DIÁRIO DE CAMPO

ITPAC - Instituto Tocantinense Presidente Antonio Carlos

DIÁRIO DE CAMPO

Romulo jales natal

Orientador: José Roberto Aires

 semana 2 (aula 01) - Portaria 2436 de, 21/09/2017

Começamos a primeira aula discutindo a Portaria 2436 de 21/09/2017 que regulamenta, implanta e operacionaliza a Politica de Atenção Basica - PNAB que 

"é o conjunto de ações de saúde individuais, familiares e coletivas que envolvem

promoção, prevenção, proteção, diagnóstico, tratamento, reabilitação, redução de danos, cuidados paliativos e vigilância

em saúde, desenvolvida por meio de práticas de cuidado integrado e gestão qualificada, realizada com equipe

multiprofissional e dirigida à população em território definido, sobre as quais as equipes assumem responsabilidade

sanitária. (BRASIL, 2017, p. 2).

Esse portaria que é a principal porta de entrada para a atenção basica, de modo que é ofertada integralmente e gratuitamente para todas as pessoas de acordo com suas necessidades e demandas territoriais considerando o meio em que vivem. Dentre as condições da portaria 2436 não é permitida nenhuma exclusão seja ela qual for por qualquer motivo, evitando qualquer desigualdade que impacte na saúde e na qualidade dos serviços prestados.


Sabemos que o que esta descrito na portaria por muitas vezes acontece e por muitas não, dentre todas as possibilidades de que as propostas nao sejam validadas temos uma que é basicamente impossivel de contornar, as super-populações cada vez mais presentes nas periferias fazem com que seja praticamente impossivel manter um contato mais proximo com a população para que assim seja possivel uma melhor comunicação das necessidades basicas de saude.


Dentre todos os aspectos de saneamento e saúde publica vista nos dias atuais no Brasil, a politica de atenção básica se faz muito necessária mesmo que nao  100% eficaz ela ja faz uma mudança visivel na vida de quem depende do SUS, como pontos negativos temos a demora no atendimento, a falta de empatia de alguns servidores por conta de relaçoes externas ao seu trabalho a necessidade cada vez maior da populaçao por atençao de modo que dificulta o trabalho desses agente de saude 


 Semana 03 (aula 02) - Tratado de mfc  vol. 1 (cap. 10 pág. 91)

A discussão da segunda aula foi em relação ao Tratado de Medicina de Família e Comunidade, no qual o capitulo 10 aborda sobre a Educação Popular, também conhecida como pedagogia freireana, um movimento pedagógico que teve como pioneiro o educador e filosofo Paulo Freire. A EP tornou-se importante a partir da década de 70 quando os muitos profissionais da saúde, engajados na luta contra a ditadura militar se envolveram em praticas visando a organização comunitária que era voltada para o fortalecimento da sociedade e logo apos isso se tornou referencia para o Movimento de Reforma Sanitária pensar posteriormente no SUS (Sistema Único de Saúde) e na APS (Atenção Primaria de Saúde), muitas praticas partiram dessa ideologia, muito antes da criação do SUS. 

A APS vem sendo um campo de aplicação das mais importantes pois nela é possivel realizar ações de forma mais continuada e inserida no dia-a-dia das pessoas e familias que buscam uma vida mais tranquila. A EP não foca apenas em um saber tecnico, é claro que isso é primordial, porem ela nos introduz para um lado mais emocional no qual os profissionais da saude devem ter a capacidade de lidar com ele, e nao apenas com a abordagem da doença em si. Por esse motivo, a EP nao é somente um importante instrumento nas ações coletivas da comunidade, como também na abordagem dos profissionais em si, tirando o foco apenas em conssguir informaçoes para anamnese, mas sim para uma abordagem mais terapeutica.

Efetivamente, a EP tem uma extrema importância na APS, a troca de conhecimento entre medico-paciente se faz necessaria para uma medicina moderna que quebre esse tabu de superioridade dos medicos, ja que a medicina é uma ciencia nao exata e que sta sempre em mudança. Alem disso, essa flexibilização em um atendimento torna a relação muito mais confortavel para ambos, alem de uma confiança e aproximação muito maior e por isso o apoio da causa deve ser mantido. 

