Bioquimica Metabólica: BIOQUIMICA METABÓLICA

UNIVERSIDADE PAULISTA

Bioquimica MetabólicaBIOQUIMICA METABÓLICA

LETICIA DO AMARAL PEREZ CARDOSO RA 0550752

Introdução


Iniciamos a aula prática de laboratório juntamente com a nossa professora Patricia Moriguchi .A primeira etapa da aula foi dia 21 de agosto e a outra dia 28 de agosto.

Neste relatório proposto irei dividir em duas partes : primeira será sobre dia 21 e a segunda sobre o dia 28 contendo todos procedimentos e informações realizadas em sala de aula. Primeira etapa iremos falar sobre a glicose, carboidratos, triglicerideos, proteínas,  glicosúria e urina




Desenvolvimento

AULA 21/08

Iremos falar aqui um breve resumo sobre os temas abordados nessa primeira parte.

Carboidratos, proteínas e lipídios (gorduras) são os principais substratos de energia para o nosso corpo, os quais são oriundos através da nossa alimentação. Entre os carboidratos mais presentes na dieta de seres humanos estão o amido, a sacarose, a lactose, frutose e a glicose. O amido é a forma de armazenamento de carboidrato presente nos vegetais, sendo o principal carboidrato da nossa alimentação. Cada grama de carboidrato fornece em média 4kcal.

Depois que o carboidrato é ingerido, ocorre a sua quebra em estruturas menores chamadas de monossacarídeos, a fim de facilitar a absorção pelo organismo. O principal monossacarídeo produzido é a glicose, a qual utilizada para fornecer energia para as diferentes funções do corpo. A glicose também pode ser armazenada em locais como o fígado e músculos na forma de glicogênio, o qual será responsável de fornecer a energia para o corpo em estado de jejum

Figura 1 — ciclo de excesso de carboidrato e elevação da glicemia
ciclo de excesso de carboidrato e elevação da glicemiaRamalheiro

Figura 2 — Glicose ciclica
Glicose ciclicaRocha Vargas Fogaça

PRÁTICAS 

Tabela 1 — Prática 1 investigação da glicemia
   
KIit determinação de glicemia Suficiente para 1 grupo 
Soro (normal ou patológico) Suficiente para 1 grupo 
Cubetas 2 Unidades
Papel absorvente 1 Rolo
Pipeta automática com ponteira 1 Pipeta de 20 ul e 1 Pipeta de
    100UL
Tubos de ensaio 3 Tubos por grupo
Estante 1 Por grupo
EQUIPAMENTOSQUANTIDADE
Espectrofotômetro1 por bancada 
O autor (2021)

PROCEDIMENTO - PRÁTICA 1 

1- Preparar os tubos de ensaio e adicionar reagentes no mesmo .

Tabela 2 — Preparar os tubos de ensaio e adicionar reagentes no mesmo
 BRANCOPACIENTE  PADRÃO 
 REAGENTE2000 uL1980 ul1980 ul
 SORO 20 u 
 PADRÃO  20 u
    
O autor (2021)

2-Homogeneizar

3-incubar por 10 minutos á 37 °

4-Efetuar a leitura no espectrofotômetro em 505 nm

Determinação:

ABS padrão ----------x 100 mg

ABS teste -------------x

RESULTADO:

Tubo branco - usado para zerar o espectrofotômetro

Tubo paciente-0,298

Tubo padrão-0,289

Resultado:103 mg/dl de Glicose

DIAGNÓSTICO: No caso acima este paciente encontra-se em quadro normal dentro dos níveis .

PRÁTICA -2 INVESTIGAÇÃO DE GLICOSÚRIA

Aqui iremos lembrar a função renal para glicose ,o excesso da mesma iremos encontrar na urina ,que é conhecida como glicosúria.

Quadro 1 — a função renal para glicose ,o excesso da mesma iremos encontrar na urina
MATERIAIS QUANTIDADE POR GRUPO
Tira de teste para glicosúria Suficiente para 1 grupo
Urina (normal ou patológica) Suficiente para 1 grupo
  
O autor (2021)

PROCEDIMENTO :Emergir a fita na urina e usar a leitura colorimétrica.


PROCEDIMENTO :Emergir a fita na urina e usar a leitura colorimétrica.

RESULTADOS :Resultado positivo para glicose na urina intensidade 1 (+100)

DIAGNÓSTICOS: paciente encontra-se positivo para glicose na urina.

