COMPORTAMENTO DOS CONSUMIDORES NO PROCESSO DE COMPRA DE ROUPAS NA CIDADE DE MARAVILHA NO ANO DE 2016

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA

COMPORTAMENTO DOS CONSUMIDORES NO PROCESSO DE COMPRA DE ROUPAS NA CIDADE DE MARAVILHA NO ANO DE 2016

davi janner

ederson mallmann

Gilson dos santos

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

No decorrer do desenvolvimento do estudo apresenta-se a necessidade de um embasamento teórico dos termos relacionados ao tema, ao qual se seguem.

ADMINISTRAÇÃO 

Conforme Megginson, Mosley e Petri, Jr, (1998 p. 13) “Administração pode ser definida como trabalho com recursos humanos, financeiros e materiais, para atingir objetivos organizacionais através do desempenho das funções de planejar, organizar dirigir e controlar”.

Também com uma visão em consonância Lacombe e Heilborn (2003, p. 49) destacam que: “administrar é o ato de trabalhar com e por meio de pessoas peara realizar os objetivos tanto da organização quanto de seus membros”

 Outra definição que apoia este pensamento é que “administração é a realização dos objetivos organizacionais de uma forma eficaz e eficiente, através do planejamento, organização liderança e controle dos recursos organizacionais” (DAFT 1999, p. 05).

 Segundo Chiavenato (1995, p. 3):

A tarefa da Administração é interpretar os objetivos proposto pela empresa e transformá-los em ação empresarial através de planejamento, de organização, de direção e de controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da empresa, a fim de atingir tais objetivos.

 Observa-se que Kwasnicka (1981) também aborda uma definição de que a administração se define como aquela que utiliza os modelos da ciência para tomada de decisões e que todos os esforços são para coletar informações confiáveis e pertinentes ao problema.

 Outrossim Andrade e Amboni (2007, p. 8) apresentam a seguinte definição: “Administração é a arte de liderar pessoas e de gerir recursos escassos e valiosos dentro e fora das organizações”.

 Também Silva (2008, p. 9), complementa afirmando que “as funções da administração são aquelas atividades básicas que devem ser desempenhadas por administradores para alcançar os resultados determinados e/ou esperados pelas organizações”.

 Administração e suas funções  

 “Administração se refere ao processo de utilização de recursos organizacionais para atingir os objetivos institucionais através das funções de planejar, organizar e alocar pessoas, liderar e controlar. ” (DUBRIN, 2001, p. 2).

Também Kwasnicka (1981 p.142) afirma o seguinte:

A nossa forma de abordar as funções administrativas segue uma ordem lógica pela qual nós a usaríamos para criar uma organização. Quando uma empresa é formada por nós primeiro planejamos, a seguir a estruturamos em terceiro lugar nos dirigimos e por último a controlamos.

 Lacombe e Heilborn (2003, p. 49) também trazem uma definição mais detalhada das funções:

[…] podemos partir para uma definição abrangente de administrar: planejar, organizar, liderar, coordenar e controlar as atividades de uma unidade organizacional, empresa ou grupo de empresas diagnosticando suas deficiências e identificando seus aspectos positivos; […].

Planejamento

 “O planejamento define onde a organização deseja estar no futuro e como fazer para chegar lá. Planejamento significa definir metas para o desempenho organizacional futuro e decidir sobre as tarefas e o uso de recursos para a sua realização” (DAFT 1999, p. 05).

 Já para Megginson, Mosley e Petri, Jr (1998 p. 17) “ Planejar significa escolher ou estabelecer a missão da organização, seu propósito e objetivos e depois determinar diretrizes, projetos, programas, procedimentos, métodos, sistemas, orçamentos, padrões e estratégias necessárias para atingi-los. ”

 Ainda Megginson, Mosley e Petri, Jr (1998 p. 18) continuam que “Todas as outras funções dependem desta, pois não serão bem-sucedidas sem um bom planejamento e uma tomada de decisão adequados, completos e contínuos. Por sua vez um bom planejamento se apoia na execução eficaz de todas as outras funções. ”

 Assim sendo “Planejar representa o processo de fixar objetivos de desempenho e determinar quais ações devem ser executadas para sua consecução, é através do planejamento que um gerente identifica os resultados desejados para o trabalho, e os meios para alcançá-los”. (SCHERMERHORN, 2006, p. 9).

 Para Lacombe e Heilborn (2003, p. 162) “Planejamento pode ser visto como a determinação da direção a ser seguida para se alcançar um resultado desejado ou como a determinação consciente de cursos de ação, isto é, dos rumos”.

 “[…] Planejamento é considerado a função primordial a ser desempenhada. Planejamento determina os objetivos a atingir e os tipos de controle necessários que a administração da empresa deverá adotar”. (FARIA, 2000, p. 71)

 Também para Kwasnicka (1981, p 142) “Planejamento é o processo de pensar no trabalho a ser feito, considerando as tarefas em termos de equipamento, pessoas, facilidades e outros recursos, e apresentar os planos necessários para delinear qual a melhor forma de executar as tarefas”.

Organização 

 Para Daft (1999 p.5) “a função organização envolve a designação de tarefas, o agrupamento de tarefas entre os departamentos e a locação de recursos entre estes mesmos departamentos”.

 Para Megginson, Mosley e Petri, Jr (1998 p. 18):

Organizar é determinar os recursos e atividades necessárias para se atingir os objetivos da organização, combinar esses recursos e atividades em grupos práticos, designar a responsabilidade de atingir os objetivos a empregados responsáveis, e delegar a esses indivíduos a autoridade necessária para realizar essas tarefas.

 Também Lacombe e Heilborn (2003, p. 49) acreditam que:

Organizar é o processo de identificar e agrupar logicamente as atividades da empresa, de delinear as autoridades e responsabilidades, de estabelecer as relações de trabalho que devam vigorar entre os indivíduos ou grupos que constituem a empresa de modo que os recursos disponíveis sejam aplicados eficiente e eficazmente, a fim de que a empresa e seus funcionários realizem seus objetivos mútuos.

Direção/Liderança

 Para Daft (1999, p. 06) “Liderança é o uso de influência para motivar os funcionários a atingirem as metas organizacionais”.

 “A direção ou chefia é uma técnica para conduzir as atividades de indivíduos dentro de padrões formais, com base em princípios científicos ou valorativos, através de um esforço conscientemente planejado. ” (FARIA, 2000, p. 143).

 “Liderança é a função gerencial, que encaminha atividades aos seus subordinados, designa as tarefas a serem desempenhadas como devem ser agrupadas, reporta o meio de comunicação mais prático, quem fica à frente de quem e onde as decisões devem ser tomadas”. (ROBBINS, 2003).

Controle

Segundo Farias (2000, p, 160) “O Controle é um instrumento para assegurar a consecução do objetivo e, em consequência, podemos tomar medidas corretivas quando necessárias”.

Conforme ressalta Robbins (2003, p. 33) controle é a “função gerencial que envolve o processo de monitoração das atividades para garantir que sejam realizadas conforme planejado e de correção de quaisquer desvios significativos”.

 Em conformidade Montana e Charnov (2003, p. 263) dizem que “O controle consiste em ações sequenciais tomadas pela administração para estabelecer os padrões de desempenho, medir e avaliar o desempenho e tomar medidas corretivas quando necessárias. ”

 Para Kwasnicka (1981, p. 146) “ O processo de controlar envolve muito mais atividades do que simplesmente fazer correções dos desvios apresentados entre o planejado e o realizado. ”

RECURSOS HUMANOS

 “A área de Recursos Humanos tem como objetivo principal administrar as relações da organização com as pessoas que a compõe, consideradas, hoje em dia, parceiros de negócio, e não mais meros recursos empresariais. ” (RIBEIRO, 2006, p. 1).

 Também Gil (1994, p. 13) coloca a administração de recursos humanos como sendo:

[…] o ramo especializado da ciência da administração que envolve todas as ações que tem como objetivo a integração do trabalhador no contexto da organização e o aumento de sua produtividade. É, pois, a área que trata de recrutamento, seleção, treinamento, desenvolvimento, manutenção, controle e avaliação do pessoal.

Outrossim Chiavenato (2002) enfatiza que administrar pessoas é lidar com colaboradores que administram os demais recursos e participam da organização.

PRODUÇÃO

Segundo Slack et al (1997, p. 30) “A administração da produção trata da maneira pela qual as organizações produzem bens e serviços”.

Ainda Slack et.al. (1997, p.31) continuam “A administração da produção é, acima de tudo, um assunto prático que trata de problemas reais. ”

Do ponto de vita de Martins e Laugeni (2005, p. 2) “a função de produção é entendida como um conjunto de atividades que levam a transformação de um bem tangível em outro com maior utilidade”.

Ainda Moreira (1993) argumenta que a administração da produção está diretamente ligada com as atividades industriais e que suas tarefas se cumprem prioritariamente nas fábricas ou plantas industriais.

Para Corrêa (2013, p. 5) “a gestão de operações ocupa-se da atividade de gerenciamento dos recursos escassos”.

FINANÇAS

“Administração financeira é a arte de administrar recursos financeiros, para maximizar a riqueza dos acionistas. ” (LEMES JUNIOR; 2005, p. 4)

 Também Hoji (2009, p.4) afirma que “Para a administração financeira, o objetivo econômico das empresas é a maximização de seu valor de mercado, pois dessa forma estará sendo aumentada a riqueza de seus proprietários. ”

 Em conformidade Gitman (2010, p. 4) diz que “administração financeira refere-se ao conjunto de atribuições do administrador financeiro da empresa”. E ainda completa “o administrador financeiro gerencia ativamente os assuntos financeiros de qualquer tipo de organização”.

 Contribuindo Lima (1975) destaca ainda que a administração financeira possui três objetivos que são:

 a) manter a empresa em situação de liquidez;

 b) obter recursos para expansão;

 c) assegurar o equilíbrio entre os objetivos de lucros e liquidez financeira.

  Outrossim Sanvicente (1995) também coloca que a função financeira possui a sua finalidade como uma assessora da empresa que proporciona os recursos monetários exigidos, mas que em nenhum momento determina as aplicações a serem feitas pela empresa.

ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING

Administração de marketing segundo Kotler (1996, p. 30) “É o processo de planejamento e execução da concepção, preço, promoção e distribuição de bens, serviços e ideias para criar trocas com grupo-alvo que satisfaçam os consumidores e os objetivos organizacionais. ”

Também Nickels (1999) enfatiza que a administração de marketing é a concentração e coordenação de esforços na identificação e satisfação das expectativas dos consumidores.

Em consonância com os demais conceitos observa-se que administração de marketing é “a função empresarial que cria valor para o cliente e gera vantagem competitiva duradoura para a empresa por meio da gestão estratégica das variáveis controláveis de marketing […]” (MACHLINE, et al 2003 p. 02).

 Neste segmento MACHLINE, et al. (2003 p. 02) destacam ainda que:

A administração de marketing é o conceito que resume a função do marketing e é entendida como o processo de planejamento, execução e controle das estratégias e táticas de marketing, visando otimizar os resultados para os clientes e stakeholders da empresa.

 “Marketing é o processo de executar e planejar a concepção, estabelecimento de preços, promoção e distribuição de ideias, produtos e serviços a fim de criar trocas que satisfaçam metas individuais e organizacionais” (CHURCHILL; PETER, 2000, p. 4).

 Para Limeira (2010), o conceito de marketing pode ser definido como um método que cria valor para o cliente e vantagem competitiva por meio da gestão estratégica de produtos, preço, comunicação e distribuição.

Plano de marketing

 A administração de marketing acontece quando pelo menos uma das partes interessadas procura obter informações desejadas das outras partes, sendo assim é uma arte e ciência que procura alcançar o mercado alvo e sua fidelização através da entrega de um valor superior ao seu cliente. (KOTLER; KELLER, 2006)  

 “Planejamento de marketing é a base para toda a estratégia de marketing. Linhas de produto, preços, seleção adequada dos canais de distribuição e decisões relacionadas às campanhas promocionais, tudo depende dos planos elaborados dentro da organização” (BOONE; KURTZ, 1998, p. 116).

 Em continuação Boone e Kurtz (1998) dizem que um plano de marketing é a descrição detalhada dos recursos e quais as ações referentes ao atingimento das metas e objetivos ditados pelo marketing.

 Segundo Pride e Ferrell (2001) planejamento de marketing é um processo que permite avaliar as oportunidades e recursos a fim de definir as estratégias de marketing e estabelecer linhas mestras para implementação e controle do plano.

 Ainda Pride e Ferrell (2001, p.30) salientam que “[…] um plano de marketing é um documento escrito que delineia e explica todas as atividades necessárias para implementar as estratégias de marketing”.

 “Os planos de marketing variam em relação ao período de tempo que abrangem”. (PRIDE; FERRELL, 2001, p. 30)

 Na mesma linha de raciocínio Kotler e Keller (2006, p. 58) afirmam que “Um plano de marketing é um documento escrito que resume o que o profissional de marketing sabe sobre o mercado e o que indica como a empresa planeja alcançar seus objetivos”.

 Plano de marketing também é definido como o processo de desenvolver e organizar os recursos e objetivos da empresa a fim de possa estar preparada para as oportunidades variáveis do mercado. (SANDHUSEN, 2003)

 Análise de mercado

“Segmentação de mercado é o processo de dividir um mercado em grupos de compradores potenciais que tenham semelhantes necessidades e desejos, percepções de valores ou comportamentos de compra”. (CHURCHILL, 2010, p. 204).

 “A maioria dos produtos vendidos nos mercados consumidores e organizacionais se presta a uma estratégia de segmentação, a qual é essencial na formulação, na implementação e no controle de planos estratégicos de marketing. ” (SANDHUSEN, 2003, p.240).

 Um segmento de mercado segundo Kotler e Keller (2006) é determinado por um grande grupo de consumidores que seguem as mesmas tendências do mercado, ainda colocam que os profissionais dessa área não são responsáveis pela criação desses grupos, mas sim pela identificação.