                                        

                                               "Conheça todas as teorias, domine todas as                                                                  técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja                                                             apenas outra alma humana.” 

                                                                     Carl G. Jung

semana 4 (aula 03) - Tratado de mfc vol. 1 (Cap. 28 pág. 241) -  o território na saúde: construindo referências para análises em saúde e ambiente (monken et al. 2008) 

A discussão da terceira aula também foi direcionada ao Tratado de MFC, mas visando outro aspecto, o território na saúde, para nos ajudar a compreender essa definição também nos foi ofertado um artigo, o território na saúde (Monken et al., 2008). As duas literaturas visam a compreensao do territorio em saude, mais conhecida como territorialização, que surgiu em 1920 com o entao Relatorio Dawson, por solicitação do governo ingles, esse que era fruto do combate de mudança no sistema de proteção social depois da Primeira Grande Guerra, devido a necessidade de implantar um sistema de redes no serviço público de saúde. A territorialização se faz necessária tanto na implantação de uma nova equipe de saude da família, quanto como uma ferramenta de estrategia rapida para reconhecimento, identificação e responsabilização sanitaria de uma determinada area, para em seguida estabelecer uma relação com os demais serviços adjacentes.

A territorialização se faz necessaria para que seja possivel a organização de quais regioes vao ser acolhidas por determinadas UBS, UPA's dentre outras estrategias de saude da familia. A area de abranjencia é uma area delimitada geograficamente que determina a responsabilidade sanitaria de uma equipe de saude da familia. No Brasil, a recomendação é que cada medico de familia e comunidade atenda em torno de 2.400 a 4.000 pessoas. A territorialização permite que as necessidades e os problemas dos grupos sejam definidos, possibilitando o estabelecimento de ações mais apropriadas e resolutivas, para que seja efetivo esse processo de territorialização, deve-se delimitar a area de atuação dos serviços, analisar o ambiente, a população e a dinamica social da área e definir relaçoes horizontais com outros serviços e verticais com centros de referencia.

Fica bem explicito nos paragrafos acima a necessidade de se dividir os territorios maiores em menores para que seja mais facil tanto a comunicação com a população em si, mas tambem para que as estrategias sejam mais eficazes, no mais o que dificulta para que a estrategia seja mais eficaz sao as populaçoes cada vez maiores, principalmente nas grandes metrópoles

semana 05 (aula 04) - Documentário caminhos da reportagem: retrato da pobreza no Brasil

Nesta aula nos foi ofertado um documentario  (Retratos..., 2012) focado na pobreza em geral e como isso afeta a saude da população que detem de uma renda baixa, com os dados do site na qual o documentario foi postado no Brasil, em 2012, 16 milhões de brasileiros viviam na miséria, com menos de R$ 70,00 por mês, é mostrado ainda que a grande parte dessa população estava localizada em regiões rurais, sem acesso a serviçós de saude basicos como agua tratada e energia eletrica. A equipe respondavel pelo documentario adentrou desde o semi-arido nordestino ate as favelas das grandes metropoles em busca dos relatos de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza extrema.

 Mesmo hoje, no Brasil de 8 anos após o documentario a realidade nao é muito diferente a necessidade das pessoas tanto na linha da pobreza quando abaixo dela é a mesma, essas pessoas precisam de emprego e o emprego necessita de qualificação, essa qualificação que muitas vezes nao é acessivel para pessoas de baixa renda de modo que elas nao tem acesso a meios de comunicação sofisticados e muito menos a meios de transporte para se deslocar para uma sede de ensino tecnico, por conta disso essas pessoas sao prejudicadas de modo a nao conseguirem uma melhor renda para sua familia, dependendo exclusiva e unicamente dos auxilios dados pelos programas de atenções do governo.