PRÁTICA 3 -DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL NO SANGUE
Quadro 2 — DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL NO SANGUE
MATERIAIS QUANTIDADE POR GRUPO
KIit determinação de colesterol Suficiente para 1 grupo
Soro (normal ou patológico) Suficiente para 1 grupo
Cubetas 2
Papel absorvente 1
Pipeta automática com ponteira 1
Tubos de ensaio 100UL
Estante 3
EQUIPAMENTOS 1
Espectrofotômetro QUANTIDADE
  1 por bancada
O autor (2021)

1- Preparar os tubos de ensaio e adicionar reagentes no mesmo .

Tabela 3 — Preparar os tubos de ensaio e adicionar reagentes
 BrancoPacientePadrão    
SORO 20ul     
PADRÃO  20ul    
REAGENTE2000ul1980ul 1980 ul
O autor (2021)

2-Homogeneizar

3-incubar por 10 minutos á 37 °

4-Efetuar a leitura no espectrofotômetro em 500 nm

Determinação:

ABS padrão ----------x 200 mg/dl

ABS teste -------------x

RESULTADO:

Tubo branco - usado para zerar o espectrofotômetro

Tubo paciente-0,051 mg/dl

Tubo padrão-0,230 mg/dl

Resultado-44mg/dl

DIAGNÓSTICO: Resultado abaixo do esperado, um possível erro na pipetagem da amostra ou próprio ar na pipeta. Resultado positivo para glicose na urina intensidade 1 (+100).

PRÁTICA 4- DETERMINAÇÃO DO TRIGLICERIDEOS TOTAIS NO SANGUE

O exame da albumina é feito com o objetivo de verificar o estado nutricional geral do paciente e identificar possíveis problemas renais ou hepáticos, isso porque a albumina é uma proteína produzida no fígado e é necessário para diversos processos no organismo, como transporte de hormônios e nutrientes e para regular o pH e manter o equilíbrio osmótico do organismo, o que acontece por meio da regulação da quantidade de água no sangue.

Tabela 4 — PROTEÍNAS TOTAIS E ALBUMINA
MATERIAIS QUANTIDADE POR GRUPO
KIit determinação de proteínas Suficiente para 1 grupo
Soro (normal ou patológico) Suficiente para 1 grupo
Cubetas2 Unidades
Papel absorvente1 Rolo
Pipeta automática com ponteira1 Pipeta de 20 ul e 1 Pipeta de
Tubos de ensaio 100UL
Estante3 Tubos por grupo

1 Por grupo
EQUIPAMENTOS QUANTIDADE
Espectrofotômetro 1 por bancada
O autor (2021)

1- Preparar os tubos de ensaio e adicionar reagentes no mesmo .

Quadro 3 — Preparar os tubos de ensaio e adicionar reagentes no mesmo
 BRANCOPACIENTE PADRÃO 
SORO 4Oul 
PADRÃO  40ul
BIURETO   
 2000ul1960ul1960ul
O autor (2021)

2-Homogeneizar

3-incubar por 10 minutos á 37 °

4-Efetuar a leitura no espectrofotômetro em 545 nm

Determinação:ABS padrão ----------x 4 mg/dl

ABS teste -------------x

RESULTADO:Tubo branco - usado para zerar o espectrofotômetro

Tubo paciente-0,358 mg/dl

Tubo padrão-0,167 mg/dL

Resultado-85,00mg/dl

DIAGNÓSTICO:

Paciente com nível elevado de proteína, pode ter ocorrido nesse caso uma possível desidratação.

PROCEDIMENTO ALBUMINA

1- Preparar os tubos de ensaio e adicionar reagentes no mesmo .

Quadro 4 — Preparar os tubos de ensaio e adicionar reagentes no mesmo
 BRANCOPACIENTE PADRÃO 
 SORO 20ul 
 PADRÃO  20ul
 REAGENTE2000ul1980ul1980ul
    
O autor (2021)

2-Homogeneizar

3-descansar por 2 minutos em temperatura ambiente

4-Efetuar a leitura no espectrofotômetro em 630 nm

Determinação: ABS padrão ----------x 3,8 mg/dL

 ABS teste -------------x

RESULTADO: Tubo branco - usado para zerar o espectrofotômetro 

Tubo paciente-0,698 mg/dl

Tubo padrão-0,368 mg/dl

Resultado-7.2 mg/dl

DIAGNÓSTICO: Paciente com nível elevado de albumina, possível causa hepática aguda ou desidratação.