 Uma estratégia de segmentação efetiva ajuda a medir o tamanho do mercado; a reconhecer ameaças e oportunidades para assim reagir a elas de forma eficaz. (SANDHUSEN, 2003)

 Segundo Dias et al (2003) para uma melhor aplicação dos conceitos de segmentação para penetrar no mercado é necessário realizar uma quantificação destes dados.

 Uma das áreas que mais requer cuidados, pois ela irá traçar formas de se chegar ao alvo desejado, definindo assim o objetivo e qual a melhor forma se se chegar até ele. (DIAS et al 2003).

 Segundo Dias et al (2003) para que se possa tomar decisões concretas e coerentes com a realidade da empresa é necessário avaliar alguns aspectos como:

1) Variáveis macroeconômicas – entender como está a saúde da economia;

2) Demanda satisfatórias – sempre procurar saber qual o grau de satisfação dos clientes e como está o movimento da concorrência;

3) Demanda decrescente – cabe a necessidade de avaliação do processo, produto e das vendas;

4) Demanda sazonal – é motivo para lançamentos de produtos e a preocupação em atrair novos clientes;

5) Demanda indiferente – há a necessidade de uma melhor exposição do produto ao cliente, ou seja, despertar o interesse dele;

6) Demanda excessiva – cabe uma estratégia de marketing seletivo direcionando para um público específico.

 Outrossim Dias et al (2003) também apresenta algumas ferramentas no processo de quantificação, sendo elas:

 Potencial de mercado – número relativo e estático que define o tamanho dos diferentes segmentos geográficos que estão sendo medidos.

 Potencial de vendas – é a análise do desempenho histórico a fim de que com isso poder fazer projeções futuras, ou seja, qual é sua demanda.

 Previsão de vendas – pode fornecer informações valiosas da quantidade a vender em um determinado período de tempo futuro.

 Determinação de cotas – utilizando dados estatísticos se faz necessário uma determinação de cotas, ou seja, quanto a empresa pretende vender por semana, de que produto e em qual região.

Análise do ambiente

Ambiente social/demográfico

 “O ambiente social é o conjunto de características, elementos culturais e atitudes que afetam as percepções e reações dos clientes com relação a empresa. ” (NICKELS, 1999, p.480)

 Para Kotler (1998) as empresas estão muito interessadas no tamanho da população e nos comportamentos das pessoas, pois é através deles que as empresas conseguem identificar qual será o melhor produto a oferecer aos clientes, ou seja consegue assim identificar as necessidades e preferências do cliente.

Ambiente econômico

 Segundo Kotler (1998) ambiente econômico é o que define quais os valores monetários a serem agregados aos produtos comercializados, um exemplo é procurar vender um produto de alto custo para um público de terceira classe pois este não possui recursos suficientes para investir na aquisição.

 “O ambiente econômico mostra uma ênfase nos assuntos relativos à distribuição de renda global, baixas poupanças e alto endividamento e mudança nos padrões de gastos dos consumidores”. (PASSOS, 2008, p. 1).

Ambiente tecnológico

 Para Passos (2008, p. 1) “o ambiente tecnológico exibe mudanças tecnológicas aceleradas, número ilimitado de oportunidades para a inovação, variações dos orçamentos de P&D e regulamentação mais rigorosa das mudanças tecnológicas”.

 Também Kotler (1998) diz que as novas tecnologias são um processo de destruição criativa que nos permite tornar algo obsoleto para recriá-lo com uma qualidade melhor.

Ambiente político e legal

 Para Nickels (1999) não importa onde nem o que elas comercializem todas as empresas estão sujeitas a milhares de legislações que regem ou influenciam direta e indiretamente os processos de marketing.

As decisões de marketing são fortemente afetadas por desenvolvimentos do ambiente político e legal. Este ambiente é composto de leis, órgãos governamentais e grupos de pressão que influenciam e limitam várias organizações e indivíduos em sociedade. Às vezes, essas leis também criam oportunidades paras as empresas. Por exemplo, as leis que obrigam o reaproveitamento de materiais deram grande impulso na indústria de reciclagem. (KOTLER, 1998, p. 153).

COMPOSTO DE MARKETING/ MARKETING-MIX

Como ressalta McCartthy e Perreault (1997, p. 45) os quatro P’s ajudam a visualizar o composto de marketing, são quatro variáveis básicas que formam este composto: produto, ponto de venda, promoção e preço.

 Também Cobra (1986, p. 32) enfatiza que “todos os elementos do composto foram criados e estabelecidos para atender ao mercado-alvo, ou seja, o consumidor”.

 Em concordância Kotler (2003) descreve o mix de marketing como sendo um conjunto de ferramentas à disposição da gerência para influenciar as vendas, e acrescenta que a fórmula tradicional é conhecida como 4 P’s: produto, preço, ponto e promoção.

 

Produto

Segundo Kotler e Keller (2006, p. 266) “Um produto é tudo o que pode ser oferecido a um mercado para satisfazer uma necessidade ou um desejo.

Para Las Casas (1997) produto é o objetivo principal nas atividades de troca que se oferece num mercado para pessoas físicas ou jurídicas, na busca de proporcionar satisfação para o consumidor ou cliente. Para facilitar ainda mais o entendimento sobre o produto apresentou algumas definições básicas segundo os benefícios que poderão proporcionar, sabendo-se que quanto maiores os benefícios reais oferecidos, maior também será a chance de o produto ser escolhido entre as ofertas no mercado.

Complementando, Boone e Kurtz (1998, p.250) definem produto como “ […] um agregado de atributos físicos, simbólicos e de serviço, concebidos para aumentar a satisfação desejada pelo consumidor. ”

Para satisfazer às necessidades dos consumidores, é preciso que os produtos ou serviços a serem ofertados tenham boa qualidade, que as características atendam aos gostos dos consumidores, com boas opções de modelos e estilos, com nome atraente de marca, acondicionados em embalagens sedutoras, em variados tamanhos de produtos, com serviços e quantias aos usuários que proporcionem adequados retornos financeiros à organização. (COBRA, 1992, p. 43)

Preço

A finalidade do apreçamento nada mais é do que um componente dos objetivos gerais da organização, uma vez que todas as empresas se baseiam no preço para obtenção das receitas e lucros. (BOONE E KURTZ, 1998)

 Dessa forma para Dias et al (2003, p. 254):

[…] o preço é uma variável tão relevante para a empresa que uma corrente de pensadores postula que a empresa, quando os preços no mercado não mais desempenham satisfatoriamente seus papéis na alocação de recursos, é apenas uma forma de organização interna da função de produção.

 Acrescentando Ferrell (2000, p. 96) coloca que “O preço também é o elemento mais flexível do composto de marketing, uma vez que pode ser ajustado para atender às condições mutantes do mercado”.

 Ainda Kotler (1998), complementa dizendo que preço é uma ferramenta essencial do composto de Marketing. O preço deve ser compatível com o valor ofertado pelo mercado, caso contrário os compradores procurarão produtos concorrentes.

Promoção

“Promoção de vendas consiste em um conjunto de ferramentas de incentivo, a maioria de curto prazo, projetadas para estimular a compra mais rápida ou em maior quantidade de produtos ou serviços específicos por parte do consumidor ou do comércio. ” (KOTLER E KELLER, 2006, p. 583)

 “As atividades de promoção são necessárias para comunicar as características e benefícios de um produto a seu(s) mercado(s)-alvo(s) pretendido(s)”. (FERRELL, 2000, p. 97).

 Na mesma linha de raciocínio Cobra (1986, p. 33) define que “a promoção deve comunicar o produto ou serviço ao mercado, estimulando e realizando a venda, isto é, a transferência de posse”.

Já para Mccarthy e Perreault (1997) promoção é a comunicação entre o vendedor e comprador para influenciar atitudes e comportamento, assim o principal trabalho do gerente de marketing é dizer aos consumidores- alvos que o produto certo está à disposição, no preço certo e na praça certa.

Praça ou distribuição

 O ponto de venda envolve a tarefa de levar o produto certo ao local onde está o consumidor. Um produto não é bom se não estiver disponível para o consumidor onde e quando for desejado. (MCCARTTHY E PERREAULT, 1997).

O sistema de distribuição a ser determinado por um administrador de marketing fará, portanto, parte de um pacote de utilidade ou satisfação que os consumidores receberão com a compra do produto. A colocação de produtos em estabelecimentos apropriados e em épocas certas, a preços acessíveis, ao consumidor visado, é, portanto, determinante para o sucesso de uma estratégia mercadológica. (LAS CASAS, 1997 p.215).

 Segundo Cobra (2011, p. 44) “a distribuição precisa levar o produto certo ao lugar certo através dos canais de distribuição adequados, com uma cobertura que não deixe faltar produto em nenhum mercado importante”.

 Do ponto de vista de Boone e Kurtz (1998) os canais de distribuição possuem um papel fundamental, uma vez que são responsáveis pelo deslocamento de bens e serviços dos produtores aos usuários finais.

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

 Conforme Rugai (2009, p. 77), os clientes que hoje estão cada vez mais atentos e exigentes, ao tomar suas decisões de compra, avaliam “a qualidade dos produtos, a eficiência e a gentileza dos serviços, ambientação adequada, decoração, altura do som, iluminação, clima, limpeza, preço compatível e localização”.

 Para Peter (2009, p. 5) “O comportamento do consumidor envolve os pensamentos e os sentimentos que as pessoas experimentam e suas ações no processo de consumo. Inclui também todas as coisas no ambiente que influenciam esses pensamentos, sentimentos e ações […]”.

 Conforme Batista (2012 p.1) “O comportamento do consumidor é definido como o estudo das unidades compradoras e dos processos de troca envolvidos na aquisição, no consumo e na disposição de mercadorias, serviços, experiências e ideias”.

 Também Larentis (2012) fala que em primeiro lugar o comportamento do consumidor é motivado por alguma coisa interna como a satisfação de seus desejos, e em segundo lugar o ele coloca que é um processo como algo com etapas sequenciais encadeadas de forma dinâmica e contínua.

 Outra definição que se difere das anteriores é que comportamento do consumidor “[…] é o estudo dos processos envolvidos quando indivíduos e grupos selecionam, compram, usam ou descartam produtos, serviços, ideias ou experiências para satisfazerem necessidades e desejos. ” (SOLOMON; 2016, p. 6).

   Em conformidade Nickels e Wood (1999) dizem que comportamento do consumidor está aliado as decisões e escolhas do consumidor, e sejam elas de compra uso ou descarte de um bem ou serviço.

 Ainda Nickels e Wood (1999) continuam postulando que as empresas precisam compreender de que forma os consumidores compram, para que assim, baseando-se nessas informações, possam desenvolver estratégias de marketing apropriadas para seu público e com isso criar valor ao cliente, construindo assim um relacionamento duradouro.

 Já Kotler (1998) destaca que os fatores que influenciam o comportamento dos consumidores são os fatores culturais, sociais pessoais e psicológicos.

 Fatores Culturais – Segundo Kotler (1998) a cultura é a determinante que mais exerce influencias sobre uma pessoa. Toda criança em crescimento adquire um conjunto de valores e comportamentos que a influenciará na tomada de decisão sobre a compra de um determinado item de um produto.

 Fatores Sociais – Para Kotler (1998) fatores sociais estão relacionados aos grupos de afinidades, ou seja, família, colegas de trabalho, clubes. Esses grupos de referências expõem o indivíduo a novos comportamentos e também influenciam as atitudes e o autoconceito das pessoas, fazendo assim com que gere um conformismo e afete suas escolhas.

 Fatores Pessoais – Os fatores pessoais segundo Kotler (1998) influenciam na decisão de um comprador de acordo com seu ciclo de vida, ocupação, estilo de vida, personalidade e autoestima. Segundo ele as pessoas têm preferência por determinado produto em cada fase de sua vida, ou dependendo de seu estado emocional terá um comportamento de compra diferenciado.

 Fatores Psicológicos – As escolhas de compra podem também ser influenciadas por fatores psicológicos como a motivação, percepção, aprendizagem, crenças e atitudes. Uma pessoa motivada está pronta para a ação e está dependera de sua percepção da situação. Outro fator psicológico são as crenças dos consumidores, uma vez que através desta é que serão tomadas importantes atitudes.

O consumidor no processo de compra

 O modelo de Engel, Kollat e Blackwel segundo Karsaklian (2000) coloca características de um modelo cientifico e propõe uma estrutura bastante explicativa do comportamento de escolha do produto e da marca pelo consumidor. Continua ainda dizendo que este modelo se decompõe de quatro módulos sendo eles:

a) Estímulos mercadológicos;

b) Variáveis de influência;

c) Processamento da informação;

d) E por fim tomada de decisão.

  Para Karsaklian (2000) a memória realiza um importante trabalho de filtragem, estocagem e além de recuperação de informações. Também diz que o processo de tomada de decisão é dividido em cinco etapas, sendo elas:

1) Reconhecimento de um problema – O sentimento de uma discordância entre o estado atual e o estado desejado é o grande responsável por desencadear o processo de reconhecimento do problema.

2) Busca de informação – O desejo da resolução deste problema resulta, em um primeiro momento em uma busca de informações de nossa memória e ainda, se necessário for, far-se-á uma pesquisa externa.

3) Avaliação das alternativas – O cliente confronta os elementos disponíveis com seus critérios pessoais procurando assim uma orientação para suas preferências.

4) A escolha – Como consequência natural do processo será escolhida uma das possibilidades, porém fatores situacionais podem interferir neste nível conduzindo em certos casos a uma reconsideração do processo de avaliação.

5) Análise pós compra – Tem como objetivo analisar a adequação da solução em relação problema inicial, esta exercerá uma forte influência sobre as primeiras etapas de processos posteriores.

Etapas do processo de compra.Etapas do processo de compra.Karsaklian (2000).