Infelizmente essa realidade é muito dificil de se alterar, principalmente nos dias de hoje com a entao pandemia que acontece no Brasil, mas sem deixar de comentar que fora o cenario atual, e com esforços do governo essa taxa de pessoas na linha da pobreza pode diminuir drasticamente de modo com que a realidade de muitas familias melhorem e elas tenham uma vida digna e com os direitos a saude basica e saneamento, visto que essas pessoas necessitam muito dessa atenção basica tanto de saude como na renda para que elas consigam sobreviver diante as dificuldades do seu cotidiano.



Semana 7 (aula 05) - Caderno da Atenção Básica Vol. 1 (Cap 2)


Na quinta aula nos foi dado um livro para que fosse lido e discutido em aula, o entao livro, (Secretaria de Atenção à Saúde, 2013, p. 19-22). fala unica e inteiramente sobre atenção básica e o acolhimento, de modo que a atenção basica lida com uma grande variabilidade (desde o mais simples ao mais complexo), estes que exigem diferentes tipos de esforços de suas equipes. Tais complexidades se caracterizam pela exigencia a todo tempo e de acordo com cada situação, dimensões organicas, subjetivas e sociais do processo saúde-doença. 

Dentre as inumeras definições de acolhimento existentes, o mais importante não é a busca pela difinição correta ou verdadeira, mas a clareza e explicitação da noção de acolhimento que é adotada e assumida pelos orgãos de atenção básica e de saúde, nesse sentido, poderiamos dizer que o acolhimento é uma pratica presente em todas as relações de cuidados, podendo acontecer de varias formas. Não podendo esquecer tambem que o acolhimento vai muito alem do horario de consulta, que por muitas vezes quando se ultrapassa o horario o "acolhimento para de funcionar" 

Observando os exemplos de relatos presentes no Caderno de Atenção Básica, percebe-se uma deveras falta do acolhimento "certo", aquele que vai alem de processos burocraticos ou uma anamnese "robotizada", o acolhimento que a populaçao precisa vai alem disso, eles necessitam de uma atenção especial, por se sentirem perifericos a sociedade, principalmente aqueles que precisam de atenções especiais em determinados casos clinicos. Em outras palavras, o acolhimento nada mais é que a aquela conversa que gera um fortalecimento dos vinculos para que assim possa ser muito mais facil a interação da equipe de atenção basica e o medico desenvolverem protocolos e meios de tratamento para determinadas pessoas 

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde . Portaria n. 2436, de 21 de setembro de 2017. Diário Oficial da União, 29 de setembro de 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria, de 21 de setembro de 2017. Diário Oficial da União, 21 de setembro de 2017.

DMITRUKHilda Beatriz (Org.). Cadernos metodológicos: diretrizes da metodologia científica. 5. ed. Chapecó: Argos, 2001. 123 p.

GondimGrácia et al. O território da Saúde: A organização do sistema de saúde e a territorialização. 2008. 22 p. Disponível em: http://www.rets.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/o_territorio_da_saude_a_organizacao.pdf. Acesso em: 19 out. 2020.

MonkenMaurício et al. O território da Saúde: A organização do sistema de saúde e a territorialização. 2008. 22 p. Disponível em: http://www.rets.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/o_territorio_da_saude_a_organizacao.pdf. Acesso em: 15 out. 2020.

Retratos da Pobreza no Brasi. 2012. Reportagem (53 min). Disponível em: https://tvbrasil.ebc.com.br/caminhosdareportagem/episodio/retratos-da-pobreza-no-brasil-0. Acesso em: 15 out. 2020.

Secretaria de Atenção à Saúde. ACOLHIMENTO À DEMANDA ESPONTÂNEA: Cadernos de Atenção Básica. 1. ed. Brasília – DF: Editora MS, v. 1, f. 61, 2013. 56 p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/acolhimento_demanda_espontanea_cab28v1.pdf. Acesso em: 15 out. 2020.

feito

Use agora o Mettzer em todos
os seus trabalhos acadêmicos

Economize 40% do seu tempo de produção científica