AULA- 28/0/2021

Aqui nessa segunda fase iremos falar dos temas abordados que são eles: bases nitrogenadas, DNA, RNA, bilirrubinas, nucleotídeos, purina, pirimidina

grupo heme, ácido úrico, ferro e cálcio DNA e RNA são ácidos nucleicos compostos por funções e características específicas. Essas macromoléculas formam-se por fosfato, pentose e base nitrogenada. O DNA é responsável pelo armazenamento das informações genéticas dos seres vivos, enquanto o RNA sintetiza proteínas. Além da função, o RNA e o DNA se diferem também em relação à estrutura. Ou seja, enquanto o DNA forma-se por duas cadeias helicoidais, oRNA apresenta apenas uma cadeia. Por outro lado, o RNA é um ácido nucleico que apresenta maior versatilidade que o DNA. Por ser mais versátil, o RNA possui diversas tarefas em um organismo.

Ambos os ácidos nucleicos podem, ainda, se diferenciar quanto ao tipo de açúcar, as bases nitrogenadas, a forma e a localização no organismo. São macromoléculas presentes em quase todas as células que compõem o corpo humano, sendo responsáveis por armazenar informações genéticas e produzir proteínas.Os nucleotídeos são moléculas presentes nas células formadas por bases nitrogenadas, fosfato e pentose. A maior parte deles são encontrados unidos, formando os ácidos nucleicos. Uma pequena fração de nucleotídeos ocorre de forma livre. Eles participam de muitas reações do metabolismo celular, das quais destacam-se:

Um nucleotídeo é formado por três moléculas, as quais variam entre o Base nitrogenada: Bases purinas adenina (A) e guanina (G) e as bases pirimidinas citosina (C), uracila (U) e timina (T).Grupo fosfato (HPO4): Grupo químico derivado do ácido fosfórico. A única porção que não varia no nucleotídeo. Pentose: Um açúcar de 5 carbonos. No DNA temos a desoxirribose e no RNA temos a ribose DNA e o RNA:

Figura 3 — Estrutura do nucleotídeo
Estrutura do nucleotídeoO autor (2021)

.O ácido úrico é um composto nitrogenado formado por dois anéis de nitrogênio (N) e carbono (C) ligados a átomos de hidrogênio (H) e oxigênio (O), com fórmula geral C5H4N4O3. Nos organismos, ele é um produto metabólico eliminado pela urina, sendo a principal excreta nitrogenada de insetos, aves e répteis. Apesar da excreta nitrogenada principal dos mamíferos ser a ureia, o ácido úrico também é um componente da urina de seres humanos.

Ele é resultado da degradação de purinas (adenina e guanina), que são ácidos nucleicos presentes em alimentos proteicos como carne vermelha, peixes e frutos do mar, além de certos grãos como ervilha, lentilha e feijão. Parte do ácido úrico resultante dessa degradação permanece no sangue e o

restante deve ser eliminado na urina. Atualmente os níveis de ácido úrico considerados normais no sangue não podem passar de 7,0 mg/dL para homens, e de 6,0 mg/dL para mulheres. Apesar disso, esses níveis podem subir, gerando a condição conhecida como hiperuricemia. Esse aumento de ácido úrico pode ocorrer pelo aumento de sua produção, pela sua baixa eliminação na urina, ou por interferência do uso de certos medicamentos.

PRÁTICAS -1 DOSAGEM DE ÁCIDO URICO

A concentração de ácido úrico no sangue , apresenta a enzima uricase que após algumas reações gera um complexo de cor vermelha, que pode ser quantificado usando espectrofotômetro proporcional á concentração de glicose na amostra.

Quadro 5 — DOSAGEM DE ÁCIDO URICO
MATERIAIS QUANTIDADE POR GRUPO
KIit determinação de ácido úrico Suficiente para 1 grupo
Soro (normal ou patológico) Suficiente para 1 grupo
Cubetas 2
Papel absorvente 1
Pipeta automática com ponteira 1
    Tubos de ensaio 100UL
Estante 3

1
EQUIPAMENTOS QUANTIDADE
Espectrofotômetro 1 por bancada
O autor (2021)

PROCEDIMENTO:

1- Preparar os tubos de ensaio e adicionar reagentes no mesmo 

  2-Homogeneizar

3-incubar por 05 minutos á 37 ° (após é estável por 30 minutos

4-Efetuar a leitura no espectrofotômetro em 545 nm



Determinação:

ABS padrão ----------x 6 mg/dl

ABS teste -------------x

RESULTADO:

Tubo reagente de trabalho - usado para zerar o espectrofotômetro

Tubo paciente-0,32 mg/dl

Tubo padrão-0,19 mg/dl

Resultado-3,56mg/dl

DIAGNÓSTICO:

Paciente está dentro da normalidade.