Resumo

A presente pesquisa buscou identificar as atitudes que influenciam o comportamento de compra dos consumidores no ramo de roupas e artigos esportivos no ano de 2016, residentes nos Bairros Floresta, Madalozo, Novo Bairro, Bairro Cohab e Bairro Civemara. O universo desta pesquisa foi conduzido através da aplicação de questionário composto por perguntas fechadas do tipo dicotômicas, de múltipla escolha. O tipo de amostragem utilizado foi o não-probabilístico, por acessibilidade ou por conveniência, em que foram selecionados e que representaram o universo da pesquisa. Quanto ao perfil dos 154 (cento e cinquenta e quatro) consumidores questionados, contatou-se que a maioria é casada, do total 66% são do sexo feminino. Dessa população 90% possuem escolaridade igual ou superior ao 2º grau, com famílias compostas, em média, por três ou mais pessoas, a maioria da população residente tem idade superior 35 anos, 57% das pessoas tem renda familiar entre R$ 1.501, 00 e R$ 3.000,00. Na análise do comportamento dos consumidores foram avaliadas as diversas fases do processo de compra: em relação a compras de roupas mostra que a responsável na maioria são as mulheres. Elas geralmente fazem compras para si e para os demais membros da família, a forma de pagamento mais utilizada apresentou pagamento a vista, onde conseguem barganhar preços e previne o endividamento que um dos maiores problemas dos brasileiros, os meios de comunicação que mais influenciam na escolha da loja quando a intensão é comprar foi por indicação de outras pessoas, a popular boca a boca, em segundo ficou tabloides do qual fazem pesquisa de preços e vão as lojas com os produtos já definidos em mente, quanto a importância da marca na decisão de compra demonstra surtir poucos efeitos já que o preço demonstrou ter maior grau de importância. Como principais itens de compras entre os consumidores dos bairros encontram-se como prioridade calça jeans, seguido de calçados e blusas, itens tais que podem ser o caro chefe da empresa pois tem uma procura maior onde pode ser direcionado os esforços da empresa em atender melhor o cliente. Diante disso, conclui-se que a Loja Visual Modas e seus produtos apresentam uma elevada aceitação, possuem uma boa equipe onde é possível ir um pouco além com um movimento mais elaborado de forma manter e ampliar o nível de satisfação de seus clientes refletindo em ganhos futuros.

Palavras-chave: Marketing, Comportamento do Consumidor, Fidelidade do cliente

introdução

Com um mercado cada vez mais competitivo e em constante mudanças as organizações tendem a buscar novas alternativas para se manterem ativos, e sobreviverem em meio a tantas opções de compras.

 No entanto para que as empresas possam tomar alguma atitude é necessário antes de tudo que conheçam qual o verdadeiro perfil e interesse dos clientes para que se posicionem de maneira correta em relação com as necessidades dos mesmos. Por isso sempre deve haver uma boa comunicação entre a empresa e o cliente, uma vez que cliente satisfeito consome muito mais produtos. (KOTLER, 1998)

 Contudo para que a empresa chegue ao alvo desejado é importante que os dados sejam verdadeiros e precisos e com isso estabelecer uma correta interpretação, gerando maior segurança em um mercado de incertezas.

 Diante disso, neste capítulo serão apresentados o tema e problema de pesquisa, objetivo geral e objetivos específicos, bem como a justificativa que demonstra a importância do mesmo.

APRESENTAÇÃO DO TEMA E PROBLEMA

Com a o avanço das tecnologias, e as facilidades que o mundo econômico moderno vem proporcionando a todos, vemos que é muito comum a saída de pessoas de um ponto de venda próximo a sua casa para ir em busca de produtos em locais mais afastados de sua casa, seu bairro ou até mesmo utilizar sites de comércio eletrônico.

Em contrapartida pode-se notar ainda que as empresas no ramo de vendas possuem os meios de comunicação muito mais acessíveis que no passado, fazendo assim com que a concorrência abranja um nível muito maior, pois a empresa já não concorre com alguém do seu bairro ou rua.

Motivados pelas metas e estratégias as empresas procuram aumentar sua participação no mercado onde está inserido, buscando fidelizar o cliente e assim construir uma maior consolidação da mesma, baseando-se na relação de empresa e clientes abordar-se-á como problema de pesquisa: Identificar o comportamento de compra dos consumidores no segmento de roupas e artigos esportivos, residentes nos bairros Floresta, Madalozo, Novo Bairro, Bairro Cohab e Bairro Civemara, na cidade de Maravilha-SC.

JUSTIFICATIVA

Conhecer o comportamento de compra dos clientes e do mercado consumidor que deseja conquistar é de extrema importância para as organizações, pois possibilita montar um plano estratégico e ações de marketing direcionado para o público alvo de interesse da empresa.

Outro fator que justifica diagnosticar o público de interesse da organização é a busca de informações que subsidiam a tomada de decisão em vários setores da empresa, como da área financeira, marketing, compras e recursos humanos.

Considerando estes aspectos, o estudo procurará conhecer o comportamento de compra dos consumidores em geral e identificar as necessidades a serem atendidas.

Aos acadêmicos será um estudo de conhecimento prático que trará ao grupo uma visão de foco no cliente, proporcionando assim um melhor entendimento do assunto.

Já a empresa terá a oportunidade de conhecer melhor o seu cliente, ou seja, saberá o que o cliente pensa, qual sua avaliação e também qual a real necessidade dos consumidores para que assim possa aplicar na prática aquilo que realmente leva ao caminho da satisfação do cliente com o produto.

 OBJETIVOS

A seguir serão apresentados os objetivos que servirão como base para a realização da pesquisa.

 

Objetivo geral

Estudar o comportamento de compra dos consumidores no ramo de roupas e artigos esportivos no ano de 2016, residentes nos Bairros Floresta, Madalozo, Novo Bairro, Bairro Cohab e Bairro Civemara.

 

Objetivos específicos

Avaliar o perfil econômico predominante.

Conhecer os fatores que influenciam no processo de compra de roupas e artigos esportivos.

Identificar possíveis necessidades não atendidas pelas lojas dos bairros.

Avaliar a satisfação dos clientes com as lojas de sua preferencia.

Apresentar estratégias para melhor divulgação dos produtos nos bairros.

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

No decorrer do desenvolvimento do estudo apresenta-se a necessidade de um embasamento teórico dos termos relacionados ao tema, ao qual se seguem.

ADMINISTRAÇÃO 

Conforme Megginson, Mosley e Petri, Jr, (1998 p. 13) “Administração pode ser definida como trabalho com recursos humanos, financeiros e materiais, para atingir objetivos organizacionais através do desempenho das funções de planejar, organizar dirigir e controlar”.

Também com uma visão em consonância Lacombe e Heilborn (2003, p. 49) destacam que: “administrar é o ato de trabalhar com e por meio de pessoas peara realizar os objetivos tanto da organização quanto de seus membros”

 Outra definição que apoia este pensamento é que “administração é a realização dos objetivos organizacionais de uma forma eficaz e eficiente, através do planejamento, organização liderança e controle dos recursos organizacionais” (DAFT 1999, p. 05).

 Segundo Chiavenato (1995, p. 3):

A tarefa da Administração é interpretar os objetivos proposto pela empresa e transformá-los em ação empresarial através de planejamento, de organização, de direção e de controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da empresa, a fim de atingir tais objetivos.

 Observa-se que Kwasnicka (1981) também aborda uma definição de que a administração se define como aquela que utiliza os modelos da ciência para tomada de decisões e que todos os esforços são para coletar informações confiáveis e pertinentes ao problema.

 Outrossim Andrade e Amboni (2007, p. 8) apresentam a seguinte definição: “Administração é a arte de liderar pessoas e de gerir recursos escassos e valiosos dentro e fora das organizações”.

 Também Silva (2008, p. 9), complementa afirmando que “as funções da administração são aquelas atividades básicas que devem ser desempenhadas por administradores para alcançar os resultados determinados e/ou esperados pelas organizações”.

 Administração e suas funções  

 “Administração se refere ao processo de utilização de recursos organizacionais para atingir os objetivos institucionais através das funções de planejar, organizar e alocar pessoas, liderar e controlar. ” (DUBRIN, 2001, p. 2).

Também Kwasnicka (1981 p.142) afirma o seguinte:

A nossa forma de abordar as funções administrativas segue uma ordem lógica pela qual nós a usaríamos para criar uma organização. Quando uma empresa é formada por nós primeiro planejamos, a seguir a estruturamos em terceiro lugar nos dirigimos e por último a controlamos.

 Lacombe e Heilborn (2003, p. 49) também trazem uma definição mais detalhada das funções:

[…] podemos partir para uma definição abrangente de administrar: planejar, organizar, liderar, coordenar e controlar as atividades de uma unidade organizacional, empresa ou grupo de empresas diagnosticando suas deficiências e identificando seus aspectos positivos; […].

Planejamento

 “O planejamento define onde a organização deseja estar no futuro e como fazer para chegar lá. Planejamento significa definir metas para o desempenho organizacional futuro e decidir sobre as tarefas e o uso de recursos para a sua realização” (DAFT 1999, p. 05).

 Já para Megginson, Mosley e Petri, Jr (1998 p. 17) “ Planejar significa escolher ou estabelecer a missão da organização, seu propósito e objetivos e depois determinar diretrizes, projetos, programas, procedimentos, métodos, sistemas, orçamentos, padrões e estratégias necessárias para atingi-los. ”

 Ainda Megginson, Mosley e Petri, Jr (1998 p. 18) continuam que “Todas as outras funções dependem desta, pois não serão bem-sucedidas sem um bom planejamento e uma tomada de decisão adequados, completos e contínuos. Por sua vez um bom planejamento se apoia na execução eficaz de todas as outras funções. ”

 Assim sendo “Planejar representa o processo de fixar objetivos de desempenho e determinar quais ações devem ser executadas para sua consecução, é através do planejamento que um gerente identifica os resultados desejados para o trabalho, e os meios para alcançá-los”. (SCHERMERHORN, 2006, p. 9).

 Para Lacombe e Heilborn (2003, p. 162) “Planejamento pode ser visto como a determinação da direção a ser seguida para se alcançar um resultado desejado ou como a determinação consciente de cursos de ação, isto é, dos rumos”.

 “[…] Planejamento é considerado a função primordial a ser desempenhada. Planejamento determina os objetivos a atingir e os tipos de controle necessários que a administração da empresa deverá adotar”. (FARIA, 2000, p. 71)

 Também para Kwasnicka (1981, p 142) “Planejamento é o processo de pensar no trabalho a ser feito, considerando as tarefas em termos de equipamento, pessoas, facilidades e outros recursos, e apresentar os planos necessários para delinear qual a melhor forma de executar as tarefas”.

Organização 

 Para Daft (1999 p.5) “a função organização envolve a designação de tarefas, o agrupamento de tarefas entre os departamentos e a locação de recursos entre estes mesmos departamentos”.

 Para Megginson, Mosley e Petri, Jr (1998 p. 18):

Organizar é determinar os recursos e atividades necessárias para se atingir os objetivos da organização, combinar esses recursos e atividades em grupos práticos, designar a responsabilidade de atingir os objetivos a empregados responsáveis, e delegar a esses indivíduos a autoridade necessária para realizar essas tarefas.

 Também Lacombe e Heilborn (2003, p. 49) acreditam que:

Organizar é o processo de identificar e agrupar logicamente as atividades da empresa, de delinear as autoridades e responsabilidades, de estabelecer as relações de trabalho que devam vigorar entre os indivíduos ou grupos que constituem a empresa de modo que os recursos disponíveis sejam aplicados eficiente e eficazmente, a fim de que a empresa e seus funcionários realizem seus objetivos mútuos.

Direção/Liderança

 Para Daft (1999, p. 06) “Liderança é o uso de influência para motivar os funcionários a atingirem as metas organizacionais”.

 “A direção ou chefia é uma técnica para conduzir as atividades de indivíduos dentro de padrões formais, com base em princípios científicos ou valorativos, através de um esforço conscientemente planejado. ” (FARIA, 2000, p. 143).

 “Liderança é a função gerencial, que encaminha atividades aos seus subordinados, designa as tarefas a serem desempenhadas como devem ser agrupadas, reporta o meio de comunicação mais prático, quem fica à frente de quem e onde as decisões devem ser tomadas”. (ROBBINS, 2003).

Controle

Segundo Farias (2000, p, 160) “O Controle é um instrumento para assegurar a consecução do objetivo e, em consequência, podemos tomar medidas corretivas quando necessárias”.

Conforme ressalta Robbins (2003, p. 33) controle é a “função gerencial que envolve o processo de monitoração das atividades para garantir que sejam realizadas conforme planejado e de correção de quaisquer desvios significativos”.

 Em conformidade Montana e Charnov (2003, p. 263) dizem que “O controle consiste em ações sequenciais tomadas pela administração para estabelecer os padrões de desempenho, medir e avaliar o desempenho e tomar medidas corretivas quando necessárias. ”

 Para Kwasnicka (1981, p. 146) “ O processo de controlar envolve muito mais atividades do que simplesmente fazer correções dos desvios apresentados entre o planejado e o realizado. ”

RECURSOS HUMANOS

 “A área de Recursos Humanos tem como objetivo principal administrar as relações da organização com as pessoas que a compõe, consideradas, hoje em dia, parceiros de negócio, e não mais meros recursos empresariais. ” (RIBEIRO, 2006, p. 1).

 Também Gil (1994, p. 13) coloca a administração de recursos humanos como sendo:

[…] o ramo especializado da ciência da administração que envolve todas as ações que tem como objetivo a integração do trabalhador no contexto da organização e o aumento de sua produtividade. É, pois, a área que trata de recrutamento, seleção, treinamento, desenvolvimento, manutenção, controle e avaliação do pessoal.

Outrossim Chiavenato (2002) enfatiza que administrar pessoas é lidar com colaboradores que administram os demais recursos e participam da organização.

PRODUÇÃO

Segundo Slack et al (1997, p. 30) “A administração da produção trata da maneira pela qual as organizações produzem bens e serviços”.

Ainda Slack et.al. (1997, p.31) continuam “A administração da produção é, acima de tudo, um assunto prático que trata de problemas reais. ”

Do ponto de vita de Martins e Laugeni (2005, p. 2) “a função de produção é entendida como um conjunto de atividades que levam a transformação de um bem tangível em outro com maior utilidade”.

