinar que, para a construção de uma casa, as fases de definição do tamanho do imóvel, desenho da planta, escolha do local e verificação de licenças fazem parte da etapa de início do ciclo de vida do Projeto.

GESTÃO DE PROJETOS

O que é a Gestão de Projetos?

Já definimos os termos Gestão e Projeto. A Gestão de Projetos, então, pode ser definida simplesmente como administrar um Projeto? Sim.

Porém, podemos detalhar mais essa definição, em termos mais técnicos e gerenciais.

Afinal, se vamos gerenciar um Projeto, é necessário sabermos o que compõe essa administração.

Gerenciar um Projeto consiste na utilização de metodologias de planejamento e controle para coordenar tarefas e recursos para que o resultado seja atingido.

É importante que o Gerente de Projetos tenha base sólida de conhecimentos para planejar, conduzir a execução, verificá-la e controlá-la.

Além do mais, o gerenciamento de Projetos é algo estratégico para uma Empresa, pois permite que os objetivos do negócio estejam em pleno alinhamento com os resultados do Projeto, propiciando, dessa forma melhor competitividade em seu Mercado de atuação.

Modelo PMI de Gerenciamento de Projetos

Existem na Literatura diversas metodologias, modelos de referências e conjuntos de melhores práticas para o gerenciamento de um Projeto.

Dentre esses documentos, encontra-se o PMBOK, que é um guia de Referências escrito pela Organização Project Management Institute (PMI), com o objetivo de reunir um conjunto de orientações que busca padronizar e referenciar processos, métodos, áreas do conhecimento, técnicas e regras para a Gestão de Projetos.

Devido à adesão desse modelo pela maioria das Organizações no mundo e o fato de ele contemplar todas as áreas do conhecimento necessárias para a realização de uma Gestão de Projetos adequada, optou-se pela utilização dele como base da Disciplina que estudamos agora.

A última versão do PMBOK foi publicada em 2017, e traz a divisão de Projeto em quatro etapas do ciclo de vida, cinco grupos de processos e 10 áreas do conhecimento.

A seguir, o modelo de inter-relacionamento entre Fases, Processos e Áreas propostos pelo PMBOK:

Figura — Ciclo de vida de um projeto
Ciclo de vida de um projetoO autor (2020)

Nesse quadro, vemos uma relação entre as Áreas do Conhecimento, os Grupos de Processos e as Fases do ciclo de vida do Projeto. Nota-se que os Processos necessitam usar os mais variados conhecimentos.

Os processos são aplicáveis em todas as fases do ciclo de vida do Projeto, fases que, por sua vez, necessitam de uma apurada revisão antes da decisão de avanço ou não.

A linha do tempo, por sua vez, determina o caráter finito do Projeto.

Todos esses tópicos serão abordados de forma mais detalhada durante o decorrer desta Disciplina

Grupo de Processos

Gestão de projetos consiste em um grupo de medidas ou iniciativas temporárias, que vão contribuir para o desenvolvimento de um produto ou serviço. A gestão de projetos aplica técnicas e metodologias para alcançar um conjunto de alvos estabelecidos por uma equipe. É possível identificar cinco fases da gestão de projetos: início, planejamento, execução, monitoramento e controle e conclusão.

Os Grupos de Processos consistem em um agrupamento de Processos de Gerenciamento de Projetos. Esse agrupamento é realizado de forma lógica visando a atingir os objetivos do Projeto.

São cinco os Grupos de Processos:

Iniciação: realizada para definir um novo Projeto ou uma nova fase de Projeto. O grande objetivo dessa fase é a obtenção de uma autorização para o início do Projeto ou fase;

Planejamento: tem o objetivo de definir os detalhes das ações, entregas desejadas, prazos, orçamento, qualidade desejada e riscos do Projeto;

Execução: realizada para que a conclusão do Projeto seja feita dentro do planejado inicialmente, satisfazendo os requisitos;

Monitoramento e Controle: objetivam acompanhar, analisar e controlar o avanço do Projeto, identificar os ajustes necessários e iniciar tais mudanças;

Encerramento: realizado para a conclusão e o encerramento formal do Projeto, fase ou contrato.

Conclusão

Mas qual qual é a importância da gestão dos projetos e qual é o impacto na construção civil?

Nessa estudo vimos o que é gestão, o que é projeto conforme o Project Management Institute (PMI, 2017) e o que é gestão de projetos também conforme o Project Management Institute (PMI, 2017). Os projetos são de extrema importância e que pode definir o sucesso de um empreendimento. O projeto deve ser muito detalhado para que não possam surgir duvidas na hora da construção do empreendimento.

A gestão de projetos está sendo um divisor de águas nas empresas de construção civil e agora que para projetos governamentais (licitações), é obrigatório o uso da metodologia BIM e em breve será usado em todos os projetos.

Vimos as características dos projetos, e que os projetos são temporários, projetos são específicos, projetos são mensuráveis, projetos são dinâmicos.

Vimos as características dos projetos, e que os projetos são temporários, projetos são específicos, projetos são mensuráveis, projetos são dinâmicos.

Falamos sobre as fases do projeto, sobre o ciclo de vida de um projeto e as fases desse ciclo de vida que são: conceituação e concepção, planejamento e detalhamento, implementação e execução e a conclusão.

E por final o que é a gestão de projetos na construção civil que é simplesmente administrar um projeto e de que são cinco os grupos de processos: Iniciação, Planejamento, Execução, Monitoramento e Controle e Encerramento.

A importância da gestão de projetos tem se tornado cada vez mais essencial na administração de empresas, e muitas tem se dado conta da importância de organizar e planejar um projeto para que este seja bem sucedido, por isso a implantação desta filosofia se torna tão importante e que pode reduzir despesas desnecessárias com pessoal, material e impede erros na construção civil que podem custar muito caro para uma construtora.

Referências

. In: CARVALHOMarly Monteiro de; RABECHINI JRRoque. Fundamentos em Gestão de Projetos: construindo competências para gerenciar Projetos.. 4.ed. . ed. São Paulo: Atlas, 2015. 504p. p.

. In: FIGUEIREDOF. Constant; FIGUEIREDOH. C. M. . Dominando Gerenciamento de Projetos com MS PROJECT: 2010. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2013. 568p. p.

. In: KEELINGR.; BRANCOR. H. F.. Gestão de Projetos: uma abordagem global. 3.ed. . ed. São Paulo: Saraiva, 2014. 286p. p.

CÂMARABrasileira da Indústria de Construção. Sala de Imprensa. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2020.

Online Michaelis, DICIONÁRIO. São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2020.

Wikipédia. BIM. São Paulo. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/. Acesso em: 27 set. 2020.

feito

Use agora o Mettzer em todos
os seus trabalhos acadêmicos

Economize 40% do seu tempo de produção científica