PRÁTICA 2-DOSAGEM DE ÁCIDO ÚRICO NA URINA

Com o acumulo da urina na bexiga, se a pessoa ingeriu muito ou pouco liquido, não reflete o ácido úrico sanguíneo no momento do teste.

Quadro 6 — Preparar os tubos de ensaio e adicionar reagentes no mesmo
 BRANCO PACIENTE PADRÃO 
SORO 40ul 
PADRÃO  40ul
REAGENTE   
DE TRABALHO2000ul1960ul1960ul
O autor (2021)

PROCEDIMENTO:

Emergir a fita na urina e usar a leitura colorimétrica.


RESULTADOS :

Área de compensação NEGATIVO

Urobilinogênio – 0,1 NORMAL

Glicose - NORMAL

Corpos cetônicos – NORMAL

Bilirrubina – NORMAL

Proteína - +++ 300 (aprox 300)

Nitrito – NORMAL

pH – 6

Hemoglobina - NORMAL

Densidade – 1.020

Leucócito – NORMAL

PROCEDIMENTO:

1- Preparar os tubos de ensaio e adicionar reagentes no mesmo .

Quadro 7 — DOSAGEM DE ÁCIDO ÚRICO NA URINA
MATERIAIS QUANTIDADE POR GRUPO
KIit determinação de ácido úrico Suficiente para 1 grupo
Urina Suficiente para 1 grupo
Cubetas 2
Papel absorvente 1
Pipeta automática com ponteira 1
  Tubos de ensaio 100UL
Estante 3

1
EQUIPAMENTOS QUANTIDADE
Espectrofotômetro 1 por bancada
O autor (2021)

2-Homogeneizar

3-incubar por 05 minutos á 37 ° por 05 minutos

4-Efetuar a leitura no espectrofotômetro em 505 nm

Determinação:

ABS padrão ----------x 6 mg/dl

ABS teste -------------x

RESULTADO:

Tubo reagente de trabalho - usado para zerar o espectrofotômetro

Tubo paciente-9,9 mg/dl

Tubo padrão-69,3 mg/dl

Resultado-0,69mg/dl

DIAGNÓSTICO:

Ácido úrico no paciente está normal

PRÁTICA 3-DOSAGEM DE BILIRRUBINA NO SORO

A bilirrubina é dosada por diazotização e formação de azobilirrubina vermelha com absorção máxima em 525 nm. A bilirrubina direta é dosada em meio aquoso, enquanto a total é dosada por ação de potente solubilizado de ação catalisadora.


MATERIAIS QUANTIDADE POR GRUPO

Kit determinação de bilirrubinas Suficiente para 1 grupo

Soro (normal ou patológico) Suficiente para 1 grupo

Cubetas 2 Unidades

Papel absorvente 1 Rolo

Pipeta automática com ponteira 1 Pipeta de 20 ul e 1 Pipeta de

(verificar na bula quais serão 100UL

usadas)

Tubos de ensaio 3 Tubos por grupo

Estante 1 Por grupo



 EQUIPAMENTOS QUANTIDADE

 Espectrofotômetro 1 por bancada


PROCEDIMENTO:

1- Preparar 4 tubos de ensaio e adicionar reagentes no mesmo .

 2-Homogeneizar

 BRANCO -----DIRETA-----TOTAL-----PADRÃO

H20 2000ul ....... 2000ul

ACELERADOR 200ul 2000ul

AC.SULFANÍLICO 200ul

DIAZO REAGENTE 200ul 200ul 200ul

SORO 100ul 100ul

PADRÃO 100ul 100ul

3-incubar por 05 minutos á 37 ° (cor estável por 30 minutos )

4-Efetuar a leitura no espectrofotômetro em 525 nm

5-Determinar a bilirubina

Determinação:

ABS padrão ----------x 10 mg/dl

ABS teste -------------x

RESULTADO:

Tubo branco - usado para zerar o espectrofotômetro

Tubo direta-0,017

Tubo total-0,130

Tubo padrão-0,226

Tubo branco – utilizado para zerar o espectrofotômetro

Tubo direta – 0.139 mg/dL

Tubo total – 0.88 mg/dL

Tubo padrão – 0.234 mg/dL

 CÁLCULO TUBO DIRETA:

0.234 --------- 10 efetuar regra de 3, onde valor de x foi = 6 mg/dL

 0.139 --------- X

 CÁLCULO TUBO TOTAL:

0.234 --------- 10 efetuar regra de 3, onde valor de x foi = 37.6 mg/dL

 0.88 --------- X

BT=BI+BDBI=BT-BD

BT = 31.7 + 5.9 = 37.6 BI = 37.6 – 5.9 = 31.7

DIAGNÓSTICO:

O paciente encontra-se com anemia hemolítica severa.