Ainda Moreira (1993) argumenta que a administração da produção está diretamente ligada com as atividades industriais e que suas tarefas se cumprem prioritariamente nas fábricas ou plantas industriais.

Para Corrêa (2013, p. 5) “a gestão de operações ocupa-se da atividade de gerenciamento dos recursos escassos”.

FINANÇAS

“Administração financeira é a arte de administrar recursos financeiros, para maximizar a riqueza dos acionistas. ” (LEMES JUNIOR; 2005, p. 4)

 Também Hoji (2009, p.4) afirma que “Para a administração financeira, o objetivo econômico das empresas é a maximização de seu valor de mercado, pois dessa forma estará sendo aumentada a riqueza de seus proprietários. ”

 Em conformidade Gitman (2010, p. 4) diz que “administração financeira refere-se ao conjunto de atribuições do administrador financeiro da empresa”. E ainda completa “o administrador financeiro gerencia ativamente os assuntos financeiros de qualquer tipo de organização”.

 Contribuindo Lima (1975) destaca ainda que a administração financeira possui três objetivos que são:

 a) manter a empresa em situação de liquidez;

 b) obter recursos para expansão;

 c) assegurar o equilíbrio entre os objetivos de lucros e liquidez financeira.

  Outrossim Sanvicente (1995) também coloca que a função financeira possui a sua finalidade como uma assessora da empresa que proporciona os recursos monetários exigidos, mas que em nenhum momento determina as aplicações a serem feitas pela empresa.

ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING

Administração de marketing segundo Kotler (1996, p. 30) “É o processo de planejamento e execução da concepção, preço, promoção e distribuição de bens, serviços e ideias para criar trocas com grupo-alvo que satisfaçam os consumidores e os objetivos organizacionais. ”

Também Nickels (1999) enfatiza que a administração de marketing é a concentração e coordenação de esforços na identificação e satisfação das expectativas dos consumidores.

Em consonância com os demais conceitos observa-se que administração de marketing é “a função empresarial que cria valor para o cliente e gera vantagem competitiva duradoura para a empresa por meio da gestão estratégica das variáveis controláveis de marketing […]” (MACHLINE, et al 2003 p. 02).

 Neste segmento MACHLINE, et al. (2003 p. 02) destacam ainda que:

A administração de marketing é o conceito que resume a função do marketing e é entendida como o processo de planejamento, execução e controle das estratégias e táticas de marketing, visando otimizar os resultados para os clientes e stakeholders da empresa.

 “Marketing é o processo de executar e planejar a concepção, estabelecimento de preços, promoção e distribuição de ideias, produtos e serviços a fim de criar trocas que satisfaçam metas individuais e organizacionais” (CHURCHILL; PETER, 2000, p. 4).

 Para Limeira (2010), o conceito de marketing pode ser definido como um método que cria valor para o cliente e vantagem competitiva por meio da gestão estratégica de produtos, preço, comunicação e distribuição.

Plano de marketing

 A administração de marketing acontece quando pelo menos uma das partes interessadas procura obter informações desejadas das outras partes, sendo assim é uma arte e ciência que procura alcançar o mercado alvo e sua fidelização através da entrega de um valor superior ao seu cliente. (KOTLER; KELLER, 2006)  

 “Planejamento de marketing é a base para toda a estratégia de marketing. Linhas de produto, preços, seleção adequada dos canais de distribuição e decisões relacionadas às campanhas promocionais, tudo depende dos planos elaborados dentro da organização” (BOONE; KURTZ, 1998, p. 116).

 Em continuação Boone e Kurtz (1998) dizem que um plano de marketing é a descrição detalhada dos recursos e quais as ações referentes ao atingimento das metas e objetivos ditados pelo marketing.

 Segundo Pride e Ferrell (2001) planejamento de marketing é um processo que permite avaliar as oportunidades e recursos a fim de definir as estratégias de marketing e estabelecer linhas mestras para implementação e controle do plano.

 Ainda Pride e Ferrell (2001, p.30) salientam que “[…] um plano de marketing é um documento escrito que delineia e explica todas as atividades necessárias para implementar as estratégias de marketing”.

 “Os planos de marketing variam em relação ao período de tempo que abrangem”. (PRIDE; FERRELL, 2001, p. 30)

 Na mesma linha de raciocínio Kotler e Keller (2006, p. 58) afirmam que “Um plano de marketing é um documento escrito que resume o que o profissional de marketing sabe sobre o mercado e o que indica como a empresa planeja alcançar seus objetivos”.

 Plano de marketing também é definido como o processo de desenvolver e organizar os recursos e objetivos da empresa a fim de possa estar preparada para as oportunidades variáveis do mercado. (SANDHUSEN, 2003)

 Análise de mercado

“Segmentação de mercado é o processo de dividir um mercado em grupos de compradores potenciais que tenham semelhantes necessidades e desejos, percepções de valores ou comportamentos de compra”. (CHURCHILL, 2010, p. 204).

 “A maioria dos produtos vendidos nos mercados consumidores e organizacionais se presta a uma estratégia de segmentação, a qual é essencial na formulação, na implementação e no controle de planos estratégicos de marketing. ” (SANDHUSEN, 2003, p.240).

 Um segmento de mercado segundo Kotler e Keller (2006) é determinado por um grande grupo de consumidores que seguem as mesmas tendências do mercado, ainda colocam que os profissionais dessa área não são responsáveis pela criação desses grupos, mas sim pela identificação.

 Uma estratégia de segmentação efetiva ajuda a medir o tamanho do mercado; a reconhecer ameaças e oportunidades para assim reagir a elas de forma eficaz. (SANDHUSEN, 2003)

 Segundo Dias et al (2003) para uma melhor aplicação dos conceitos de segmentação para penetrar no mercado é necessário realizar uma quantificação destes dados.

 Uma das áreas que mais requer cuidados, pois ela irá traçar formas de se chegar ao alvo desejado, definindo assim o objetivo e qual a melhor forma se se chegar até ele. (DIAS et al 2003).

 Segundo Dias et al (2003) para que se possa tomar decisões concretas e coerentes com a realidade da empresa é necessário avaliar alguns aspectos como:

1) Variáveis macroeconômicas – entender como está a saúde da economia;

2) Demanda satisfatórias – sempre procurar saber qual o grau de satisfação dos clientes e como está o movimento da concorrência;

3) Demanda decrescente – cabe a necessidade de avaliação do processo, produto e das vendas;

4) Demanda sazonal – é motivo para lançamentos de produtos e a preocupação em atrair novos clientes;

5) Demanda indiferente – há a necessidade de uma melhor exposição do produto ao cliente, ou seja, despertar o interesse dele;

6) Demanda excessiva – cabe uma estratégia de marketing seletivo direcionando para um público específico.

 Outrossim Dias et al (2003) também apresenta algumas ferramentas no processo de quantificação, sendo elas:

 Potencial de mercado – número relativo e estático que define o tamanho dos diferentes segmentos geográficos que estão sendo medidos.

 Potencial de vendas – é a análise do desempenho histórico a fim de que com isso poder fazer projeções futuras, ou seja, qual é sua demanda.

 Previsão de vendas – pode fornecer informações valiosas da quantidade a vender em um determinado período de tempo futuro.

 Determinação de cotas – utilizando dados estatísticos se faz necessário uma determinação de cotas, ou seja, quanto a empresa pretende vender por semana, de que produto e em qual região.

Análise do ambiente

Ambiente social/demográfico

 “O ambiente social é o conjunto de características, elementos culturais e atitudes que afetam as percepções e reações dos clientes com relação a empresa. ” (NICKELS, 1999, p.480)

 Para Kotler (1998) as empresas estão muito interessadas no tamanho da população e nos comportamentos das pessoas, pois é através deles que as empresas conseguem identificar qual será o melhor produto a oferecer aos clientes, ou seja consegue assim identificar as necessidades e preferências do cliente.

Ambiente econômico

 Segundo Kotler (1998) ambiente econômico é o que define quais os valores monetários a serem agregados aos produtos comercializados, um exemplo é procurar vender um produto de alto custo para um público de terceira classe pois este não possui recursos suficientes para investir na aquisição.

 “O ambiente econômico mostra uma ênfase nos assuntos relativos à distribuição de renda global, baixas poupanças e alto endividamento e mudança nos padrões de gastos dos consumidores”. (PASSOS, 2008, p. 1).

Ambiente tecnológico

 Para Passos (2008, p. 1) “o ambiente tecnológico exibe mudanças tecnológicas aceleradas, número ilimitado de oportunidades para a inovação, variações dos orçamentos de P&D e regulamentação mais rigorosa das mudanças tecnológicas”.

 Também Kotler (1998) diz que as novas tecnologias são um processo de destruição criativa que nos permite tornar algo obsoleto para recriá-lo com uma qualidade melhor.

Ambiente político e legal

 Para Nickels (1999) não importa onde nem o que elas comercializem todas as empresas estão sujeitas a milhares de legislações que regem ou influenciam direta e indiretamente os processos de marketing.

As decisões de marketing são fortemente afetadas por desenvolvimentos do ambiente político e legal. Este ambiente é composto de leis, órgãos governamentais e grupos de pressão que influenciam e limitam várias organizações e indivíduos em sociedade. Às vezes, essas leis também criam oportunidades paras as empresas. Por exemplo, as leis que obrigam o reaproveitamento de materiais deram grande impulso na indústria de reciclagem. (KOTLER, 1998, p. 153).

COMPOSTO DE MARKETING/ MARKETING-MIX

Como ressalta McCartthy e Perreault (1997, p. 45) os quatro P’s ajudam a visualizar o composto de marketing, são quatro variáveis básicas que formam este composto: produto, ponto de venda, promoção e preço.

 Também Cobra (1986, p. 32) enfatiza que “todos os elementos do composto foram criados e estabelecidos para atender ao mercado-alvo, ou seja, o consumidor”.

 Em concordância Kotler (2003) descreve o mix de marketing como sendo um conjunto de ferramentas à disposição da gerência para influenciar as vendas, e acrescenta que a fórmula tradicional é conhecida como 4 P’s: produto, preço, ponto e promoção.

 

Produto

Segundo Kotler e Keller (2006, p. 266) “Um produto é tudo o que pode ser oferecido a um mercado para satisfazer uma necessidade ou um desejo.

Para Las Casas (1997) produto é o objetivo principal nas atividades de troca que se oferece num mercado para pessoas físicas ou jurídicas, na busca de proporcionar satisfação para o consumidor ou cliente. Para facilitar ainda mais o entendimento sobre o produto apresentou algumas definições básicas segundo os benefícios que poderão proporcionar, sabendo-se que quanto maiores os benefícios reais oferecidos, maior também será a chance de o produto ser escolhido entre as ofertas no mercado.

Complementando, Boone e Kurtz (1998, p.250) definem produto como “ […] um agregado de atributos físicos, simbólicos e de serviço, concebidos para aumentar a satisfação desejada pelo consumidor. ”

Para satisfazer às necessidades dos consumidores, é preciso que os produtos ou serviços a serem ofertados tenham boa qualidade, que as características atendam aos gostos dos consumidores, com boas opções de modelos e estilos, com nome atraente de marca, acondicionados em embalagens sedutoras, em variados tamanhos de produtos, com serviços e quantias aos usuários que proporcionem adequados retornos financeiros à organização. (COBRA, 1992, p. 43)

Preço

A finalidade do apreçamento nada mais é do que um componente dos objetivos gerais da organização, uma vez que todas as empresas se baseiam no preço para obtenção das receitas e lucros. (BOONE E KURTZ, 1998)

 Dessa forma para Dias et al (2003, p. 254):

[…] o preço é uma variável tão relevante para a empresa que uma corrente de pensadores postula que a empresa, quando os preços no mercado não mais desempenham satisfatoriamente seus papéis na alocação de recursos, é apenas uma forma de organização interna da função de produção.

 Acrescentando Ferrell (2000, p. 96) coloca que “O preço também é o elemento mais flexível do composto de marketing, uma vez que pode ser ajustado para atender às condições mutantes do mercado”.

 Ainda Kotler (1998), complementa dizendo que preço é uma ferramenta essencial do composto de Marketing. O preço deve ser compatível com o valor ofertado pelo mercado, caso contrário os compradores procurarão produtos concorrentes.

Promoção

“Promoção de vendas consiste em um conjunto de ferramentas de incentivo, a maioria de curto prazo, projetadas para estimular a compra mais rápida ou em maior quantidade de produtos ou serviços específicos por parte do consumidor ou do comércio. ” (KOTLER E KELLER, 2006, p. 583)

 “As atividades de promoção são necessárias para comunicar as características e benefícios de um produto a seu(s) mercado(s)-alvo(s) pretendido(s)”. (FERRELL, 2000, p. 97).

 Na mesma linha de raciocínio Cobra (1986, p. 33) define que “a promoção deve comunicar o produto ou serviço ao mercado, estimulando e realizando a venda, isto é, a transferência de posse”.

Já para Mccarthy e Perreault (1997) promoção é a comunicação entre o vendedor e comprador para influenciar atitudes e comportamento, assim o principal trabalho do gerente de marketing é dizer aos consumidores- alvos que o produto certo está à disposição, no preço certo e na praça certa.

Praça ou distribuição

 O ponto de venda envolve a tarefa de levar o produto certo ao local onde está o consumidor. Um produto não é bom se não estiver disponível para o consumidor onde e quando for desejado. (MCCARTTHY E PERREAULT, 1997).

O sistema de distribuição a ser determinado por um administrador de marketing fará, portanto, parte de um pacote de utilidade ou satisfação que os consumidores receberão com a compra do produto. A colocação de produtos em estabelecimentos apropriados e em épocas certas, a preços acessíveis, ao consumidor visado, é, portanto, determinante para o sucesso de uma estratégia mercadológica. (LAS CASAS, 1997 p.215).

 Segundo Cobra (2011, p. 44) “a distribuição precisa levar o produto certo ao lugar certo através dos canais de distribuição adequados, com uma cobertura que não deixe faltar produto em nenhum mercado importante”.

 Do ponto de vista de Boone e Kurtz (1998) os canais de distribuição possuem um papel fundamental, uma vez que são responsáveis pelo deslocamento de bens e serviços dos produtores aos usuários finais.

COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR

 Conforme Rugai (2009, p. 77), os clientes que hoje estão cada vez mais atentos e exigentes, ao tomar suas decisões de compra, avaliam “a qualidade dos produtos, a eficiência e a gentileza dos serviços, ambientação adequada, decoração, altura do som, iluminação, clima, limpeza, preço compatível e localização”.

 Para Peter (2009, p. 5) “O comportamento do consumidor envolve os pensamentos e os sentimentos que as pessoas experimentam e suas ações no processo de consumo. Inclui também todas as coisas no ambiente que influenciam esses pensamentos, sentimentos e ações […]”.

 Conforme Batista (2012 p.1) “O comportamento do consumidor é definido como o estudo das unidades compradoras e dos processos de troca envolvidos na aquisição, no consumo e na disposição de mercadorias, serviços, experiências e ideias”.

 Também Larentis (2012) fala que em primeiro lugar o comportamento do consumidor é motivado por alguma coisa interna como a satisfação de seus desejos, e em segundo lugar o ele coloca que é um processo como algo com etapas sequenciais encadeadas de forma dinâmica e contínua.

 Outra definição que se difere das anteriores é que comportamento do consumidor “[…] é o estudo dos processos envolvidos quando indivíduos e grupos selecionam, compram, usam ou descartam produtos, serviços, ideias ou experiências para satisfazerem necessidades e desejos. ” (SOLOMON; 2016, p. 6).

   Em conformidade Nickels e Wood (1999) dizem que comportamento do consumidor está aliado as decisões e escolhas do consumidor, e sejam elas de compra uso ou descarte de um bem ou serviço.

 Ainda Nickels e Wood (1999) continuam postulando que as empresas precisam compreender de que forma os consumidores compram, para que assim, baseando-se nessas informações, possam desenvolver estratégias de marketing apropriadas para seu público e com isso criar valor ao cliente, construindo assim um relacionamento duradouro.

 Já Kotler (1998) destaca que os fatores que influenciam o comportamento dos consumidores são os fatores culturais, sociais pessoais e psicológicos.

 Fatores Culturais – Segundo Kotler (1998) a cultura é a determinante que mais exerce influencias sobre uma pessoa. Toda criança em crescimento adquire um conjunto de valores e comportamentos que a influenciará na tomada de decisão sobre a compra de um determinado item de um produto.

 Fatores Sociais – Para Kotler (1998) fatores sociais estão relacionados aos grupos de afinidades, ou seja, família, colegas de trabalho, clubes. Esses grupos de referências expõem o indivíduo a novos comportamentos e também influenciam as atitudes e o autoconceito das pessoas, fazendo assim com que gere um conformismo e afete suas escolhas.

 Fatores Pessoais – Os fatores pessoais segundo Kotler (1998) influenciam na decisão de um comprador de acordo com seu ciclo de vida, ocupação, estilo de vida, personalidade e autoestima. Segundo ele as pessoas têm preferência por determinado produto em cada fase de sua vida, ou dependendo de seu estado emocional terá um comportamento de compra diferenciado.

 Fatores Psicológicos – As escolhas de compra podem também ser influenciadas por fatores psicológicos como a motivação, percepção, aprendizagem, crenças e atitudes. Uma pessoa motivada está pronta para a ação e está dependera de sua percepção da situação. Outro fator psicológico são as crenças dos consumidores, uma vez que através desta é que serão tomadas importantes atitudes.

O consumidor no processo de compra

 O modelo de Engel, Kollat e Blackwel segundo Karsaklian (2000) coloca características de um modelo cientifico e propõe uma estrutura bastante explicativa do comportamento de escolha do produto e da marca pelo consumidor. Continua ainda dizendo que este modelo se decompõe de quatro módulos sendo eles:

a) Estímulos mercadológicos;

b) Variáveis de influência;

c) Processamento da informação;

d) E por fim tomada de decisão.

  Para Karsaklian (2000) a memória realiza um importante trabalho de filtragem, estocagem e além de recuperação de informações. Também diz que o processo de tomada de decisão é dividido em cinco etapas, sendo elas:

1) Reconhecimento de um problema – O sentimento de uma discordância entre o estado atual e o estado desejado é o grande responsável por desencadear o processo de reconhecimento do problema.

2) Busca de informação – O desejo da resolução deste problema resulta, em um primeiro momento em uma busca de informações de nossa memória e ainda, se necessário for, far-se-á uma pesquisa externa.

3) Avaliação das alternativas – O cliente confronta os elementos disponíveis com seus critérios pessoais procurando assim uma orientação para suas preferências.

4) A escolha – Como consequência natural do processo será escolhida uma das possibilidades, porém fatores situacionais podem interferir neste nível conduzindo em certos casos a uma reconsideração do processo de avaliação.

5) Análise pós compra – Tem como objetivo analisar a adequação da solução em relação problema inicial, esta exercerá uma forte influência sobre as primeiras etapas de processos posteriores.

Etapas do processo de compra.Etapas do processo de compra.Karsaklian (2000).

MÉTODO

No capítulo será apresentado o método pelo qual será desenvolvida a pesquisa.

“O objetivo da metodologia é o aperfeiçoamento dos procedimentos e critérios utilizados na pesquisa. Por sua vez, método (do grego métodos) é o caminho para se chegar a determinado fim ou objetivo”. (MARTINS; THEÓPHILO, 2007, p.37).

 “O método é um caminho, uma forma, uma lógica de pensamento” (VERGARA, 2013, p. 3).

 Na visão de Marconi e Lakatos (2005, p. 83) “[…] O método é um conjunto das atividades sistemáticas e racionais que, com maior segurança e economia, permite alcançar o objetivo – conhecimentos válidos e verdadeiros […]”.

 De acordo com Galliano (1979, p. 6) “Método é um conjunto de etapas, ordenadamente disposta, a serem vencidas na investigação da verdade, no estudo de uma ciência ou para alcançar determinado fim”.

 Também Cervo e Bervian (1996, p. 20) dizem que:

Em seu sentido mais geral, o método é a ordem que se deve impor aos diferentes processos necessários para atingir um fim dado ou um resultado desejado. Nas ciências, entende-se por método o conjunto de processos que o espírito humano deve empregar na investigação e demonstração da verdade.

 Ainda Cervo e Bervian (1996) complementam que o método científico procura conhecer a realidade dos fatos e este ajuda a guiar sua utilização, entretanto o método é somente um meio de acesso, pois só a inteligência e a reflexão é que ajuda entender o que os fatos realmente são.

DELIMITAÇÃO

De acordo com Marconi e Lakatos (1991, p. 218) “Dotado necessariamente de um sujeito e de um objeto, o tema passa por um processo de especificação. O processo de delimitação do tema só é dado por concluído quando se faz a sua delimitação geográfica e espacial, com vistas na realização da pesquisa”.

 Também Fachin (2003, p. 112) diz que:

É imprescindível que o pesquisador procure delimitar corretamente o problema, pois cada área de investigação possui inúmeras particularidades que conduzem aos problemas, e a cada um deles poderá corresponder uma pesquisa cientifica ou um estudo separado, dependendo do propósito.

 Segundo Cervo e Bervian (2003, p. 82) convém superar a tendência muito comum de escolher temas que, por sua extensão e complexidade, não permitam estudos em profundidade. Feita, portanto, a escolha do tema, passa-se a fixar a extensão do mesmo.

 Para compor a elaboração do presente estudo ficou delimitado como local de amostragem os bairros Floresta, Madalozo, Novo Bairro, Bairro Cohab e Bairro Civemara, onde será realizado a aplicação de questionário. Após a aplicação será feita a análise e a computação dos dados.

 Para Marconi e Lakatos (1996, p.37)

A técnicas de amostragem probabilistas, ou aleatórias, ou ao acaso, desenvolveram-se, sob o aspecto teórico, principalmente a partir da década de 30. Sua característica primordial é poder ser submetida a tratamento estatístico que permite compensar erros amostrais e outros aspectos relevantes para a representatividade e significância da amostra.

Contribuindo também Gil (2006, p. 101) “A amostragem aleatória simples consiste em atribuir a cada elemento da população um número único para depois selecionar alguns desses elementos de forma casual”.

Acrescentando Barbetta (2005, p. 45) diz que “Esse tipo de amostragem consiste em selecionar amostra através de um sorteio, sem restrição”.

Para o presente estudo será extraído uma amostragem de 3% do total de moradores com idade acima de 14 anos, com posterior sorteio aleatório dos moradores dos bairros, conforme relação dos habitantes repassado pela Secretaria Municipal da Saúde do município de Maravilha-SC.

DELINEAMENTO 

  A pesquisa terá como forma de investigação dos fatos através da coleta de dados com escolha aleatória simples dos indivíduos dessa população, onde faremos uma abordagem quantitativa e descritiva por meio de um questionário apurando os fenômenos e a condição dessa amostra.

  A pesquisa de campo segundo Michel (2009, p. 42) “Trata-se da coleta de dados do ambiente natural, com objetivo de observar, criticar a via real, com base em teoria”.

Conforme Gil (1996 p. 88) “Deve ficar claro que as hipóteses a serem testadas mediante levantamentos indicam apenas existência de associação entre variáveis. Qualquer tentativa de atribuir relação causal implicará um delineamento experimental ou quase experimental”.

TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS 

 De acordo com (MICHEL, 2009) técnicas são ferramentas essenciais para a fidelidade, qualidade e completude da pesquisa.

 Para Gil (2002, p. 144) “ Diversas técnicas são abordadas para a coleta de dados na pesquisa-ação. A mais usual é a entrevista aplicada coletiva ou individualmente. Também se utiliza o questionário, sobretudo quando o universo a ser pesquisado é constituído por grande número de elementos”.

 Segundo (FACHIN 2003) algumas técnicas de coletas de dados envolvem questionários estruturados com um elenco de questões que são apreciadas e submetidas a certo número de pessoas com objetivo de se obter respostas para a coleta de informações. E, para que a coleta seja eficiente com resultados significativos, se faz necessário verificar como, quando e onde obter essas informações.

 Já Marconi e Lakatos (1999, p. 34) dizem que é a “Etapa da pesquisa em que se inicia a aplicação dos instrumentos elaborados e das técnicas selecionadas, a fim de se efetuar a coleta dos dados previsto”.

 Do ponto de vista de Marconi e Lakatos (1999, p.34) “O rigoroso controle na aplicação dos instrumentos de pesquisa é fator fundamental para evitar erros e defeitos resultantes de entrevistadores inexperientes ou de informantes tendenciosos”.

 Segundo Cervo e Bervian (1983, p. 159) “O questionário é a forma mais usada para coletar dados, pois possibilita medir com melhor exatidão o que se deseja”.

 Também Cervo e Bervian (1983, p. 159) comentam dizendo que a aplicação de questionário “ É tarefa cansativa, por vezes fastidiosa, que exige sempre muita paciência e perseverança. Os conhecimentos e técnicas que damos a seguir facilitarão sem dúvida o trabalho, mas não pouparão ao pesquisador um enorme esforço pessoal”.

A coleta dos dados para o presente estudo se dará por meio de questionário, onde serão entrevistados de maneira aleatória os moradores dos bairros.

TÉCNICA DE ANÁLISE DOS DADOS 

 De acordo com Beneti (2009, p. 1) “A estatística descritiva ou dedutiva: é aquela que tem por objeto descrever e analisar determinada população, embora não pretenda tirar conclusões de caráter mais genérico”.

 Para Marconi e Lakatos (2005) o processo de análise estatística possibilita a obtenção, de conjuntos complexos, representações simples e apurar se essas verificações simplificadas possuem relações entre si.

 Portanto para a tabulação dos dados será utilizado planilha eletrônica do Excel, onde será possível uma análise estatística descritiva, por meio de apresentação de tabelas e gráficos.

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS

perfil sócio econômico dos consumidores

O perfil dos consumidores foi estudado por meio da identificação de alguns conceitos gerais, buscando assim conhecer e analisar de forma detalhada e precisa quais os perfis predominam nos bairros. 

Estado civil

ESTADO CIVIL
Casado100
Solteiro 30
Separado 12
 Outros 12

Dados primários (2016)

Estado civilEstado civilDados primários(2016).

 Do total da amostragem entrevistada constatou-se que 65% são casados, 19% solteiro, 8% separado e 8% encontram-se em outras situações diversas. 

Como grande parte das pessoas são mais velhas conforme Figura 6, isso faz com que tenham um numero maior de pessoas que encontram se casadas o que é mennos comum na população mais jovem.

Analise de gênero.

GÊNERO n°
Masculino52
Feminino 102

Dados primários (2016).

Analise de gênero. Analise de gênero. Os autores (2016)

 Em relação a questão de gênero do total 66% são do sexo feminino e 34% do masculino.

Escolaridade.

GRAU DE INSTRUÇÃO
Ensino fundamental 42
Ensino médio 55
Superior incompleto 13
Superior 15
Pós-graduado 13
Outros 16

Dados primários (2016).

Escolaridade.Escolaridade.Dados primários (2016).

 Dessa população verificou-se que 27% possuem apenas o ensino fundamental, 36% possuem o ensino médio, 09% do total possuem superior incompleto, 10% superior, 8% são pós-graduados e 10% encontram-se em outras condições de escolaridade.

Neste caso é importante ressaltar que com uma população predominantemente mais velha, conforme Figura 6, com 45% de pessoas com mais de 44 anos, ocorre um aumento significativo de pessoas com índice de escolaridade menor.

Pessoas por família.

PESSOAS POR FAMÍLIA
Um 7
Dois 36
Três 38
Quatro 45
Cinco ou mais 28

Dados primários (2016).

Pessoas por família.Pessoas por família.Dados primários (2016).

 Pode-se perceber pela amostragem que do total das famílias, 4,55 reside sozinho, 23,38% em duas pessoas, 24,68% em três pessoas, 29,22% em quatro pessoas e 18,18% em cinco ou mais pessoas.