 PRÁTICA - 4 - FERRO

Após a adição de ferrozine forma-se um complexo magenta brilhante cuja absorbância, medida entre 540 e 580nm é proporcional a quantidade de ferro na amostra.

MATERIAIS QUANTIDADE POR GRUPO

Kit de determinação de ferro Suficiente para 1 grupo sérico

Soro (normal ou patológico) Suficiente para 1 grupo

Cubetas 2 unidades

Papel absorvente 1 rolo

Pipetas automáticas Suficiente para 1 grupo

(verificar na bula quais serão

utilizadas)

Tubos de ensaio 3 tubos por grupo

Estante 1 por grupo

PROCEDIMENTO:

1- Preparar 3 tubos de ensaio

2- Adicionar os reagentes aos tubos:

 BRANCO PACIENTE PADRÃO

TAMPÃO 2000ul 2000ul 2000ul

SORO 500ul

PADRÃO 500ul

ÁGUA 500ul

3-Homogeneizar

4-Efetuar a leitura no espectrofotômetro em 560 nm

RESULTADO:

Tubo branco - usado para zerar o espectrofotômetro

Tubo paciente-0,095 mg/dl

Tubo padrão-0,046 mg/dl

5- Adicionar ferrozine

6- Homogeneizar

7- Incubar em banho maria a 37°C por 10 minutos

8- Efetuar a 2° leitura no espectrofotômetro em 560 nm

9- Determinar o ferro sérico

CALCULO:

ABS2–ABS1

ABS padrão ---------- 500 ug/dl

ABS teste ------------- x

Paciente:0,742-0,095

Padrão:0,213-0,046: 0,167

0,167---- 500

0,647---- x

323,5---- 0,167x

X:1937,12 mg/dl

DIAGNÓSTICO:

O quadro do paciente deu alterado e pode estar associado o que nós hipostenizamos no resultado de bilirrubina.

PRÁTICA 5 - CÁLCIO

O cálcio reage com a purpura de ftaleína em meio alcalino formando um complexo e cor violeta que é medido em570 nm.

MATERIAIS

QUANTIDADE POR GRUPO

Kit de determinação de cálcio Suficiente para 1 grupo

sérico

Soro (normal ou patológico) Suficiente para 1 grupo

Cubetas 2 unidades

Papel absorvente 1 rolo

Pipetas automáticas Suficiente para 1 grupo

(verificar na bula quais serão

utilizadas)

Tubos de ensaio 3 tubos por grupo

Estante 1 por grupo

 EQUIPAMENTOS QUANTIDADE

 Espectrofotômetro 1 por bancada

 PROCEDIMENTO:

 1- Preparar 3 tubos de ensaio

 2- Adicionar aos tubos

                        BRANCO           PACIENTE      PADRÃO

Padrão---------------------------------------------------------- 40ul

Reagente ---------- 2000ul---------- 2000ul------------ 2000ul

Soro ---------------------------------------- 40ul---------------------

3- Homogeneizar

4- Efetuar a leitura no espectrofotômetro em 570 nm

5- Determinar o cálcio

ABS padrão ------------ 10mg/dL

ABS teste ------------ x

RESULTADO:

Tubo branco – utilizado para zerar o espectrofotômetro

Tubo paciente – 1.60 mg/dL

Tubo padrão – 1.63 mg/dL

Resultado:9,81mg/dl

DIAGNÓSTICOS:

De acordo com a referência o valor está dentro da normalidade







































































































Referências

DMITRUKHilda Beatriz (Org.)Cadernos metodológicosdiretrizes da metodologia científica. 5 ed. Chapecó: Argos, 2001123 p.

RamalheiroRaphaelaO ciclo viciante do excesso de carboidratosDra Raphaela Ramalheiro. Disponível em: https://www.draraphaela.com.br/2017/07/o-ciclo-viciante-do-excesso-de-carboidratos/. Acesso em: 5 set. 2021.

Rocha Vargas FogaçaJennifer "Glicose";Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/quimica/glicose.htm. Acesso em: 5 set. 2021.

Use agora o Mettzer em todos
os seus trabalhos acadêmicos

Economize 40% do seu tempo de produção científica