Ao analisar o gráfico da Figura 2, percebe-se que 65% da população esta casada e como mostra o gráfico da Figura 6, que a grande maioria das pessoas ultrapassaram os 44 anos, é natural que as famílias tenham um numero maior de pessoas.

Analise de idade.

IDADE 
Até 16 1
17 a 25 28
26 a 34 33
35 a 43 23
Mais de 44 69

Dados primários (2016).

Idade. Idade. Dados primários (2016).

 Um ponto a ser observado nos bairros, é de que a população residente nos bairros é predominantemente mais velha, com um percentual de 45% de pessoas acima de 44 anos, seguida de pessoas com 26 a 34 anos sendo estas 21%, pessoas de 17 a 25 anos são 19%, ainda temos pessoas com 35 a 43% que somam 15%.

Analise renda familiar.

RENDA 
De R$ 1.501 a R$ 2.500 67
De R$ 2.501 a R$ 3.000 28
De R$ 3.001 a R$ 3.500 22
De R$ 4.001 a R$ 4.500 18
Acima de R$ 4.501 17
Não trabalha 2

Dados primários (2016).

Renda familiar.Renda familiar.Dados primários (2016).

 Quanto a renda das famílias constatou-se que 40% delas ganham de 1.501,00 à 2.250,00, 17% de 2.251,00 à 3.000,00, 13% de 3.001,00 à 3.750,00, 11% de 3.751,00 à 4.500,00, 10% ganham acima de 4.501,00 e 9% não quiseram declarar renda.

A renda esta diretamente associada as profissões exercidas pela população do local, como mostra a Figura 8, onde é possível ver que grande parte das pessoas estão aposentadas ou trabalham em níveis operacionais.

Analise das profissões predominantes.

PROFISSÃO 
Aposentado 16
Do lar 19
Professor 9
Operador de maquinas 8
Produção 9
Outros 93

Dados primários (2016).

Profissões predominantes.Profissões predominantes.Dados primários (2016).

 Quanto as profissões predominantes, percebe-se que 12,34%, da população trabalham como do lar, seguido por 10,39% de aposentados, pessoas que trabalham como operador de maquinas 5,19%, produção e professores correspondem a 5,84% cada e por fim temos um montante de 60,39% de pessoas que trabalham em outros ramos de atividades.

As profissões estão diretamente relacionadas ao grau de instrução, como mostra Figura  4, onde 27% possuem somente o ensino fundamental e 36% o ensino médio,sendo assim é natural que as pessoas vão a procura de emprego nos setores operacionais justificando assim a renda.

Responsáveis pela maioria das compras na casa.

RESPONSÁVEL PELAS COMPRAS 
Conjunto 26
Homem 26
Mulher 75
Pai 4
Pessoa que respondeu 14
Mãe 4
Filho 5

Dados primários (2016).

Responsável pela maioria das compras na casa.Responsável pela maioria das compras na casa.Dados primários (2016).

 A decisão em relação as compras de roupas são tomadas 16,88% em conjunto, 19,48% o homem, 51,30% a mulher, 9,09% a pessoa que respondeu e 3,25% são decididas pelos filhos.

Amostragem por bairro.

BAIRRO ONDE MORRA 
Cohab 21
Floresta 62
Novo bairro 22
Madalozo 28
Civemara 21

Dados primários (2016).

Amostragem por bairro.Amostragem por bairro.Dados primários (2016).

Percebe-se neste gráfico que dos cinco bairros entrevistados o maior número de pessoas vive no Bairro Floresta com 55,19%, seguido por Cohab com 18,83%, Civemara com 11,04%, Novo Bairro com 8,44% e Madalozo com 6,49%.

 analise do comportamento de compra dos consumidores

Para desenvolver a análise do comportamento de compra do consumidor foram feitas amostragens simples da população residente nos bairros Floresta, Novo Bairro, Bairro Cohab, Madalozo e Civemara.

Amostragem da quantidade da renda destinada para compra de roupas.

QUANTO DA RENDA DESTINA PARA COMPRA DE ROUPAS 
Até 100,00 52
101,00 a 200,00 39
201,00 a 300,00 43
301,00 a 400,00 14
Acima de 401,00 6

Dados primários (2016).

Quantidade da renda destinada para compra de roupas.Quantidade da renda destinada para compra de roupas.Dados primários (2016).

O valor destinado a compra de roupas ficou com percentual de 34% até 100,00, 25% de 101,00 até 200,00, 28% de 201,00 até 300,00, 9% de 301,00 até 400,00 e acima de 401,00 com percentual de 4%.

Neste contexto pode-se ver claramente que o motivo de as pessoas gastarem menos com a compra de vestuários está diretamente relacionado a baixa renda familiar conforme retrata a Figura 7, onde 40% da população possui uma renda entre R$ 1501,00 e R$ 2250,00, contudo percebe-se que também há uma boa parcela que destina valores acima de R$ 300,00 mensais, o que pode ser um bom mercado a ser explorado.

Analise das formas de pagamento mais utilizadas.

FORMA DE PAGAMENTO QUE COSTUMA UTILIZAR 
A vista 79
A prazo 53
Cartão de crédito 16
Boleto 6

Dados primários (2016).

Formas de pagamento mais utilizadas.Formas de pagamento mais utilizadas.Dados primários (2016).

 A forma de pagamento com maior percentual foi a vista com 51,30%, a prazo com 34,42%, cartão de crédito com 10,39% e por meio de boleto com 3,90%.

Por ser uma população mais velha, como mostra a Figura 6, é normal a resistência quanto a cartões de credito e boletos ocorrendo assim uma preferencia pelo pagamento a vista ou a prazo.

Analise da frequência de visita a lojas de roupas com intenção de comprar.

FREQUENTA LOJAS DE ROUPAS COM QUAL FREQUÊNCIA 
A cada mês 51
A cada 2 meses 33
A cada 3 meses 37
A cada 6 meses 18
Uma vez por ano 15

Dados primários (2016).

Frequências de visita a lojas de roupas com intenção de comprar.Frequências de visita a lojas de roupas com intenção de comprar.Dados primários (2016).

 Quanto a frequência de visitas a loja de roupas com intenção de comprar, 33% responderam que vão a cada mês, 21% a cada dois meses, 24% a cada três meses, 12% a cada seis meses e 10% uma vez por ano.

A frequência pode estar relacionada diretamente com o gênero, Figura 2, como há um numero maior de mulheres a tendencia é de que as mesmas vão até as lojas mais frequentemente.

Análise das influencias de mudanças de estações e eventos sociais na compra de roupas.

INFLUENCIAS DE MUDANÇAS DE ESTAÇÕES E EVENTOS SOCIAIS
Sempre 34
Frequentemente 47
Indiferente 24
Raramente 25
Nunca 24

Dados primários (2016).

Influencias de mudanças de estações e eventos sociais na compra de roupas.Influencias de mudanças de estações e eventos sociais na compra de roupas.Dados primários (2016).

 Quando perguntado se eventos sociais e mudanças de estações influenciavam na compra de roupas, 22,08% responderam sempre, 30,52% responderam frequentemente, 15,58% responderam indiferente, 16,23% responderam raramente e nunca com percentual de 15,58%.

Analise dos meios de comunicação mais utilizados para escolha da loja.

MEIOS DE COMUNICAÇÃO QUE AJUDAM
ESCOLHER A LOJA
 
Redes sociais      36
Por indicação de outras pessoas (boca a boca) 48
Rádio    24
Tabloide 40
Outros 6

Dados primários (2016).

Meios de comunicação mais utilizados para escolha da loja.Meios de comunicação mais utilizados para escolha da loja.Dados primários (2016).

 Os meios de comunicação que mais influenciam na escolha da loja quando a intensão é comprar, onde 31% responderam por indicação de outras pessoas, o popular boca a boca, 26% tabloide, 23% rede sociais, 16% rádio e 4% outros meios de obter informações.

Os meios de comunicação utilizados estão relacionados ao fator idade como mostra a Figura 6, onde a maior parcela da população é mais velha, e estes se fazem valer em maior quantidade dos meios tradicionais de comunicação como boca a boca, panfletos e radio.

Analise da importância da marca para escolha do produto.

IMPORTÂNCIA DA MARCA PARA ESCOLHA DO
PRODUTO
 
Nada importante 34
Pouco importante 35
Indiferente 48
Importante 29
Muito importante 8

Dados primários (2016).

Importância da marca para escolha do produto.Importância da marca para escolha do produto.Dados primários (2016).

 Quanto a importância da marca na decisão de compra, onde 22,08% responderam nada importante, 22,73% pouco importante, 31,17% indiferente, 18,83% consideram importe e 5,15% acham muito importante.

É muito comum em lugares onde a renda é mais baixa, conforme Figura 7 onde 40% ganham menos de R$ 2250,00, as pessoas não darem muita importância a marca, pois nestes casos muitas vezes entra o fator preço que fica fora do orçamento familiar.

Analise do preço como determinante para escolha do produto.

O PREÇO É FATOR DETERMINANTE PARA
ESCOLHA DO PRODUTO
 
Nada importante 4
Pouco importante 11
Indiferente 21
Importante 62
Muito importante 56

Dados primários (2016).

Preço como determinante para escolha do produto.Preço como determinante para escolha do produto.Dados primários (2016).

 Perguntado a importância do preço na compra de roupas, onde 2,60% responderam nada importante, 7,14% pouco importante, 13,64% indiferente, 40,26% importante e 36,36% muito importante.

O elevado grau de importância dado pelas pessoas aos preços das roupas remete diretamente no que diz respeito aos valores da renda como nos mostra a Figura 7 onde 40% ganham menos de R$ 2250,00, mostrando assim que as pessoas necessitam de adequar seus orçamentos mensais dentro dos padrões do salario, dando assim menor importância também a marca.

Analise dos vestuários comprados com mais frequência.

ARTIGOS COMPRADOS COM MAIS FREQUÊNCIA 
Blusas 79
Saias/Vestidos 21
Calça jeans 103
Short 21
Roupa íntima 43
Roupa social 11
Roupa esportiva 5
Calçados 95
Camisas 17
Camisetas 38
Infantil 29
Outro  

Dados primários (2016).

Vestuários comprados com mais frequência.Vestuários comprados com mais frequência.Dados primários (2016).

Como principais opções de compras entre os consumidores dos bairros encontram-se como prioridade calça jeans com 22%, seguido de calçados com 21%, blusas com 17%, roupas intimas 09%, camisetas com 8%, infantil com 6%, saias/vestidos e shorts ambos com 5%, camisas com 4%, roupa social 2% e roupa esportiva 1%.

Como a populaçao possui uma renda familiar predominantemente baixa como mostra o gráfico da Figura 7 onde a mais de 50% ganham menos de R$ 3000,00, percebe-se que as pessoas preferem optar por tipos de roupas mais clássicas como jeans, calçados e blusas.

Analise das lojas de roupas onde os clientes realizam suas compras habituais.

ONDE HABITUALMENTE REALIZA COMPRAS DE
ROUPAS
 
Casas Leve 50
Loja Vama 6
La Marka 7
Visual Modas 54
E-commerce 5
Outros2

Dados primários (2016).

Lojas de roupas onde os clientes realizam suas compras habituais.Lojas de roupas onde os clientes realizam suas compras habituais.Dados primários (2016).

 Quando perguntado onde habitualmente realizavam suas compras de roupas, 32% responderam Casas Leve, 4% Loja Vama, 5% La Marka, 35% Visual Modas, 3% E-commerce e 21% responderam que compravam em outros locais diversos.

A fidelidade dos consumidores esta relacionada com os motivos de compras em outros locais, Figura 20, onde as pessoas procuram principalmente opções de melhores preços e promoções, sendo este um reflexo da baixa renda familiar.

Analise dos principais motivos da realização de compras em outros locais.

QUAL O MOTIVO DE REALIZAR COMPRAS EM
OUTROS LOCAIS
 
Devido a promoções 49
Maior número de opções 32
Busca de melhores preços 59
Atendimento 5
Qualidade dos produtos 5
Marcas exclusivas 1
Outros 3

Dados primários (2016).

Principais motivos da realização de compras em outros locais.Principais motivos da realização de compras em outros locais.Dados primários (2016).

 Questionado o motivo das pessoas comprarem em outros lugares e não em lojas do seu bairro, 31,82% respondeu devido as promoções, 20,78% maior número opções, 38,31% vão em busca de melhores preços, 3,25% procuram atendimento melhor, 0,65% onde encontram marcas exclusivas e de sua preferência e 1,95% por outros motivos.

A fidelidade dos consumidores esta relacionada com os motivos de compras em outros locais, Figura 20, onde as pessoas procuram principalmente opções de melhores preços e promoções, sendo este um reflexo da baixa renda familiar.

Analise da necessidade de uma loja exclusiva da linha esportiva no bairro.

LOJA DA LINHA ESPORTIVA NO BAIRRO 
Nada necessário 43
Pouco necessário 27
Indiferente 55
Necessário 25
Muito necessário 4

Dados primários (2016).

Necessidade de uma loja exclusiva da linha esportiva no bairro.Necessidade de uma loja exclusiva da linha esportiva no bairro.Dados primários (2016).

Ao serem questionados sobre a necessidade de uma loja exclusiva da linha esportiva nos bairros 28% declararam ser nada necessário, 17% pouco necessário, 36% indiferente, 16% necessário, e 3% declararam ser muito necessário.

Imagem da loja visual modas.

IMAGEM DA LOJA VISUAL MODAS 
Qualidade 46
Não conhece 2
Bom atendimento/preço 43
Confiança 26
Diferenciada 14
Indiferença 1
Com preços altos 11
Agradável 7
Organizada 3
Desprezível 1

Dados primários (2016).

 Na visão das pessoas dos bairros 30% das pessoas a descreveram como sendo uma loja de qualidade, outros 28% falaram do seu bom atendimento e preço, 17% apontaram como uma loja de confiança 9% disseram ser diferenciada, 7% colocaram que os preços são altos, 4% disseram ser uma loja agradável, 2% organizada e por fim com 1% colocaram que não conhecem, indiferente e desprezível.

Escolha da loja

Os entrevistados foram questionados sobre quais fatores são considerados mais importantes no momento da escolha de uma loja para realização das compras de roupas.

Analise das variáveis determinantes para escolha da loja preferencial.

Fatores Nada importante Pouco importante Indiferente Importante Muito importante
Atendimento 3 1 3 42 105
Variedade de produtos 1 4 25 74 50
Preço 5 1 9 56 83
Marcas exclusivas 21 15 74 28 16
Visual da Loja 4 14 50 62 24
Localização 9 17 64 49 15
Layout 4 4 47 84 15

Dados primários (2016).

Atendimento.Atendimento.Dados primários (2016).

 Em relação aos fatores que influenciam na escolha da loja para as pessoas realizarem suas compras de roupas, observa-se conforme os dados apresentados que para 1,95% é nada importante o fator de atendimento, para 0,65% pouco importante, assim como 1,95% é indiferente a questão do atendimento, entretanto, para 27,27% é importante e 68,18% o consideraram muito importante.

Variedade de produtos.Variedade de produtos.Dados primários (2016).

 Quanto à variedade de produtos disponíveis na loja é possível observar que para apenas 0,65% é nada importante, para 2,60% é pouco importante e 16,23% são indiferentes e para 48,05% a variedade de produtos é importante, da mesma forma que para 32,47% esse fator se mostra muito importante.

Preço.Preço.Dados primários (2016).

 No que se refere ao preço sobre produtos 3,25% das pessoas responderam não ser importante, 0,65% pouco importante e 5,84% mostraram-se indiferente, e ainda 36,36% das pessoas entrevistadas consideraram importante, assim como para 53,90% o preço é muito importante no momento da compra.

Marcas exclusivas.Marcas exclusivas.Dados primários (2016).

 As marcas exclusivas não são algo importante para 13,64% das pessoas entrevistadas, para 9,74% pouco importante e 48,05% são indiferentes, mas para 18,18% dessas pessoas as marcas exclusivas são importantes e para 10,39% são muito importantes.

Visual da loja.Visual da loja.Dados primários (2016).

 O visual da loja se mostra nada importante para apenas 2,60% das pessoas entrevistadas, 9,09% consideram pouco importante, 32,47% são indiferentes e para 40,26% o visual da loja é muito importante no momento de escolher uma loja para realizar suas compras, como também para 15,58% se faz muito importante. 

Localização.Localização.Dados primários (2016).

Quanto à localização da loja, 5,84% das pessoas entrevistadas responderam não ser importante, para 11,04% pouco importante, 41,56% mostraram-se indiferentes e para 31,82% é importante o local que a loja está instalada e ainda para 9,74% dessas pessoas esse fator é algo muito importante.

Layout.Layout.Dados primários (2016).

 Dentre as pessoas entrevistas para 2,6% o layout da loja como fator de influência não é importante, para 2,60% pouco importante e 30,52% são indiferentes, entretanto, 54,55% esse fator é importante no momento de escolher a loja para realizarem suas compras, do mesmo modo que para 9,74% das pessoas que consideram muito importantes.

Lojas preferenciais

 Em relação a loja de preferência foi perguntado sobre o atendimento, produtos, qualidade, preço, marcas exclusivas e visual da loja.

Analise da satisfação dos consumidores em relação a sua loja de preferencia

Fatores Muito insatisfeito Insatisfeito Regular Satisfeito Muito satisfeito
Atendimento 4 1 17 76 56
Produtos 3 2 11 96 42
Qualidade 1 2 15 85 51
Preço 1 2 42 75 34
Marcas exclusivas 2 3 46 68 35
Visual da loja 3 0 20 83 48

Dados primários (2016).

Atendimento.Atendimento.Dados primários (2016).

 Quanto ao fator atendimento 36,36% estão muito satisfeitos, 49,35% estão satisfeitos, 11,04% consideram regular, 0,65% estão insatisfeitos e 2,60% muito insatisfeitos.

Produto.Produto.Dados primários (2016).

 Em relação aos produtos da loja 27,27% estão muito insatisfeitos, 62,34% satisfeitos, 7,14% consideram regular, 1,30% insatisfeitos e 1,95% muito insatisfeitos.

Qualidade.Qualidade.Dados primários (2016).

 Quanto à qualidade 33,12% estão muito satisfeitos, 55,19% satisfeitos, 9,74% consideram regular, 1,30% insatisfeito e 0,65% muito insatisfeitos.

Preço.Preço.Dados primários (2016).

 Os percentuais em relação aos preços praticados pela loja de preferência, 22,08% estão muito satisfeitos, 48,70% estão satisfeitos, 27,27% regular, 1,30% estão insatisfeitos e 0,65% estão muito insatisfeitos.

Marcas exclusivas.Marcas exclusivas.Dados primários (2016).

 Sobre as marcas exclusivas da loja de sua preferência, 22,73% estão muito satisfeitos, 44,16% estão satisfeitos, 29,87% consideram regular, 1,95% de insatisfeitos e 1,30% muito insatisfeitos.

Visual da loja.Visual da loja.Dados primários (2016).

  E sobre o visual da loja de sua preferência, 31,17% estão muito satisfeitos, 53,90% estão satisfeitos, 12,99% consideram regular, em relação a visual da loja de preferência não possui insatisfeitos, más tem 1,95% de muito insatisfeitos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Para Glynn e Jones (2003) à inúmeras razões para um cliente optar por uma ou outra loja e estas podem ser avaliadas estatisticamente, porem, é muito difícil avaliar de maneira isolada as determinantes de cada pessoa. Portanto, todas as pessoas que estão em contato com o cliente devem buscar sistematicamente o melhor nível de interação como os mesmos.

O presente estudo teve como principal finalidade ter uma maior visibilidade do mercado consumidor em relação aos processos de compras e desta forma responder aos objetivos propostos pela pesquisa, alem de pautar propostas para estudos futuros.

QUANTO AOS OBJETIVOS

O objetivo geral do trabalho de “Estudar o comportamento de compra dos consumidores no ramo de roupas e artigos esportivos no ano de 2016, residentes nos Bairros Floresta, Madalozo, Novo Bairro, Bairro Cohab e Bairro Civemara” foi atingido pela consecução dos objetivos específicos abaixo:

  • Avaliar o perfil econômico predominante 

A analise do perfil dos consumidores residentes nos  Bairros Floresta, Madalozo, Novo Bairro, Bairro Cohab e Bairro Civemara na cidade de /

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS

Estado civil

ESTADO CIVIL
Casado100
Solteiro 30
Separado 12
 Outros 12

Dados primários (2016)

Estado civilEstado civilDados primários(2016).

 Do total da amostragem entrevistada contatou-se que 65% são casados, 19% solteiro, 8% separado e 8% encontram-se em outras situações diversas.

Analise de gênero.

GÊNERO n°
Masculino52
Feminino 102

Dados primários (2016).

Analise de gênero. Analise de gênero. Os autores (2016)

 Em relação a questão de gênero do total 66% são do sexo feminino e 34% do masculino.

Escolaridade.

GRAU DE INSTRUÇÃO
Ensino fundamental 42
Ensino médio 55
Superior incompleto 13
Superior 15
Pós-graduado 13
Outros 16

Dados primários (2016).

Escolaridade.Escolaridade.Dados primários (2016).

 Dessa população verificou-se que 27% possuem 1º grau, 36% possuem 2º grau, 09% do total possuem superior incompleto, 10% superior, 8% são pós-graduados e 10% encontram-se em outras condições de escolaridade.

Pessoas por família.

PESSOAS POR FAMÍLIA
Um 7
Dois 36
Três 38
Quatro 45
Cinco ou mais 28

Dados primários (2016).

Pessoas por família.Pessoas por família.Dados primários (2016).

 Pode-se perceber pela amostragem que do total das famílias, 4,55 reside sozinho, 23,38% em duas pessoas, 24,68% em três pessoas, 29,22% em quatro pessoas e 18,18% em cinco ou mais pessoas.

Analise de idade.

IDADE 
Até 16 1
17 a 25 28
26 a 34 33
35 a 43 23
Mais de 44 69

Dados primários (2016).

Idade. Idade. Dados primários (2016).

 Um ponto a ser observado nos bairros, é de que a população residente nos bairros é predominantemente mais velha, com um percentual de 45% de pessoas acima de 44 anos, seguida de pessoas com 26 a 34 anos sendo estas 21%, pessoas de 17 a 25 anos são 19%, ainda temos pessoas com 35 a 43% que somam 15%.

Analise renda familiar.

RENDA 
De R$ 1.501 a R$ 2.500 67
De R$ 2.501 a R$ 3.000 28
De R$ 3.001 a R$ 3.500 22
De R$ 4.001 a R$ 4.500 18
Acima de R$ 4.501 17
Não trabalha 2

Dados primários (2016).

Renda familiar.Renda familiar.Dados primários (2016).

 Quanto a renda das famílias constatou-se que 40% delas ganham de 1.501,00 à 2.250,00, 17% de 2.251,00 à 3.000,00, 13% de 3.001,00 à 3.750,00, 11% de 3.751,00 à 4.500,00, 10% ganham acima de 4.501,00 e 9% não quiseram declarar renda.

Analise das profissões predominantes.

PROFISSÃO 
Aposentado 16
Do lar 19
Professor 9
Operador de maquinas 8
Produção 9
Outros 93

Dados primários (2016).

Profissões predominantes.Profissões predominantes.Dados primários (2016).

 Quanto as profissões predominantes, percebe-se que 12,34%, da população trabalham como do lar, seguido por 10,39% de aposentados, pessoas que trabalham como operador de maquinas 5,19%, produção e professores correspondem a 5,84% cada e por fim temos um montante de 60,39% de pessoas que trabalham em outros ramos de atividades.

Responsáveis pela maioria das compras na casa.

RESPONSÁVEL PELAS COMPRAS 
Conjunto 26
Homem 26
Mulher 75
Pai 4
Pessoa que respondeu 14
Mãe 4
Filho 5

Dados primários (2016).

Profissões predominantes.Profissões predominantes.Dados primários (2016).

 A decisão em relação as compras de roupas são tomadas 16,88% em conjunto, 19,48% o homem, 51,30% a mulher, 9,09% a pessoa que respondeu e 3,25% são decididas pelos filhos.

Amostragem por bairro.

BAIRRO ONDE MORRA 
Cohab 21
Floresta 62
Novo bairro 22
Madalozo 28
Civemara 21

Dados primários (2016).

Amostragem por bairro.Amostragem por bairro.Dados primários (2016).

Percebe-se neste gráfico que dos cinco bairros entrevistados o maior número de pessoas vive no Bairro Floresta com 55,19%, seguido por Cohab com 18,83%, Civemara com 11,04%, Novo Bairro com 8,44% e Madalozo com 6,49%.

amostagem da quantidade da renda destinada para compra de roupas.

QUANTO DA RENDA DESTINA PARA COMPRA DE ROUPAS 
Até 100,00 52
101,00 a 200,00 39
201,00 a 300,00 43
301,00 a 400,00 14
Acima de 401,00 6

Dados primários (2016).

Quantidade da renda destinada para compra de roupas.Quantidade da renda destinada para compra de roupas.Dados primários (2016).

O valor destinado a compra de roupas ficou com percentual de 34% até 100,00, 25% de 101,00 até 200,00, 28% de 201,00 até 300,00, 9% de 301,00 até 400,00 e acima de 401,00 com percentual de 4%.

Analise das formas de pagamento mais utilizadas.

FORMA DE PAGAMENTO QUE COSTUMA UTILIZAR 
A vista 79
A prazo 53
Cartão de crédito 16
Boleto 6

Dados primários (2016).

Formas de pagamento mais utilizadas.Formas de pagamento mais utilizadas.Dados primários (2016).

 A forma de pagamento com maior percentual foi a vista com 51,30%, a prazo com 34,42%, cartão de crédito com 10,39% e por meio de boleto com 3,90%.

Analise da frequência de visita a lojas de roupas com intenção de comprar.

FREQUENTA LOJAS DE ROUPAS COM QUAL FREQUÊNCIA 
A cada mês 51
A cada 2 meses 33
A cada 3 meses 37
A cada 6 meses 18
Uma vez por ano 15

Dados primários (2016).

Frequências de visita a lojas de roupas com intenção de comprar.Frequências de visita a lojas de roupas com intenção de comprar.Dados primários (2016).

 Quanto a frequência de visitas a loja de roupas com intenção de comprar, 33% responderam que vão a cada mês, 21% a cada dois meses, 24% a cada três meses, 12% a cada seis meses e 10% uma vez por ano.

Análise das influencias de mudanças de estações e eventos sociais na compra de roupas.

INFLUENCIAS DE MUDANÇAS DE ESTAÇÕES E EVENTOS SOCIAIS 
Sempre 34
Frequentemente 47
Indiferente 24
Raramente 25
Nunca 24

Dados primários (2016).

Influencias de mudanças de estações e eventos sociais na compra de roupas.Influencias de mudanças de estações e eventos sociais na compra de roupas.Dados primários (2016).

 Quando perguntado se eventos sociais e mudanças de estações influenciavam na compra de roupas, 22,08% responderam sempre, 30,52% responderam frequentemente, 15,58% responderam indiferente, 16,23% responderam raramente e nunca com percentual de 15,58%.

Analise dos meios de comunicação mais utilizados para escolha da loja.

MEIOS DE COMUNICAÇÃO QUE AJUDAM
ESCOLHER A LOJA
 
Redes sociais      36
Por indicação de outras pessoas (boca a boca) 48
Rádio    24
Tabloide 40
Outros 6

Dados primários (2016).

Meios de comunicação mais utilizados para escolha da loja.Meios de comunicação mais utilizados para escolha da loja.Dados primários (2016).

 Os meios de comunicação que mais influenciam na escolha da loja quando a intensão é comprar, onde 31% responderam por indicação de outras pessoas, o popular boca a boca, 26% tabloide, 23% rede sociais, 16% rádio e 4% outros meios de obter informações.

Analise da importância da marca para escolha do produto.

IMPORTÂNCIA DA MARCA PARA ESCOLHA DO
PRODUTO
 
Nada importante 34
Pouco importante 35
Indiferente 48
Importante 29
Muito importante 8

Dados primários (2016).

Importância da marca para escolha do produto.Importância da marca para escolha do produto.Dados primários (2016).

 Quanto a importância da marca na decisão de compra, onde 22,08% responderam nada importante, 22,73% pouco importante, 31,17% indiferente, 18,83% consideram importe e 5,15% acham muito importante.

Analise do preço como determinante para escolha do produto.

O PREÇO É FATOR DETERMINANTE PARA
ESCOLHA DO PRODUTO
 
Nada importante 4
Pouco importante 11
Indiferente 21
Importante 62
Muito importante 56

Dados primários (2016).

Preço como determinante para escolha do produto.Preço como determinante para escolha do produto.Dados primários (2016).

 Perguntado a importância do preço na compra de roupas, onde 2,60% responderam nada importante, 7,14% pouco importante, 13,64% indiferente, 40,26% importante e 36,36% muito importante.

Analise dos vestuários comprados com mais frequência.

ARTIGOS COMPRADOS COM MAIS FREQUÊNCIA 
Blusas 79
Saias/Vestidos 21
Calça jeans 103
Short 21
Roupa íntima 43
Roupa social 11
Roupa esportiva 5
Calçados 95
Camisas 17
Camisetas 38
Infantil 29
Outro  

Dados primários (2016).

Vestuários comprados com mais frequência.Vestuários comprados com mais frequência.Dados primários (2016).

Analise das lojas de roupas onde os clientes realizam suas compras habituais.

ONDE HABITUALMENTE REALIZA COMPRAS DE
ROUPAS
 
Casas Leve 50
Loja Vama 6
La Marka 7
Visual Modas 54
E-commerce 5
Outros2

Dados primários (2016).

Lojas de roupas onde os clientes realizam suas compras habituais.Lojas de roupas onde os clientes realizam suas compras habituais.Dados primários (2016).

 Quando perguntado onde habitualmente realizavam suas compras de roupas, 32% responderam Casas Leve, 4% Loja Vama, 5% La Marka, 35% Visual Modas, 3% E-commerce e 21% responderam que compravam em outros locais diversos.

Analise dos principais motivos da realização de compras em outros locais.

QUAL O MOTIVO DE REALIZAR COMPRAS EM
OUTROS LOCAIS
 
Devido a promoções 49
Maior número de opções 32
Busca de melhores preços 59
Atendimento 5
Qualidade dos produtos 5
Marcas exclusivas 1
Outros 3

Dados primários (2016).

Principais motivos da realização de compras em outros locais.Principais motivos da realização de compras em outros locais.Dados primários (2016).

 Questionado o motivo das pessoas comprarem em outros lugares e não em lojas do seu bairro, 31,82% respondeu devido as promoções, 20,78% maior número opções, 38,31% vão em busca de melhores preços, 3,25% procuram atendimento melhor, 0,65% onde encontram marcas exclusivas e de sua preferência e 1,95% por outros motivos.

Analise da necessidade de uma loja exclusiva da linha esportiva no bairro.

LOJA DA LINHA ESPORTIVA NO BAIRRO 
Nada necessário 43
Pouco necessário 27
Indiferente 55
Necessário 25
Muito necessário 4

Dados primários (2016).

Necessidade de uma loja exclusiva da linha esportiva no bairro.Necessidade de uma loja exclusiva da linha esportiva no bairro.Dados primários (2016).

Fazer analise

Imagem da loja visual modas.

IMAGEM DA LOJA VISUAL MODAS 
Qualidade 46
Não conhece 2
Bom atendimento/preço 43
Confiança 26
Diferenciada 14
Indiferença 1
Com preços altos 11
Agradável 7
Organizada 3
Desprezível 1

Dados primários (2016).

 Na visão das pessoas dos bairros 30% das pessoas a descreveram como sendo uma loja de qualidade, outros 28% falaram do seu bom atendimento e preço, 17% apontaram como uma loja de confiança 9% disseram ser diferenciada, 7% colocaram que os preços são altos, 4% disseram ser uma loja agradável, 2% organizada e por fim com 1% colocaram que não conhecem, indiferente e desprezível.

Analise das variáveis determinantes para escolha da loja preferencial.

Fatores Nada importante Pouco importante Indiferente Importante Muito importante
Atendimento 3 1 3 42 105
Variedade de produtos 1 4 25 74 50
Preço 5 1 9 56 83
Marcas exclusivas 21 15 74 28 16
Visual da Loja 4 14 50 62 24
Localização 9 17 64 49 15
Layout 4 4 47 84 15

Dados primários (2016).

Atendimento.Atendimento.Dados primários (2016).

 Em relação aos fatores que influenciam na escolha da loja para as pessoas realizarem suas compras de roupas, observa-se conforme os dados apresentados que para 1,95% é nada importante o fator de atendimento, para 0,65% pouco importante, assim como 1,95% é indiferente a questão do atendimento, entretanto, para 27,27% é importante e 68,18% o consideraram muito importante.

Variedade de produtos.Variedade de produtos.Dados primários (2016).

 Quanto à variedade de produtos disponíveis na loja é possível observar que para apenas 0,65% é nada importante, para 2,60% é pouco importante e 16,23% são indiferentes e para 48,05% a variedade de produtos é importante, da mesma forma que para 32,47% esse fator se mostra muito importante.

Preço.Preço.Dados primários (2016).

 No que se refere ao preço sobre produtos 3,25% das pessoas responderam não ser importante, 0,65% pouco importante e 5,84% mostraram-se indiferente, e ainda 36,36% das pessoas entrevistadas consideraram importante, assim como para 53,90% o preço é muito importante no momento da compra.

Marcas exclusivas.Marcas exclusivas.Dados primários (2016).

 As marcas exclusivas não são algo importante para 13,64% das pessoas entrevistadas, para 9,74% pouco importante e 48,05% são indiferentes, mas para 18,18% dessas pessoas as marcas exclusivas são importantes e para 10,39% são muito importantes.

Visual da loja.Visual da loja.Dados primários (2016).

 O visual da loja se mostra nada importante para apenas 2,60% das pessoas entrevistadas, 9,09% consideram pouco importante, 32,47% são indiferentes e para 40,26% o visual da loja é muito importante no momento de escolher uma loja para realizar suas compras, como também para 15,58% se faz muito importante. 

Localização.Localização.Dados primários (2016).

Quanto à localização da loja, 5,84% das pessoas entrevistadas responderam não ser importante, para 11,04% pouco importante, 41,56% mostraram-se indiferentes e para 31,82% é importante o local que a loja está instalada e ainda para 9,74% dessas pessoas esse fator é algo muito importante.

Layout.Layout.Dados primários (2016).

 Dentre as pessoas entrevistas para 2,6% o layout da loja como fator de influência não é importante, para 2,60% pouco importante e 30,52% são indiferentes, entretanto, 54,55% esse fator é importante no momento de escolher a loja para realizarem suas compras, do mesmo modo que para 9,74% das pessoas que consideram muito importantes.

Analise da satisfação dos consumidores em relação a sua loja de preferencia

Fatores Muito insatisfeito Insatisfeito Regular Satisfeito Muito satisfeito
Atendimento 4 1 17 76 56
Produtos 3 2 11 96 42
Qualidade 1 2 15 85 51
Preço 1 2 42 75 34
Marcas exclusivas 2 3 46 68 35
Visual da loja 3 0 20 83 48

Dados primários (2016).

 Em relação a loja de preferência foi perguntado sobre o atendimento, produtos, qualidade, preço, marcas exclusivas e visual da loja.

Atendimento.Atendimento.Dados primários (2016).

 Quanto ao fator atendimento 36,36% estão muito satisfeitos, 49,35% estão satisfeitos, 11,04% consideram regular, 0,65% estão insatisfeitos e 2,60% muito insatisfeitos.

Produto.Produto.Dados primários (2016).

 Em relação aos produtos da loja 27,27% estão muito insatisfeitos, 62,34% satisfeitos, 7,14% consideram regular, 1,30% insatisfeitos e 1,95% muito insatisfeitos.

Qualidade.Qualidade.Dados primários (2016).

 Quanto à qualidade 33,12% estão muito satisfeitos, 55,19% satisfeitos, 9,74% consideram regular, 1,30% insatisfeito e 0,65% muito insatisfeitos.

Preço.Preço.Dados primários (2016).

 Os percentuais em relação aos preços praticados pela loja de preferência, 22,08% estão muito satisfeitos, 48,70% estão satisfeitos, 27,27% regular, 1,30% estão insatisfeitos e 0,65% estão muito insatisfeitos.

Marcas exclusivas.Marcas exclusivas.Dados primários (2016).

 Sobre as marcas exclusivas da loja de sua preferência, 22,73% estão muito satisfeitos, 44,16% estão satisfeitos, 29,87% consideram regular, 1,95% de insatisfeitos e 1,30% muito insatisfeitos.

Visual da loja.Visual da loja.Dados primários (2016).

  E sobre o visual da loja de sua preferência, 31,17% estão muito satisfeitos, 53,90% estão satisfeitos, 12,99% consideram regular, em relação a visual da loja de preferência não possui insatisfeitos, más tem 1,95% de muito insatisfeitos.

APÊNDICE A — Questionário.

                                         PESQUISA ACADÊMICA

COMPORTAMENTO DO CLIENTE NA COMPRA DE ROUPAS E 

                                  ARTIGOS ESPORTIVOS



Este questionário tem por finalidade auxiliar no conhecimento do comportamento de compra dos consumidores em Maravilha no ano de 2016. O questionário abaixo foi desenvolvido pelos acadêmicos do décimo período do curso de Administração da UNOESC de Maravilha – SC. A identificação pessoal não se faz necessária, sendo que os dados serão utilizados somente para a pesquisa. Desde já agradecemos sua colaboração.

1. Estado civil

( ) Casado 

( ) Solteiro 

( ) Separado 

( ) Outros:__________________

2. Gênero

( ) Masculino 

( ) Feminino

3. Escolaridade

( ) 1º grau 

( ) 2º grau 

( ) Superior incompleto

( )Superior 

( ) Pós-graduado 

( ) Outros

4. Tamanho da família (nº de pessoas)

( ) Um 

( ) Dois

( ) Três 

( ) Quatro 

( ) Cinco ou mais

5. Idade

( ) Até 16

( ) 17 a 25

( ) 26 a 34 

( ) 35 a 43 

( ) + de 44

6. Renda familiar

( ) De R$ 1.501 a R$ 2.500         ( ) De R$ 4.001 a R$ 4.500

( ) De R$ 2.501 a R$ 3.000         ( ) Acima de R$ 4.501

( ) De R$ 3.001 a R$ 3.500         ( ) Não trabalha

7.Profissão_____________________________________________________

8. Bairro onde mora______________________________________________

9. Quem é responsável pela maioria das compras na casa?

______________________________________________________________

10. Em média quanto da renda familiar é destinado mensalmente para compra de roupas?

( ) Até 100,00

( ) 101,00 a 200,00

( ) 201,00 a 300,00

( ) 301,00 a 400,00

( ) acima de 401,00

11. Qual a forma de pagamento que você costuma utilizar?

( ) A vista;

( ) A prazo;

( ) Cartão de crédito;

( ) Boleto;

( ) Outros:______________________________________________________

12. O senhor (a) frequenta lojas de roupas com qual frequência?

( ) A cada mês

( ) A cada 2 meses

( ) A cada 3 meses

( ) A cada 6 meses

( ) Uma vez por ano

13. Mudança de estação e eventos sociais influenciam na compra de roupas?

( ) Sempre

( ) Frequentemente

( ) Indiferente

( ) Raramente

( ) Nunca

14. Quais os meios de comunicação que ajudam o(a) Sr(a) escolher a loja?

( ) Redes sociais

( ) Por indicação de outras pessoas (boca a boca)

( ) Rádio

( ) Tabloide

( ) Outros. Quais?________________________________________________

15. Quais dos artigos abaixo você costuma comprar com mais frequência?

Marque até 3 opções.

( ) Blusas

( ) Saias/Vestidos

( ) Calça jeans

( ) Short

( ) Roupa íntima

( ) Roupa social

( ) Roupa esportiva

( ) Calçados

( ) Camisas

( ) Camisetas

( ) Infantil

( ) Outro: ______________________________________________________

16. A marca é fator determinante para escolha do produto?

( ) Nada importante

( ) Pouco importante

( ) Indiferente

( ) Importante

( ) Muito importante

17. O preço é fator determinante para escolha do produto?

( ) Nada importante

( ) Pouco importante

( ) Indiferente

( ) Importante

( ) Muito importante

18. Pontue quanto cada fator influencia na escolha da loja para realizar suas compras de roupas. (Preencher escala):

1.Nada importante

2.Pouco importante

3.Indiferente

4.Importante

5.Muito importante

19. Onde habitualmente realiza compras de roupas?

( ) Casas Leve

( ) Loja Vama

( ) La Marka

( ) Visual Modas

( ) E-commerce

( ) Outros. Qual__________________________________________________

20. Caso não seja cliente de lojas de bairro, qual o motivo de realizar compras em outros locais.

( ) Devido a promoções

( ) Maior números opções

( ) Busca de melhores preços

( ) Atendimento

( ) Qualidade dos produtos

( ) Marcas exclusivas

( ) Outros_______________________________________________________

21. Em relação a loja de sua preferência. Qual seu nível de satisfação? (Preencher escala):

1 – Muito insatisfeito

2 – Insatisfeito

3 – Regular

4 – Satisfeito

5 – Muito Satisfeito

22. Você percebe a necessidade de uma loja exclusiva da linha esportiva no bairro?

( ) Nada necessário

( ) Pouco necessário

( ) Indiferente

( ) Necessário

( ) Muito necessário

23. Em relação a Loja Visual Modas. Que imagem ou lembrança ela remete a você?

______________________________________________________________

ANEXO A — Subtitítulo do anexo

Anexos são elementos que dão suporte ao texto, mas que não foram elaborados pelo autor.

feito

Use agora o Mettzer em todos
os seus trabalhos acadêmicos

Economize 40% do seu tempo de produção científica